Tutoriais e Crônicas


25/11/17 - Crônica sobre os preconceitos dos "anti-preconceitos".

08/11/17 - Top 10 dos mais "sem noção" do início de novembro!

26/10/17 - Pontos em comum entre os meus homens favoritos...

10/09/17 - Das aberrações que se veem no prostíbulo virtual mais barato da internet: o Twitter.

25/08/17 - Os 9 piores contatos do final de agosto!

18/08/17 - Sinterizando: feminismo radical, prostituição e Camille Paglia.

11/08/17 - Top 5 dos contatos ridículos nos primeiros 13 dias de agosto! (Editado no "domingo dos pais")

03/08/17 - Sexo anal, prazer e o mito da endocardite bacteriana.

17/07/17 - O estupro oral mediante pagamento dos egoístas.

13/07/17 - Top 4 dos contatos mais idiotas dos primeiros 12 dias de julho!

12/07/17 - Sobre a excessiva, "vulgar" e desnecessária exposição virtual das "acompanhantes" nas redes sociais.

19/06/17 - A incrível burrice de alguns homens (prints), Catraca Livre e meu aniver de 1 ano, 2 meses e 8 dias como cortesã!

04/06/17 - Pessoas para não ser, atitudes para não imitar.

30/05/17 - "CONTRA A MARÉ- minha vida em crônicas e crônicas da vida"- Meu primeiro livro publicado e à venda!

27/05/17 - Sobre as mais ridículas abordagens do lindo mês de maio/2017!

25/05/17 - Eu não sou sua esposa apaixonada para fingir orgasmo!

24/05/17 - Pança grande+egoísmo sexual+pau pequeno? Dispenso sem dó!

07/05/17 - Sobre (des) respeito e falta de empoderamento de classe: sobre as "putas"!

13/04/17 - Factorings e Igrejas. (Crônica de 2006 para o feriadão!).

10/04/17 - Sobre “13 Reasons Why”.

03/04/17 - Macho: não coloque rivalidade onde inexiste competição!

31/03/17 - Crônica do findi: "Os moralistas".

30/03/17 - Os 17 Contatos mais tragicômicos do último mês!

20/03/17 - Sou fera, sou mulher e sou só de quem eu quiser!

10/03/17 - Esquecer-se do que não merece ser lembrado é o melhor remédio!

09/03/17 - Livre, sincera, feliz e doce- mas só goza de meus atributos bons quem EU quero!

08/03/17 - Muito além do dia 08/03!

07/03/17 - Saia da fossa afetiva e ame-se!

02/03/17 - Virei notícia MUNDIAL!

20/02/17 - Como fazer um homem de parco Q.E., acomodado e sem muita empatia se apaixonar por você antes de voltar com a "ex" (que ele trai) e para sua relação "meio bosta" e infeliz.

16/02/17 - “Você acha que eu devo me separar?”

04/02/17 - Quase 10 meses de solitude, prazer, renúncias e aprendizado como cortesã de luxo.

01/02/17 - Tutorial com passo a passo de como ler anúncio e não perguntar "como é o atendimento" por telefone ou whatsapp.

31/01/17 - Micro tutorial para os homens recuperarem o senso do ridículo.

30/01/17 - Micro tutorial de como correr atrás de homem.

10/01/17 - Pequena grande crônica sobre o esforço vil para manter relacionamentos falidos e a importância do sexo no casamento.

03/01/17 - Da misoginia ao massacre em Campinas.

02/01/17 - O primeiro cliente do ano, a objetividade e o whatsapp: UM EXEMPLO!

30/12/16 - Sobre 2016: o ano da minha revolução! (com fotos).

29/12/16 - Sobre Luiz Carlos Ruas, Jesus, religião e amor ao próximo: para reflexão.

29/12/16 - Como é o seu atendimento?" e outras perguntas sem graça.

26/12/16 - Pensador.com - Cláudia de Marchi.

24/12/16 - Reflexão natalina essencial à todos os preconceituosos, misóginos e a todo ser humano leitor deste site.

11/12/16 - Sobre ser "dura" com os imbecis e doce com os que se tornam meus clientes fiéis.

08/12/16 - Como me abordar e tomar um fora/ Como mostrar-se um misógino preconceituoso que não diferencia cortesã de luxo de garota de programa/ Como me afugentar por falta da conjugação correta do verbo com o sujeito/ Como ser um perfeito otário narcisista que pensa com o pênis: uma pequena grande crônica com prints.

03/12/16 - A descrição do encontro com Cláudia.

29/11/16 - Uma mensagem.

22/11/16 - Pequeno tutorial sobre fineza no uso dos smartphones.

22/11/16 - Sexo pago.

12/11/16 - Sobre os pobres velhos, feios e grossos, que, além de desrespeitosos e machistas, não diferenciam prostitutas, garotas de programa de cortesãs de LUXO!

06/11/16 - Um ridículo "altas horas" da noite me oferecendo o triplo pela hora e indo pra PQP!

31/10/16 - Tutorial sobre o que não se deve falar ao abordar uma verdadeira ACOMPANHANTE DE LUXO: com exemplos práticos de abordagem cavalheiresca.

31/10/16 - Recadinho do coração!

25/10/16 - Tutorial sobre como ler meus tutoriais e não me escrever pedindo ajuda para virar acompanhante (me fazendo morrer de vergonha alheia!).

23/10/16 - Sobre o homem "bem" homem!

23/10/16 - A mulher de 30- Honoré de Balzac.

19/10/16 - "Por que você é 'cara'"? (Primeiramente, porque você é patético?).

11/10/16 - Como ser broxante em 8 passos, digo, prints

06/10/16 - “É comercial ou residencial?”

04/10/16 - Sou acompanhante de luxo e não agenciadora!

03/10/16 - Carta aberta a uma doce desconhecida.

29/09/16 - Faço sexo por dinheiro sim: e amo! Foda-se você!

22/09/16 - Sobre eu NÃO gostar de transar com mulheres!

22/09/16 - Sobre amor, sexo e infidelidade.

22/09/16 - "Como eu faço para virar acompanhante?"

18/09/16 - Pequeno tutorial sobrecomo virar profissional do sexo.

10/09/16 - Eu poderia escrever uma crônica rancorosa (mas não vou).

06/09/16 - Piadas do início de setembro II.

02/09/16 - Piadas do inicio de setembro.

29/08/16 - Pequena crônica sobre “amores bandidos”, afinal, quem nunca?

24/08/16 - Gente tosca?! Prefiro me masturbar. Obrigada.

23/08/16 - Para as mulheres: sobre ser “gostosa".

22/08/16 - Ensimesmada e anti-hipocrisia, prazer, Cláudia de Marchi!

22/08/16 - Sobre ser feliz sozinha e livre de romances tóxicos.

17/08/16 - Tutorial de como não passar vergonha ao abordar uma acompanhante de luxo exigente.

16/08/16 - Sobre o filme "O lado bom da vida" e empatia.

29/07/16 - Sobre a minha beleza "avantajada" pelo tempo, a maturidade, a autoconfiança e o foda-se!

27/07/16 - Vida fácil? Mas, afinal, o que é “isso” jovem?

19/07/16 - Mulher gostosa é a que FODE gostoso!

19/07/16 - Precisamos falar de Gaslighting.

13/07/16 - Sobre os conselhos que dou às mulheres que me pedem!

12/07/16 - Sobre os meus primeiros 3 meses!

07/07/16 - Pequena grande crônica sobre a confusão entre perversão no sexo e perversão moral.

06/07/16 - Tutorial: do ser ASSEXUAL (primeira e objetiva linha de raciocínio) às relações comodistas (segunda linha de raciocínio).

04/07/16 - Tutorial sobre respeito às acompanhantes.

04/07/16 - Agradecimento a quem se preocupa com meu futuo e saúde.

03/07/16 - Sobre gente sem noção de moralidade e decência "aconselhando" no Whatsapp!

01/07/16 - ...Tutorial de como evitar prejuízos e se impor em face de homens sem educação e PECHINCHEIROS! (Com print).

28/06/16 - Sobre engolir a porra do homem!

27/06/16 - Crônica às mulheres: das bolsas caras às vaginas. Sobre respeito, consideração e empoderamento.

25/06/16 - Tutorial de como conquistar um homem ou uma mulher.

22/06/16 - Sobre a Simone Steffani em "Chats": Não sou eu! Não me Perturbe.

21/06/16 - MT e magistério: o fim de uma fase!

20/06/16 - CBN- Gilberto Dimenstein.

19/06/16 - Reveses da Fama: demonstrando a naturalidade e a diplomação! (Carteira da OAB, inclusa!).

19/06/16 - Recado a um "mensageiro" do "senhor", ou melhor, da "senhora". Senhora ignorância!

18/06/16 - Outra crônica importada do meu blog, Diga-me a riqueza que valorizas e eu te direi quão pobre tu és!

18/06/16 - Uma crônica vinda do meu Blog ... Sobre o ódio! (E o Facebook).

18/06/16 - Tutorial sobre sexo oral em mulheres e o “famoso” beijo grego.

15/06/16 - Pseudotutorial: de filme pornô, comentários inúteis barrados, sexo oral e pressão na cabeça da mulher- dicas para elas e para eles.

14/06/16 - (Para Casais....) Sobre Beijos, Tesão e Sexo: Adendo ao Tutorial: "Sobre sexo oral, sobre engolir a porra, sobre ser sincera com o parceiro e o que significa ser “gostosa” na cama."

13/06/16 - Para casais e acompanhantes de luxo: TUTORIAL: Sobre sexo oral, sobre engolir a porra, sobre ser sincera com o parceiro e o que significa ser “gostosa” na cama.

09/06/16 - Selfies (Fotinhos) De presente aos gostosos e gostosas de plantão e, aos demais, "Só Freud Explica"!

06/06/16 - Tutorial sobre o que significa ser acompanhante de luxo (Para as meninas) - Leitura enquanto viajo para Porto Alegre!

05/06/16 - "... Enquanto os cães ladram, a caravana passa!" Ibraim Sued

02/06/16 - Tutorial sobre sexo anal: meninas, divirtam-se dando o cu!

01/06/16 - Uma mensagem (com imagem) aos que me desprezam, apedrejam e criticam!

01/06/16 - VALORES!

31/05/16 - Sobre os comentários em postagens aqui do blog: Recadinho!

30/05/16 - Euzinha na globo.com (G1).

29/05/16 - Link de entrevista dada ao site MidiaNews.

29/05/16 - Crônica sobre a chatice do excesso de vaidade feminina...

28/05/16 - Cortesã feminista, sim senhor! (Sobre machismo, misoginia, cultura do estupro e um idiota chamado Diógenes).

26/05/16 - ...Sobre que eu sou. Sem dó, Nem piedade, mas com afetuosidade.

25/05/16 - Sobre a tradicional confusão entre a cortesã Simone/Cláudia e qualquer "puta".

23/05/16 - Promoção do dia "By Jucá": Função social do sexo, aqui tem!

22/05/16 - Sobre sexo e minha visão política na capital nacional!

20/05/16 - Entrevista ao RD NEWS.

17/05/16 - Sobre homem carente, amor próprio (gente chata no whatsapp de manhã), fotos de nu e "papinho" nas redes sociais: Não, obrigada!

16/05/16 - Como eu virei cortesã...Obrigada mamãe!

14/05/16 - Dos parcos clientes de esquerda e o feminismo!

14/05/16 - Uma pequena INDIRETA super DIRETA aos tolinhos de plantão!

12/05/16 - Horários adequados para ligações.

08/05/16 - Pequena crônica sobre PECHINCHA.

07/05/16 - Fotos e "SERMÃO"

06/05/17 - Sobre ser gostosa e ser gostoso: textinho de sexta-feira à noite!

01/05/16 - Conselhos de mãe valorosos e dicas para as meninas!

25/04/16 - Da Cláudia à Simone. Dos erros à paz. Da prostituição da alma ao aluguel da companhia.

22/04/16 - Sobre ser demasiado direta, segura e objetiva e a falsa impressão alheia...

21/04/16 - Em prints: como não me abordar.

20/04/16 - Pontos em comum entre os meus homens favoritos...

17/04/16 - O que eu tenho de torta, eu tenho de feliz!

12/04/16 - Sobre fazer sexo por $: Texto dedicado para as curiosas de plantão!

Sábado, 25 de novembro de 2017

Crônica sobre os preconceitos dos "anti-preconceitos".


Precisamos falar das mulheres e homens que se erigem contra preconceitos, desde que não sejam os seus. Desde que mudei de carreira, ou melhor, "agreguei" uma nova profissão ao meu sustento, cansei de ler críticas de feministas e do povo de esquerda à minha concepção de feminismo, liberdade e etc.. Li ofensas nos comentários do G1, do Catraca Livre, da Folha de SP e do Uol. Nunca me manifestei, porque me sentia bem demais para desperdiçar meu tempo com aquelas “pessoas”. O mal da nossa sociedade é a generalização. É julgar a Cláudia de Marchi como sendo mais uma acompanhante/prostituta e toda acompanhante/prostituta como se fosse a Cláudia de Marchi.

A superficialidade com que, até as pessoas que se consideram “cultas e inteligentes” julgaram e julgam a minha vida é imensurável! Falo da minha vida, porque foi “ela” que virou notícia e esteve dentre as mais lidas em sites entre 2016 e o início deste ano. A questão é que, assim como as feministas "não veem" feminismo em fazer sexo e lucrar com isso, eu não vejo feminismo em várias condutas de feministas (sair à noite para procurar alguém pra transar, esperar ligação no dia seguinte, deixar o cabelo assim e o corpo "assado", porque homem gosta, transar sem vontade com o marido por medo de traição ou de frustra-lo, valer-se da liberdade para aumentar o decote, ajustar larguras e encurtar saias, manter casamento sem paixão e etc.).

Todavia, eu nunca fui às pages da mulherada critica-las, simplesmente porque, se o feminismo, os direitos fundamentais e, enfim, a igualdade e liberdade existem, é para cada pessoa ser livre fazendo o que quer! Ontem eu conversava com um cliente sobre essas jovens afoitas por dinheiro que querem dicas minhas e sobre as mulheres que precisam de dinheiro e veem na prostituição a sua única solução na vida. Ora, se você está numa posição tal em que uma coisa (seja ela qual for) lhe parece ser a sua única opção, então essa coisa não é opção! Dívidas? Miséria? Não pague as primeiras e corra atrás de ajuda para não passar fome, mas nunca faça algo apenas por dinheiro. Seja o que for. Agir em desespero e pelo vil metal acaba vilipendiando a sua dignidade, o seu amor próprio e o seu valor.

Eu estou aqui porque, diante de muitas coisas que vivi, optei por isso. Mas eu não "sou isso". Assim como não "sou" a doutora Cláudia. Não "sou" a professora Cláudia. Não "sou" a ex-sócia dos fulanos, a ex-esposa de sicrano, a ex-namorada ou a ex-noiva de beltrano. Não "sou" a cronista, não "sou" a escritora. Eu sou uma alma livre e intensa e só isso me define.

A minha carreira como cortesã é atípica, não apenas pela minha idade, pela mudança abrupta de "meio profissional", mas pela forma com que me imponho, pela seletividade que tenho, pela coragem em dizer para um homem que não gostei do seu beijo e não prosseguirei com o encontro, porque não faço nada sem tesão (nunca fiz e nunca farei!), enfim, eu quebro qualquer paradigma dentro do fórum, na Academia e na sociedade patriarcal e isso, infelizmente, incomoda até as mulheres que deveriam pensar e dizer: "Ela é livre e vive como deseja", ao invés de, sem saber nada sobre mim, dizer coisas como "nem é gente quem acha que sexo por dinheiro é “empoderador". Eu sou gente e não acho que o amor romântico seja empoderador, não acho que sexo casual seja empoderador, não acho que procurar uma “metade da laranja” seja empoderador e, de mais a mais, profissionalizar algo de que gosto muito foi uma manifestação do meu empoderamento, não a causa dele.

Eu já fui muito machista, recalcada, conservadora, medíocre, careta e tola até chegar à maturidade atual, logo, se o meu empoderamento avilta ou irrita o seu "espírito" esquerdista, feminista ou conservador e sexista, você precisa rever seus conceitos, procurar um terapeuta, olhar o seu próprio umbigo, porque há algo muito errado com você! Com você, não comigo, que nada sei ou pretendo saber a seu respeito. Que não lhe critico ou ofendo, mesmo que meu cérebro exerça, ainda que rara e superficialmente, o direito que possui de lhe achar frívola, afinal, eu não sou hipócrita em negar que eventualmente eu posso julgar mal o que ou quem, à primeira (e seguidamente enganosa) vista, eu acho estúpido, mas eu não procuro discussões dentro ou fora da internet, porque o meu julgamento e pensamento, são apenas o meu julgamento e o meu pensamento, ou seja: são tão ínfimos quanto um grão de areia na "ordem" do seu dia e da sua vida que, deduzo, deve ser feliz, do contrário, você a mudaria, como eu mudei a minha e, logo mais ali adiante, mudarei novamente, porque se tem algo que eu amo neste mundo, este algo se chama "mudar"! Se eu serei julgada pelo que fiz no último ano e farei até EU resolver mudar? Deduzo que sim. Mas eu nasci mulher, não sou a Geni e nunca tive as predileções dela, mas sou mulher nesta sociedade que adora nos jogar pedras.

Eu me acostumei a ser julgada: "Filha única? Mimada!". “Filha de caminhoneiro em colégio particular? Ridícula!”. "Musculosa? Cavalona!". "Magra? Saco de ossos.". "Não gosta da própria aparência? Problemática!". "Se ama e se gosta? Convencida, arrogante!". "Se cala? Servil!". "Exige respeito? Grossa!". "Namorado mais velho? Interesseira!". "Namorado rico? Vadia". “Transou no segundo ou primeiro encontro? Puta.” “Não transou depois de meses? Tá se ‘fazendo’.” "Brava? Mal amada!". "Extrovertida? Atirada!". "Discreta? Antipática". "Abstemia? Chata!". "Alcoolizada? Bebum!". "Quer casar e ter filhos? Iludida!". "Não quer parir? Pessoa má, pois filho é uma 'bença'". "Tirou nota boa, foi orientanda do fulano? Transou com o professor!". "Bonita e trabalhando com o 'Doutor' Fulano? Tá 'dando' pra ele!". "Bonita e inteligente? Deve ser frígida, azeda e ter TPM!". "Gosta muito de sexo? Ninfomaníaca!". "Se internou num hospital psiquiátrico por estresse e cansaço com a vida? Louca!". "Perdoou o fulano? Reatou? Otária, não se valoriza!". “Se divorciou? Não sabe ceder, lutar pela relação!”. “Sai em balada? Tá caçando macho!”. “Não gosta de sair? Antissocial!” e a lista segue e nunca terá fim! Ou seja: na arte de ser julgada equivocadamente eu sou mestra, todavia se a opinião alheia me interessasse eu não seria eu! Mas, felizmente eu sou eu e estou aqui para dizer que a melhor “posição” que você pode ousar, no sexo e fora dele, é aquela que lhe dá prazer e isso é muito pessoal, assim como opinião: é sua, guarde para si e reveja sempre os seus conceitos, porque preconceito, inteligência e língua afiada nunca andaram e nunca andarão juntos. Eu tento me desfazer dos meus com autocrítica, diariamente. Tente fazer o mesmo, a humanidade e eu agradecemos.

Cláudia de Marchi



Quarta-feira, 8 de novembro de 2017

Top 10 dos mais "sem noção" do início de novembro!


Vamos falar de homens sem noção a respeito, individualidade e que, por fim, menosprezam o Q.I., o empoderamento e o proceder de uma mulher totalmente diferente das que eles conhecem, pois dona de muito auto-respeito, classe, inteligência, beleza e fineza? Vamos, e com print dos ridículos, é claro!

1- Ha-Ha-Ha! O tiozão, não contente por ser irresignado as suas limitadas condições econômicas, se acha no direito de ter esperança de que, algum dia, eu aceite encontrá-lo! Homem, senta aqui, vamos conversar: depois "desta", eu não quero te ver nem como pedicure cuidando dos meus pezinhos, menos ainda num encontro. Só pode pagar 200,00 dólares por 2 horas? Azar o seu, darling! Resigne-se, a mim, você nunca vai conhecer. Ah, à propósito: o preço é meu e é pouco pela companhia oferecida. Triste a sua vida de tentar colocar preço na companhia alheia. Mais triste ainda, é o intelecto das que aceitam o seu "limite para primeiro encontro", Sr. Macho Escroto. Vade retro!

Cláudia de Marchi - Acompanhante Brasília - DF

2- Cidadão liga pra perguntar o óbvio e ouvir que "se está no meu site obviamente faço...". A seguir chama no WhatsApp que seria para mostrar uma foto, pois não agendo no "escuro": não tinha foto e o nome que aparecia era de mulher. É preconceituoso e/ou desconfiado e/ou ou acostumado com "acompanhante" baixo nível? Dispenso.

Cláudia de Marchi - Acompanhante Brasília - DF

3- Eu gosto de ler, escrever e assistir filmes. Nada disso combina com conversinha com estranho no WhatsApp. Logo, eu não bato papo no WhatsApp! Quer meu tempo? Marque um encontro. Mas, para chegar a tal "ponto" a exigência é grande. E eu sempre excluo quem tenta "fazer amizade" comigo antes, isso aliado ao fato do meu valor não ser dos mais baratos ou negociável significa que eu converso com poucos homens! E prefiro continuar assim. Quer romance e mulher disposta a conversar? Entra no Tinder, sites de bate-papo, compre um livrinho da moda...

Cláudia de Marchi - Acompanhante Brasília - DF

4- Aquele momento em que você se arrepende amargamente por ter pegado no sono sem colocar o celular no silencioso! (Deduzo que, com a proximidade do dia das bruxas, os demônios estejam à solta, tentando me caçar!).

Cláudia de Marchi - Acompanhante Brasília - DF

5- Tenho pai, minha mãe e melhor amiga na mesma pessoa, 3 tias maternas que são "extensões" da minha mãe e são minhas amigas do peito, dois gatos lindos, muitos livros lidos e outros me "aguardando", amigos virtuais intelectualmente privilegiados e admiráveis, ou seja: eu não procuro amizades na vida! E, se fizer amizades novas, certamente não é com o tipo de macho que entra no meu site, pega o meu número e me chama no WhatsApp para interromper os "nadas" que tenho para fazer numa sexta-feira com elogios desnecessários (tenho consciência sobre meu Q.I., aparência e etc.: não preciso e não quero massagem no ego!).

Cláudia de Marchi - Acompanhante Brasília - DF

6- Sujeito.nota.10.em.cretinice.

Cláudia de Marchi - Acompanhante Brasília - DF

7- Será que essas pessoas que te mandam um "oi" em mensagem de madrugada acham que você vai pensar: "Uau, que legal esse oi desse estranho, vou responder e se possível transar com ele! Uiii, que 'oi' sexy!" Sinto informar, é uma abordagem imbecil, mais ainda sendo quase 2h da madrugada!

Cláudia de Marchi - Acompanhante Brasília - DF

8- Quando a Grama acha que pode lhe chamar para conversar mais "mimimi" "depois"... Como se eu tivesse tempo para desperdiçar no WhatsApp! Aff... Quer agendar? Fala direito e tem foto? Ótimo. Agendamos. Do contrário? Dá licença!

Cláudia de Marchi - Acompanhante Brasília - DF

9- Como disse o filósofo Jagger...

Cláudia de Marchi - Acompanhante Brasília - DF

Cláudia de Marchi



Quinta-feira, 26 de outubro de 2017

Os 17 piores tipos de "homens" que me abordaram entre setembro e outubro!


Abaixo estão os 13 piores contatos que recebi nos últimos dias. Os mais imbecis, para ser bem direta.

Tenho uma legião de "haters" me perseguindo, pois não aceitam a minha postura enquanto cortesã.

São homens da pior qualidade: são machistas, são misóginos, são burros, são toscos. Enfim, são bípedes circunstanciais.

Eu escolhi esta profissão porque gosto de sexo. Logo, se um cidadão crê que eu não posso escolher com quem ter um encontro sexual, pela educação, abordagem e aparência, apenas pelo fato de eu ser uma acompanhante de luxo, este ser precisa atualizar os seus conceitos de empoderamento feminino e, claro, de gosto por sexo e por homens. Homens de verdade, homens educados, gentis, politizados e cavalheiros.

Sei que existe uma legião de mulheres afoitas por dinheiro e com fetiche em exibicionismo solta nas redes sociais e em sites de todo o Brasil.

Eu não sou uma delas.

Mas, os que me cativam e conquistam, jamais se arrependem.

Eu disse: os que me cativam.

E isso, ah, isso não é para qualquer um!

Os outros?

Os que eu não chamo nem de "homem" ou de "gente"?

Estes tem mais é que me odiar, porque ódio de criatura machista e burra, para mim, é uma dádiva!

Boa leitura!

1- Começamos pela "triste história" do moço que, em pleno 2017, ainda acredita nos 3 "Bs": bom, bonito e barato!

Faz-me rir!

Não pode pagar, meu caro? Fica na sua, sai à francesa, falar de seu fetiche para mim se você não pode bancar a minha hora só me causa um sentimento com 5 letrinhas: R-A-N-Ç-O!

Cláudia de Marchi - Acompanhante Brasília - DF

2- Como me fazer "pegar nojo" em 2 passinhos:

Passo 1- me chame sem sequer saber se terá tempo para um encontro. Me chame para me elogiar, ou seja, jogar palavras ao vento, porque eu sei quem sou e não preciso de elogios de pessoa alguma: tenho um cérebro na cabeça e espelho em casa! Ah, também chame de "mato-grossense" uma gaúcha que morou 3 anos no MT e demonstre o quão bem (mal) informado você é, apesar de afirmar, a seguir, que leu matéria sobre mim no G1 e Uol.

Cláudia de Marchi - Acompanhante Brasília - DF

Passo 2: me chame novamente, depois de mais um mês, sem ter certeza de seus horários, depois você quer "vê se dá" para marcar um encontro. De quebra, peça para mim se eu sou "tudo" o que falam de bom e depois diga o valor da hora e afirme/pergunte sobre detalhes que estão no meu site e em cada narrativa no meu diário. Ah! Não deixe de deixar explícito que você se acha o único advogado de Cuiabá/MT que já me abordou. (Ha-Ha-Ha!)

Cláudia de Marchi - Acompanhante Brasília - DF

Agora, receba uma resposta, começando pelo fato "óbvio" de que tudo o que falam de mim é lorota de homem que transou comigo, pagou e, de "tão" descontente que estava, resolveu "inventar" sobre o quão fogosa e gostosa eu sou! Aham, podes crer! (Na verdade eu sou feia, frígida e cheia de mimimi, nem gosto de sexo, exatamente por isso eu resolvi me tornar acompanhante após 12 anos de advocacia! Eu tenho nojo de sexo, éca! Cruzes, Deusmelivre!).

Cláudia de Marchi - Acompanhante Brasília - DF

E, por fim, seja bloqueado com sucesso! Porque eu prefiro perder dinheiro a pisotear na minha dignidade suportando homem que eu defino numa única palavra: idiota!

Cláudia de Marchi - Acompanhante Brasília - DF

3- Sobre o cidadão de ego inflado que, mesmo sem diferenciar "mas" de "mais" crê que "pode conquistar a minha amizade acima de qualquer coisa": como se eu quisesse fazer amigos humanos!

Tenho pai, minha mãe e melhor amiga na mesma pessoa, 3 tias maternas que são "extensões" da minha mãe e são minhas amigas do peito, dois gatos lindos, muitos livros lidos e outros me "aguardando", amigos virtuais intelectualmente privilegiados e admiráveis, ou seja: eu não procuro amizades na vida! E, se fizer amizades novas, certamente não é com o tipo de macho que entra no meu site, pega o meu número e me chama no WhatsApp para interromper os "nadas" que tenho para fazer numa sexta-feira com elogios desnecessários.

Eu também tenho consciência sobre meu Q.I., aparência e etc.: não preciso e não quero massagem no ego!

Cláudia de Marchi - Acompanhante Brasília - DF

4- Aquele momento em que você se arrepende amargamente por ter pegado no sono sem colocar o celular no silencioso! (Deduzo que, com a proximidade do dia das bruxas, os demônios estejam à solta, tentando me caçar!).

Vai para o Twitter, cara! Lá está cheio de pseudo-acompanhante de luxo postando até vídeo de foda bem vulgar para conseguir clientes do seu nível (bem "bagaceira"!).

Cláudia de Marchi - Acompanhante Brasília - DF

5- Cidadão que já dispensei no WhatsApp liga de outro número. Depois recebe um bloqueio no WhatsApp do número que já havia me contatado anteriormente e resolve me chamar de novo do número do qual me ligou, praticamente pedindo um fora explícito: machos, enquanto vocês não entenderem que nem toda "acompanhante de luxo" só quer dinheiro, sexo rápido e se aparecer em nudes e vídeos bagaceiras na internet, vocês irão tomar resposta grossa da minha pessoa.

Sinto muito, mas a falta de bom senso, respeito a opção alheia e necessidade de um tratamento estúpido são todinhas de vocês!

Cláudia de Marchi - Acompanhante Brasília - DF

6- Sobre lugares para um "encontro perfeito", mas, convém ressaltar: homens vocês só tem o direito de desejar que eu use o meu cérebro para imaginar "qualquer coisa" com vocês se já tiverem vindo ao meu encontro algumas vezes e mostrado-se, no mínimo, "cativantes", fora isso, engulam seu lado "lúdico", porque eu dispenso!

Meu WhatsApp existe para agendar encontros, não para desenvolver a minha imaginação.

Cláudia de Marchi - Acompanhante Brasília - DF

7- Quando o cara, além de financeiramente precário, é incapaz de ler um anúncio e acessar um site, mas fica animadinho pra passar vergonha!

(R$ 300,00 não paga nem 30 ml do meu perfume!).

Cláudia de Marchi - Acompanhante Brasília - DF

8- Então você tira uma "soneca" de algumas horas, acorda para olhar a hora e se depara com uma abordagem deste tipo! Tem gente que não tem vergonha de ser ridícula! Sobre a minha frase no perfil do WhatsApp? É do Freud: "O homem é dono do que cala e escravo do que fala. Quando Pedro me fala sobre Paulo, sei mais de Pedro que de Paulo." Se você não consegue entendê-la, por favor, nunca tente marcar um encontro comigo! Agradecida.

Cláudia de Marchi - Acompanhante Brasília - DF

9- Não tenho paciência com macho que acha que eu não tenho o que fazer da vida pra ficar de mimimi com ele em WhatsApp! Tenho um site, c£€%*~! Acesse, obtenha informações, veja fotos e só me procure se quiser agendar! Ninguém me "ganha" ou consegue meu apreço para que eu agende um encontro, agindo desta forma, pelo contrário, esse dai já está com o nome e o sobrenome anotados no meu caderninho de "nunca encontrar", pois burro e sem habilidade para comunicação objetiva e uso do cérebro.

Cláudia de Marchi - Acompanhante Brasília - DF

10- Todo dia um macho burro passando vergonha, porque não sabe ler direito!

Cláudia de Marchi - Acompanhante Brasília - DF

11- Achei que o camarada queria debater sobre Política, Socialismo e a crise do sistema capitalista!

Cláudia de Marchi - Acompanhante Brasília - DF

12- Quando setembro chegou, para comemorar o fim de agosto, o capeta abriu as portas do inferno e deu meu número de celular para os macho!

Cláudia de Marchi - Acompanhante Brasília - DF

13- A falta de bom senso de certos indivíduos me leva a crer que uma folha de alface é mais inteligente e "saudável" do que eles.

Cláudia de Marchi - Acompanhante Brasília - DF

14- Ah, tá! Meu número "dá net", foi lá que o "gênio" com plena inabilidade para comunicação objetiva e direta "conseguir" ele.

Cláudia de Marchi - Acompanhante Brasília - DF

15- Homem sem graça, chato, querendo puxar papo desde ontem de noite, levou um discreto "acesse meu site e me procure outra hora" e hoje ressurge como um asno nojento! Um homem para não se imitar.

Cláudia de Marchi - Acompanhante Brasília - DF

16- A tradicional "cantadinha" internacional. Eu, "a melhor"? Sim, claro! Eu sei muito bem disso!

Mandar fotos? Jamais! Já tenho um site para isso. O resto? Só me contratando.

Cláudia de Marchi - Acompanhante Brasília - DF

17- E sobre a ausência de conteúdo explícito e/ou sexual/bagaceira nas minhas redes sociais (Twitter/Instagram/Facebook)? Eu sou acompanhante de luxo. Mas, antes de tudo eu sou uma mulher culta, inteligente e elegante. Sou muito devassa sim, mas com homens de fino trato, após beijos deliciosos!

Não preciso expor o meu lado "puta" para o mundo quando eu sou muito mais do que um corpo!

Sou uma alma livre.

Sou escritora.

Sou advogada.

Sou especialista em Direito Constitucional e uma eterna professora de Direito.

Sou divertida, sarcástica e culta.

Não sou apegada à normas sociais.

Já fui casada. Não quero filhos e para eu mudar de carreira, atualmente, será apenas para a realização de outros objetivos ou (se milagres ocorrerem na minha vida, o que não é uma expectativa e, menos ainda, um "sonho") por um homem milagrosamente especial.

Eu sou uma mulher que não tem vergonha de dizer o que gosta, mas que detesta exposição vulgar, pois não me interessam os homens que gostam disso.

Os seletos homens que me cativam não precisam usar redes sociais para ver pornografia.

Cada mulher com sua predileção, portanto, "nudes" meus? Apenas no meu site, com muita classe e, claro, entre quatro paredes com um cavalheiro que mereça me ver, tocar e sentir.

Cláudia de Marchi - Acompanhante Brasília - DF

Sim, eu sou diferente das outras. E isso só me orgulha, afinal, os homens dos quais eu gosto acessam o meu site e não me fazem pergunta idiota.

(...)

Findo explicando a razão das aspas na palavra "homens" no título:

Para mim, criatura que não sabe dialogar, que não sabe abordar uma dama educadamente, que não consegue ler um anúncio e ser objetivo no diálogo é asno. E asno não são homens.

(Com o perdão dos inocentes burrinhos).

Cláudia de Marchi



Domingo, 10 de setembro de 2017

Das aberrações que se veem no prostíbulo virtual mais barato da internet: o Twitter.


Cláudia de Marchi - Acompanhante Brasília - DF

Das aberrações que se veem no prostíbulo virtual mais barato da internet: o Twitter. Uma jovem prostituta (a exceção da aparência formosinha, não se pode denominar um ser que escreve "sigam a minha bucetinha" como "acompanhante de luxo" em lugar nenhum do mundo) com muitos seguidores em virtude do conteúdo vulgar que posta, escrevendo, dentre tantas asneiras, uma postagem desta.

Em tempos em que se luta contra a cultura do estupro, uma criatura pertencente a uma classe, seguidamente, vilipendiada, desrespeitada e menosprezada escreve isso. Com qual intenção? Auto-classificar-se como insaciável, devassa, tarada ou algo afim? Bem, a priori tais características são conditio sine qua non para o exercício desta atividade.

Em segundo lugar, em meio a homens escondidos em perfis falsos se encontram misóginos perigosos, logo, para que expor-se desta forma, criatura? Não é preciso alardear nas redes sociais ou em vestes vulgares o que se faz entre quatro paredes: basta fazer valer a pena o valor cobrado (e que seja alto, se você se valoriza minimamente!).

Está na hora das prostitutas, sejam de que nível, cidade ou classe forem, aprenderem a impor respeito, a selecionar clientela e a gerenciar os riscos do seu ofício, porque na hora em que um desses animais (prefiro usar a palavra "homem" para os educados, discretos e finos que não usam está rede para bostificar putaria) resolver judiar-lhe e machucar-lhe, podem ter certeza de que não será um boletim de ocorrência ou o Judiciário machista que irá lhes socorrer. Vocês vão amargar na solidão, a vergonha, a humilhação e o arrependimento por não terem sido, no mínimo, inteligentes e espertas no gerenciamento dos riscos aos quais se expõe.

Ah! Deixo aqui a sugestão de pesquisa para as mulheres feministas que acham que as prostitutas (sobretudo as mais "baratas") estão sendo "obrigadas" a trabalhar com o sexo: pesquisem no Twitter a exposição, as postagens, os vídeos, as fotos e o vocabulário das mesmas, para ver se, realmente, elas não estão procurando clientes a qualquer custo e sem a mínima "elitização" e seletividade na construção de seus nichos de "mercado".

Sobre este assunto, leiam está parte do livro "Os homens explicam tudo para mim", de Rebecca Solnit, "precursora" do termo mansplaining que li na semana que findou:


Cláudia de Marchi - Acompanhante Brasília - DF

Recordei-me que ano passado, alguém me disse que "se os homens maltratam até as esposas, o que se dirá do que podem fazer com as mulheres que eles pagam". Este cidadão salientava os riscos do meu trabalho e, apenas por uma hora em sua vida, foi meu cliente. Após tal afirmativa anojei-me e bloqueei-o, afinal, tal pensamento é, no mínimo, "psicopático": quando Pedro me fala sobre Paulo, sei mais de Pedro que de Paulo, e ele estava se enaltecendo que, não "era" como os outros. Eu entendi que era pior.

O corpo é meu, a mente também. Eu tenho o direito de refugar clientes, porque eu posso fazer sexo e receber dinheiro, mas jamais admitirei ser estuprada: sem atração, beijos, mimos e carícias não há sexo, há estupro! E eu não aceito homem que não me cativa intelectual e fisicamente.

Outro dia uma conhecida indagou-me sobre minha rotina e algo assemelhado, com aquele ar de superioridade estilo: "Ai, coitada!". As pessoas têm umas ideias tacanhas e retrógradas de que "prostitutas" são notívagas, mulheres que saem à caça de homens à noite e transam com qualquer um que se disponha a pagar-lhes. Ou seja: mulheres expostas e dispostas a tudo!

Eu adoro a noite na minha cama, com meus gatos, escrevendo, lendo, assistindo filmes ou num pernoite, antecipadamente pago por um belo e gentil cavalheiro, num belo e luxuoso hotel!

Nunca sai procurar clientes à noite (ou de dia) e eis aí o nome do meu ofício: "acompanhante de luxo". Homens seletivos me procuram e após passarem pelo crivo da minha seletividade, vem até mim, pagam caro e usufruem da minha excelente companhia. Não apenas no mero aspecto sexual.

Sim, eu posso ser "diferente" de todas as acompanhantes das quais você ouviu falar ou conheceu. E eu lamento muito por elas, mas aqui, comigo, a história é bem, bem diferente! (Encara quem tem culhões, inteligência, seletividade e bom gosto!). Ademais, minha história é digna, muito digna, digníssima!

Cláudia de Marchi



Sexta-feira, 25 de agosto de 2017

Os 9 piores contatos do final de agosto!


Divirtam-se com os top dos piores do fim de agosto!

1-

Cláudia de Marchi - Acompanhante Brasília - DF

E foi bloqueado, obviamente, porque nem toda "puta" gosta de palavreado falso e pseudo-romântico! (E eu não estou no anúncio do Banco do Brasil!)


2-

Cláudia de Marchi - Acompanhante Brasília - DF

Acordando cedo para ir ao toalete e vivenciando aquele "incrível", porém corriqueiro prazer que se chama "ver macho brasiliense boçal passando vergonha no WhatsApp".


3-

Cláudia de Marchi - Acompanhante Brasília - DF

Tô até pensando em começar com o lance da "dominação", mas tipo, eu só vou bater, pisar, chicotear e etc., os "finalmente" eu pulo, porque pra mim nada é mais broxante do que homem que quer ser dominado! Agora, bater em macho assim, até que seria agradável. Mas sexo? Jamé!


4-

Cláudia de Marchi - Acompanhante Brasília - DF

Quando o cidadão quer jantar, tomar vinho e deixa o sexo para depois, fraqueja um tanto, "tudo" acaba em menos de 15 minutos, ele só lhe paga a hora (R$ 650,00), mas quer "remediar" a situação virtualmente com subterfúgios que eu odeio! Vai pagar, filhinho? Se não, dane-se! Eu não sou mulher interesseira pra ficar toda feliz e de pernas abertas só porque o cara se diz milionário. É tudo "isso"? Então pague até os minutos do jantar. A mim não interessa os "teres e poderes" dos meus clientes, mas o respeito com que eles tratam a minha profissão, por mais intensa e espontânea que eu seja. (Restaurante caro e vinho bom eu mesma pago!)


5-

Cláudia de Marchi - Acompanhante Brasília - DF

"Releias E procure" outra Sr. Professor de Inglês "em" domicílio em SP. (Na certa ia propor uma permuta!) Como pode um ser humano acessar um anúncio que tem o valor da hora e o site da acompanhante para informações e prestar-se a mandar uma mensagem desta? Esse se colocar de quatro sai pastando e remoendo em inglês, of course!


6-

Cláudia de Marchi - Acompanhante Brasília - DF

Quando você é sutil e delicada (bloqueia calada), mas a pessoa pede uma "lapada"! Como se chamar via SMS, de outro número, oferecendo R$ 150,00 a mais mudasse alguma coisa pra mim! Vai vendo, Zé Mané! Eu estou neste trabalho pelo meu prazer, não pra fingir orgasmo, chamar desconhecido de "amor" e ganhar uns trocados. O money é o plus, mas sem tesão, atração e beijo gostoso eu "vazo", não quero saber nem de olhar na cara!


7-

Cláudia de Marchi - Acompanhante Brasília - DF

Este me contatou agora, no sábado dia 26/08. Achei melhor bloquear e não responder nada. Quem escreve "sidade" não vale o desperdício de "latim".


8-

Cláudia de Marchi - Acompanhante Brasília - DF

E o que dizer deste cidadão acostumado com mulher baixa que admite ser tratada como objeto por macho bagaceira que não sabe, sequer, abordar educadamente uma cortesã? "Grotesco" ainda é um elogio para um ser infame deste "naipe". Arre, o dia em que eu agendar um encontro com um cara desses eu me suicido!


9-

Cláudia de Marchi - Acompanhante Brasília - DF

Não sabe respeitar uma cortesã, baby? Não tem classe, educação e fineza? Então vem aqui que eu coloco homem grosseiro no seu devido lugar: bem longe de mim!


Cláudia de Marchi



Sexta-feira, 18 de agosto de 2017

Sinterizando: feminismo radical, prostituição e Camille Paglia.


Estamos em ‪2017 e até os abjetos grupos de ódio a raças e etc. estão "saindo do armário", mas as "putas" não saem, porque sofrem com o menosprezo até das feministas que insistem em colocá-las no papel de vítimas dos homens.

Estranho! Homem serve para ser marido, namorado, "companheiro", mas quando paga pela companhia de alguém ele é o "explorador", o "algoz" que está "pagando" pelo consentimento. Aham, tá "serto"!

O "provedor do lar" da sociedade patriarcal não "paga" pelo consentimento da esposa, né?! Mas, o cara que procura uma acompanhante, que pode, sim, recusá-lo, é negativamente julgado!

O feminismo não quer lhe impor coisa alguma. Você pode ser bela, recatada, do lar, do bar, da depravação, defensora da "moral e dos bons costumes", ratazana de igreja, ateia, graduada, analfabeta, caça-dotes, caça-pênis, solteira convicta, casada em prol do marido, pode se colocar atrás, ao lado ou até embaixo do macho se você quiser!

Feminismo é empoderamento para ser livre para ser e viver sem precisar de regras ou normas ditadas pela sociedade patriarcal hipócrita! Portanto, está passando da hora das feministas pararem de generalizar as acompanhantes de luxo, garotas de programa e prostitutas como sendo “vítimas dos homens” ou do machismo!

As únicas vítimas são as de exploração sexual, as que se colocam em mãos de cafetão explorador e, claro, as/os menores de idade (exploradas (os) sexualmente, enfim).

Chega de o feminismo erguer a bandeira de que as mulheres não são menos, porque transam com quem e quando querem e agirem com preconceito diante da minha classe: das que colocam preço na sua companhia!

Preconceito que eu sofro das feministas radicais, tapadas e tolas, porque do meu corpo e sobre o meu empoderamento quem sabe sou eu, os outros apenas imaginam. (Errado em 99% das vezes!) Feminismo excludente não serve para coisa alguma! É mais um discurso hipócrita, preconceituoso e classista.

Deixo aqui uma frase que eu ouvi no início de um interessantíssimo episódio da reprise de Criminal Minds, ainda ontem: “A prostituta não é como as feministas dizem, uma vitima dos homens, mas sim a sua conquistadora. Uma fora da lei, que controla os canais do sexo entre natureza e cultura.” Em que pese não sejamos, no Brasil, “fora da lei”, mas a autora da frase, Camille Paglia tem plena razão, claro, desde que a prostituta/garota de programa/cortesã seja inteligente e independente, ela “comanda” e ainda recebe. Ela faz o que quer e pode gerenciar riscos para deles escapar-se!

Camille é uma feminista crítica às formas de feminismo que chama de "puritano” e “stalinista". O que existe em demasia nos tempos modernos!

Enfim, por favor feministas insensatas, melhorem, porque a gente é livre até para "precificar" a nossa hora. Vocês não "veem" feminismo nisso? E eu não vejo mais feminismo em usar meu tempo com homem sem receber por isso: meu corpo, minhas regras, meu feminismo, meus ditames!

Engulam o choro e o preconceito travestido de preocupação com a sexualidade e liberdade alheias! (Obs.: Não estou falando das menores de idade exploradas!)...

Cláudia de Marchi



Sexta-feira, 11 de agosto de 2017

Top 5 dos contatos ridículos nos primeiros 13 dias de agosto! (Editado no "domingo dos pais")


Neste início de mês, deixo meus parabéns para os seguintes machos preconceituosos e sem noção de fineza e classe:

1-

Cláudia de Marchi - Acompanhante Brasília - DF

Após telefonar para o meu pai desejando-lhe felicidades neste dia “comercialmente” feito para os pais, recebo uma ligação:

- Alô! Está atendendo hoje?

- Claro, dependendo do homem que me contata. Só agendo após ver a foto do Whatsapp.

- Ah, eu não uso o Whatsapp pra agendar “programa”...

Já deduzi que: 1- é daqueles machistas bem feios, que nem viu o valor do cachê; 2- acostumado a pagar pouco e tratar a mulher como um pedaço de carne, vez que costumeiramente precisa contratar alguém para poder “saciar-se”; 3- provavelmente comprometido, além de feio, do contrário não teria “medo” de usar o aplicativo em questão.

- Então procura outra. Bye!

Aceitem homens, nem toda acompanhante vai querer lhes atender, por amor ao dinheiro. Eu atendo é pelo meu prazer e, desculpem-me, mas se eu já transei com homem feio nesta vida, foi só por amor mesmo! Hoje em dia? Jamé!

(Fim).

2-

Cláudia de Marchi - Acompanhante Brasília - DF

Estava ao telefone com meu pai quando recebi duas ligações seguidas. Como não pude atender, retornei.

- Mimimi adorei seu anúncio no Belas 61.

- Obrigada.

- Qual o valor do cachê?

- Está lá, bem grande no anúncio: R$ 650,00 a hora.

- Ah, eu não vi... Mimimi você faz “aquilo tudo”?Não darei detalhes da pergunta desnecessária do sujeito, mas eram atinentes ao oral sem camisinha.

Pensei em responder: “Não, claro que não! Aquilo está lá, porque quero ser contratada e frustrar os clientes, é um fetiche meu ludibriar pessoas!”

Mas, respondi:

- Sim.

- Só uma curiosidade, você não se preocupa com a sua...

- (Interrompi). Da minha saúde cuido eu e meus médicos.

- Você mora onde?

- SQN 211.

- Hotel?

- Não, apartamento residencial.

- Ah, e o ambiente aí é só você, é tranquilo?

Pensei em responder: “Não parceiro, aqui tem puta deitada no corredor injetando heroína e desmaiando, uma meio depressiva que está há 4 dias sem tomar banho ouvindo funk o dia todo e chorando quando toca Pablo e outra que cobra R$ 200,00 a hora e recebe 10 homens num dia. A gente até reveza os quartos, pra poupar forro de cama, só assim pra pagar os R$ 3.000,00 do aluguel!”.

Mas, respondi:

- Cara, você está contatando uma acompanhante de luxo de verdade! Meu site está no anúncio. Não sou prostituta ou garota de programa desesperada, procure “conhecer-me” (use o Google) e só ouse me contatar depois.

(...) É nessas horas eu só penso no arrependimento de Deus por ter substituído os dinossauros pela raça humana.

3-

Cláudia de Marchi - Acompanhante Brasília - DF

Sempre tem mãe-de-santo ou pai-de-santo fazendo "trabalho" a essa hora, é só procurar que acha!

4-

Cláudia de Marchi - Acompanhante Brasília - DF

Homem sem noção de finesse não cansa de passar vergonha e de revelar, de forma nada sutil, a sua misoginia latente!

5-

Cláudia de Marchi - Acompanhante Brasília - DF

Tem homem que não pode ver uma oportunidade de passar vergonha e já fica louquinho pra passar!

Cláudia de Marchi



Quinta-feira, 3 de agosto de 2017

Sexo anal, prazer e o mito da endocardite bacteriana.


Cláudia de Marchi - Acompanhante Brasília - DF

Gente, resolvi fazer este post em homenagem aos fiscais de cu que me rondam, ao povo que ainda não descobriu que vida, CPF, saúde e cu, cada um tem o seu para usar o seu tempo cuidando-lhes. Se quiserem, claro, se não quiserem o azar é inteirinho deles!

Cada pessoa neste mundo tem um vício meio pernicioso: açúcar, bebidas alcoólicas, fast food, cigarro, adrenalina, paixão, pessoas, drogas ilícitas, jogos de azar, ansiolíticos, antidepressivos, pornografia, esportes e até mesmo sexo e trabalho! Tudo o que lhe domina a mente e que você "não consegue viver sem" é um vício potencialmente negativo e até mesmo perigoso!

Sim, existem pessoas que não tem critério na escolha de parceiros e que, por problemas de ego, transam com quem lhes aparecer e, não raras vezes, sem proteção! Isso sem falas das centenas de coisas prejudiciais à saúde que as pessoas "usam"/fazem para ter prazer.

Eu sou um pouquinho hedonista, gosto de sentir prazer! E tenho muito, muito, mas muito prazer no sexo anal. Faço, porque amo, assim como tem gente que ama levantar peso e ter músculos hipertrofiados ou se afogar no chocolate, o que eu não faço.

Da minha saúde? Médicos competentes cuidam e informam e não sites de xiitas desinformados e crentes, não médicos evangélicos mal resolvidos lançando boatos na internet por recalque. Quiçá vontade de dar o cu mascarada.

Esses boatos surgiram, sobretudo por homofóbicos, por gente que quer menosprezar a forma de amar e de sentir prazer do outro. Por gente que acha que a Bíblia é Constituição ou algo afeto aos tempos modernos, mas dela só "tira", mormente para jogar pedra nos outros, o que deseja, afinal, faz sexo antes do casamento, come frutos do mar, usa mais de um tipo de tecido em suas vestes, faz a barba, se tatua e por aí a fora, pois eu prefiro não continuar, vez que tenho ojeriza da hipocrisia "cristã" (gosto de Cristo, ele era só amor e humildade, não escreveu nada e nem se sentia superior aos outros, mas não gosto da maioria dos cristãos. Eles são muito diferentes do "seu" Cristo).

Muitos são os reacionários que se deixam enganar por mentiras na internet, estão aí os apoiadores do Bolsonaro e do Trump como exemplo.

Aliás, pertinente falar do Bolsonazi neste texto sobre cu, pois, tal qual seus seguidores haters, ele acha o cu tão sagrado que defeca pela boca!

Enfim, para a instrução de quem gosta de informações de sites idôneos, colo abaixo textos que são respectivamente, da page da Ginecologista Sincera Link Página Facebook e do site/artigo: Clique aqui

Boa leitura!

Cláudia de Marchi


"Gente, sexo anal NÃO dá endocardite bacteriana e É PRAZEROSO pra muitas mulheres, quando BEM FEITO.

E o que eu quero dizer com bem feito?

- CAMISINHA - não vai dar endocardite mas pode pegar HIV, Hepatite, Sífilis, HPV, etc. Além disso podemos acabar levando bactérias e fungos do intestino pra vagina;

- Excelente lubrificação (e não tô falando de manteiga ou condicionador!), como lubrificantes à base de água ou óleo a base de A.G.E (quando camisinha sem latex);

- Sem anestésicos, incluindo drogas que alterem seu estado, como o álcool;

- Não introduzir objetos (pelo risco de perfuração) e nada de "calibre" atípico (tipo punho, pelo risco de incontinência e fissuras);

- Nada de "chuca" ou duchas no local. Se tem nojo de cocô então não tem porque fazer sexo ali;

- Não tente fazer com diarreia e nem com prisão de ventre. É ideal que tenha evacuado normalmente no dia (como diria meu pai, com a "caçamba" vazia).

E O PRINCIPAL:

- MUITO tesão e ZERO interesse em agradar o parceiro. Não que ele não importe, longe disso, é legal ver o parceiro tendo prazer e sendo feliz. Mas SEU CORPO NÃO É UM OBJETO pra servir de presente, por favor. Ninguém tem obrigação de satisfazer sexualmente uma pessoa às custas de esforço ou dor! Sofrimento não faz parte do sexo, faz parte do estupro. Se tiver com vontade ou curiosidade mas na hora achar que tá doendo, APENAS PARE, sem pena, sem remorso, sem peso na consciência, nem problema nenhum!

Ninguém que goste da gente DE VERDADE vai querer ter prazer com a sua dor.

(E, convenhamos, isso é bem mais importante de discutir do que dizer que sexo anal é pecado e dá uma doença que ela não dá!"

Cláudia de Marchi - Acompanhante Brasília - DF

"Endocardite é o nome que damos à inflamação das estruturas internas do coração, principalmente das válvulas cardíacas. Se for causada por um agente infeccioso, chamamos de endocardite infecciosa; se o agente infeccioso for uma bactéria, o nome mais correto é endocardite bacteriana.

A endocardite surge habitualmente quando uma bactéria que está circulando na corrente sanguínea se aloja em uma das válvulas cardíacas, multiplicando-se e formando o que chamamos de vegetação valvar. A vegetação das válvulas é um emaranhado de bactérias, glóbulos brancos, glóbulos vermelhos, fibrinas e restos celulares, que é capaz de destruir a própria válvula e impedir o normal funcionamento do coração.

Neste texto vamos abordar as causas, os sintomas e o tratamento da endocardite infecciosa.

GRAVIDADE DA ENDOCARDITE BACTERIANA

Se não for reconhecida e tratada a tempo, a endocardite infecciosa costuma destruir a válvula cardíaca acometida, levando o paciente a um quadro de insuficiência cardíaca aguda e grave (leia: INSUFICIÊNCIA CARDÍACA – CAUSAS E SINTOMAS). O coração não consegue funcionar adequadamente se uma das suas válvulas encontra-se destruída.

Porém, além da insuficiência cardíaca, que por si só pode levar o paciente ao óbito, a endocardite também pode causar outras graves complicações, tais como:

– AVC, embolia pulmonar ou isquemia dos membros: coágulos de sangue misturados com vegetações podem se desprender da válvula e viajar até os pulmões, cérebro ou qualquer outra região do corpo, causando trombose à distância (leia: EMBOLIA PULMONAR e ENTENDA O AVC – ACIDENTE VASCULAR CEREBRAL). Esses pedaços de vegetação que se soltam são chamados de êmbolo séptico.

– Glomerulonefrite ou infarto renal: nos rins, além do infarto renal pela embolização da vegetação, a endocardite infecciosa também pode provocar um quadro de glomerulonefrite (leia: O QUE É UMA GLOMERULONEFRITE?), que pode evoluir com insuficiência renal aguda e necessidade de hemodiálise (leia: ENTENDA A INSUFICIÊNCIA RENAL AGUDA).

Portanto, já deu para perceber a potencial gravidade da endocardite, não sendo de se estranhar que essa infecção tenha uma mortalidade próxima de 30% (quase um em cada três pacientes com infecção das válvulas cardíacas evoluem para o óbito).

As endocardites infecciosas causadas pela bactéria Staphylococcus aureus são mais graves e mais agudas, enquanto as endocardites causadas pela família das bactérias Streptococcus e Enterococos são mais subagudas (quadro mais arrastado) e têm taxa de mortalidade menor.

COMO SURGE A ENDOCARDITE?

Nosso sangue é habitualmente estéril, ou seja, não contém germes circulantes. Quando bactérias alcançam a corrente sanguínea, dizemos que o paciente tem uma bacteremia.

A bacteremia é um evento essencial para o surgimento da endocardite. Este é um dos motivos pelo qual não se deve atrasar o tratamento de infecções, sejam elas dentárias, na pele ou em qualquer outro ponto do corpo. Quanto mais tempo uma infecção existir, maior será o risco destes germes alcançarem a circulação sanguínea. Uma vez no sangue, as bactérias podem se deslocar para qualquer ponto do organismo, incluindo as válvulas cardíacas.

A bacteremia é um fator necessário para que ocorra a endocardite. Porém, nem toda bactéria que circula no sangue se aloja no coração. Outros fatores colaboram para o risco de adesão dos agentes infecciosos às válvulas cardíacas. São eles:

a) Administração de drogas intravenosas

Nos hospitais toda administração de substâncias por via intravenosa (IV) é feita seguindo rígidos padrões de higiene, exatamente para evitar que bactérias sejam lançadas diretamente na circulação sanguínea.

Esse cuidado raramente ocorre em usuários de drogas intravenosas, como cocaína e heroína. Além da pouca higiene na hora da administração, essas substâncias não são estéreis. O resultado final é a administração de quantidades elevadas de bactérias diretamente na circulação sanguínea. Quanto maior for o número de bactérias circulantes, maior é o risco de endocardite.

Normalmente, a endocardite em usuários de drogas IV é causada pela bactéria Staphylococcus aureus.

b) Doença valvar prévia

Pacientes com lesões das válvulas cardíacas, sejam adquiridas ou congênitas (de nascença), também são um grupo de alto risco.

Em geral, pacientes com lesões das válvulas cardíacas provocadas por quadro anterior de febre reumática são aqueles com maior risco (leia: FEBRE REUMÁTICA | Sintomas e tratamento). Porém, outros alterações valvulares, tais como estenose aórtica ou mitral, defeitos congênitos, como tetralogia de Fallot, coarctação de aorta ou defeitos no septo ventricular também são importantes fatores de risco.

Até o prolapso da válvula mitral, se acompanhado de insuficiência mitral, pode ser um fator de risco para endocardite (leia: PROLAPSO DA VÁLVULA MITRAL).

c) Válvulas cardíacas artificiais

Todo paciente com uma válvula cardíaca artificial está sob maior risco de desenvolver endocardite. As bactérias têm maior facilidade em aderir a produtos artificiais do que às válvulas nativas. O risco é consideravelmente maior no primeiro ano após a troca das válvulas.

d) Endocardite de Libman-Sacks

A endocardite de Libman-Sacks é uma tipo raro de endocardite, de origem não infecciosa, isto é, que não causada por nenhum germe, que surge nos pacientes com uma doença chamada lúpus eritematoso sistêmico (leia: LÚPUS ERITEMATOSO SISTÊMICO | Sintomas e tratamento).

SINTOMAS DA ENDOCARDITE BACTERIANA

O quadro clínico da endocardite bacteriana é muito variável, podendo o paciente apresentar desde sepse grave e insuficiência cardíaca aguda, até quadros mais arrastados de febre de origem obscura, como nos casos das endocardites subagudas.

Os sintomas mais comuns da endocardite são febre e calafrios. Na endocardite subaguda, outros sintomas inespecíficos são comuns, como falta de ar, cansaço, perda do apetite, dores pelo corpo, suores noturnos, etc.

Nos quadros graves de endocardite aguda, a febre e os calafrios são intensos e o paciente rapidamente evoluiu com sinais de insuficiência cardíaca, com intensa falta de ar, incapacidade de ficar deitado e edemas nas pernas.

A história clínica, que nos ajuda a identificar os fatores de risco, associado a um quadro de febre sem causa aparente, calafrios, queda do estado geral, surgimento de sopro cardíaco (leia: SOPRO NO CORAÇÃO | Causas, sintomas e tratamento) e sinais de embolização periférica, costumam sugerir o diagnóstico de endocardite.

DIAGNÓSTICO DA ENDOCARDITE BACTERIANA

O diagnóstico é geralmente confirmado através do ecocardiograma, que é um exame capaz de identificar a presença de vegetações em uma das válvulas do coração. O ecocardiograma habitual, chamado de transtorácico, pode ser usado inicialmente, mas ele não é melhor método para o diagnóstico da endocardite. Algumas vegetações menores podem passar despercebidas nesta forma. O exame mais indicado é ecocardiograma transesofágico, que é feito por via endoscópica. Esta é a modalidade de ecocardiograma que apresenta as melhores imagens das válvulas do coração.

O tipo de bactéria que está provocando a endocardite é diagnosticado através da hemocultura, que é um exame de sangue que identifica a presença de bactérias circulando na corrente sanguínea.

TRATAMENTO DA ENDOCARDITE

O tratamento da endocardite é feito obrigatoriamente com antibiótico por via venosa, que devem ser administrados por, no mínimo, quatro semanas. A escolha do antibiótico adequado depende do tipo de bactéria que está alojada nas válvulas.

Nos casos mais graves, quando há destruição da válvula cardíaca pela infecção, uma cirurgia de troca valvar é necessária, com implantação de uma válvula artificial.

PROFILAXIA DA ENDOCARDITE

Nos indivíduos sob alto risco de desenvolver endocardite, como explicado mais acima, é indicado o uso profilático de antibióticos antes de procedimentos que possam predispor a bacteremias.

Em geral, indica-se um dose única de 2 gramas de amoxicilina ou 500 mg de azitromicina 1 hora antes de procedimentos dentários ou respiratórios.

Segundo o mais recente guideline da American Heart Association, atualizado em 2007, apenas os seguintes pacientes devem fazer profilaxia:

– Portadores de válvulas artificiais.

– Pacientes com história prévia de endocardite.

– Doença valvar em transplantados cardíacos.

– Pacientes com doenças cardíacas congênitas.

Nem todos os fatores de risco são graves o suficiente para se indicar profilaxia. Prolapso de válvula mitral, mesmo com sinais de regurgitação, e lesões simples das válvulas, como estenoses e regurgitações, por exemplo, não são indicações para uso de antibiótico profilático.

Quais são os procedimentos de risco?

– Procedimentos dentários com manipulação de gengiva, mucosa oral ou região periapical dos dentes.

– Procedimentos respiratórios que envolvam incisão ou biópsia, como broncoscopia com biópsia, remoção de amígdalas ou adenoides.

Procedimentos gástricos e urinários, como endoscopia, colonoscopia, colocação de cateteres duplo J, biópsia ou cirurgia de próstata não são procedimentos de risco para endocardite.

Sexo anal é fator de risco para endocardite?

Não, sexo anal não provoca endocardite. Isso é apenas um dos muitos mitos espalhados pela Internet. Não há nenhum estudo científico que tenha comprovado qualquer relação direta entre qualquer tipo de sexo e a endocardite."

Texto em: Clique aqui!

Cláudia de Marchi



segunda-feira, 17 de julho de 2017

O estupro oral mediante pagamento dos egoístas.


Ah, o sexo!

Ah, o sexo oral bem feito! Quem não gosta? Fato é que os homens, ultimamente, vem deixando muito a desejar neste quesito, não à toa pesquisas recentes apontam que não existem mulheres genuinamente heterossexuais: ou são bi ou homossexuais.

Infelizmente eu ainda teimo em ser hetero, pois de fato eu acho que opção sexual não é "opção", é sina, enfim, confesso: tem cada macho sem habilidade para nos fazer gozar com dedos e língua que a minha vergonha alheia aumenta em níveis alarmantes!

E, vejam bem: sou cortesã apenas há 15 meses! Falo também de namorados, noivos, maridos e etc.! Mas, não posso deixar de lhes dizer, tive cada cliente "oralmente" incompetente ultimamente que eu só não interrompi a relação ou regurgitei em cima do vivente, porque são tempos de crise e meu estômago estava vazio. Ademais, eu pedi: "Vai com calma ou eu vou vomitar", claro, obviamente eu não iria ficar calada!

Não foram vários, na verdade, mas apenas dois.

Os caras mal sabiam chupar ou masturbar-me, diziam que a camisinha lhes "tirava" a sensibilidade e, nem no anal, (que eu amo de paixão), conseguiam se soltar e aproveitar, eles queriam era oral. Mas, um oral unilateral. Aparentemente nunca ouviram falar de 69 (ainda que tivessem "ouvido" pelo que percebi eles acham que clitóris é uma planta exótica da mata amazônica e vagina de acompanhante de luxo um monstro capaz de abocanhá-los e quiçá matar-lhes!). Ademais, para "ajudar" ambos eram mal dotados. Donos de reles pintinhos que faltavam muito para virarem galos de verdade!

Mas, e o machismo? E a misoginia? E a ideia grotesca, ultrapassada e broxante de que "eu tô pagando, posso tudo"? Beleza, o pagamento foi a indenização por eu ter aguentado um cidadão que, em uma hora não gozava e outro que queria arrombar o meu esôfago, mas ao menos gozou, me fez gozar e compensou os R$ 650,00 investidos.

Homens que não sabem transar, que não sabem aproveitar um corpo esbelto, perfumado, bem cuidado com os melhores produtos do mercado internacional, com baixíssima rotatividade de clientes, deveriam bater punheta ao invés de me procurar!

Eu acho péssimo sexo sem penetração, sem masturbação, sem oral recíproco, sem sacanagem, sem orgasmo ou feito com pressa! Tô nessa, porque gosto de sexo, não de chupar pinto de homem fazendo biquinho, tamanha a "finura" do membro e incompetência sexual do vivente que nem pra me acarinhar se presta! Eu gosto de sexo com tudo o que tenho direito e repeteco, de preferência!

Teve um outro dia que socou o seu quase-mini-pau na minha garganta como se estivesse comendo uma boceta larga- o que não é o caso da minha, que ele nem provou, pois só queria boca mesmo- o fetiche dele era oral, mas ele não sabia fazer.

Eu a-m-o chupar, mas não quando o macho empurra a minha cabeça como se estivesse me estuprando, não quando o macho age sem medo algum de eu regurgitar em cima dele, não quando o macho só pensa nele e no gozo que sairá de seu pênis do tamanho do pintinho de um pré-adolescente.

Por que falo de tamanho? Porque nunca senti minha glote arrombada e garganta invadida por um homem bem dotado. Nestes casos eu, vagarosa e docemente faço questão de engolir tudo, o que requer, indubitavelmente, treino e paciência! O que requer que o homem me deixe livre para chupá-lo da forma mais confortável para mim e com desejo, libido, vontade! Esses me matam gozando no oral, no vaginal e no anal! Aquele pau duro, robusto atolado no meu cu, goza horrores quanto tira a camisinha e despeja porra na minha boca.

Mas, os "mediozinhos" ou os "mini" precisam sentir poder de alguma forma e eles fazem isso: metem na garganta da gente com uma força descomunal, como se nós, por nós mesmas, não fossemos fazer isso, mas, claro, respeitando nossos limites e nosso sistema digestivo e garganta.

Eu chamo esses mal dotados broxantes de "estupradores mediante pagamento": eles machucam nossa garganta, nossos lábios (quando carnudos), pois precisamos fazer "biquinho" e fechar muito a boca para chupar paus finos que eles, os "estupradores mediante pagamento" gostam de atolar, com força e quase nos asfixiando na nossa garganta, usando-se dela (da força) para afirmar a sua masculinidade que foi ferida pelo tamanho de seus pênis.

Sabem, prezados machos, se vocês souberem chupar, acarinhar, beijar e tocar uma mulher, o tamanho do pau de vocês não se torna um problema, mas se vocês são imprestáveis para o básico, lamento, vocês serão criticados!

Por mim, pela moça da festa, quiçá pela sua ex-namorada ou esposa. Tamanho não é documento e nem defeito, desde que você tenha outras habilidades e não seja um egoísta misógino cheio de nojinhos.

Se você paga R$ 650,00 a hora e tem medo de tocar na boceta da mulher que tem um blog onde relata a sua rotina sexual, então, lamento, mas você precisa de um psiquiatra, de um sexólogo e de aulas de como saber foder e ser bom de cama, ou se mata, camarada, porque não há solução para tamanha "broxura" em forma de homem!

Se vira irmão, porque certamente você não é quadrado!

Você está pagando? Porque quer! Tem muita mulher transando de graça e disponível por aí! Fato é que TODAS as mulheres do mundo merecem respeito, da sua esposa à prostituta barata, da freira à devassa: qualquer mulher merece ser tratada com respeito, afetividade e empatia, logo, se você não consegue fazer isso então você é um doente moral e sexual. Procure ajuda psicológica.

Cláudia de Marchi



Quinta-feira, 13 de julho de 2017

Top 4 dos contatos mais idiotas dos primeiros 12 dias de julho!


Boa tarde caros leitores e leitoras!

Estou tendo uma ótima semana com minha amada tia aqui em Brasília!

Vários passeios, conversas produtivas e risadas! Quem me segue no Instagram (@claudemarchi2) também deve saber que estou exercitando bastante minhas habilidades culinárias, enfim, estou feliz!

Todavia, convenhamos que a tacanhez intelectual de alguns indivíduos continua sendo estarrecedora!

Compartilho para vocês divertirem-se com a "desgraça" alheia!

1-

Cláudia de Marchi - Acompanhante Brasília - DF

"Uaaaaaauuuu um apartamento em Águas Claras! O menino tá sozinho! Noooooossssaaaa eu vou dar pra esse cara!".

Esse cidadão acha que mora num apartamento em Copacabana, de frente para o mar ou em Miami, sei lá!

Alguém precisa avisá-lo que luzes de prédios não encantam ninguém com um pouco de bom gosto.

2-

Cláudia de Marchi - Acompanhante Brasília - DF

Acima um contato, abaixo a parte inicial do meu anúncio onde, acerca de 25 dias, solicitei a inserção do valor para evitar contatos bestiais. Enfim, está ali o cachê, antes da descrição e fotos.

Realmente, o brasileiro médio tem sérios "problemas" com a boa e velha leitura! Impossível eu agendar algo com este tipo de macho.

3-

Cláudia de Marchi - Acompanhante Brasília - DF

Cláudia de Marchi - Acompanhante Brasília - DF

"Quanto você cobra?" -650,00 a hora. "Bah 'Seri'" -Obviamente sim. "Pq" (...)

Misericórdia! Eu deveria ter dito que não tenho tesão em homens com déficit de cognição e possível retardamento mental.

4-

Cláudia de Marchi - Acompanhante Brasília - DF

Eu nem sei porque eu fui responder um cara que salvou o próprio nome como "Só Preçaõ" no WhatsApp!

(...)

Deu, tá na hora desta semana terminar, já que alguns homens continuam incapazes de ler um anúncio e acessar o site www.claudiademarchi.com.br para verem o nível intelectual e a alta seletividade da acompanhante que contatam!

Beijos de luz!

Cláudia de Marchi



Quarta-feira, 12 de julho de 2017

Sobre a excessiva, "vulgar" e desnecessária exposição virtual das "acompanhantes" nas redes sociais.


Eu tenho um site com fotos nua? Sim, eu tenho. Eventualmente posto fotos tomando sol ou de camisola (peça "íntima")? Sim, eu posto. As segundas nunca tiveram propósito profissional (aqui me referindo a profissão de acompanhante), as primeiras, logicamente, sim.

Desde que pesquisei sobre sites de acompanhantes em meados de fevereiro de 2016, ainda residindo no interior do MT, vi anúncios que julguei tenebrosos: fotos com muito trato by Photoshop ou ginecológicas. "Expositivas" ao extremo! Pois minhas primeiras fotos anunciadas não tinham nenhuma nudez, fiz algumas selfies e coloquei no blog, mas elas mostravam os seios e o contorno do corpo (o que selfies elegantes conseguem "captar"). Eis que, mesmo no começo desta aventura, nunca recebi nenhum homem que não fosse de altíssimo nível, respeitoso e de bom trato.

Para ilustrar, faço aqui um parêntese:

Exemplos das selfies referidas acima e tiradas na piscina da minha casa em Sorriso/MT:

Cláudia de Marchi - Acompanhante Brasília - DF

Cláudia de Marchi - Acompanhante Brasília - DF

Cláudia de Marchi - Acompanhante Brasília - DF

Cláudia de Marchi - Acompanhante Brasília - DF

Cláudia de Marchi - Acompanhante Brasília - DF

Exemplo das fotos do anúncio inicial tiradas pelo amigo Roni Ribeiro que, na época, não era fotógrafo profissional:

Cláudia de Marchi - Acompanhante Brasília - DF

Cláudia de Marchi - Acompanhante Brasília - DF

Cláudia de Marchi - Acompanhante Brasília - DF

Cláudia de Marchi - Acompanhante Brasília - DF

(NENHUMA DAS FOTOS ACIMA FOI TRATADA. ATÉ HOJE EU NÃO ACEITO PHOTOSHOP NAS MINHAS FOTOS PROFISSIONAIS OU NÃO.)

Atualmente, não sei se graças aos tempos de crise econômica ou a algum surto de "exibicionismo crônico" as "acompanhantes" tornarem-se, nos atos virtuais, mais escrachadas do que prostitutas que cobram R$ 50,00 (ou menos) nas sinaleiras da vida: são sites ou perfis no Twitter com vídeos ginecológicos de baixo nível e fotos também deste naipe.

E os "homens" adoram, mas, eis a questão: qual é o "tipo" de "homem" que essas mulheres atraem? (Sim, porque eles não são todos iguais!). Desde a feitura das minhas fotos eu foquei num "nicho" de homens: os elegantes, respeitosos, não misóginos e discretos. Exposição demais atrai quais? Via de regra, viciados em pornografia, punheteiros e homens sexualmente egoístas que enxergam a mulher como um objeto para usar a seu arbítrio.

Não há seleção intelectual prévia dos pretensos clientes, apenas "irrigação" de ego e de julgamentos machistas. É desnecessário expor-se ainda mais quando você já está colocando preço na sua companhia! Isso fomenta o risco de receber homens toscos que nem transar sabem! Pra que isso?

Pra que atrair pessoas perversas até em momentos inapropriados (gente que procura pornografia na internet até enquanto estão no banheiro)? Se você cobra pelo seu "acompanhamento" inclua nele seus atos, suas partes íntimas, seu corpo! Tente minorar os riscos já existentes e resguardar-se mais!

Se você for boa no que faz, não irá morrer de fome, logo, não precisa alimentar a misoginia e a perversão de tarados de internet! Elegância atrai elegância, fineza atrai fineza, discrição atrai discrição e, sobretudo, seletividade atrai seletividade!

Cláudia de Marchi - Acompanhante Brasília - DF

Cláudia de Marchi - Acompanhante Brasília - DF

Cláudia de Marchi - Acompanhante Brasília - DF

Cláudia de Marchi - Acompanhante Brasília - DF

Convém dizer que pior que isso tudo é fazer rifa na internet e, ainda, se intitular "acompanhante de luxo".

Mulherada: valorizem-se, pois ninguém fará isso por vocês! Ah! E, por favor, parem de fazer feio e passar vergonha na internet ajudando a "avultar" o número de misóginos bagaceiras no mundo.

Obrigada!

Cláudia de Marchi



Segunda-feira, 19 de junho de 2017

A incrível burrice de alguns homens (prints), Catraca Livre e meu aniver de 1 ano, 2 meses e 8 dias como cortesã!


A incrível burrice de alguns homens (prints), Catraca Livre e meu aniver de 1 ano, 2 meses e 8 dias como cortesã!

Hoje faz exatamente um ano que, após a Globo.com (G1), o Catraca Livre reproduziu uma matéria sobre mim: Link Matéria

Há um ano faziam apenas 2 meses e 8 dias que eu havia me incursionado na carreira de acompanhante de luxo! Hoje faz 1 ano, 2 meses e 8 dias...Risos...

Enfim, neste ano muita coisa aconteceu e, graças a mim e a minha melhor mãe/melhor amiga (tive a sorte de ter ambas na mesma pessoa), tudo mudou para melhor! Aliás, eu sou um exemplo ímpar de metamorfose! Estava analisando alguns fatos marcantes ocorridos há poucos meses e dias em minha vida e pensando sozinha: "Nossa! Fosse hoje eu jamais faria tal coisa, ouviria tal pessoa, daria atenção ou usaria meu tempo com outras..."!

Incrível, mas eu mudo muito e, cada dia mais me conheço e percebo o quanto eu gosto de ficar só, com meus gatos, com minha mãe e, claro, com meu trabalho que não é nada trabalhoso, todavia, quanto a este eu realmente fiquei ainda mais seletiva com o passar dos dias!

Hoje, além do intelecto, não agendo com homens cuja aparência não me agrade, assim como a forma de abordar, a educação, a objetividade e, claro, o básico: a leitura do anúncio.

Cláudia de Marchi - Acompanhante Brasília - DF

Meu site está ali na quinta linha do meu anúncio no Belas 61! É só clicar em cima para se informar, ver mais fotos e detalhes, mas asnos não são capazes disso, pois aparentemente nem curiosidade eles possuem (só gente inteligente é curiosa!). Logo, eles preferem ligar ou fazer feio no WhatsApp!

Vendo isso, juntamente com um pedido de "SÓ A CONTATEM APÓS LEREM O PERFIL ABAIXO" vocês conseguem ver porque tenho tanta ojeriza a quem me procura e pede o valor da hora e coisas afins? Tá ali, basta ler e clicar em cima! O cidadão que não faz isso já chega ao meu "julgamento" de forma péssima, vez que não foi capaz do mínimo: ler, compreender o que leu e se informar! Me recuso a ter contato com este tipo de homem.

Um cidadão incapaz de clicar em cima de um site para pegar informação (basta clicar ali no www.claudiademarchi.com.br para direcionar para a página onde constam as informações!), certamente acha que clitóris é uma espécie de planta silvestre.

Enfim, trago alguns contatos das últimas semanas para vocês verem que, o que de ruim existe na minha vida atualmente, não são os clientes que atendo ou o preconceito da sociedade (para a qual estou me lixando!), mas esses nabos semi-analfabetos que me procuram!

1-

Cláudia de Marchi - Acompanhante Brasília - DF

O cara quer "trancar" sem camisinha.

Mulheres, nunca, absolutamente nunca, "trancem" sem camisinha! É muito triste ser oprimida socialmente pelo machismo de seres que, em pleno 2017, não praticam sexo seguro!

Há uma epidemia de sífilis no Brasil (sim, isso mesmo: de sífilis!) e o que os machos bestas querem? Transar sem camisinha! Realmente, a humanidade deu errado.

Um bicho desses eu até "tranco" numa jaula e jogo a chave fora!

2-

Cláudia de Marchi - Acompanhante Brasília - DF

E o que dizer do moço que em 2017 fala "mim chamo".

E o tal "bb"?

Detesto ser chamada de qualquer coisa que não seja o meu nome ou palavras mais vulgares nos momentos adequados (do sexo). "Amor", "querida", "delícia", "amada", "bebê" são absolutamente inoportunos, sobretudo em telefonemas ou Whatsapp.

Ah, um recado: a menos que você esteja falando do Banco do Brasil, não use "bb" comigo.

3-

Cláudia de Marchi - Acompanhante Brasília - DF

O cidadão falou "amor". Puxou assunto vulgar em hora inapropriada. Escreveu "mais" ao invés de "mas". Escreveu "mi" ao invés de "me". Perguntou quanto eu cobraria por duas horas quando já estava ciente do valor que cobro por hora (indício de pobreza intelectual e financeira). Colocou a foto e era feio. Desculpa camarada, mas feiura só deveria ser permitida em seres finos, educados, elegantes, inteligentes e bem articulados, do contrário são muitos defeitos juntos, não dá pra aceitar! (Não dou, inclusive).

4-

Cláudia de Marchi - Acompanhante Brasília - DF

Este me chamou na tarde desta segunda-feira (19/06), quando eu estava no salão fazendo as unhas. Passei-lhe meu site, já que me chamou fazendo pergunta sobre minha profissão anterior (sou advogada licenciada da OAB/RS). Ele falou em ligar (sem chance atender o telefone com as unhas recém pintadas!), disse para fazê-lo só se quisesse marcar, então ele pediu o valor cachê, que está nos "valore$ e prazeres" do site!

(...)

Enfim, certamente para este cidadão clitóris é uma planta típica da floresta amazônica.

5-

Cláudia de Marchi - Acompanhante Brasília - DF

O gaúcho de DDD 54 acima, pegou meu telefone no "seti", mas não acessou o meu "seti" e pelo visto nunca leu nada a meu respeito, apesar de eu ter sido notícia no G1, Uol, Catraca Livre, Portal 21, Zero Hora, Folha de São Paulo e tabloides internacionais! Ou seja, trata-se de um perfeito desinformado "oriundo" das minhas redondezas no RS!

Se eu não gostasse muito (mas muito mesmo!) de sexo anal e oral bem sacana (gozada na cara e na boca!) eu não teria me tornado acompanhante!

Tá na hora das pessoas diferenciarem uma profissional da outra: eu estou "aqui", fazendo o que faço, porque quero e gosto! Aliás, a exceção das relações que tive com um namorado, eu não sei o que é fazer sexo sem anal, inclusive dispenso os clientes que não gostam, porque eu amo! Ah, homens com pudor de gozar na minha boca me entediam!

Eis que, após erros de português que indiciavam tratar-se de um macho chulo ("queria sabe" ao invés de "queria saber", "mais" ao invés de "mas", "você deixa goza" ao invés de "deixa gozar"), é pergunta idiota, tolerância zero! E bloqueio, claro.

6-

Cláudia de Marchi - Acompanhante Brasília - DF

Moço liga, era sábado. Queria marcar em meia hora. Digo-lhe que não, que só posso em uma hora. Ele insiste, peço para que "mostre-se" no WhatsApp. Vejo que o rapaz é bastante aprazível. Todavia, não tinha acessado o meu site cujo endereço está no anúncio. Acha caro, porque está com pressa e tem "pagado menos".

Eu não gosto de homens apressados e de nada, absolutamente nada feito com pressa (uma hora já acho pouco!)! Conformado, o cidadão provavelmente iria achar uma que cobra metade do meu valor e ainda sairá falando mal da moça: mimimi era diferente pessoalmente, mimimi usou muito Photoshop, mimimi "estelionato estético", mimimi tinha barriga, mimimi era flácida, mimimi tinha uns furos nas coxas (homens costumam chamar celulite de "furos"), mimimi parecia homem, mimimi tinha um "mini-pênis", mimimi tinha a "cara" feia (99% nem mostra o rosto no anúncio), mimimi era mecânica, mimimi era muito vulgar e fingia (ouço estás reclamações atinente a outras acompanhantes) e etc..

Homens: você encontram a proporcionalidade que buscam! Uma mulher que cobra menos de R$ 500,00 a hora precisa transar muito mais para ter um rendimento bom e se manter, consequentemente, ela lidará com o sexo de forma mecânica e pouco intensa, pois, literalmente, faz dele um trabalho repetitivo para faturar. Quer pagar pouco? Vai pegar a mulher com mais rotatividade e ter um atendimento bem mais para "razoável" do que para "excelente".

Se você não se presta a bater uma punheta já que está com tanta pressa, você vai ter algo, no mínimo, mecânico! Azar o seu, apressadinho!

Cláudia de Marchi



Domingo, 4 de junho de 2017

Pessoas para não ser, atitudes para não imitar.


Junho recém começou e não foram poucos os contatos de pessoas sem a mínima noção de fineza e educação que venho recebendo no meu Whatsapp. O fato de eu ser uma profissional "famosa" faz com que eu ganhe a atenção de pessoas que não prestam-se a ir um pouco mais a fundo sobre quem é a mulher por trás das fotos e da revolução feita na própria vida. Ou seja, nada sabem acerca da minha personalidade, dos meus princípios, da minha forma de pensar e de ser.

Fato é que eu não gosto do Whatsapp, mas minha vida me "obriga" a usá-lo: eu o tenho para contatar minhas tias, eventualmente conversar com amigos, jornalistas, editores e, claro, combinar encontros com clientes, além de conferir a aparência dos mesmos antes de agendar (não agendo com homens que acho demasiado velhos ou feios).

Infelizmente, muitas pessoas parecem não saber que eu sou acompanhante de luxo e escritora, não mentora, agenciadora ou facilitadora de profissionais que desejam adentrar no ramo em que entrei já madura, consciente e esperta no gerenciamento de riscos.

Muitos ignoram o fato de eu ser uma cortesã empoderada, fina e seletiva. Uma mulher que escolhe os homens com quem transa e não olvida em dar um fora e perder o dinheiro, ao invés da dignidade.

"Eterna professora", dizem meus ex-alunos! Isso até pode ser, mas seria "professora" de Direito Constitucional e matérias a ele correlatas, não de homem incompetente, mulher que quer virar acompanhante ou esposa que quer "dar prazer" ao marido (sendo que ignora que homens inteligentes sentem prazer com mulher que goza e usufrui o máximo do sexo, ou seja, a preocupação deveria ser "ter prazer" ao invés de unicamente "dá-lo" o que, convenhamos, não é nada difícil quando se gosta de fazer sexo e tem tesão no parceiro!).

Logo, se você não quer me contratar, me dar seu educado elogio ou marcar uma entrevista, favor, não me chame no Whatsapp!

Tenho um blog de crônicas (www.claudiademarchi.blogspot.com), um diário no meu site profissional (www.claudiademarchi.com.br), entrevistas na rede, currículo lattes também na rede, inúmeros posts no Instagram e Facebook, logo, não tentem usar o meu número de celular para me fazer perguntas com o fim de saciar a sua vil curiosidade ou coisas do tipo.

Retomem 1000 casas e recuperem a educação e a classe e, então retomem mais 10.000 casas e recuperem o bom senso e a noção do ridículo, prezadas criaturas que me procuram com outras intenções!

Abaixo, portanto estão algumas pessoas que não devem ser imitadas por quem quer ter o meu apreço:

1- Primeiramente, gente que me chama de "gostosa" ou "delícia" em momentos extra-sexo.

"Delícia" é isso aí: uma margarina bem baratinha.

"Gostosa" é margarina no pão, pizza, costela gorda, picanha mal passada, série de suspense, fragrância de perfume francês, interceptação telefônica provando o golpe e etc.!

Ah, "gostosa" até pode ser um adjetivo interessante naqueles momentos em que o pudor, a elegância e a finesse "saem" com as roupas, mas não, não é elogio. Não para quem se estima, sabe que é bonita e gosta de elogios inteligentes, sagazes e interessantes, não de palavra vulgar e tosca jogada ao vento por "galanteador" de péssima estirpe.

Cláudia de Marchi - Acompanhante Brasília - DF

2- Quem precisa de "mentoura".

(Senhor afasta dos seres humanos essa vontade imensa que eles têm de passar vergonha na internet e de fazerem mau uso da tecnologia!)

Nunca na minha vida eu darei meu número de celular para aconselhar pessoa alguma. Nunca. Nunquinha! Jamé! Nem que a vaca tussa, tucano seja preso, o Judiciário e o brasileiro "classe média" se recupere da psicose anti-PT! Jamé!

Cláudia de Marchi - Acompanhante Brasília - DF

3- Gente que chama no in box do Facebook e me chama de "doutora" para falar de assunto imbecil demonstrando que não sabe nada, absolutamente nada de mim.

Pessoas, por favor não sejam assim!

O tal do brasileiro médio tem fetiche por concurso público, dai se mata para passar e quando passa, seguidamente, se torna um nabo estilo Dallagnol, Moro e cia. ou qualquer outro burocrata sem ética e inútil.

Cláudia de Marchi - Acompanhante Brasília - DF

4- Seres humanos sem noção de classe e respeito que, após uma resposta que lhe exige "semancol", chama o outro de "grosso"!

Queridos, "grosseria" é chamar alguém desconhecido no Whatsapp em plena tarde de domingo para fazer pergunta, começando por uma tão idiota: qualquer matéria sobre mim fala que advoguei por longos 12 anos!

Leia ao invés de se dar ao direito de "invadir" a privacidade alheia pra fazer pergunta tosca! Tenho site, existe o Google: acesse! Repito: o meu número de telefone é para amigos e contatos objetivos com clientes, só isso!

Cláudia de Marchi - Acompanhante Brasília - DF

5- Vou "desenhar" para quem quiser aprender:

A-Eu sou acompanhante de luxo e escritora, não mentora de pretensa prostituta!;

B-Se você pede desculpas pelo "incomodo" é porque algo de educado e elegante que habita em você sinaliza sua postura inconveniente, portanto ouça-o e se poupe de passar vergonha!;

C- o fato de existirem sempre matérias sobre mim não torna meu número de celular de propriedade pública: ele existe para amigos e contatos objetivos e sem delongas com clientes, jornalistas e pessoas estudiosas!;

D- no meu site existem tutoriais: pesquise-os e leia, caso você seja capaz de ler alguma coisa que não seja matéria sobre plástica, musculação e dieta;

E- Mensagem recebida neste domingo e eu estava de boa no dolce far niente, logo bloqueei sem responder, sim!

Cláudia de Marchi - Acompanhante Brasília - DF

6- Nunca, nunca na vida sejam uma pessoa como este animal da imagem abaixo!

Macho terrivelmente feio? Sim.

Com atestado de hipossuficiência na foto? Também.

Mal educado? Mais ainda.

Misógino=tipicamente do tipo que quer "usar" a mulher? Exato, um perfeito "omi" inapto!

Foi bloqueado com sucesso e deixo aqui um recado: o dia em que eu me dispor a fazer sexo com este tipo de homem eu me suicido!

Cláudia de Marchi - Acompanhante Brasília - DF

7- Gente com perfil vulgar no Twitter e que não sabe diferenciar prostituta de acompanhante de luxo para quem dedico a leitura do tutorial destes links:

A- Leia

B- Leia

Cláudia de Marchi - Acompanhante Brasília - DF

Acho toda conduta exibicionista (vídeos, nudez e etc.) postada gratuitamente em rede social, desnecessária, pois fazem chover machistas sem classe com comentários como "delícia", "gostosa" e etc., e eu tenho aversão a menções vulgares fora da hora do sexo (quando tudo vale!), conforme o item 1 acima.

Esta na hora das pessoas livrarem-se do mito da "gostosona-exibida-tarada": daquele perfil de mulher que mostra em roupas curtíssimas, justíssimas e decotadas os seus atributos, que manda ou posta fotos nua e "por isso" é devassa e boa de cama. Ser discreta, elegantemente trajada, não siliconada e fora dos padrões de beleza não faz da mulher sexualmente fria. "Boa de cama" é a pessoa (homem ou mulher) que goza, que gosta de sexo e é liberta de pudores, repressões anímicas e nojinhos.

Não há necessidade de andar semi-nua por aí para ser uma acompanhante/mulher talentosa no sexo, basta realmente gostar de gozar!

Há séculos quem se veste e exibe-se (em sinaleiras e prostíbulos) não são as auto-intituladas "acompanhantes de luxo" que, teoricamente, deveriam selecionar a sua clientela e expor-se pouco, são as prostitutas que sempre fizeram isso. São elas que vão a caça de sexo, ao invés de aguardar em segurança e confortavelmente os contatos de pretensos clientes. Mas, graças a internet, as pseudos "acompanhantes de luxo" estão mostrando um lamentável desespero dando azo ao falocentrismo de homens bobos, punheteiros, nada seletivos, educados ou elegantes!

Em cada 50 mulheres que se intitulam como "acompanhante de luxo", uma ou duas tem as atitudes e a postura elegante e diferenciada que delas se espera. A maioria é como o médico embusteiro "formado" em Grey's Anatomy, o bacharel que se diz advogado e quer ser chamado de "doutor", a esteticista que se acha dermatologista, o assessor do magistrado que age como juiz e etc., enfim, são fraudes.

E é por isso que tantos homens desabonados e sem educação me procuram, pois acabam generalizando, afinal as pseudo-acompanhantes dinheiristas e sem seletividade abriram as portas do inferno da misoginia para que qualquer bagaceira acesse um site e ache que pode contratar a mulher que desejar sem que ela tenha filtro algum.

Ou seja: se você quer ser mesmo uma acompanhante de luxo, leia o tutorial do item B acima e não colabore com macho tarado e baixo nível nas redes sociais e fora delas.

Cláudia de Marchi



Terça-feira, 30 de maio de 2017

"CONTRA A MARÉ- minha vida em crônicas e crônicas da vida"- Meu primeiro livro publicado e à venda!


Cláudia de Marchi - Acompanhante Brasília - DF

É com muita honra que divulgo aqui o meu primeiro livro cujo lançamento ocorrerá em julho na Livraria Cultura (provavelmente do shopping Iguatemi aqui em Brasília) e, possivelmente, em São Paulo e em outras localidades.

"Contra a maré- minha vida em crônicas" é um livro de crônicas, muitas das quais retiradas e aprimoradas do blog Apenas Ideias que tenho desde 2007, em que pese eu escreva crônicas desde 2002. O endereço deste blog é www.claudiademarchi.blogspot.com caso alguém ainda não o tenha acessado.

Enfim, ainda não organizei o lançamento e, por enquanto, o livro está a venda na modalidade impressa e e-book neste: Link bem como estará disponível na Amazon e na Livraria Cultura, obviamente.

Deixo-lhes o convite para adentrar no universo desta obra, através de um pedaço de sua introdução:

"Através destas crônicas, de cada opinião, vírgula, questionamentos e pontos o leitor tem acesso há um pouco de mim: de quem fui, do que sofri e das razões pelas quais me tornei a mulher empoderada e liberta que hoje sou.

Ou será que a última razão trazida na frase acima não é respondida nesta obra? Não sei se posso ou devo afirmar algo tão pessoal e que. depende da sensibilidade do leitor, da sua capacidade de organização cronológica e de aferir os sentimentos escondidos por trás de cada letra, de cada palavra.

Fato é que fui contra a maré da mesmice, da “falsidade institucionalizada” e do comodismo e cheguei até aqui. Este livro não foi escrito para narrar minha trajetória. Ele foi escrito para quem gosta de temas variados (característica elementar a este gênero literário), bem como de situar-se no “tempo” de quem está por trás das palavras colocadas no papel. Para quem gosta de sentir mudanças sutis, variações delicadas e, também, revoluções intensas.

Com “Contra a maré” posso lhes dizer que evolui muito. E que foi usando os braços e cada músculo do meu corpo para remar contra a hipocrisia que eu me descobri e me construí mulher. Mulher forte, mulher guerreira que eu nunca imaginei que seria. Foi nos desapontamentos e nas decepções que vivi que aprendi a dar chances somente ao que e a quem merece.

(...)

Desejo que as crônicas aqui trazidas façam pensar, irritar, incomodar e apaixonar. Desejo que ninguém saia passivamente desta leitura. Desejo que ninguém saia sem sentir alguma emoção forte, seja ela qual for, porque se existe algo de tenebroso para mim, é não ser afetado por algo que fiz, seja uma leitura, seja uma viagem, seja uma relação sexual, seja um relacionamento afetivo, seja um diálogo regado a bom vinho.

Gosto de me sentir tocada e gosto de tocar, em qualquer forma de interação e vivencia. Desejo que, de uma forma ou outra, assim como você escolheu este livro, ele lhe toque e não se torne facilmente esquecível. Muita ambição a minha? Quiçá! Triste vida devem ter os que ambicionam pouco ou nada. Eu quero auxiliar pessoas a libertar-se e a pensarem “além” da caixinha do “socialmente adequado”, logo, se eu conseguir isso com alguém que seja, me dou por realizada.

Sigamos, portanto, contra a maré!"

Cláudia de Marchi



sábado, 27 de maio de 2017

Sobre as mais ridículas abordagens do lindo mês de maio/2017!


Abaixo as mais ridículas abordagens do lindo mês de maio em ordem cronológica, sendo as primeiras do início do mês e as últimas do fim:

1- Ah, vá ser broxante assim no inferno, "meu anjo"!

Cláudia de Marchi - Acompanhante Brasília - DF

2- Eu gosto de homem polido e que se esforça para saber com quem fala! O valor de R$ 1.300,00 não é nada perto da dignidade mantida por não receber um macho burro deste naipe.

(Não tivesse dito "quero sigilo total" teria ao menos arriscado levar um fora. Ganhou sem correr risco. Em uma palavra: idiota! "Concerteza"!).

Cláudia de Marchi - Acompanhante Brasília - DF

3- Tá se achando o pica das galáxias, né macho? Tá achando que vai chegar em mim dizendo "um encontro agora" e vou sair correndo por causa de R$ 650,00 a hora? Tá achando que vou deixar de terminar um filme de terror meio bosta ("O grito") por causa de você (um bosta completo)? Tá achando que vai dizer "hotel na Asa Sul" e vou achar você "legal" (fica com o ... no seco!).

Macho, desculpa aí, mas além de não me conhecer, você é um imbecil: procure outra! Não sou acompanhante de luxo para ogros que não tem "luxo" nem na forma de abordar e nem na estética ("aparência normal"+abordagem tosca= "vai a merda"!

Macho tosco tem obrigação de ser perfeito ou quase perfeito fisicamente!).

Obrigada.

Cláudia de Marchi - Acompanhante Brasília - DF

4- Será que alguém se comove com elogio a aparência? Se eu me achasse feia não tirava selfie e nem teria o meu atual ofício. Lamento, mas ninguém ganha "pontos" comigo elogiando-me desta forma.

(Sim, eu tô com o Temer - digo, demônio- no corpo! Fechei a porta do carro na unha do dedão da mão esquerda e tudo o que eu queria era uma dose de morfina e sonífero para não ter outra noite em claro e com dores, não macho que não sabe escrever nem Facebook me elogiando!).

Cláudia de Marchi - Acompanhante Brasília - DF

5- Simples assim, moço grosso e imbecil!

Cláudia de Marchi - Acompanhante Brasília - DF

6- Sobre uma terça-feira que amanheceu difícil! (Tem gente que o que tem de mais atraente é a autoconfiança!)

😂Caraca, gente! Pra transar com certos seres humanos só se for por amor ("quem ama o feio, bonito lhe parece") ou por ódio de si mesma (masoquismo, auto-flagelação), pois fora tais hipóteses, é impensável!

Caso do moço abaixo:

Cláudia de Marchi - Acompanhante Brasília - DF

7- Sintetizando didaticamente:

a- Curiosidade de me conhecer "enquanto pessoa"! Orgulho deste moço que não quer me conhecer "enquanto" bicho, planta, papel de parede, folha sulfite e etc.;

b- Curiosidade? Sério, mesmo?! Que tipo de pessoa aceitaria sair tomar cerveja com alguém para que este satisfaça a sua curiosidade sobre ela? Eu não, com certeza. Ademais, nunca na minha vida eu pingaria uma gota de perfume para sair da minha casa ao encontro de quem me convida para tomar uma cerveja se eu "pilhar"! Fazem quase 18 anos que sai do ensino médio e nem na época essa trova tosca me "pegava";

c- Tá curioso? Vai ler um livro e estudar!;

d-Se quiser compra o meu livro de crônicas que em breve estará publicado, assim a curiosidade morre e você pode ler bebendo o que quiser e sem ser deselegante me chamando no WhatsApp se fazendo de bem informado!

(Obrigada!).

Cláudia de Marchi - Acompanhante Brasília - DF

8- O bicho homem não cansa de passar vergonha!!!

(Se "respeitasse" nem faria está pergunta).

Cláudia de Marchi - Acompanhante Brasília - DF

9- Para finalizar:

(...) Porque macho machista que se preze fica "dodói" com o fora alheio, machista que se preze acha que acompanhante é "puta" e puta tem que ser servil e transar com qualquer um!

Enfim, macho machista que se preze tem que ficar muito, muito longe de mulheres como eu!

Mulher empoderada incomoda a machistas e misóginos, mulher-acompanhante de luxo-letrada-livre e empoderada incomoda muito mais.

Cláudia de Marchi - Acompanhante Brasília - DF

E as vergonhas "top" deste mês foram essas!

Maio "bombou" no quesito "macharedo ridículo"!

Boa sorte a quem tem neurônios...

Beijos de luz!

Cláudia de Marchi



Quinta-feira, 25 de maio de 2017

EU NÃO SOU ESPOSA APAIXONADA PARA FINGIR ORGASMO!


Cláudia de Marchi - Acompanhante Brasília - DF

Eu sou acompanhante de luxo. Sou cortesã. Não me importa se você é milionário, herdeiro ou o que for. Eu trabalho nisso porque gosto e porque valorizo a minha independência emocional e financeira.

Não quero ter marido. Não quero ser sustentada, logo, pra mim de nada adianta ostentar qualquer frivolidade que seja. Quero os meus "honorários" e a minha liberdade após as horas combinadas. Mas, sobretudo, eu quero humor e bom trato durante este tempo.

A sua esposa pode fingir orgasmo para lhe agradar. A sua esposa pode fazer de conta que você é "gostoso" para lhe agradar. Talvez por amor, talvez por paixão, talvez por medo, talvez por falta de amor próprio mesmo. Eu só faço o que gosto e dou continuidade ao que gosto.

Você pode ser o advogado "bambambam", o juiz federal "modinha" ou o mega-empresário: não espere "faz de conta" de mim. Eu tenho um diário, eu tenho um site onde narro todas as minhas experiências. Se você acessar e se ver como incapaz de ser, no mínimo, bom, procure outra!

Se você quer só se satisfazer, não ouse me ligar, ou você vai pagar vinho caro e vai ser dispensado sem dó, porque eu não sou "namastê" para me dar por gratidão ou esmola para me dar por peninha.

Fica o recado!

(Agora com licença que tenho um pernoite com um cliente bom de pegada e inteligente...).

Cláudia de Marchi



Quarta-feira, 24 de maio de 2017

Pança grande+egoísmo sexual+pau pequeno? Dispenso sem dó!


Boa noite gente!

Voltei!

Eis que graças a meu dedo fiquei de folga dois dias sem atender! Tive que furar a unha, desmaiei, me machuquei com o tombo do desmaio, enfim, sofri muito segunda e ontem com a unha e dedo machucados.

Ademais só tive contatos ruins nestes dias, o repouso foi uma benção. Hoje fui contatada por vários homens, mas achei um especialmente educado e como achei o rosto e jeitinho simpático, agendei.

Cheguei ao hotel e ele me esperava no bar. Pedi uma taça de vinho tinto carmenere e ficamos conversando. Ele, gordinho, barrigudinho, mas nada humorado e alegre como os homens que gosto. Após, alguma conversa, sobretudo por ele ser advogado, seguimos ao quarto.

Não tinha cama de casal, eram duas de solteiro. Nos beijamos, mas achei um beijo sem tesão, sem pegada. Ele não me tocou, não fez nada para me excitar ou fazer-me gozar. Pensei em desistir, mas insisti. Pau pequeno, barriga grande, nada de masturbação, nada de oral, beijo sem graça! ... Colocou a camisinha e broxou, tirou e pediu para eu chupar... Não consegui! Falei que não estava gostando e que prosseguir naquilo seria um estupro psicológico.

Ele ficou meio estarrecido, mas entendeu. Disse-lhe que sou acostumada com homens que gostam de dar prazer para a mulher e não era o caso dele, falei que deveria ter lido o meu diário no site para evitar passar tal vergonha.

Ele educadamente pagou os R$ 650,00 e vim embora. Fato é que eu não ia cobrar, iria simplesmente sair, todavia, achei no mínimo educado o pagamento, afinal eu só broxei, porque o cidadão foi incapaz de masturbar-me ou tocar-me. Logo, não iria refugar a recompensa pelo tempo desperdiçado e perfume gasto.

Foi um encontro mais ruim que o dia do Temer, mas, o bloqueio do número de celular do cidadão foi efetuado com sucesso antes mesmo de eu descer do andar em que estava para entrar no Uber!

Um recado aos machos que me leem: HOMEM SEXUALMENTE EGOÍSTA E COM PAU FINO E PEQUENO DEVERIA TER A OBRIGAÇÃO LEGAL DE SE MANTER MAGRO! Gordo que não sabe usar a língua e os dedos e que, além de tudo, tem pau pequeno eu não desejo nem pro capeta! (Se ele for gay!).

Beijos de luz!

Cláudia de Marchi



Domingo, 7 de maio de 2017

Sobre (des) respeito e falta de empoderamento de classe: sobre as "putas"!


Cláudia de Marchi - Acompanhante Brasília - DF

Vamos falar de respeito. Vamos falar de falocentrismo. Vamos falar do jovem bonitão que mora nos EUA, mas não sabe respeitar mulheres (cortesãs). Vamos nos indagar: "Mas, será que alguma acompanhante (verdadeiramente) de luxo aceitaria atende-lo?". E, então vamos concluir que falta imposição de respeito sim, porque um macho não ousaria ser tão tosco se a "tática" já não tivesse funcionado alguma vez.

Falta empoderamento para colocar esse tipo de homem em seu lugar. Falta feminismo em exercício! Mulher não precisa se "dar ao respeito" para ser respeitada, mas quando ele lhe falta deve ser pugnado com unhas e dentes! O cidadão aí me chamou as 05h21min desta madrugada. Obviamente eu estava dormindo. Fez ligação de áudio as 8h. Ignorei. Tentei dormir mais. Meu pai me ligou. Acordei. Respondi ao moço.

(...) Aí não aparece, mas eu lhe disse que não tinha certeza se estaria bem (dor de barriga) e que eu gosto de sexo de qualidade, logo não poderia recebê-lo agora de manhã. Ele insistiu como se soubesse tudo sobre mim (pelo visto teve das 05h às 08h para se informar!). Fui gentil e quando eu disse que, conforme o proposto, "pegando leve" eu o receberia em uma hora e ele pediu meu endereço, fui ao ponto na crença de que ele sabia o valor vez que está lá "fora", vivendo o "sonho americano". Não sabia. Falei. Ofereceu R$ 150,00 a menos.

Bloqueei, pois não se trata do valor pecuniário em si, mas da falta de respeito a quem oferece a sua companhia, afinal eu não trabalho somente pelo dinheiro do contrário não refutaria tantos homens. Bonitões e ostentando foto com seu cão e abdômen de fora no WhatsApp (Sarado? Sim! Cachorro de "machão"? Sim! Grande bosta? Siiimmm!!) como o cara em questão.

No valor da minha companhia, (que está muito aquém do que eu deveria cobrar), não está o valor dos meus peitos não siliconados e do restante do corpo. Não está apenas o despudor e os meus talentos que vem sendo aprimorados. Não está apenas o humor e o papo de qualidade: está a baixa rotatividade de quem prioriza a qualidade e não a quantidade de clientes.

Está a certeza de cuidados, higiene, perfume caro, saúde em dia e a ausência de homem no meu recinto desde sexta-feira quando recebi o "quinto". (Sim, o apelidado de "quinto" é um homem bonito, culto, empresário, na faixa dos 40 anos que foi o meu quinto cliente e desde 16/04/2016 passa todas as sextas-feiras comigo. Mais: paga-me o dobro do valor pela hora para que eu fique somente com ele tal dia). Ou seja: quem tem a minha companhia paga também pela minha inteligência e seletividade. "Algo" que homens de bom gosto (os que eu gosto!) costumam adorar.

Eu não atendo sem ver foto e dispenso homens que não sabem beijar. Literalmente: se o primeiro beijo for ruim eu não dou continuidade ao encontro. Química é essencial! O moço aí, após bloqueado me ligou de um telefone de DDD 61. Pediu mil desculpas. Ouviu que o mundo não gira em torno do pau dele e que eu desculpo, mas não atendo.

Pediu o que poderia fazer para se redimir. "Não insistir", respondi. Procurar uma mulher que cobre R$ 500,00 a hora, como eu cobrava há um ano. Respeitar as mulheres, façam elas o que fizerem da vida. Ele insistiu. Disse-lhe que eu estava anojada e não o receberia hoje, quiçá nos próximos dias, mas hoje (definitivamente), não. Uma parte de mim apiedou-se do desespero e reconhecimento de culpa do bonitão (voz bonita!). Outra parte de mim disse que desrespeito machista não se releva. Meu intestino gritou por "socorro". Ouvi aos últimos.

Se tem algo que me indigna hoje em dia é a falta de empoderamento! É o "trancar-se no armário" quando a sociedade patriarcal tradicional mostra-se um antro abjeto de erros, abusos e falsidade. Bem, me tornei cortesã, porque além de revoltada, madura e do gosto apurado pelo que faço, não tenho colegas. Colegas e convívio humano é algo que, após 12 anos no Direito, eu quero evitar pelo máximo de tempo que puder.

Eu gosto de gatos e de raras pessoas, das quais, quiçá eu deixaria de gostar se delas me tornasse íntima. (Vai saber!). Logo, não tenho "amigas" ou colegas neste meio, ou melhor, nunca conversei íntima e pessoalmente com nenhuma, até mesmo porque a vergonha seletiva em fazer algo e omitirem do mundo o que fazem (sendo isso aquilo com o qual pagam as suas contas) me dá ojeriza.

Sou absolutamente contra todo ato do ser humano para o qual ele não tem vergonha de fazer, mas sim de ser "descoberto". Ou melhor: dispenso quem faz algo do qual se envergonhe apenas SE o "mundo" vier a saber. Não gosto de quem se esconde por baixo de máscaras, seja a do Photoshop, a de um personagem, a de membro da "tradicional família brasileira", a de político "de bem", a de "moça de família", a de "esposa leal", a de "marido perfeito" e por aí a fora!

Eis que estou, em que pese (auto) inserida num padrão excessivo de seletividade e empoderamento, numa classe desunida, reprodutora de machismo e que não busca, em sua maioria, se empoderar. (Frise-se que malhar para ter coxas de jogador de futebol, colocar silicone onde pode no corpo e vestir roupa justa e curta enquanto usa nome fake na internet não é ato de empoderamento.) Sim, falo das "putas"!

Fala-se em gordofobia quando se chama alguém de "gordo", racismo por chamar afrodescendente de "negão" e machismo ao dizer "isso é coisa de mulherzinha", por exemplo. E não discordo da existência do preconceito exemplificado aí, não! Mas, por que se chama o cidadão infame de "filho da puta"? Por acaso, por ser puta a mulher não pode ser proba e boa mãe? Gostar de sexo não afeta a moralidade de ninguém: moral é moral, sexo é sexo e ser pervertido no segundo não significa sê-lo na primeira.

Por que se diz que o Brasil ou o Congresso Nacional são "puteiros"? Eu nunca fui num, mas por acaso não existe organização nos prostíbulos atualmente? Por que a esposa infiel ou a namorada que lhe deu o fora são chamadas de "putas"? Por acaso toda puta trai o marido ao invés de dizer que está infeliz? Toda puta namora com você e lhe dá um "pé na bunda"?

Eu nunca fui infiel, jamais seria! Sou e sempre serei a favor do "perdi o tesão, vamos manter o respeito e nos separarmos", vez que ainda não cheguei ao nível de sugerir uma relação poliamorosa, onde, diga-se, há mais lealdade do que na maioria das relações monogâmicas, haja vista que não se omite contato com outros do parceiro.

Feministas não querem o uso do termo "pare de agir como mulherzinha" ou "isso é coisa de mulherzinha", mas chamam os machistas escrotos de "filhos da puta"! Entendeu como está "raça" é desunida? Ou está me chamando de "vitimista"? Pois eu não sou! Sou racional. Eu não digo que o preconceito que você sofre é vitimismo e você deve respeitar aquele que eu sofro, a única diferença é que sou uma das poucas a me expor, vez que as putas em geral não se rebelam contra a marginalização social na qual são inseridas, não se unem e se omitem.

São poucas as que, como eu, se afirmam sem vergonha alguma, até mesmo porque, do jeito que o Brasil está eu teria vergonha de dizer que sou "deputada" (quando envolvida em esquema de corrupção), "juíza" quando parcial, "procuradora" que não perscruta provas ou "um bom pai de família", quando infiel ou ausente.

O Brasil e sua política nunca foram um puteiro, meu caro! O Brasil e sua política podem ser chamados de "família tradicional patriarcal": o macho comanda, a infidelidade rola solta, quando descoberta é ignorada em prol da imagem falsa de "família feliz". Enfim, o que comanda a "instituição" é a hipocrisia e a vontade de parecer belo para inglês ver!

Cláudia de Marchi



Quinta-feira, 13 de abril de 2017

Factorings e Igrejas. (Crônica de 2006 para o feriadão!).


Um amigo me disse que esta surpreso com a quantidade de factorings que inauguraram recentemente na cidade, além de financeiras e "afins". Eu, por outro lado, há tempos venho me surpreendendo com a quantidade de "igrejas", templos e, até mesmo, religiões que surgiram, além, obviamente do maior número de fiéis que as procuram.

Sem dúvida o dinheiro é uma necessidade, principalmente nos dias de hoje em que o supérfluo vem se tornando necessário, e as dívidas, consequentemente, se avultam de forma que recorrer a empréstimos de dinheiro é um "elixir" para um mal de causas confusas, porém não ilógicas.

Na realidade, me preocupo muito menos com o aumento do número de factorings e financeiras do que com o aumento do número de igrejas, religiões e crentes. O que mais me faz lastimar no mundo, na verdade, não é o excesso de fé em alguém ou algo (em alguma religião, por exemplo), mas a falta de fé do homem em si mesmo, a falta de racionalidade humana e, sua consequente capacidade vã de acreditar sem questionar.

Fico estarrecida em ver como o ser humano pode crer sem refletir "sobre" o que lhe é dito, sobre antinomias históricas e sobre aquelas encontradas nas pregações dos "superiores religiosos". O que mais me aterroriza não é ver o governo roubando, a caterva no Congresso (eleita pelo povo), mas é constatar que a sociedade “acredita” demais no intangível.

Acredita nas falácias dos governantes, dos padres, dos pastores, dos "pais-de-santo", daqueles, pois que apregoam saber e conhecer mais, que pregam, que dizem o "agradável" para conquistar sua confiança, sua subordinação, para manter a tendência social-cultural de cultivo a letal "ausência de confiança do ser humano em si mesmo". Afinal, uma pessoa que não precisa dizer “graças a Deus” frente a cada conquista sua, se liberta!

Lastimo as poucas vezes em que fui à missa e vi as pessoas com um olhar vazio de quem acredita mais no padre ou no papa do que em si mesmas. Radical? Pode ser que eu seja um pouco. Racional? Sim, e muito. Fé? Muita, em mim e em algo “superior” que habita dentro de mim (e de todos os indivíduos) e na natureza.

Não preciso de mestres, não preciso confessar pecados, até porque não creio neles. Chamo-lhes de falhas, de erros "demasiado humanos" (usando parte do título de uma obra de Nietzsche), que acabam por me ensinar algo válido. Vivo como uma espécie de “teísta herege”: não rezo "Creio em Deus Pai", porque nele eu até posso crer, mas duvido muito da "Santa Igreja Católica" (Santa? Que santa?).

Na realidade, duvido de qualquer religião ou pessoa que não mostre ao ser humano quão forte ele é e que não lhe diga: "Antes de creres em algo, creias em ti, antes de amar a alguém ou a algum Deus, ame a ti mesmo, antes de desejares respeito, respeites, antes de conheceres algo, conheças a ti mesmo e não deixes que ninguém te mande ou doutrine. Ame a ti e a vida, que estarás sendo grato a Deus, sem cantorias, sem exaltação, pois ser feliz é a melhor oração que podes dedicar a um ser superior e, respeitar a quem te cercas, é a maior prova de amor à divindade que habita em cada ser humano”.

Se todo individuo acreditasse em si mesmo, estudasse História, questionasse, fosse livre mentalmente e, via de consequência, liberto de dogmas e de ensinamentos inúteis que serviram para domesticar o seu cérebro, certamente representaria "perigo”: pensar é perigoso, questionar é uma afronta ao Governo, às igrejas, aos padres, aos pastores e demais "mestres". Ou melhor, àqueles assim denominados, porque o cidadão não vê que a sua mente deveria ser seu único guia e a busca pelo conhecimento, a leitura e o estudo seu melhor e mais rico caminho. (E que venha a fogueira!).

Cláudia de Marchi



segunda-feira, 10 de abril de 2017

Sobre “13 Reasons Why”.


Se teve algo útil que a “fama” que angariei há quase um ano trouxe para mim (pasmem!) foi a possibilidade de ser ouvida e de auxiliar inúmeras mulheres: desde a quebra de paradigmas, à necessidade de empoderamento e imposição de respeito perante machistas e misóginos fantasiados de “bons partidos”, até o conhecimento do feminismo e do quão importante a liberdade anímica é para a sua felicidade!

Sendo “ouvida”, as crônicas do “Apenas Ideias: desabafos e terapia pelas palavras”, meu blog que está na rede desde 2007 passaram a ser procuradas, além dos tutoriais existentes no claudiademarchi.com.br, o que vem contribuindo positivamente para muitas irmãs de todas as “querências” e ofícios.

É de conhecimento de todos os meus amigos íntimos que não uso o Facebook ou Instagram para exibir o que não sou ou ostentar “felicidade” quando não estou feliz. Sou transparente aqui na vida real e na virtual que, para mim, nada mais é do que a “real” na expressão escrita. O que muito me agrada, posto meu amor pelas letras!

Eis que ontem terminei de assistir a “13 Reasons Why” e conclui que precisamos falar sobre suicídio. Sim, precisamos! E sobre momentos ruins, crises existenciais, frustrações e inúmeros espinhos oriundos do convívio em sociedade que, devagar, porém frequentemente, nos fazem sangrar a alma.

Algumas pessoas, como eu, de alma sensível e forte empatia, sempre esperam o mesmo do mundo: doçura, lealdade, empatia e compaixão. Mas, seguidamente a gente não encontra, costumeiramente vemos traição de confiança, amargor, egocentrismo e egoísmo. Existem fases em que, por mais que tentamos fazer de tudo para que “tudo” dê certo, nada dá! Sim, são fases, mas nem sempre temos alguém para nos abraçar, impulsionar e dizer: “Isso vai passar!”.

E os nossos pais? Neste ponto só eles não valem tanto, apesar do dialogo ser sempre essencial. Como eu, Hannah era única filha e, como a maioria das “únicas”, carrega consigo a obrigação de “dar orgulho”, de “não ser um fardo”, “um incomodo”. Aliás, esta vontade de fazer com que nossa família se orgulhe da gente é derivada da vaidade, algo tolo do qual a maturidade nos afasta, afinal, quem nos ama (familiares) deve rejubilar-se pela nossa felicidade e não porque estamos andando na linha que eles “riscaram” para nós.

Enfim, conto-lhes uma história:

Em 2012 eu cheguei ao ápice do desgosto com a vida. Com o ser humano. Comigo. Com tudo. Procurei terapia e meu psiquiatra dizia (acertadamente) que eu estava passando por uma fase ruim (fase está que começou com o tortuoso, traumático e duro fim de um relacionamento abusivo ao final de 2010), mas que a medicação me ajudaria a passar por ela com mais “qualidade de vida”. Estava afastada da advocacia na minha cidade, pois morei fora quando casada. Retornando para Passo Fundo, fui trabalhar num escritório: ganhava uma ninharia, teve assédio, depois mudei de trabalho e tive uma colega que, de outras formas, me magoava.

E os romances? Como sempre, os homens que conheci “caiam” na mesma intensidade que eu sempre “transpirei” e logo entabulávamos um relacionamento sério. Eu não estava bem comigo mesma, logo sumia. Sentia-me sozinha com eles e preferia a minha própria companhia. Não sentia a sua empatia, não me sentia compreendida e obter piedade nunca foi algo que eu quisesse (nunca será!).

Por conta das dores emocionais minha dor física na lombar (oriundas da discopatia degenerativa que tenho desde os 22 anos) era lancinante e não passava nem com Tramal e Codeína. Aquela sensação terrivelmente dolorosa de inutilidade era um reflexo da minha dor interior.

Em tudo o que fiz na vida eu dei o meu melhor e, na pele e na raça, porém não sem pesar, aprendi que meritocracia (“se dedique que você conseguirá tudo o que quiser”) existe no mundo juntamente com unicórnios cor de rosa. Você tenta, diariamente, você tenta! Estuda, ousa, mas se depara com o machismo, com o menosprezo (“Afinal, você é filha de quem?"), assédio de patrão, gente narcisista e cheia de “ego”, chefe ignorante e sem poder de liderança, mas com "boa lábia” e muita "astúcia" (para não falar desonestidade) menosprezando a sua inteligência.

Enfim, teve um dia, ou melhor, existiram vários dias em que a vida me exauriu. Em que do ser humano só tive decepção. “Amiga” fofoqueira, quiçá invejosa. Outras extremamente autocentradas em suas vidinhas “quase perfeitas”. No fundo, a gente nasce só e vive assim, mas aprende, com a maturidade a ser feliz em solitude. Todavia a Hannah não viveu muito tempo para aprender isso! Ninguém ouviu seus pedidos de socorro para auxiliarem-na a passar pela fase ruim em que estava.

Na minha vida eu encontrei muito mais do que 13 razões para desistir. E elas surgiram após o segundo grau, após a faculdade, após sucesso no exame da OAB (nos idos de 2005), após pós-graduação e etc., mas as razões surgiram.

Eis que, em meio a tratamento para colocar o sono em dia e dar aquele “up” na serotonina, ciente que estava o médico de que era uma fase e ela passaria, ou seja, era mera tristeza, não depressão numa madrugada em que remédio algum me fazia dormir eu quebrei uma taça de cristal, cortei meu braço, tentei de todas as formas cortar meus pulsos, mas o cristal não “ajudava” e a coragem se foi, logo pensei: “Para minha mãe não sofrer tanto, vou engolir este cristal picado, vai rasgar meus órgãos internos e morrerei de hemorragia interna!” (Não entendo nada de Medicina).

Pois bem, piquei o cristal e, com certo desconforto engoli uma taça de vinho tinto grande! A dor dos cortes nos braços me fez dormir. Acordei no outro dia para ir ao trabalho que eu odiava. Eu estava (naquele momento pensei: infelizmente, viva!). Nada de anormal ocorreu. No trabalho, apesar da blusa de manga longa os cortes foram vistos e minha, então chefe, resolveu que eu deveria falar com minha mãe, que, até então, não sabia de nada.

Então fomos ao médico e veio à frase: “Cláudia, você precisa descansar. O mundo aqui fora não está lhe ajudando. É meu dever lhe internar, você está representando um perigo a si mesma.” Eis que, na mesma tarde, na ala particular do hospital psiquiátrico da cidade, cheguei. Sem telefone, notebook, nada. Uma espécie de prisão com horário pra tudo.

Conheci pessoas muito doentes, para evitar contato eu não descia tomar sol, mas malhava. Lia, bastante e conversava com quem não tinha nenhum distúrbio realmente incapacitante. Foram 20 dias de internação. Recebendo visitas diárias. Coincidentemente até meu pai- na época muitíssimo ausente- esteve por aquelas “bandas” e foi visitar a filha (que já se achava um “desgosto”) no hospital psiquiátrico. Senti-me péssima, mas a serenidade dele me animou.

Porque eu estou contando isso, agora?

Porque se nós não nascemos mulheres, mas nos tornamos, como disse Simone de Beauvoir, fato é que não nascemos fortes, empoderadas, sapientes, emocionalmente inabaláveis, não nascemos “preparadas” para os revesses e para as constantes decepções que o mundo nos apresenta. Não nascemos preparadas para cruzar com as mais de “13 razões” para desistir que a vida pode nos oferecer. A gente se constrói, se cria, se faz, se supera e, ainda, se recria, se reinventa e segue adiante!

Então, você aí, adolescente ou não, homem ou mulher, gay ou hetero, trans ou travesti, dona de casa ou empresária, pobre ou rico, não se sinta só nesta vontade de sumir que às vezes lhe “bate”, saiba que você precisa operar mudanças na sua vida, agir, mudar-se, ousar, procurar um terapeuta e, aos poucos, reerguer-se porque, por mais cruel, estupida, vil e egocêntrica que seja a humanidade haverá sempre um brilho especial na vida! E este brilho será você, após se autoconhecer e superar os seus percalços! Todos, a exceção da morte, são superáveis!

Acredite: você vai brilhar muito a ponto de sambar na cara de todas as “incontáveis razões porque” que esta vida, nem sempre boa, às vezes cruel e frustrante, irá lhe apresentar. Ou melhor, retifico: a vida é boa, a natureza é linda! Cruel, egoísta e frustrante é o ser humano, mas com a maturidade você vai aprender a manter-se longe da maioria destes seres, seguida e injustamente, denominados de “racionais”, mas incapazes de se colocar no lugar do outro. A raça humana falhou, isso é um fato! É impossível ter um pingo de sensibilidade e não se irresignar frente ao que vemos e ouvimos diariamente. Todavia, com o tempo você vai distinguir solitude de solidão e, então, não existirão razões para desistir de nada, apenas do convívio com quem não lhe faz bem, ainda que você cerque-se apenas de felinos!

Cláudia de Marchi



segunda-feira, 3 de abril de 2017

Macho: não coloque rivalidade onde inexiste competição!


Cláudia de Marchi - Acompanhante Brasília - DF

Atenção ao que eu vou lhe explicar: o que você vê neste print aí acima não é um homem hetero "defendendo" a moral das garotas de programa e mulheres mais "baratas" do que eu. Não é um "ativista" ou algo assim. É um playboy machista que não compreende o que lê e que, no fundo, acha que no meu trabalho não deve haver distinção de atitude, profissionalismo e valor. É um chato falocentrico.

Todos que me conhecem sabem da distinção que faço entre prostituta, acompanhante de luxo e garota de programa. Não se pode, tendo em vista a seletividade e a postura que cada uma ousa tomar, colocar a moça que trabalha para alimentar o filho, a que faz sexo somente pelo dinheiro na mesma "caixa" da mulher que não tá nem aí pra político e que não atende analfabeto funcional ainda que ele deseje a sua companhia por horas!

As pessoas precisam aprender que o meu preço e autovalorização não ofende ninguém, vez que há público para "todas" as plateias. Eu tive coragem de colocar minha cara a tapa e o meu nome nos maiores jornais do mundo. Sim, do mundo! Eu cobro R$ 650,00 a hora e qualquer pessoa racional vê que quantidade não é um interesse para mim ou eu cobraria R$ 250,00 como inúmeras!

Vem até mim quem sabe que a grana é só um plus e que não tem medo de ser rejeitado, mas também tem culhões em não estar pagando um valor ínfimo para quem trabalha por mera necessidade e não necessariamente pelo seu prazer. Falar que site tal é ruim, que existe diferença de postura entre profissionais não é "feio", não é falta de solidariedade, é apenas constatar o óbvio!

Mas, o machista metido a "defensor das minorias" se "revolta" contra quem? Vai ao WhatsApp "alugar" quem? Quem deu a cara à tapa e provavelmente cobra mais do que ele pode ou acha "justo" pagar. Azar o dele, baby! Se lesse (e compreendesse) alguns dos meus tutoriais antes de me "mandar" pergunta pseudo rebuscada, não passaria vergonha. Eis um homem machista-ignorante querendo ver rivalidade onde não há sequer competição! (Tutoriais em www.claudiademarchi.com.br- link “Tutoriais e Crônicas”).

Não vislumbro racionalidade alguma no ser humano que se “ofende” com as opções de vida alheias, da sexualidade ao preço colocado na sua companhia, pois, repito: acompanhante é aquela que faz companhia e isso vai muito além do sexo, mas não são todos os cérebros que compreendem este fato, lamentavelmente!

Não vejo inteligência no crente que se ofende com o ateísmo alheio, no ateu que se ofende com o credo alheio, na freira que se ofende com a putice alheia, na puta que se magoa com o pudor alheio, no hetero que se ofende com a homossexualidade, na mulher casada que se ofende com as solteiras e livres, nas solteiras que se ofendem com as donas de casa, na não feminista que se ofende com as feministas e etc..

A menos que o outro me ataque diretamente com palavras, atos ou imposições a sua existência será irrelevante para mim, até porque estou muito ocupada no "deboísmo" de cuidar da minha própria vida! Mas, infelizmente o que mais vejo são criaturas “ofendidas” com o que não lhes diz respeito e, não à toa, é chamado de "alheio"! Tem gente que precisa ganhar um felino para ter 7 vidas a mais para cuidar, já que somente a sua não lhe basta. Que vida de merda essas pessoas devem ter!

Cláudia de Marchi



Sexta-feira, 31 de março de 2017

Crônica do findi: "Os moralistas".


Cláudia de Marchi - Acompanhante Brasília - DF

O moralista não é apenas um chato hipócrita. Aquele que precisa se adequar as regras, as "normas sociais tácitas" de convívio. O moralista é a visão viva do recalque, da inveja, do impulso de prazer reprimido!

O moralista é dono de uma pobre alma imersa em covardia, em vontades reprimidas. Vontade de falar alto, vontade de transar, vontade de ir ao boteco, vontade de ler um conto erótico e pular o sermão do padre! Vontade de ler este blog e correr até mim para ver uma verdadeira fêmea despudorada se deleitando com seu próprio prazer!

Vontade de fazer sexo sacana e mandar a rotina certinha do "duas vezes" na semana se lascar, vontade de não dizer o que os outros querem ouvir, vontade de calar e rir sozinho, vontade de gargalhar escondido, vontade de usar short curto, decote, vontade de colocar biquíni fio dental e sair andando livremente numa praia lotada.

Vontade de pular, de dançar, de pagar de louco, de ser louco e realizado, vontade de mandar os 7 pecados para o inferno e se deliciar nas suas "condutas" agradáveis, vontades que pululam sua mente, mas que ele castra. Esconde de si mesmo e se torna esse ser paladino da moral e dos bons costumes que é invejoso da alegria que poderia ter, mas teme.

Afinal, a bíblia disse isso, o autor tal disse aquilo, sua mãe disse aquele outro, seu pai complementou e a sociedade é o antro da hipocrisia formada por seres tão infelizes e desanimados que só se sentem vivos julgando a conduta dos outros. Dos felizes, independentes da opinião alheia e bem resolvidos que cagam e andam para rótulos sociais moralistas, ainda que, seguidamente, imorais. Imorais porque falaciosos, imorais porque não condizentes com suas vontades, imorais porque da boca para fora e não da alma para dentro.

Cláudia de Marchi



quinta-feira, 30 de março de 2017

OS 17 CONTATOS MAIS TRAGICÔMICOS DO ÚLTIMO MÊS!


Eis que eu resolvi acessar o meu Instagram e trazer-lhes os 17 contatos mais tragicômicos do último mês e que fizeram a alegria dos meus seguidores!

Vamos lá, por ordem de "antiguidade":

1- Verifica-se o quanto a ausência de leitura faz falta!

Cláudia de Marchi - Acompanhante Brasília - DF

2- Não suporto desrespeito consubstanciado em atraso e, repito: ausência de leitura! Não tenho "trocentas" fotos sem photoshop no meu site para um cidadão sem noção de fineza e horário sair com pergunta besta depois de confessar-se bem atrasado em pleno sábado à tarde!

Cláudia de Marchi - Acompanhante Brasília - DF

3- Gente, depois da frase "não quero ser chato" ou "não quero ser deselegante" vai advir chatice e deselegância! Se poupem!

Cláudia de Marchi - Acompanhante Brasília - DF

4- Eu não atendo sequer telefonema após às 22 horas e isso consta no meu anúncio no Belas 61! Sou cortesã, não puta plantonista.

Cláudia de Marchi - Acompanhante Brasília - DF

5- Não suporto analfabetismo funcional, ok! E também não suporto semi-analfabetismo de quem não sabe escrever e ainda me desrespeita pedindo "nudes".

Cláudia de Marchi - Acompanhante Brasília - DF

6- "Fotinha" tem um monte, até selfie tem no meu site!

Cláudia de Marchi - Acompanhante Brasília - DF

7- Resultado da fama internacional: trote ou chateação!

Cláudia de Marchi - Acompanhante Brasília - DF

8- O quadro da falta de classe masculina:

Cláudia de Marchi - Acompanhante Brasília - DF

9- Aquele que acha que o "mercado" gira em torno do seu bolso. Não pode com a BMW? Encara o Fusca, mas não pechinche e nem fale porcaria demonstrando que você é um zero a esquerda no quesito "conhecimentos básicos de Economia".

Cláudia de Marchi - Acompanhante Brasília - DF

10- Quando o cara acha que sem anal será mais barato! Justo comigo que adoro sexo anal! Não liga? Azar o seu!

Cláudia de Marchi - Acompanhante Brasília - DF

11- Eu tenho um anúncio no seguinte link: https://belas61.com.br/acompanhantes-em-brasilia/claudia-de-marchi/

Acessem e vejam o quão objetivo ele é! Lá também está o meu site! Haja paciência para quem não consegue nem ler!

Cláudia de Marchi - Acompanhante Brasília - DF

12- Olhem a educação, a fineza, a classe e o respeito do cidadão abaixo! Típico machista: "Tô com tesão, tenho grana, ela é p****, vai vir correndo!".

Sou acompanhante, empoderada! Não atendo quem não tem noção de respeito para comigo.

Cláudia de Marchi - Acompanhante Brasília - DF

13- Erro de português eu não suporto, se for abreviado então! Bloqueio na certa!

Cláudia de Marchi - Acompanhante Brasília - DF

14- "Eu broxar com tais erros!"

Cláudia de Marchi - Acompanhante Brasília - DF

15- Ensinando cidadão que a gente pergunta o preço antes de tentar marcar algo!

Cláudia de Marchi - Acompanhante Brasília - DF

16- Sobre o cara que entra em contato com uma cortesã cara achando que ela vai ser sua "auxiliar de punhetagem"! Ser desinformado dá nisso: faz você passar vergonha amiguinho!

Cláudia de Marchi - Acompanhante Brasília - DF

17- Por fim e humildemente, apresento-lhes Claudir. Claudir é um brasileiro de algum lugar que nunca leu meu perfil no facebook, entrevistas ou nada que fale minimamente de mim. Claudir ama seu órgão genital tanto que manda foto do mesmo para uma cortesã que não o conhece e, haja vista a falta de fineza e educação, nunca e por dinheiro algum aceitaria conhecê-lo. Claudir não tem educação e nem respeito com mulheres. Acho que o ideal para ele seria enfiar o próprio pênis em seu anus e "comer-se" já que se acha tão "gostoso" assim. Dispensado Claudir, desejo-lhe sorte! Numa próxima tente chupar-se para fazer valer o seu falocentrismo. Obrigada.

Cláudia de Marchi - Acompanhante Brasília - DF

Abaixo um texto meu postado na rede!

"Galera, vou "desenhar" para que as pessoas com dificuldade de cognição compreendam: "acompanhante" é aquela que "acompanha". O cidadão não está comprando o corpo ou meramente o sexo, mas a companhia (corpos não se vendem). Portanto, cada mulher neste ramo coloca o preço que "acha" que a sua companhia vale. E como "companhia" entenda-se: aparência, beijos, papo, cultura, inteligência, humor, "habilidades" orais, "anais" e etc..

Claro, o valor de uma pessoa é imensurável, "precifica-se" de forma sutil e (sempre) a menos do que realmente vale a sua "hora", diária, pernoite e etc.! A Cláudia "criou" a "figura" da "acompanhante empoderada"- aquela que faz sexo pelo seu prazer tendo o dinheiro como plus, logo, ela (a Cláudia) faz sexo com quem ela quer, porém com entrega e muito prazer! Se ela não gostou do homem ela não chega sequer nas preliminares! Dispensa o pretenso cliente antes ou após o beijo. Logo, não é "qualquer" homem que a procura, exatamente por medo de ter o ego ferido. Os seus "acompanhados" são homens raros e interessantes, seguros de si, cultos e intelectualizados ("raros", diz tudo!). O cara que só quer sexo procura qualquer outra, não a ela. Normalmente estes (os que não a procuram) são os que não ligam para o famoso "sexo mecânico" feito só para agradar a quem paga. A Cláudia tem como foco a fidelização de clientes e a qualidade dos mesmos, não a quantidade.

Talvez a variedade de parceiros dela não fique distante da quantidade de parceiros de qualquer mulher solteira, só que ela colocou um preço na sua companhia, consequentemente não liga no dia seguinte e nem se importa se o cara liga, não "stalkeia", não quer amar, enfim, não procura um marido ou um pai para os filhos (que sequer deseja ter!)! Um preço aquém do que sua companhia vale, mas o suficiente para ela manter a si, sua mãe e seus gatos. Obrigada."

Cláudia de Marchi



Segunda-feira, 20 de março de 2017

Sou fera, sou mulher e sou só de quem eu quiser!


Eu estava lendo, outro dia, um comentário de um macho broxante num post do meu blog no qual eu narrei um atendimento entediante. Ele, muito "inteligente" que deve ser, disse que o "desempenho modesto" do moço deveu-se ao fato de eu ser muito "bruta" e que ele prefere as "putas dóceis, afinal não precisa ser culta e feminista pra transar" (opinião do nabo em questão, como se eu quisesse saber a sua ideia sobre alguma coisa nesta vida!).

Ri litros com o analfabetismo funcional do cidadão posto que, a cada 10 encontros, 9,5 são ótimos e estão lá para serem lidos! Ademais, eu só trato grosseiramente os homens que não possuem sequer fineza e elegância na abordagem. Enfim, os que eu não quero receber e não recebo!

E a misoginia? "Dócil"?! Ah, olha bem pra mim e vê se eu tenho cara de cadela ou gata de rua para ser "dócil"!? Eu sou fera, sim! Mas, me torno uma doçura quando bem domada. O "problema", porém atine a qualidade do domador. Simples!

Deusmelivre ter cliente que me procura pelo servilismo! Se eu quisesse ser servil e dócil eu procurava um homem rico e casava para ser "bela, recatada e do lar". Deusmelivre (de novo)!

Cláudia de Marchi - Acompanhante Brasília - DF

Cláudia de Marchi



Sexta-feira, 10 de março de 2017

Esquecer-se do que não merece ser lembrado é o melhor remédio!


Esquecer-se do que não merece ser lembrado é o melhor remédio (para todos os males)!

Cláudia de Marchi - Acompanhante Brasília - DF

Vai existir um dia que você vai se enganar. Em que sensações, atos, palavras e pressentimentos irão lhe enganar. Alguém irá lhe enganar.

Mostrar mais do que de fato sente, ser mais afetuoso do que, de fato, nutre afeto por você. Vai haver um dia em que você vai crer-se estimado, respeitado, adorado e até amado, mas não vai ser.

O motivo do engano, da ilusão, do engodo? Não importa! Pode ser que você estivesse carente, pode ser que você tenha se envolvido num jogo de sedução e de um falso bem querer, pode ser que você tenha caído em palavras docemente astuciosas de quem gosta de brincar com os outros, pode ser que um sociopata lhe usou como laboratório para enaltecer sua mente doentia, pode ser que uma pessoa problemática, perdida e sem coragem lhe disse inúteis "mentiras sinceras", porque mal conhece a si mesmo.

Tenha, pois, piedade! A única coisa verdadeira que existirá nisso tudo é a necessidade de esquecer. De deletar. De resignar-se ao engano e assumir para si o dever de não ser mais iludido, de não confiar em demasia, enquanto, um dia por vez, você desapega da ilusão de outrora.

Sem muito questionar, porque não vale a pena perder sono, tempo, lágrimas ou suor por algo que, na página da sua vida, será sempre designado como "um grande engano".

Cláudia de Marchi



quinta-feira, 9 de março de 2017

Livre, sincera, feliz e doce- mas só goza de meus atributos bons quem EU quero!


Cláudia de Marchi - Acompanhante Brasília - DF

"Ela se intitula como cortesã, isso é termo rebuscado pra puta. Ela é puta, só mais uma puta. Eu prefiro as vagabas tradicionais, pra que ser culta se é puta?!" Cavalheiro, senta aqui, vamos conversar: em boca de misógino sem classe (do seu naipe) até mulher que nunca transou é puta! Basta não lhe querer, basta, no caso das cortesãs, ser cara, politizada, inteligente, seletiva ou, apenas, empoderada e donas das SUAS próprias vontades, sem ter que "pagar pau" pra macho escroto e grosseiro (como você).

Eu tinha tido 2 namorados antes de conhecer um cara e quando eu o deixava ele me chamava de "vagabunda", "puta", "ingrata" e etc.. Ademais, além de seletiva ao extremo eu não transo de graça, parça, não achei a pepeka no lixo!

Já pensou se me iludo e transo com um cara mentecapto como você? Que desgraça, seria (deusmelivre!)! O cache cobrado é auto-indenizatório, afinal ninguém está livre de se enganar com outro ser humano e terminar jogando pérola a porco.

Eu mesma já fiz isso quando era "doutora advogada" e professora universitária e, recentemente (pasmem, eu também fui capaz de cair em engôdos de gente sem coragem, brio e falsa), com um sociopata com cara de santo que me tirou pra "conselheira matrimonial", se fez de pseudo-fã e foi capaz de me omitir, inicialmente, até eu descobrir via uma patética mensagem de amor da esposa no Face dele, que ele tinha mulher (colega de profissão dele, trabalham juntos, inclusive) e dois filhos pequenos, aos quais, segundo me disse se arrependia de ter tido, apesar de seguir a pressão social e bancar o "bom pai", pois não queria ser como o pai dele foi com ele e o irmão (diagnóstico: cidadão precisa de terapia urgentemente!) colocando TODA A CULPA pela falta de libido da esposa (que, segundo ele, nunca soube sequer fazer sexo oral direito, pois cuspia fora), NOS PRÓPRIOS FILHOS.

Durante um tempo eu engoli a "bela" explicação de indulgência à falta de tesão da amada do menino (sim, maturidade de um piá), mas, passado algum tempo, tenho que deixar um "aviso aos navegantes", até porque convivo com muitos outros homens casados e tenho amigas muito bem resolvidas e cheias de rebentos: mulher que gosta de sexo e do marido não muda da água para o vinho só porque casou e pariu, aliás, ela procurará oportunidades e transará loucamente com o amado marido! Isso se ainda o desejar, claro!

Enfim, fato é que, provavelmente você misógino brochante sequer passaria na seleção que faço para, entre quatro paredes (preferencialmente) soltar a (aí sim, cabe o termo!) "puta" feliz e tarada que se esconde por trás de minhas elegantes vestes e do meu intelecto culto e privilegiado!

Ah, e você mocinha que adora chamar as outras de "putas", "piriguetes" e afins saiba que haverá o dia em que a sua liberdade vai incomodar alguém mal resolvido e você será chamada de "vagaba". Sim, você, você aí que se acha a rainha da "pureza"!

Outra pérola dos recalcados: "Ai, você é grossa com os caras que lhe abordam...", não querido, eu não sou! Sou um poço de finesse com quem é educado, fino e escreve em bom português. Com quem me aborda demonstrando respeito e valorização, não como se eu fosse inferior pelo fato de ter escolhido viver alegremente tendo orgasmos e faturando dinheiro honesto com isso (como meus clientes aferem seus rendimentos o problema é do Fisco, não meu!).

Tenho clientes por aí, indague a todos que voltam até a mim se eles já ouviram alguma "grosseria" saindo dos meus belos lábios: never, nunca! Nunca sou grossa com quem de fato recebo e para quem me dispo de roupas e pudores!

Eu sorrio pra vida, gargalho, dou risada, conto piadas e só me afino com gente de alma jovem e espírito alegre, porque se amargor me apetecesse eu tomaria chá de losna!

Quer me acompanhar? Engula seus recalques, seus mimimis, seus preconceitos, sua mania tosca de reduzir seres humanos à visão tacanha que você tem deles sem muito ou "nada" conhecer-lhes! Engula sua amargura e complexos, porque eu só me afino com gente feliz e em paz com a própria consciência! Obrigada.

Cláudia de Marchi - Acompanhante Brasília - DF

Cláudia de Marchi



Quarta-feira, 8 de março de 2017

Muito além do dia 08/03!


Feliz dia da "louca", feliz dia da "chata apaixonada", feliz dia do "mulher é tudo maluca, não dá pra entender, vou ficar com a minha que não amo, mas já conheço", feliz dia da "eu não tenho mais tesão e sou infiel, mas ela é 'uma boa mãe'", feliz dia da "vadia-desgraçada-maluca da minha ex"!

Feliz dia da "só pode estar dando para o chefe", feliz dia da "mimimi nasceu pra ser mãe, tem que parir pra se realizar", feliz dia da "que cortesã o que, virou puta, puta é tudo igual", feliz dia da "fulana é 'muié' pra 'casa'", feliz dia da "'mulher de cor' é gostosa e boa de cama, boa de 'pega'".

Feliz dia da "puta não precisa ser inteligente", feliz dia da "mulher bonita e inteligente é mito", feliz dia da "engravidou pra ganhar pensão", feliz dia da "a gravidez veio logo pra segurar o casamento", feliz dia da "não fosse os filhos eu teria toda atenção, paixão e tesão de antes".

"Feliz dia da "ela disse que não me quer, mas tá se 'fazendo de santa', vou insistir até 'pegar'", feliz dia da "mulher de verdade só gosta de dinheiro, quem gosta de p**** é veado", feliz dia da "só casou por dinheiro", feliz dia da "essa Maria da Penha só serve pra mulher mentir na Justiça, tirar dinheiro e prejudicar o homem", feliz dia da "se apanhou é, porque alguma coisa fez", feliz dia da "que roupa ela usava quando foi estuprada?", feliz dia da "quem mandou sair beber? Quem mandou beber? Quem mandou ir pra festa? Pediu pra ser violentada!".

Feliz dia da "você é tão linda, para com esse feminismo e opiniões de esquerda", feliz dia da "competente não devia ser, se não tava 'por cima', tava rica"... Eis aqui meros exemplos! Cotidianos, infelizmente.

Não adianta nada os machos jogarem pedra nas "Genis" o ano todo, não adianta nada ser machista, misógino e boçal e hoje vir com "feliz dia das mulheres, vocês são essenciais na nossa vida" neste 08 de março! Evoluam homens, evoluam mulheres que reproduzem o machismo enxovalhando as outras que sequer conhecem e, assim, quem sabe a gente tenha dias mais felizes, porque o nosso dia é todos os dias e diariamente 1 mulher é estuprada a cada 3 horas no Brasil, há uma denúncia por agressão a cada 7 minutos, a violência doméstica mata 5 mulheres por hora mundo a fora, mulheres trabalham 5 horas a mais e recebem 76% a menos do que os homens, e a lista de desigualdades é imensa!

Respeito e consideração é nosso por direito, não é "plus", não é favor e nem confete para ser jogado apenas neste dia! Enfim, mundo: apenas melhore!

Aliás, o mundo não será justo enquanto as mães ensinarem a filha a “sentar-se como uma mocinha”, de perninhas cruzadas e elegantemente e permitirem que os meninos achem bonito dar “pum” em publico, arrotar como quem grita e fazer outras coisas afins.

Da mesma forma, não será justo o mundo enquanto as meninas lavarem a louça com a mamãe e os meninos saírem jogar futebol ao mesmo tempo. Ou o pai dar o carro para o filho adolescente sobre a “dica” de ele “comer” um maior numero de meninas e dizer para a filha adolescente que vai ao cinema com o namorado que ela não pode chegar depois das 23h.

Qual a solução? Criar seres humanos para serem seres humanos dignos e decentes, independente do sexo. Arrotar não mata, peidar também não, mas achar fazer isso em público sempre “lindo” é tolice.

Assim como meninos não morrem lavando e secando a louça e nem meninas deixam de ser meninas se jogarem futebol, assim como homem não deixa de ser homem se namorar a menina pela qual se apaixonou e nem a menina deixa de ser mulher se resolver dar carona para os amigos bonitos e cobrar a carona em “carne”. Machismo se aprende em casa. E machismo não fode com o mundo, machismo estupra o mundo. Se só “fodesse” era bom.

(Para recordar-lhes do caos que vivenciamos, leia-se parte do discurso do presidente ilegítimo e golpista neste dia 08/03 e ousem me dizer que o feminismo não é necessário:)

Cláudia de Marchi - Acompanhante Brasília - DF

Cláudia de Marchi



terça-feira, 7 de março de 2017

Saia da fossa afetiva e ame-se!


Sabe quando você está na fossa afetiva? Seja porque se obrigou a romper uma relação, pois o seu parceiro (ou parceira) era um poço de egoísmo, descaso, narcisismo ou futilidade, seja, porque ele cansou da sua companhia, do seu afeto e companheirismo e lhe traiu ou dispensou?

Não adianta nada ficar lambendo as feridas, parça, no estilo "pobre de mim": "Ele me explorou, eu fui usado", "ah, eu não mereço ser amado, só pode!", "ela tem razão, eu realmente sou muito exigente, pouco carinhoso, não mereço o amor alheio", "eu sou o cúmulo da falta de afetuosidade, sou egoísta e mereço isso tudo" e etc..

Tudo isso é mimimi, é a tal da autopiedade, mãe da depressão e da falta de amor próprio! Neste ritmo não tardará para você estar lambendo os pés daquele que lhe pisoteou.

Sabe o que você precisa para se recuperar, my friend? (Se você pensou que a resposta seria a oligofrênica ideia de transar com o máximo de homens ou mulheres possíveis está errado, erradíssimo! Isso só vai aumentar a vontade de virar capacho de ex, porque você ainda está emocionalmente conectado a ele e nada irá lhe "preencher".)

Você precisa mesmo é tirar um tempo para si, para curtir-se! Para ver o quão lindo esteticamente você é, o quão humorado, culto, vivaz, viril, talentoso, inteligente, saudável, atraente, bom de papo e interessante você é! Não, não precisa distribuir a boca, o pênis ou a pepeka por aí para redescobrir-se "amável"!

O amor, assim como a alegria, estão aí, dentro de você, refletidos na sua vida íntima, dentre seus familiares íntimos, seus bichinhos, dentre quem lhe ama e respeita, no seu trabalho, estão ali no espelho quando você sorri abertamente, porque é livre e pode tudo o que quiser, menos se humilhar para quem lhe humilhou, ou humilhar quem não tem nada a ver com seus recalques, sabe por que? Porque você merece só amor, e quem, de uma forma ou outra lhe humilha e lhe faz sentir-se um nada, só merece a sua indiferença!

Amor é aceitação, respeito, amizade, tesão, paixão, tara, desejo, diálogo: faz rir, faz gozar, até causa uma leve "DR" de vez em quando, mas nunca pisa, magoa e faz chorar. Nunca, entendeu?! Anote aí e seja feliz!

Cláudia de Marchi



quinta-feira, 2 de março de 2017

Virei notícia MUNDIAL!


Boa tarde gente linda!

Cheguei ontem de viagem, exausta!

Todavia, com algumas novidades pessoais: tornei-me notícia mundo a fora!

Confiram alguns dos links (existem outros pelo MUNDO!):

Thesun

Dailymail

Mirror

Dailystar

Debate

Jutarnji

Adaderana

Nieuwsblad

Heute

LTN

De ontem para hoje não trabalhei, só descansei a pele e alinhavei alguns negócios!

Prometo que não faltarão relatos apimentados nos próximos dias!

Cláudia de Marchi



Segunda-feira, 20 de fevereiro de 2017

Como fazer um homem de parco Q.E., acomodado e sem muita empatia se apaixonar por você antes de voltar com a "ex" (que ele trai) e para sua relação "meio bosta" e infeliz.


No tutorial de hoje eu vou ensinar as mulheres a fazerem um homem de parca inteligência emocional se apaixonar por elas:

1- Não se apaixonem pelo cabra! Homem mediano não gosta de mulher apaixonada, porque mulher apaixonada é "chata": quer exclusivismo, faz pergunta invasiva, sente saudade, quer presença, afeto, notícias, carinho, atenção, mensagem de afetuosidade e preocupação.

Mulheres que se amam demais não servem para esses párias que não sabem o que é apreço, adoração e amor de verdade na vida! Homem mediano gosta da mulher que não tá nem aí pra ele: esposa relapsa, que fica aliviada na sua ausência, pretendente que tem outro no coração. Se bobear até de uma guampa eles adoram! Caem de quatro!

Homens que não se amam, então, não sabem serem amados e, menos ainda, amar! Se sentem "mimimi presos", "mimimi pressionados", só o seu sexo lhes basta, é isso o que eles querem: transar. Mas sexo você acha em qualquer esquina, não é mesmo?! E ele também, até porque tem duas mãos com cinco dedos e um monte de foto de mulher cheia de Photoshop e muda para lhes agradar (omis assim se dão bem com as que não estão ligando para a sua existência, além das mudas, das fotos e afins!).

Desapegue dessa chatice modo hard incapaz de se entregar a qualquer sentimento que não seja egoísta e de colocar-se no lugar de quem não tem o coração oco e a alma pesada, covarde e moralista! Desencana, baby! A vida é linda demais pra empacar com cara complicado e imaturo que, no fundo (e no raso), não sabe o que quer da própria vida e só usa sua inteligência, conselhos e corpo quando convém!

2- Se você fez a merda de se apaixonar por um tipo emocionalmente burro de homem, desapaixone já queridinha! Faça uma lista mental com os mimimi do cidadão, com as mentiras, com os defeitos, incoerências entre o dito e o vivido, carência de brio e de atitude, covardia, comodismo, falta de firmeza, convicções e culhões, vergonha na cara, mais umas mentiras e outras meias verdades e desapega!

Eu sei, bonitona, se você se ama, depois da tal lista mental você vai desapaixonar em questão de horas! Não existem mais de 7 bilhões de pessoas no mundo pra você perder seu tempo nutrindo sentimento bonito por gente de coração feio e boca grande (pra enganar, iludir, mentir e se fazer de "bem resolvido": "Aiii agora estou livre!"...

Aham! Até a segunda feira chegar!).

Não fique onde você não é amada. Não permaneça próxima a quem faz pouco caso de grandes sentimentos. Não se quede inerte e silente com quem interpreta mal a sua preocupação, carinho e apreço. Algumas pessoas precisam ser ignoradas, porque não se amam e sequer sabem ser amadas.

Elas precisam da sua ausência, de um agir relapso, de sentimentos ditos da boca para fora, afinal, quando sentidos no coração eles geram preocupação, afeto, vontade de ter por perto. Tem gente que não se ama e não sabe ser amado. Compreenda isso e dê-lhes o que de melhor você pode lhes dar: a sua total ausência.

Outro dia falei indiretamente a um indivíduo que ele tem "parca inteligência emocional". O infeliz se ofendeu-se de morte, como se eu o estivesse chamando de asno, de burro, de ignorante! Soubesse ele o que de fato inteligência emocional significa teria me indagado (como cansou de fazer quando minha opinião era útil ou necessária para entender a merda do casamento e vida que leva), ao invés de "quebrar pratos".

Empatia é um exemplo de algo que cidadãos de Q.E elevado tem e neste caso mostraria-se assim: "se até ontem a sua opinião me valeu e impulsionou, porque não dialogar e compreender-te? Me explique o que queres falar-me." Ah, mas falta inteligência emocional pra muita, muita, muita gente! Elas só não admitem, pois são feitas de ego, não de afetos!

Esses seres querem a amante perfeita, a acompanhante perfeita, a esposa perfeita e estas são aquelas que não se amam e não estão "nem aí" pra reciprocidade, atenção, diálogo e cumplicidade. São mudas, sem tesão, sem paixão e o cidadão acomodado, com pouco brio, coragem, descentralizado do que realmente quer da vida e de baixo Q.E. tem medo da mudança: prefere ficar onde a paixão é escassa do que dialogar, se adaptar e compreender o outro.

Até deixo um texto para pessoas com problemas psicológicos afins lerem: http://www.resilienciamag.com/inteligencia-emocional/

Não custa nada procurar terapia e sair do vácuo da bestialidade arrogante!

Cláudia de Marchi



Quinta-feira, 16 de fevereiro de 2017

“Você acha que eu devo me separar?”


-Cláudia, cê acha que eu devo me separar?

(Perguntou-me, hoje, via telefone, um velho amigo).

-Você é feliz casado com a sua esposa?

-Não, não sou. Não fosse minha filha....

- Ah, tá! Mas, então você é feliz?

- Não, só amo minha filha.

-Ah, você é casado com a tua filha de 3 anos? Isso é crime...

(Fui interrompida).

- Não, claro que não!

(Se exaltou!).

- Humm...Então você é feliz casado?

- Já disse que não, guria! Tá se fazendo de sonsa ou de cega? C*%$#@&!

(Interrompi).

- Não, não estou. Se você não é feliz, “tá” me perguntando se deve se separar por quê? Eu não sou alter ego de ninguém, amigo! Ademais, se existir alguém neste papo se fazendo de sonso e/ou sendo sonso e/ou se fazendo de cego e/ou sendo cego, não é a minha nobre pessoa...

- Aff! Eu já trai a fulana com uma colega lá do...

(Interrompi novamente).

- Hum! Pensou muito na tua filha e no exemplo que você daria caso ela descobrisse a sua infidelidade?

- Não, “foi” sem pensar em nada.

- Ah, então o que você sente é medo de ser descoberto, mas “tá” em paz com a sua consciência por ser infiel?

- Não muito. Na verdade, nenhum pouco. A sicrana (esposa) vai sofrer muito se eu pedir pra me separar.

- Ah, que vai, vai. Mas, você tá feliz?

- Guria, já disse que não! Você já foi melhor conselheira, praga!

- É que eu sou “daquelas” que acha ser feliz fundamental, porque filhos precisam de exemplo de brio, honra e retidão de conduta dos pais, não apenas de presença constante de um pai infeliz que trai sem pensar e mantém casamento de “foto em rede social”. Isso sem contar que se você for pensar no sofrimento da sua esposa e parentes chegados você vai fazer só o que eles querem para o resto da sua vida... Que, de repente, termina antes do carnaval!

- O que é isso?

- Isso o que? Carnaval?

- Não! “Casamento de foto em rede social”?!

- É o casamento que a maioria tem: bonito pra ver em foto, (até porque tira fotos bonitas!), e finge que é feliz nas redes sociais. Conheço incontáveis além do seu!

- Ah, sim! Tem outra né Claudinha, filhos crescem e amadurecem. A fulaninha (filha) um dia vai entender tudo, quando não tiver mais essa visão infantil de casamento da “mamãe e do papai”.

- Uau! Você foi sensato agora!

- Mas, então, Cláu: me separo ou não? O que você acha, de coração?

- Acho, de coração, que eu vou dormir! Ou melhor, tenho certeza.

Cláudia de Marchi



Sábado, 4 de fevereiro de 2017

Quase 10 meses de solitude, prazer, renúncias e aprendizado como cortesã de luxo.


Quase 10 meses de solitude, prazer, renúncias e aprendizado como cortesã de luxo.

Dia 11/02 farão 10 meses que estou trabalhando como acompanhante de luxo e, praticamente um ano que comecei a me identificar com a ideia. O que quer dizer o tal de me "identificar com a ideia"?! Bem, para uma mulher de fortes princípios éticos e morais como eu, (apesar de certa dose de devassidão em momentos propícios), isso significa fazer renúncias, além de escolhas.

A escolha por tal profissão envolveu a superação de muitas necessidades vãs que eu insistia em ter. A priori, está aquela já bem sucateada em tempos de relacionamentos líquidos: a de ter "alguém para chamar de meu", parodiando a velha canção. Não vislumbro um namoro, menos ainda um casamento, coexistindo com a vida de cortesã. Eu jamais desejaria isso e tampouco teria admiração por um homem que aceitasse tal condição passivamente.

Vejo porém, que minha abdicação me fez mais forte, independente, imersa em solitude, sem o sentimento negativo da solidão que eu já senti noutros tempos, naqueles em que a imaturidade emocional vigorava! Aliás, fico boquiaberta ao me recordar da minha vida afetiva em tais épocas: vários namoros sérios, envolvimento familiar, para, não muito tempo depois eu me deparar com o comodismo e egoísmo do companheiro e, diante disso, terminar o relacionamento. Não direi que tais relações foram perda de tempo, pois aprendi muito com elas. Encontrei-me através de cada relação frustrada.

Todavia, viver do sexo com homens seletivos (afinal, eu só me encontro com os que leem meu blog, anúncio e descobrem detalhes a meu respeito) é, pois, muito mais libertador e regozijador para mim do que passar horas conversando com o cidadão do Tinder, do "Par Perfeito", do cara do Facebook que fizeram eu usar muita internet e desperdiçar tempo de leitura e estudo jurídico para, ao final, percebe-los frustrantes ou namora-los até vê-los acomodados deitados na cama, mexendo no celular para falar com os filhos ou família enquanto eu estava nua ao seu lado querendo transar.

"E as noites sozinha, Cláu?". São noites em paz! Eu não preciso dormir acompanhada para ser feliz, assistir a um filme com alguém para me sentir "preenchida", eu não preciso e ninguém precisa, mas eu descobri isso, muitas pessoas não. Algumas jamais descobrirão, porque sempre colocarão alguém para tapar os seus buracos existenciais. Eu tenho um urso de pelúcia que eu abraço para dormir, a Pimpo, ela me basta, tenho dois gatos e inúmeros livros. Tenho a escrita, tenho filmes!

O grande problema das pessoas é que elas têm para si a ideia de que um "amor" lhes fará mais felizes, lhes fará um imenso bem e lhes completará, ignorando que já viveram amores e terminaram no tédio, porque seguidamente este é o caminho das relações duradouras, sobretudo após os filhos nascerem. Ignorando que elas não são metades para serem completavas.

O problema é que as pessoas não se sentem plenamente bem sozinhas, sem uma parceira sexual, um amigo colorido, um caso pra conversar no WhatsApp, um amigo festeiro, um monte de álcool e várias ilusões. O ser humano vem se alimentando de ilusões, porque vive com o ego, não com o coração.

Porque ainda não descobriu dentro de si mesmo que ele tem e ele é tudo o que precisa para ser feliz e que a sua companhia sempre será plena e a melhor que ele poderá encontrar nesta vida. Sem descobrir a inteligência emocional em si mesmo o ser humano seguirá assim: casado com ilusões vãs e com parco conhecimento de si mesmo mantendo-se na procura pelo seu "par perfeito".

Cláudia de Marchi - Acompanhante Brasília - DF

Osho- "A essência do amor".

Cláudia de Marchi - Acompanhante Brasília - DF

Cláudia de Marchi



Quarta-feira, 1 de fevereiro de 2017

Tutorial com passo a passo de como ler anúncio e não perguntar "como é o atendimento" por telefone ou whatsapp.


No tutorial de hoje eu vou ensinar aos homens o que NÃO perguntar ao telefone para uma acompanhante de luxo de cujo anúncio (detalhado) eles tiraram o seu número de telefone celular:

1- "O que essa linda mulher faz de bom?"

Viro pirueta? Danço "macarena"? Sambo estilo a Globeleza? Ensino a dançar milonga, xote e vanerão?

Dou aula de Direito Constitucional, Biodireito, Direitos Humanos, Direito da Infância e Adolescência, Direito dos Contratos, Teoria dos Fatos Jurídicos, Direito das Obrigações, Direito Penal (Crimes contra a pessoa), Direito na Sociedade da Informação, Direito Internacional? Não, isso eu fazia até 02/02/16.

Bem, até onde sei eu faço sexo! E muito bem, por sinal (percebo que a prática leva à perfeição) basta ler o anúncio até o fim, claro!

Ao final do item 2 consta o passo a passo, mas deixo aqui a imagem de onde acessar o "diário" através do www.claudiademarchi.com.br:

Cláudia de Marchi - Acompanhante Brasília - DF

Sabe ali onde diz "diário"? Estão descritos com detalhes cada encontro sexual que tenho!

2- "Como é o seu atendimento?". Ruim, péssimo, mecânico, sem diálogo, sem beijo, não faço higiene bucal, atendo 4 cidadãos seguidos, só jogo uma água nas partes íntimas entre um e outro e masco um chiclete para não escovar os dentes, não uso sabonete íntimo, meus perfumes são de péssima qualidade, me visto mal, tenho clamídia, herpes e vaginose bacteriana, transo sem camisinha quase sempre, mas obrigo o cliente a passar álcool gel antes de me tocar.

Não, obviamente não é assim e nem eu sou deste naipe, mas, se fosse, será que eu diria? Pensando comigo em 3, 2, 1: Obviamente não, pois ninguém faz propaganda negativa de seu trabalho e de si!

Vamos para um passo a passo de como ler o anúncio no Belas 61 até o final:

1- Você acessa o meu anúncio e se leres verás que peço o "favor" de leres ele até o fim. Tá vendo? Ali no comecinho eu peço isso!

Cláudia de Marchi - Acompanhante Brasília - DF

2- Daí segue a descrição, onde consta o que faço:

Cláudia de Marchi - Acompanhante Brasília - DF

3- Após vem as fotos, nenhuma com photoshop, diga-se de passagem e, ao final da página (é só usar o mouse e rolar até o final, você consegue!) e, então, verás os comentários de alguns clientes que quiseram escrever lá, afinal, há sigilo de identidade. Vamos lá, ler!?

Cláudia de Marchi - Acompanhante Brasília - DF

Cláudia de Marchi - Acompanhante Brasília - DF

Cláudia de Marchi - Acompanhante Brasília - DF

Cláudia de Marchi - Acompanhante Brasília - DF

Cláudia de Marchi - Acompanhante Brasília - DF

Viram? No momento só tem 17 comentários! A maioria sucinta.

Enfim, não custa ler comentários ao fim de anúncio e acessar o site da acompanhante, porque pergunta idiota vai receber resposta igualmente idiota ou mentirosa.

Ah, mas dai eu respondo que "basta ler o anúncio até o final, ver os comments de alguns clientes nele e acessar o diário do meu site" e passo por "grossa". Homens, salvos pelos pênis, porque o machismo e o ego corroeram os cérebros de alguns!

Cláudia de Marchi



Terça-feira, 31 de janeiro de 2017

Micro tutorial para os homens recuperarem o senso do ridículo.


No tutorial de hoje eu vou ensinar aos homens (ou seriam garotos?) a terem noção do ridículo:

1- não chamem uma acompanhante no WhatsApp as 7h da matina só para elogia-la;

2-nem toda mulher é carente de elogio, nem toda mulher tem paciência com mimimi;

3- algumas sabem que são belas e socialmente "damas";

4- não leciono mais Direito Constitucional, principalmente com pretenso cliente desabonado (todavia, por R$ 1.000,00 a hora eu transo e ainda ensino tudo Constitucional!);

5- Ah! Não pechinchar, quando o assunto é encontro sexual, é obrigação e você não merece confete parça!

6- se eu não tivesse bom humor já estaria presa;

7- vai tomar um banho de água gelada e se valer do "5 contra 1" pensando em mim (ou em quem quiser), pois já dizia o poeta: "sonhar não custa nada". E se masturbar também não!

Cláudia de Marchi - Acompanhante Brasília - DF

7- Há também a "incrível história" do macho que quer marcar sem antes saber o preço! Francamente? As acompanhantes devem estar cobrando muito pouco em Brasília para o macharedo chegar em mim com tal conversa (isso é frequente).

(Parêntese: Dica para a mulherada: valorizem suas companhias prezadas, aprimorem o Q.I. e a cultura (com leitura!), cursos e etc., cuidem da pele, dos dentes e do rosto, não só o corpo e inflacionem-se! Obrigada.)

Cláudia de Marchi - Acompanhante Brasília - DF

(Eu aceitava cartão, mas só débito. Não sou mercadoria para ser parcelada ou paga no crédito).

Gosto de clientes seletivos que vem e voltam, quem precisa pagar no crédito não tem "potencial de fidelização". Meu objetivo: pouca rotatividade, clientes satisfeitos e lucro sem perder a dignidade.

Cláudia de Marchi



Segunda-feira, 30 de janeiro de 2017

Micro tutorial de como correr atrás de homem.


Galera linda no tutorial de hoje vou ensinar para as mulheres como correrem atrás do cara que tem o seu número de telefone, mas não lhes procura: 1-não procurem o macho; 2- não liguem para o macho e o envaideça; 3- deletem o número do telefone do sujeito; 4- só corra atrás dele se ele roubar a sua bolsa e ela custar mais de R$ 2.000,00 e seu sapato não for chique, bonito e caro, do contrário é melhor poupar a sola dos mesmos e as pernas.

Cláudia de Marchi



Terça-feira, 10 de janeiro de 2017

Pequena grande crônica sobre o esforço vil para manter relacionamentos falidos e a importância do sexo no casamento.


"A gente tá lutando para o nosso casamento dar certo". Filhinhos, seguinte: relacionamento tem que ser "facinho"! Tem que ter cuidado mútuo, bom humor, diálogo, tesão, aquelas fodas fora da cama para sair da rotina, entrosamento!

Não tem que ter mimimi terapia de casal, mimimi mènage ("não tenho tesão na minha mulher, vou colocar outra no meio, porque um processo de separação é muito dispendioso")! Casamento tem que ser bom, divertido e prazeroso para ambos!

Se for pra ser "lutado" é porque a "coisa" morreu e você tem preguiça de enterrar, não por amor, mas para não ferir o ego, afinal, o que será das suas redes sociais sem as fotos da "família linda que Deus lhe deu"?! Ah, como se vive de aparência neste mundo fútil pós-moderno!

Querida, se for pra passar sufoco dobra lençol de elástico, corre uma maratona, corta os carboidratos da dieta, relação é para ser simples e prazerosa, chega de romantizar a "luta" para manter-se ao lado de alguém pisando na sua dignidade e amor próprio por puro orgulho e egocentrismo!

Quem ama não deixa o outro de lado. Quem ama percebe pela voz e até pela digitação se o outro está feliz ou triste, incomodado ou animado. Quem ama tenta agradar. Quem ama seduz.

Quem ama não esquece que tem um parceiro gostoso na cama só porque tem duas crianças (geradas por intenção própria!) dormindo no quarto ao lado. Quem ama presta atenção no outro.

Por outro lado, quem tem orgulho ferido, inventa que ama por covardia e medo da solidão na hora do necessário rompimento.

Amor é cuidado, atenção, prezar, preocupar-se com o bem estar, além da paixão e tesão, sim senhor! À vocês que dizem que "sexo não é tudo numa relação" comecem a dizer que fidelidade e lealdade também são desimportantes, porque em relacionamento sem tesão vai ter traição sim!

"Nada" é "tudo" num relacionamento! Há de existir sintonia, cuidado e dedicação mútua, ausência de comodismo, loucuras em comum, desejos em comum, libido em comum, parceria, predileções, valores, amizade! Mas, não sejam hipócritas: casamento sem sexo é amizade, logo ter um cão ou gato sai mais barato e pode ser bem mais divertido, além de digno.

Parem, portanto de propagar essa ideia imbecil e machista de que homem tem mais libido do que mulher! Acontece que a mulher na sociedade patriarcal é educada pra "catar" um marido e parir.

Dai vem fraldas, amamentação, preocupação com o lar e filhos (aliás, você "marido libidinoso", ajuda sua parceira nas tarefas cotidianas?), mudança hormonal, além do fato lá no início comentado: na busca pela aliança e do "até que a morte os separe" tem mulher assexual (já escrevi aqui sobre os assexuais) se fazendo de tarada pra "engatar" o macho e depois perde a razão do disfarce e só transa pra cumprir tabela! Simples!

Assim como tem homem sem ou com apetite sexual reduzido, existem mulheres assim! Tem macho que prefere encher a cara, cheirar, chegar em casa broxa e dormir! Tem gente para todos os gostos neste mundo, a questão é saber qual é o seu e viver bem, ao invés de "suportar" uma vida merda por comodismo!

A gente fode muito bem sem amar, mas depois que ama cada foda é uma demonstração de amor! De corpo e alma! Sexo é divino e, sim, independente do amor, ah, mas o amor? Depende do sexo para ter graça! Oh, se depende!

Cláudia de Marchi



Terça-feira, 3 de janeiro de 2017

Da misoginia ao massacre em Campinas.


Era uma vez Marcelo. Marcelo curtia marcas, usava relógio caro e dirigia um carro de fabricação estrangeira. Era um homem de trinta e tantos anos bastante dedicado a sua carreira jurídica. Certa noite ele e Juliana, sua namorada, pós-graduanda em Filosofia, que carregava consigo uma bolsa Victor Hugo, uma pulseira Vivara e algumas semi-joias caríssimas foram assaltados.

Os ladrões, de arma em punho, em frente ao portão da casa de Marcelo exigiram-lhes tudo: carteira com dinheiro e cartões, bolsa, sapatos, relógios, joias e semi joias e, por fim, o amado carro de Marcelo. Amarraram-lhes, colocaram uma fita em suas bocas e ali lhes deixaram semi nus. (...) Conseguiram ajuda e passam bem.

E agora, alguém aí tá "se dizendo": "mas, também, pra que ostentar numa sociedade com tanta criminalidade?", "por que sair de casa com bolsa de quase 3 mil, joias e semi joias finas?". Não, certo? Os produtos eram deles e eles tinham o direito de usar, não é?!

Então, porque vocês, bando de leigos sem empatia e conhecimento de causa, resolvem ser "vitimologistas" de quinta categoria quando a vítima do crime é mulher (inclusive quando se trata de estupro) e acabam culpando-a pelo que lhe ocorreu? Detalhe, é sempre quando a vítima é mulher! Em caso de agressão, feminicídio ou estupro de qualquer espécie vocês correm questionar a conduta da vítima do sexo feminino! Vocês correm para atribuir a culpa do agir alheio cruel e despropositado à vítima de quaisquer delitos, desde que ela seja mulher ou se identifique como sendo deste sexo.

Sinto lhes dizer, mas vocês têm uma mentalidade doentia, tacanha e misógina. Ainda que "vocês" sejam mulheres. Além de nojo, vocês me dão pena. Se você não leu os autos do inquérito ou processos, se não conhece Direito e Psicologia Jurídica, se não tem expertise alguma no assunto e nem está sendo pago para defender o bandido, seja apenas humano e repita para si no mínimo 1000 vezes: "a culpa nunca é da vítima! A culpa nunca é da vítima!". Deu pra entender ou preciso desenhar?!

De toda forma, eu vou lhes desenhar sobre como se origina a cultura misógina de culpar sempre a mulher e malbaratar seu sofrimento. Da educação dada pelos pais! É a mãe que fala mal do pai na frente do filho atribuindo a culpa pela desatenção dele "àquela vagabunda da nova namorada do seu pai". Criando no inconsciente do homem asco à mulheres e, por outro lado, perpetuando a rivalidade entre elas, ignorando que o macho trai porque lhe desrespeita e namora quem ele deseja, porque deseja! (Quiçá usando dos mesmos artifícios que usou para lhe conquistar).

Quem cria machista é a mãe que ensina a filha a lavar suas calcinhas, mas lava as do filho homem. Quem cria machistas são as mulheres que jogam confete no marido que "ajuda" nas tarefas de casa, quando ele não faz nada além da obrigação: as obrigações são da casa, não são suas!

Quem cria machista e misógino é o pai que explica para o filho que ele tem que ficar com muitas mulheres, mas deve se casar com a mais "intocada", porque existe "muié pra casa e tira cria e muié pra come".

Quem cria machista é a mãe de sexualidade recalcada que fala mal da colega de vida livre na frente dos rebentos. Quem cria machista são os pais que, ao verem uma notícia sobre um estupro, colocam a culpa na vítima, o que não fazem quando noticiam que um homem usando um rolex foi assaltado.

Quem cria machista é a mãe que pede para a filha ajudar a lavar a louça enquanto o filho vê futebol na sala com o papai que, por sua vez, sempre manda o menino engolir o choro, "porque homem não chora" e censura o short da filha no verão, enquanto o filho anda sem camisa.

Ou seja, quem ensina o machismo são os pais e eles fazem isso tanto com as filhas mulheres quanto com os filhos homens. Eles, tendem a se tornar problemáticos que não suportam ouvir um não de uma "puta", elas, farão parte daquele grupo que acha que mulher tem que rivalizar e puxar o tapete da outra para ser a ela superior. No final, todos perdem e a inteligência sofre nocaute!

Vejamos uns apontamentos feitos por mim, que tive um relacionamento amoroso com um misógino. Início do romance: "Cláudia, você é especial, diferente das outras, não sai pra balada caçar macho, não transa com qualquer um. A maioria dessas mulheres de hoje são umas vadias interesseiras você nem deve chamar aquelas suas conhecidas piranhas de 'amigas'".

Meses após, namoro após, quiçá casamento após: "Fulano essa relação não é o que eu quero, eu mereço mais, ainda que eu goste de ti." Gritos, uivos, (quiçá objetos jogados ao chão) e segundos depois: "... Vagabunda, vadia, piranha, você não vale nada. Merece morrer! Eu fiz de tudo por você... (mimimi vitimismo)".

Sacou mulherada? O cara que hoje destila ódio às outras, assim que tiver o seu ego de cristal ferido por um "foi bom, mas não quero mais", vai colocar toda a sua ira estúpida, machista e doentia contra você!

Eu fui vítima disso como acompanhante que dispensa clientes de abordagem tosca no site misógino e criminoso chamado GP Guia! Já pensou se o fora que dei naqueles mentirosos fosse tèt a tèt? Quiçá eu estivesse espancada numa cama de hospital!

O misógino não suporta receber "não" de mulher, ele não respeita a que impõe preço ao seu tempo, porque acha que ele deve colocar, ele também não respeita a que não coloca preço e acha que ambas devem aceitar a sua companhia imbecil e nada cavalheiresca, porque, no fundo, não vêem mulheres como seres humanos, mas como coisas de um nível inferior ao seu.

Ciente disso não me apavora que existam defensores do cidadão que cometeu um massacre em Campinas/SP e matou o próprio filho! São os papagaios de Bolsonaro, ignorantes, misóginos, fascistas-cristãos defensores da "família tradicional brasileira", obviamente!

Esse cara não matou estas pessoas sozinho: teve uma "carga" de dementes virtuais, analfabetos funcionais e inaptos no amor ao próximo lhe achando um "grande homem", afinal o "feminismo destrói famílias", certo?! Não, errado! O ódio às mulheres empoderadas (vulgo vadias, vagabundas e termos correlatos), destrói famílias, o machismo destrói a empatia e o amor ao próximo.

Feministas não entram em festa fazendo chacina, feministas não querem ser tratadas como lixo por homens escrotos e maldosos. Só isso parça, o resto é fruto da sua mentalidade ignorante que ainda não percebeu que pra misógino rejeitado as palavras de ordem são "ódio" e "repúdio às vadias". Desde que o mundo é mundo, infelizmente!

O cidadão cometeu um massacre com argumentos de ultra-direita dignos do lixo intelectual da "caixa" de comentários do G1 e afins. E é isso que me preocupa, aquele infame não estava sozinho e toda a sociedade estúpida e mal criada pelos pais tem seu dedo de culpa.

Cláudia de Marchi



Segunda-feira, 2 de janeiro de 2017

O primeiro cliente do ano, a objetividade e o whatsapp: UM EXEMPLO!


Tudo o que é primeiro, seja em qual situação for, acaba se tornando inesquecível. Pelo fato de ser o primeiro, se será bom ou ruim, já é algo que depende de outras contingências.

Resolvi fazer este mini-texto sobre o primeiro homem com quem transei em 2017, na verdade, não é "sobre ele" em si, nem sobre quão boa, selvagem, multiorgástica e gostosa foi as nossas duas transas.

É, apenas sobre como uma cortesã/acompanhante de luxo como eu se sente agradada nos contatos recebidos:

1- Me chamou no whatsapp onde aparecia o seu rosto, deu seu nome, NÃO PERGUNTOU nada que não tenha lido no anúncio (a tradicional e analfabeta pergunta: "como é o seu atendimento?" que pode ser saciada se o cidadão ler o que consta no site);

2- Já havia entrado no meu site e visto o valor da hora do encontro;

3- Não ficou usando o tempo para elogiar minha beleza (quem é que vai contatar acompanhante que acha feia? Há uma dedução lógica que o cidadão que nos contata nos achou bonitas!).

Enfim, eu seria plenamente feliz se, além de tarados e bons de pegada todos os homens que me procurassem me abordagem com este nível de objetividade e maturidade:

Cláudia de Marchi - Acompanhante Brasília - DF

Cláudia de Marchi - Acompanhante Brasília - DF

Cláudia de Marchi - Acompanhante Brasília - DF

Ele terminou feliz, eu também, dialogamos bastante e, mais do que uma hora e duas fodas fantásticas, trocamos ideias sobre livros, comportamento humano, filmes e etc.. Surge, pois, uma amizade discreta que pode ser alimentada a cada novo encontro.

Caras como este são os que atendo. Representam 100% da minha clientela. O resto, realmente, eu dispenso. Mas, ao menos, sou muito, muito feliz na minha profissão e você, também, é?

Cláudia de Marchi



Sexta-feira, 30 de dezembro de 2016

Sobre 2016: o ano da minha revolução! (com fotos).


Cláudia de Marchi - Acompanhante Brasília - DF

Eu poderia escrever um "textão" falando mal de 2016. Psicologicamente, quiçá, lá no fundo, eu devesse escancarar as minhas revoltas com incontáveis injustiças, de demissão em início de semestre letivo, falecimento trágico de um primo à impeachment (GOLPE) julgado por um Congresso ilegítimo.

Do machismo, preconceito e misoginia ao lamentável e diariamente "constatável" analfabetismo funcional do nosso povo. Mas, não, não farei isso! Pelo menos não com tanta veemência!

Fato é que em 2016 eu peguei as rédeas da minha vida, conforme ela (a vida) as "largou" para mim, e coloquei-as no prumo das minhas decisões.

Cláudia de Marchi - Acompanhante Brasília - DF

Eu contrariei parente distante e hipócrita, "amiga" que antes de casar já era corna, conhecida que dá de graça para qualquer cidadão que aparentemente seja abonado e um "bom partido" para casar. Eu coloquei valor à minha companhia, afeto e a tudo que está envolto na intimidade entre um casal heterossexual.

Cláudia de Marchi - Acompanhante Brasília - DF

Foi só o que eu fiz e por isso fui criticada, julgada e malbaratada, porque as pessoas acham que no universo em que eu vivo todas são baderneiras, interesseiras ao extremo, golpistas, fingidas e "sem futuro".

Eu tinha um futuro que dispensei: cinco meses de seguro desemprego, contando com a sazonalidade da advocacia e, quiçá, um emprego numa outra universidade do nortão do MT onde tínhamos uma bela e confortável casa, cujas parcelas da CEF eram eu quem pagava. Assim como luz, água, comida, telefone, internet e etc.. Perdulária? Nunca fui!

Cláudia de Marchi - Acompanhante Brasília - DF

Mas, eu me revoltei, me rebelei e estou onde escolhi estar por revolta e desapontamento com o ser humano.

Colegas? "Amigos"? Não tenho mais, não preciso e dispenso. Porque quando alguém deveria manifestar carinho, preocupação e atenção sinceras, raríssimos o fizeram, enfim, conto nos dedos quem o fez e, desses, obviamente, jamais me esquecerei.

Cláudia de Marchi - Acompanhante Brasília - DF

"Coleguismo"? Nunca vi. Puxa-saquismo? Diariamente! Os que se mantêm "de pé", bem julgados, bem avaliados (ainda que mediante fraude à avaliação institucional), por exemplo.

Agora eu sou livre e é por isso que cobro razoavelmente bem e seleciono clientes por muitos fatores desde o bom por português até a aparente cultura e aparência. Eis um direito meu! Não gosta? Procure outra, o mercado está cheio!

Cláudia de Marchi - Acompanhante Brasília - DF

Nem toda "puta" morre de fome, nem toda "puta" tem amiga pra fazer festa e ouvir música alta, nem toda "puta" compete com a coleguinha no agachamento, nem toda "puta" sonha em aparecer na TV ou virar panicat (Cruz credo!), nem toda "puta" quer se "encostar" em político idoso, desonesto é dependente de Viagra, nem toda "puta" deu pra mil caras desde os 15 e durante a faculdade, nem toda "puta" se intitula universitária e não diferencia "mas" de "mais", nem toda "puta" se humilha pra ficar com o filho do fazendeiro infiel e desrespeitoso, nem toda "puta" quer o tiozão rico para andar ao seu lado como objeto decorativo e imprestável mentalmente.

Cláudia de Marchi - Acompanhante Brasília - DF

Nem toda "puta" atende telefone na madrugada e sai correndo tipo louca de casa atender a estranho, nem toda "puta" aceita qualquer abordagem ao telefone ou WhatsApp, nem toda "puta" aceita pechincha, nem toda "puta" quer ver a outra se dar mal para ela se dar bem, nem toda "puta" reproduz o machismo e acha bom uma agredida ter recebido metade do que deveria quando foi agredida, nem toda "puta" usa drogas ilícitas e lícitas diariamente, nem toda "puta" se porta como "puta", nem toda "puta" usa legging e saia mostrando o útero, nem toda "puta" se diz de "luxo", sem saber diferenciar trabalho autônomo de vínculo empregatício, nem toda "puta" precisa dos seus conselhos sobre economia e quaisquer assuntos afins. Nem toda "puta" só lê a "Boa forma" e, se muito, a revista "Nova"!

Cláudia de Marchi - Acompanhante Brasília - DF

Nem toda "puta" tem vergonha do que faz! (se tem vergonha, faz por quê?). Nem toda "puta" faz só o que o macho quer, nem toda "puta" finge orgasmo e chama o cliente inculto de "meu amor", nem toda "puta" frequenta lobby de hotel e dá cartão pra taxista e porteiro no setor hoteleiro, nem toda "puta" finge se sentir bem com você e nem toda "puta" quer você!

Cláudia de Marchi - Acompanhante Brasília - DF

Logo, eu aprendi neste ano que falta muito para os homens e mulheres evoluírem e deixarem o egocentrismo de lado, que falta muito para haver sororidade entre as mulheres, aprendi que é fácil apedrejar a Geni enquanto segura a cria no braço direito, afinal em nome da "sociedade, família e bons costumes" você tinha que parir para ser adequada às exigências da hight society (que há anos esta cada vez mais down!) e formar uma hipócrita família feliz de foto no álbum de família e Instagram.

Cláudia de Marchi - Acompanhante Brasília - DF

Ou seja, 2016 foi o ano em que vim sozinha com uma mala (com excesso de bagagem, claro) para a capital federal, aluguei um flat, provei a quem comigo conviveu que nem toda acompanhante é o estigma que delas se "tem". Vivi sozinha, amadureci sozinha e cresci, em todos os aspectos, sozinha!

Cláudia de Marchi - Acompanhante Brasília - DF

E, hoje, com a minha seletividade, carta de clientes, alegria e paz de espírito eu só posso dizer: antes vender meu tempo por sexo e diálogos com verdadeiros lords, belos e em sua maioria mui joviais, do que vender minha existência a um casamento baseado na carência de ter alguém para chamar de "meu", ter uma vida infeliz e eterno medo da solidão!

Cláudia de Marchi - Acompanhante Brasília - DF

Eu aprendi a ser uma mulher inteira, a não ter vergonha do que faço, pois não é desonesto, aliás, é mais honesto do que o proceder de muitos ex-colegas advogados ou professores. Eu aprendi que o empoderamento gera arremesso de pedras, mas também gera reação, luta e coragem. Eu aprendi a ter poder, ainda que tentem me diminuir. Eu aprendi a dizer "me deixa e não se apaixone por mim, não admiro homens infiéis" para muitos daqueles que me ofereceram viagens e sustento em troca de exclusividade.

Eu aprendi que não ser "exclusiva" não tem a ver com não ser leal, eu aprendi que sentimentos superam machismo e conceitos toscos de amor.

Cláudia de Marchi - Acompanhante Brasília - DF

Eu aprendi a deixar entrar em mim quem eu quero e a colocar o meu coração, numa gaveta separada e distante, na qual só insiro quem for muito, muito especial!

Eu aprendi que a hipocrisia me causa mais ojeriza do que eu imaginava, pois já ouvi de várias pessoas que devo arranjar um "coroa" rico para me "sustentar". Logo eu pensava: será que as pessoas pensam que a mulher, como um objeto decorativo ao lado de um velho, é mais decente do que uma independente e empoderada acompanhante de luxo? Ou será que as pessoas me acham com cara de reumatismo? Eu gosto de sexo sem Viagra gente! Dispenso cidadão que precisa de remédio pra ficar excitado comigo! Aliás, basicamente eu nem tenho clientes velhos!

Cláudia de Marchi - Acompanhante Brasília - DF

Enfim, é socialmente aceito ser interesseira, casar por dinheiro, chamar o velhote de "meu amor" e ser "sustentada" como se inválida ou acéfala fosse, mas fazer sexo por dinheiro não, é "absurdo", é "indecente"! A bonitona que casou com o velhote 30 anos mais velho é a madame "digna" de respeito, não a chamam de "puta" ainda que ela tenha vendido o corpo, as suas manhas e as suas noites e todas as horas de seu tempo a um homem, não raras vezes, sem virilidade, humor e beleza.

Realmente, a sociedade é uma piada! Demoniza o sexo e sacraliza a união por interesse, deturpa a apetência sexual correlacionando-a à imoralidade, enquanto bate palmas para a imoralidade de juras de amor com base na falsidade.

Cláudia de Marchi - Acompanhante Brasília - DF

E, sobretudo, eu aprendi que a opinião de pessoa alguma me interessa, me avilta, me afeta, porque deste corpo, mente, saúde e alma eu sei cuidar, e o faço muito, muito, muito bem, obrigada!

2016 foi o ano em que eu nasci para a vida adulta e contente, para alegria de quem me ama e desprezo dos miseráveis que me odeiam!

Cláudia de Marchi - Acompanhante Brasília - DF

E QUE EM 2017 IMPERE O AMOR,

O RESPEITO AO PRÓXIMO,

MENOS FOFOCA,

MENOS HIPOCRISIA,

MENOS JULGAMENTOS,

MAIS HA-HA-HA

MENOS MIMIMI

COM CADA UM CUIDANDO DA SUA VIDA!

FELIZ 2017!

Cláudia de Marchi - Acompanhante Brasília - DF

Cláudia de Marchi



Quinta-feira, 29 de dezembro de 2016

Sobre Luiz Carlos Ruas, Jesus, religião e amor ao próximo: para reflexão.


Jesus, grande revolucionário, não escreveu aquele livro que vocês usam para justificar seu ódio e preconceito e que a "santa" igreja católica, assim como pastores usam para tolher a sua liberdade, lhe dominar, lhe fazer servil e "surrupiar" o seu suado dinheiro.

Vejamos: no metrô paulista, na noite do último dia 25/12 (esta data lhes lembra "alguém"?), quem seria Jesus? Os homofóbicos que estavam agredindo a uma travesti, que usaram até a infidelidade da esposa como justificativa para a violência ou o vendedor ambulante que, por solidariedade e bondade, foi defender a mulher agredida e terminou morto?

A religião não está "ligando" o ser humano à Deus, mas lhe aproximando, como sempre, da cegueira, do ódio e da intolerância. Jesus andava com prostitutas, ladrões e demais excluídos, você acha mesmo que ele está ali, ao lado do Malafaia? Do Bolsonaro? Do Feliciano?

Você acha mesmo que Jesus está ao lado de um Vaticano milionário que não auxilia as crianças na África como, sabe-se, poderia? Você acha que ele está ao lado do pastor multimilionário?

Você acha que ele está com estes e com todos os demais que falam em "abominação", que dizem "eu não tenho preconceito, mas" (e lá vem o julgamento!) e palavras/termos afins quando ele só falou em "amar ao próximo"?!

Você acha que Cristo estaria com você pseudo-sociopata crente que me mandou mensagens de ódio e ira ou que quer me converter? Por favor, pensem!

Eu não tenho e não preciso de religião, me contento em não fazer ao outro o que não desejo que ele me faça. Acredito na ética da reciprocidade e no respeito ao meu semelhante, ao meu diferente e a qualquer ser neste mundo!

Ele só queria que nos amássemos e respeitássemos e nem isso vocês conseguem fazer, pelo contrário, se puderem pegam suas bíblias e batem com ela nas pessoas. Coitados de vocês! Obrigada. (É, e Cristo teria sido morto novamente sob a inércia dos covardes e intolerantes que ainda acham que sexualidade define caráter).

Cláudia de Marchi



Quinta-feira, 29 de dezembro de 2016

"Como é o seu atendimento?" e outras perguntas sem graça.


Falarei sobre o que, pelo menos a este “ser-humaninho” aqui, irrita na abordagem dos clientes. Qual acompanhante nunca, no salão de beleza ou na esmaltaria fazendo as unhas, no mercado pagando suas compras, na loja de grife, na livraria, na massagem ou na academia, recebeu uma ligação, atendeu e do outro lado uma voz masculina lhe indaga: “Oi querida, gostaria de saber como é o seu atendimento?”.

Analisemos a situação: aquele que liga, deduz-se, está num local privado, a ponto de poder telefonar e fazer tal pergunta, mas é humanamente impossível (ou imbecilmente possível) exigir que a acompanhante só atenda seu telefone em banheiros ou em locais com extrema privacidade, certo?

Então, o que um homem perspicaz deve fazer? (E fazem, os cavalheiros fazem!). Deduzindo que nem sempre você pode “narrar” o que você faz e que isso, por si só, já começa “mecanizando” a relação antes de seu inicio, ele, sabedor que é de suas próprias e masculinas predileções deve ser direto e facilitar a consecução do seu objetivo que é, basicamente, “aferir” a afinidade sexual entre vocês.

Quando você tem que entrar em "embate" ao telefone sobre o que consta ou não consta no seu anúncio em site de acompanhantes é que você percebe o baixíssimo nível intelectual do brasileiro médio. Claro, aquele que você não atende, porque não curte bípedes circunstanciais incapazes de lerem 10 linhas objetivas e diretas.

Assim como o cidadão abaixo:

Cláudia de Marchi - Acompanhante Brasília - DF

"Explicar como é o atendimento", seria o que? Desenhar? Fazer um tutorial de como se faz sexo, afinal o que você faz está no anúncio, seria, pois, necessário enumerar com figurinhas tipo em gibis? Vou pensar na ideia!

Algo mais ou menos assim, bastante compreensível: “Boa tarde querida! Qual o valor do seu cache? Você faz anal? Oral sem camisinha? Faz beijo grego? Curte receber sexo oral? Faz ‘inversão’? Curte DP? Atende casal?”. Você responde o valor, responde os necessários “sim” ou “não” e, dependendo de onde estiver, claro, pode dar mais detalhes e caprichar melhor no senso de humor (homens adoram mulheres alegres, aliás, quem não gosta?).

Às vezes a bem humorada passa por “sem graça”, porque não atendeu a ligação num lugar que lhe propicie se “soltar” e acaba sendo monossilábica! Ademais, ainda que conte tal fato ao possível cliente, não ficará imune a parecer antipática. Por isso o whatsapp é uma ferramenta importante: não substitui o “ouvir a voz”, mas possibilita-nos dar detalhes mais facilmente e independente do local em que estejamos.

Mas, enfim, continuemos na possibilidade de o cidadão telefonar e fazer as perguntas cujas respostas lhes são essenciais e que serão, pela acompanhante, respondidas da melhor forma possível: se ele se agradar, pede um horário, “fechando” com sua agenda, ambos marcam, se encontram e se divertem! Simples, respeitosa, empática e objetivamente!

Algo extremamente desagradável, também é a confusão que muitos moços afoitos fazem entre acompanhante e plantonista hospitalar. A gente não vive só pelo sexo! Temos família, compromissos, lazer, leituras e, inclusive, aquela coisa famosa que, em mim, só é menos “assídua” que a fome... Ah, lembrei, o sono! Ou seja, nós dormimos e não temos obrigação alguma de atender telefonema de madrugada ou antes das 06 da matina. Não temos tal obrigação e nem devemos ou precisamos nos obrigar a “funcionarmos” 24 horas por dia.

O que fazemos é um trabalho, é um oficio. Pode não estar legalmente regulamentado, mas se nós mesmas não passarmos a impor o respeito que nossa classe merece, isso ficará cada vez mais distante, afinal, a sociedade machista e hipócrita prefere fazer conosco o que domésticas preguiçosas fazem com a poeira: empurram para debaixo do tapete. O que não a torna inexistente!

Aliás, homens cavalheiros, normalmente, ligam para marcar com antecedência, inclusive quando pretendem nos encontrar após um compromisso que venha a terminar tarde da noite, por exemplo. Eu, pessoalmente, após 22h30min não atendo o celular. Antes de sexo ser divertido, antes de gozar ser melhor do que comer e dormir, ser acompanhante é uma profissão que vai muito além de deitar numa cama, chupar um pau meio sem vontade e fingir orgasmo, porque está cansada.

Ou seja, é uma profissão e requer da acompanhante o bom e velho profissionalismo e, este inclui a imposição de respeito e até o perfeccionismo, filho mais velho da boa e velha responsabilidade: se você quer clientes de qualidade, se imponha perante eles e demonstre seu profissionalismo estabelecendo seus limites de horários. Resguarde-se!

Para encerrar, outra coisa que me irrita nos contatos, o tal do “oi, meu amor”: Gente, pra que isso? Eu não gosto de ser chamada de “amor”, de “amorzinho”, de “paixão”. Que mania infame de banalizar palavras que remetem a sentimentos tão profundos! Amor eu tenho pelos meus pais e pelo meu time. (Aliás, amor eterno é só o de mãe e o de time). Ou você já viu alguém mudar de “time”? O meu Grêmio vem me causando algumas vergonhas há anos, mas não virei a casaca e ainda não preparei nenhum ataque “terrorista” às dependências do clube.

Chame sua esposa de “amor” ou até a sua “amante” (assim não confunde o nome de ambas), agora eu não sou amante de ninguém não, baby! Posso ter clientes fiéis, posso adorar a companhia de alguns deles, mas se eles tiverem por mim, o mínimo de respeito, saberão que o que faço é uma profissão e que se ficarem uma hora pagarão uma hora, se ficarem uma hora e meia pagarão o equivalente há tal tempo e se passarem a noite comigo a mesma coisa.

Por quê? Primeiro, porque pra se fidelizar comigo o cidadão haverá de ser educado, gentil e respeitoso. E segundo que, se não for assim, não funciona comigo. Eu dispenso! Se eu quisesse fazer sexo de graça e procurar um “grande amor” ou um “marido provedor” eu continuava advogando e dando aula em universidades, vivenciando paixões que, em breve, cairiam na rotina acomodada que tanto asco me causava!

Profissionalismo queridas! A gente deve ter e, se não tivermos que aprendamos a ter: “pra ontem”, minhas caras, “pra ontem”!

OBS.: Versão original e inicial do texto publicado originalmente nas minhas crônicas no site em que anuncio.

Cláudia de Marchi



Segunda-feira, 26 de dezembro de 2016

Pensador.com - Cláudia de Marchi.


Tendo em vista que resolvi descansar a pele e que fui assolada por uma cólica "a la 2016" neste dia, dispensei meus clientes e folguei.

Apresento-lhes o link que direciona ao site pensador.com do UOL!

É gente, em função das crônicas que desde 2003 escrevo e coloquei-as na rede em 2007 (vide www.claudiademarchi.blogspot.com.br) eu tenho uma fama "underground" na rede!

Bem, o link é Clique aqui!

Boa leitura e acessem o blog acima quando desejarem. Eu mesma já não me "vejo" em muitas das opiniões daquelas crônicas, mas, enfim, c´est la vie, certo?! Só não muda de ideias, quem não tem ideias para mudar!

Ah, segue meu lattes, vai que algum sapiossexual queira ler? Hummm! Delícia!

Link: http://lattes.cnpq.br/5417910642911248

acesse e venha a ter o prazer de descobrir que eu não sou só uma balzaquiana com um rostinho bonito, corpinho de 20, multiorgástica, tarada e com um cérebro ativo? E vice e versa e versa e vice!

Uma iluminada semana à todos!

Beijos de luz!

Cláudia de Marchi



Data

Titulo


conteudo

Cláudia de Marchi



Sábado, 24 de dezembro de 2016

Reflexão natalina essencial à todos os preconceituosos, misóginos e a todo ser humano leitor deste site.


Cláudia de Marchi - Acompanhante Brasília - DF

Então é véspera de Natal e eu que, neste ano que logo finda, depois de inúmeras frustrações, me tornei "minoria", vítima de misóginos, de mentiras nas redes, de pedras jogadas numa "Geni" que "não foi feita" e nem aceita apanhar ou ser vítima de desrespeito, falta de educação, elegância, simpatia e empatia, tenho apenas para lhes dizer: amanhã é uma data, a Bíblia é um livro, e se você quiser seguir algum exemplo deixado por Cristo (e filosoficamente anterior a ele): não faça ao outro o que dele não deseja. Isso vale mais que mensagens hipócritas, presentes, mimimi "amor cristão" e etc..

Antes de ser católico, evangélico, kardecista, umbandista, muçulmano, agnóstico ou o que for, saiba amar e, neste mundo, o amor é sinônimo de RESPEITO!

Enfim, que antes de falarmos de Cristo, aprendamos a não falar daquilo que não conhecemos e de quem pouco ou nada sabemos, que antes de falarmos em valores cristãos aprendamos a não desvalorizar o valor de pessoa alguma, seus sentimentos, virtudes e caráter. Mas, que também saibamos que toda AÇÃO GERA UMA REAÇÃO.

E se você não está preparado para a segunda, pense mil vezes antes de ser um arrogante metido que dissipa mentiras difamatórias nas redes sociais usando o nome de uma pessoa cuja história você desconhece.

Cansei de ler em fóruns de baixo nível ou de homens rejeitados por mim: "Nossa como ela é arrogante", diziam-me os misóginos que acham que acompanhante de luxo tem que ter paciência com gente tosca, vulgaridades, desrespeito a horários e impertinências afins.

Aqueles que acham que a cortesã tem que aceitar tudo do macho, porque ele "acha" que ela só quer grana, então ele paga e ela vira "serva" (pensa com sua tacanhez intelectual). Não, baby, eu não sou arrogante! Eu só não silencio frente ao desrespeito, ao machismo, a agressões verbais mentirosas.

Eu não sou arrogante, só não tenho que aguentar desconhecido intrometido e inculto dando palpite na minha vida no MEU blog. Não sou arrogante, sou exigente e me valorizo e, ter amor próprio no mundo de quem escolheu viver do sexo, pelo visto, é uma heresia, uma revolução! Dane-se, eu vou à fogueira, mas não calo minha linda boca frente à imbecilidades de ordens diversas!

Enfim, que antes de erguermos as mãos aos céus para rogarmos por algo, que consigamos não apontar nosso dedo para ser humano algum e, se nossa vontade de julgar for grande, que achemos o espelho mais próximo e julguemos o ser que ele reflete.

Que antes de falarmos palavras bonitas e pomposas aprendamos a conhecer o seu real significado e a exercita-lo e que nunca nosso ego seja tal que nos faça esquecer-se do básico: a flecha lançada não volta atrás e ninguém merece ser ferido. Tão importante quanto falar é saber calar, pois. É saber respeitar.

Antes, pois de rituais religiosos desejo que todos, inclusive eu, aprendam e exercitem o não falar ou fazer para o outro o que não desejamos ouvir ou dele "receber". Assim sendo, teremos natais e finais de ano mais condizentes com tudo o que de belo se apregoa nestes períodos.

P.S.: Feliz Natal à todos que sabem amar e respeitar ao próximo!

Cláudia de Marchi



Domingo, 11 de dezembro de 2016

Sobre ser "dura" com os imbecis e doce com os que se tornam meus clientes fiéis.


Ontem pela manha verifiquei no meu celular os contatos feitos pelo www.claudiademarchi.com.br e li apenas o início de um: o acéfalo me chamava de "gata" e dizia que eu estava com "muito rancor no coração" e com "7 pedras nas mãos" contra os homens que me abordavam.

Obviamente, não perdi meu tempo lendo além da quarta linha, menos ainda respondendo àquele pobre ser humano analfabeto funcional, como tantos que me abordam.

Acho que a ex-presidente Dilma andou dizendo por aí que o homem com autoridade é o cidadão "forte", a mulher é "dura", pois eu concordo. Aquele e-mail que li não passava de pura misoginia brochante de baixo nível. Afinal, na minha área eu tenho plena autoridade para dizer: "este sim, aquele não". Só os machistas que acham que apenas o dinheiro compra uma cortesã de luxo pensam que não. Os idiotas. Os incultos. Os toscos. Os tolos. Jamais aqueles que me chupam deliciosamente bem!

Se eu, Cláudia de Marchi, estivesse "sempre com 7 pedras nas mãos" eu não teria os adoráveis clientes que tenho, menos ainda o meu rendimento mensal.

Sim, eu recuso homens. Sim, sou ríspida com eles, mas não sem antes me sentir um objeto de quinta categoria nas mãos (virtuais, claro!) de seres humanos que não se prezam nem para ler um perfil de quem desejam ter ao seu lado por algumas horas.

Será que custa muito para o homem perceber que a acompanhante que eles contratam pode lhe transmitir, voluntariamente ou não, doenças? Pode ser uma doente mental e criar apego? Pode estragar suas relações interpessoais? Sim, prezado, pode! Assim como pode roubar seus documentos, seu dinheiro, seu cartão. Logo, custa o que ir além das fotos? Custa o que não ser um mero tarado iludido por imagens?

Vejam, a título exemplificativo, o discurso do cidadão abaixo:

Cláudia de Marchi - Acompanhante Brasília - DF

Cláudia de Marchi - Acompanhante Brasília - DF

Cláudia de Marchi - Acompanhante Brasília - DF

Cláudia de Marchi - Acompanhante Brasília - DF

Cláudia de Marchi - Acompanhante Brasília - DF

Cláudia de Marchi - Acompanhante Brasília - DF

Cláudia de Marchi - Acompanhante Brasília - DF

Cláudia de Marchi - Acompanhante Brasília - DF

Cláudia de Marchi - Acompanhante Brasília - DF

1- Se eu faço pernoite, por que não ter um encontro de 4 horas?

2- Eu engulo o esperma sempre. Não imagino sexo oral sem engolir, falo isso em 98% do meu diário, basta ler 1 ou 2 textos, logo, o que o miserável chama de "fantasia" é corriqueiro pra mim e ele saberia se não tivesse só olhado as minhas fotos.

Eu sempre digo que gosto daqueles homens que leem e vêm até mim cientes do que gosto e faço! E é por isso que dificilmente eu recebo homens ruins de cama ou egoístas (aliás, isso não ocorre há uns 5 meses! Estou recebendo homem um tão excelente quanto outro).

Só ver fotos é pura ilusão! Afinal, nas minhas fotos não há photoshop, mas nas de 99% das acompanhantes de luxo e garotas de programa há! Então, por que ser tão frívolo e tolo?

Eu não sou dura e menos ainda tenho "7 pedras nas mãos", basta chegar à mim objetivamente, com cavalheirismo, inteligência e respeito e terás toda a minha infindável doçura. Fora isso, me desculpe macho, mas o que você chama de "rancor" e "grossura" eu chamo de franqueza e auto-defesa contra a ignorância e a estupidez humana. EU CHAMO DE EXIGÊNCIA POR RESPEITO. Por quê? Porque não gosto de gente ignorante, estúpida, mal instruída, pouco letrada e inculta. Não gosto de homem que estigmatiza todas as acompanhantes de luxo como iguais "nivelando-as" por baixo, inclusive.

É um direito meu exigir o que me excita. Sapiosexualidade, já ouviu falar? Atração e tesão por pessoas inteligentes? Eu tenho. Agora, não venha me fazer passar por "maldosa" só porque eu lhe dispensei, só porque eu fui grossa com quem me chamou de madrugada, com quem não sabe conjugar verbo com sujeito, com quem tendo o endereço do meu site na "fuça" não acessou e resolveu me ligar ou chamar no whatsapp fazendo papel de analfabeto.

O corpo é meu, quem gosta de foder sou seu, mas eu seleciono sim, problema é seu se isso lhe ofende! Meu coração é cheio de luz, alegria e amor, todavia, sou mulher e não sou obrigada a aguentar homem besta me cercando. Me chamando de "gata", "delícia" e etc..

Cada pessoa gosta e exige respeito da forma que lhe apraz e a minha é assim: bem direta e objetiva que é para analfabeto funcional algum se fazer de desentendido.

Agora, experimenta ser educado e demonstrar inteligência comigo! Você vai ver o que é uma amável, doce e linda lady de coração e pernas abertas para você! É isso que os meus clientes tem, meu caro! Dos outros, dos grosseiros, burros e indecentes eu quero é muita, muita, muita distância.

Cláudia de Marchi



Quinta-feira, 8 de dezembro de 2016

Como me abordar e tomar um fora/ Como mostrar-se um misógino preconceituoso que não diferencia cortesã de luxo de garota de programa/ Como me afugentar por falta da conjugação correta do verbo com o sujeito/ Como ser um perfeito otário narcisista que pensa com o pênis: uma pequena grande crônica com prints.


Prezados homens, deixem seus pênis dentro das calças, sentem aqui com seus respectivos cérebros na cabeça e vamos conversar.

O que leva vocês a pensar que acompanhante de luxo/cortesã de luxo tem a mesma classe, nível e postura que garotas de programa? Os sites? As mulheres que anunciam-se como acompanhantes, mas, agem como prostitutas atendendo telefonema a qualquer horário e dispondo-se à tudo para satisfazer apenas ao homem e amealhar alguns reais?

Bem, azar de vocês, está mais do que na hora das generalizações findarem, aqui, neste ofício que eu ESTOU POR DELIBERADA ESCOLHA e, em tantos outros, afinal, a limitação intelectual do brasileiro é a porta de entrada para preconceitos vis e toscos.

Vejamos o cidadão abaixo que me abordou ainda nesta semana:

Cláudia de Marchi - Acompanhante Brasília - DF

Eu nunca, nunca, nunquinha, jamé, jamais, never teria um encontro com um cidadão grosseiro e sem classe como este. Gente, eu cobro bem, não me importo de ter uma média de lucro de R$ 1.200,00 por dia quando poderia ganhar o dobro!

Eu quero é qualidade, quero ser a Cláudia que sou: solta, livre pra gozar e me sentindo bem ao lado do cliente, porque ele foi assertivo desde o telefonema até o contato no whatsapp.

E, o que dizer do cidadão abaixo?

Bastaria ter lido meu site antes de mandar mensagem quase às 04 horas da manha!

Cláudia de Marchi - Acompanhante Brasília - DF

E ele me encontrou onde? No melhor site da cidade onde, pelo visto, existem mulheres que ele chama de dispostas à tais festinhas. "Festinhas"/Orgias que nem por um milhão de reais eu participaria! A minha dignidade não tem preço!

Viram o que ele escreveu 5 minutos após mandar o abjeto convite? "Li com atenção"... Este tal de ler com atenção salva o ser humano de muitas coisas. De fazer papel de trouxa, por exemplo.

Mas, ainda assim, o "tarado da festinha" se redimiu à tempo e ficou com um educado vácuo.

Tem, também aqueles que "leem" muitas matérias sobre mim, ficam curiosos, mas não tem sequer a habilidade intelectiva de acessar o meu site.

Site este cujo endereço esteve em todas as entrevistas que dei! Reparem a tristeza travestida de mensagem enviada no NADA EDUCADO horário das 02 da madrugada:

Cláudia de Marchi - Acompanhante Brasília - DF

Eu tenho um site. Eles não leem. Educação? Fineza? Onde? Eu poderia estar ganhando muito, muito dinheiro se eu atendesse metade dos homens que me procuram, mas eu exijo consideração, exijo inteligência e capacidade de distinguir uma profissional da outra.

Gosto de homens educados, politizados e cultos e quem tem este tipo de abordagem ou um péssimo português, certamente, não tem cultura e nem é letrado. Eu "passo", mas a dignidade eu não perco. Abordagem desrespeitosa, seja pelo horário ou questionamentos? Comigo não!

Cláudia de Marchi - Acompanhante Brasília - DF

E este cidadão mal alfabetizado que me aborda de madrugada? Estava eu na madrugada de segunda-feira saindo de um encontro perfeito num hotel com um lord que já é meu cliente, relaxada depois de 2 horas de intensos orgasmos e me deparo com um cidadão que não sabe conjugar o verbo com o sujeito? Ah, não, me poupe, se poupe e nos poupe!

Não saber falar e escrever direito subentende falta de leitura E EU SOU A CORTESÃ DOS HOMENS LETRADOS. Só destes.

Cláudia de Marchi - Acompanhante Brasília - DF

"O brasileiro tem um dos piores ensinos do mundo e é analfabeto funcional em sua maioria". Não me diga?! Eu tenho provas diárias destes fatos ou ainda não deu para reparar que a falta de respeito em horários e perguntas toscas é pura e tão somente derivada da falta de leitura, digo, da carência de compreensão do que se lê?!

Homem acha que porque você colocou preço na sua hora vai atender a qualquer hora ou a qualquer um. Homem! Um "bicho" que, em sua maioria, é elogiado ao ser chamado de "humano", afinal a inteligência foi parar aonde?!

E aquele que chama no sábado pela manha, com toda a "pinta" de quem já leu seu site, as matérias midiáticas em que saiu e deseja marcar, mas, após, pede o valor? Eis um exemplo:

Cláudia de Marchi - Acompanhante Brasília - DF

Custa o que ler, gente? Chamar depois de ver qual é o "estilo" da acompanhante? Custa o que? Ter um cérebro?

Cidadão de "inteligência mediana" precisa ser instruído até para aferir informações com acompanhante de luxo, vejamos:

Cláudia de Marchi - Acompanhante Brasília - DF

E os viciados no abjeto termo "delícia"? Um aviso estes termos ditos fora dos momentos de intimidade tem 100% de eficácia como método contraceptivos e, principalmente, na prevenção à DSTs: "bom dia amor", "agente pode se ver?", "oi gata/gatinha", "gostosa", "oi belezura", "já lhe falaram que você é linda?", "deusa", "amada".

Cláudia de Marchi - Acompanhante Brasília - DF

Outro parcamente educado e elegante para o qual eu tive que "desenhar" a razão pela qual desprezo quem fala "programa":

Cláudia de Marchi - Acompanhante Brasília - DF

Você deve falar cachê, "valor do encontro", "honorários" (trocadilho com minha antiga profissão, coisa que só homens inteligentes, bem informados e humorados fazem), "valor para desfrutar da minha companhia", enfim, HOMENS: vocês estão lidando com uma mulher culta que faz sexo devassa e intensamente, mas que não tá nem aí só na grana.

Se você não souber me "cortejar" na forma de abordar, lamento, será uma resposta ríspida o suficiente para ver se você recupera a noção de educação e se desfaz de seus preconceitos toscos e um bloqueio. Simples assim.

Eu não preciso do seu dinheiro, macho grosseiro, misógino, egoísta e que acha que acompanhantes de luxo "topam" tudo só porque você irá pagar o que é cobrado. Só porque a maioria delas é do seu "naipe". "Aqui" não, comigo não.

Pra ter minha doce, devassa e educadíssima companhia (leiam os comentários no site do Belas 61 e a crônica sobre a descrição do meu encontro que aqui se encontra), primeiro o homem tem que mostrar que é cavalheiro, educado, gentil e respeitoso.

E sobre o respeito a horários está lá no meu anúncio do Belas 61, mas o homem pensando com o pênis após ver as fotos não lê. Deve pensar: "puta é tudo igual, vou mandar um zap" (aposto que eles falam zap). Não, eu não sou. Leia o depoimento dos meus clientes, o meu diário e engula o choro por ser babaca e desrespeitoso.

Eu sou uma lady, muito educada, fina, amável e gentil, mas serei grossa sim toda vez que perceber que o homem não me trata como gosto. Digo e repito: estou nessa profissão, porque desejo estar e só saio com quem me parece gentil, fino e educado na abordagem. E, se você parar para ler este site e meu diário, verá que eles são muitos. E sempre me procuram. Ou seja, ainda existem lords neste Brasil! Homens que sabem a hora de serem safados e a hora de serem elegantes! É desses que eu gosto.

Cláudia de Marchi



Sábado, 3 de dezembro de 2016

A descrição do encontro com Cláudia.


Quem me conhece minimamente sabe que sou praticamente o Dr. House em pessoa. "Houseana", para ficar mais elegante.

Sou educada, mas também sou franca. Sincera e com uma tolerância muito pequena a burrice. Hoje ainda me recordei de uma frase do personagem: "Se você quiser saber a verdade sobre alguém esta deve ser a última pessoa a ser consultada."

Claro que existem seres humanos sinceros como eu, mas, em determinados casos você só pode conhecer uma pessoa de duas formas: pela experiência, no caso da minha profissão, vindo, experimentando e bancando o "investimento" ou na "teoria" através dos comentários de alguns homens sobre mim no SITE BELAS 61, logo abaixo das minhas fotos.

Obviamente, que para os homens de Q.I. mais avantajado ler este diário é o suficiente, mas, lamentavelmente, ainda existem os ogros que anotam o número de telefone da acompanhante e querem colher delas informações facilmente "manipuláveis".

São homens burros que não passam pelo meu radar de seletividade.

Vejamos o exemplo abaixo que me vitimou na manha deste sábado:

Cláudia de Marchi - Acompanhante Brasília - DF

Cláudia de Marchi - Acompanhante Brasília - DF

Cláudia de Marchi - Acompanhante Brasília - DF

Vamos supor que você tenha um restaurante e esteja contratando uma cozinheira. Você vai pedir para ela "descrever" a comida que cozinha ou vai pedir para ela cozinhar e, então, provar e tirar as suas conclusões? Ou vai ligar para os outros restaurantes onde ela trabalhou e pedir informações?

Estas perguntas tolas indiciam total ausência de leitura, de saber "quem é a mulher" por trás do número de telefone e, um pouco de pobreza intelectual e financeira, não nego. Quem pode paga pra ver e volta! E paga. E volta. E paga. E volta sempre.

Ora, eu tenho um diário da minha rotina! Sexual, profissional, pessoal. Eu apareci no G1, Catraca Livre, Metrópoles e etc.. Custa o que ler um pouco sobre ao invés de só ver fotos?

Não à toa tem muito besta misógino reclamando dos encontros que tem: 99% das acompanhantes do DF só postam suas fotos tratadas (com photoshop), obviamente TODAS irão se dizer boas e narrar seus encontros com maestria, ou seja, a culpa não é delas se o encontro for entediantemente mecânico, mas sim sua que não se informou mais! Que quis pagar pouco. Que achou o pau no lixo. Que não tem receio de ser o décimo cliente a estar na cama de uma criatura num único dia (preço barato, movimento maior).

Querem a descrição dos meus encontros?

Aí vão algumas!

Cláudia de Marchi - Acompanhante Brasília - DF

Cláudia de Marchi - Acompanhante Brasília - DF

Cláudia de Marchi - Acompanhante Brasília - DF

Cláudia de Marchi - Acompanhante Brasília - DF

Cláudia de Marchi - Acompanhante Brasília - DF

Cláudia de Marchi - Acompanhante Brasília - DF

Estão todos abaixo do meu anúncio no Belas 61, mas o tal do "brasileiro médio" necessita de "instrução" até para contatar uma acompanhante de luxo.

Fazer o que né?! Respirar fundo, dispensar e ficar só com os realmente gostosos: do cérebro à pegada, porque homem burro não consegue ser bom nem na cama.

Cláudia de Marchi



Terça-feira, 29 de novembro de 2016

29/11/16 - Uma mensagem.


Cláudia de Marchi - Acompanhante Brasília - DF

Postei hoje, no https://www.facebook.com/claudemarchi1204, a mensagem abaixo:

Amem, pessoas! Simplesmente, amem! Acarinhem, cuidem, demonstrem em atos e em palavras sinceras o seu prezar por quem lhes cerca. E que você não precise deparar-se com um trágico acidente (maior demonstração da perenidade da vida!) para pensar que você poderia ter amado, se entregado e vivido mais os seus dias e sentimentos!

Está é a lição do dia. Está é a lição de cada acidente fatal com seres que você desconhece e "partem" para sempre deste mundo. Está é a lição de cada "linha reta" nas UTIs de qualquer país.

Está é a lição da vida: a morte nos ronda diariamente, mas você tem vivido ou meramente "existido"? Amado ou meramente "vivenciado"? Se entregado ou apenas recuado para manter a tranquilidade? Face a única certeza da vida (a morte), a resposta é VIVER!

Não é difícil, o problema é que você se acostuma demais e se entrega "de menos". Mas, não devia. (Deixo aqui meus sinceros pesares a cada pessoa que hoje sentiu o coração doer, por empatia, parentesco, amizade ou "torcida").

Cláudia de Marchi



Terça-feira, 22 de novembro de 2016

Pequeno tutorial sobre fineza no uso dos smartphones.


No tutorial de hoje vou ensinar você cidadão "internético", "super hiper mega ocupado", "infiel", "workaholic" ou o diabo que você seja a usar seu smartphone com elegância durante o convívio humano real.

Sim! Sabe estes seres humanos que, teoricamente, você escolheu estar próximo, mas que, apesar disso, lá "atrás da tela" existem assuntos, pessoas, notícias ou o que for que lhe interessam mais? Então esse povo aí que, popularmente, se chama de "companhia" (paga ou não) merece respeito.

Acho deselegante, desrespeitoso e feio estar na companhia alheia e não largar o telefone celular, logo, sugiro: a) se isole!; b) faça um curso de etiqueta ou; c) aprenda a "desconectar-se" para viver um pouco do mundo real, ao lado de pessoas que você pode abraçar, beijar e dar um tapinha no ombro.

Seguidamente, eu brinco de espelho: fulano pegou o celular, espero um pouco e faço o mesmo, para ver se a pessoa se toca da própria ausência de fineza, já que fazer cara de descontente não ajuda. Mas, elas nunca se flagram!

Estamos vivendo tempos difíceis, em que é fácil dizer "saudade" no WhatsApp e ignorar a presença alheia, é fácil ser legal na mesa de bar, de cara cheia, difícil é adentrar em assuntos profundos, agradáveis que vão além do senso comum superficial com alguém que tem "tudo" pra ser burro, mas não é. Com quem você menospreza, enfim.

Fácil é "gostar" da boca pra fora, simpatizar, curtir a trepada e a aparência, difícil mesmo é saber cuidar, respeitar e demonstrar o apreço em atitudes. Tantas pessoas neste vasto mundo, se desumanizando aos poucos, mas se sentindo tão "nobres", tão superiores, tão acima de qualquer desequilibro!

Pessoas vivendo sem coragem, sem maturidade, complicando o simples, se escondendo atrás de uma pseudo empatia covarde, de uma bondade arrogante, que às vezes eu penso que tais pessoas só respiram, porque viver mesmo elas não sabem e os smartphones colaboram para sua plena imbecilização: não se vivenciam momentos, se digita! E a presença alheia que se dane, porque o que importa está ali, atrás da telinha do celular. Oh, que mundinho de gente infeliz!

Cláudia de Marchi



Terça-feira, 22 de novembro de 2016

Sexo pago.


Vou "mandar" a real sobre o tal do sexo pago, ao menos pra mim, que faço apologia ao "relaxa e goza" e não ao "termina logo e me paga cabra da peste... aiiii... uiiii....aiiiiiiiiiii", enfim, tenho para dizer que tendo seletividade o sexo pago é idêntico ou mais excitante que o sexo gratuito e mais, é indenizatório em si mesmo: se o encontro for ruim, se o cara for um babaca narcisista, se só souber gabar- se de suas posses, se for invasivo, chato e sem graça, o dinheiro irá lhe indenizar!

Muito melhor do que ficar semanas ou meses de papinho nas redes sociais, transar após uns jantares, ver que o cara é um bosta e pensar na lingerie comprada, na 3G desperdiçada e no tempo inutilmente empregado para conversar com um otário, que, certamente, descontente por ser rejeitado e bloqueado, vai lhe chamar de "puta" do mesmo jeito!

Isso sem contar a imposição de respeito trazida, na sociedade machista, pelo valor pecuniário atribuído ao ato: você não está se vendendo pela esperança de casar, pelo "doutor", pelos hectares, por nota ou por uns drinks! (Como eu já disse em outro texto, segundo o Dr. Carl de Lie to me: "Todos nós pagamos por sexo pelo menos as prostitutas dizem o preço".)

Ademais, acredite há muito, muito mais respeito! Claro, isso quando o cliente não é um bebê que se acha o pica das galáxias, mas, neste caso, você foi indenizada pelo pagamento! Sorria feliz, bloqueie o rapaz e tome um café!

Beijos de luz!

Cláudia de Marchi



Sábado, 12 de novembro de 2016

Sobre os pobres velhos, feios e grossos, que, além de desrespeitosos e machistas, não diferenciam prostitutas, garotas de programa de cortesãs de LUXO!


Hoje meu dia prometia, mas toda acompanhante que não é zoófila, tem seus dias assim, "meia boca", como dizemos lá no RS.

Ontem um cidadão muito educado me ligou, mas notei algo: excesso de necessidade de me envaidecer, pois "ao contrário do anúncio das demais o meu é mais intenso e longo" (grande bosta, pensei!).

Enfim, grande m**** de elogio, afinal só atendo clientes que, além de lerem o anúncio, decoram o meu site! SIM, SÓ GOSTO DA FODA DESTES, OS OUTROS SÃO MERAS FODINHAS.

Enfim, me convidou para um happy hour e me recusei a ir, afinal estava lendo. Hoje, às 17 h ele traria uma espumante ou vinho para nos soltarmos, pois, como bom cliente "mimimi fode mal" ele precisava "criar intimidade".

A tarde, após café e leitura de Carl Rogers resolvi contatá-lo no celular com whatsapp, vez que ele só me ligou! Misericórdia: um ancião, mas não só, pele mal cuidada, dentes idem!

Nada tenho contra IDOSOS CAPRICHOSOS, BONITOS, CHARMOSOS E BEM SUCEDIDOS (DINHEIRO SEMPRE AJUDA NA CONSERVAÇÃO), MAS ELE ME REPUGNOU.

Então, lá fui com minha primorosa educação:

Cláudia de Marchi - Acompanhante Brasília - DF

Cláudia de Marchi - Acompanhante Brasília - DF

Cláudia de Marchi - Acompanhante Brasília - DF

NÃO TENHO NADA CONTRA VELHOS EM QUE PESE O CLIENTE MAIS VELHO QUE ATENDI TIVESSE 60 ANOS E FOSSE UM CHARME GOSTOSO! Mas vejo outros mais velhos e tesudos, charmosos, cheirosos, cuidados, pele gostosa e excitante.

MAS, SE EU NÃO TIVER TESÃO, NÃO ATENDO!

E não, não coloco isso no anúncio do site! Homem feio e idoso tem que saber que é feio e idoso e mostrar foto pra ver se a acompanhante topa. Existem IDOSOS LINDOS, TARADOS E GOSTOSOS, ora!

Tiozões e vovozinhos, sentem aqui: prostituta de rua costuma topar tudo e chupar de tudo, garota de programa mente que cobra R$ 700,00 na televisão e no salão de beleza, mas sai por R$ 300,00 fazendo "pograma" de exibicionismo vulgar em lobby de hotel.

Acompanhante de luxo é de LUXO: do Q.I ao perfume, da classe ao bom gosto, da inteligência à seletividade, não pode bancar na cama, no bolso e no luxo? Não procure, mas aprenda que uma coisa é ter R$ 1.200,00 para duas horinhas comigo, outra muito diferente é eu aceitar sua companhia.

Estou aqui porque AMO SEXO, mas não perco a dignidade em troca de dinheiro não, senhor! Retome 1000 casas e recupere a dignidade e o respeito humano, pária!

Ah, gente, depois algum filho, irmão e, em último caso, neto do vovô se sentiu ofendido com um erro, não ego, crasso de português da minha parte, pois estava digitando rápido, vejam que dó, um acento errado fez o "omi" de, provavelmente, pintinho afogado da própria urina, se erigir contra mim:

Cláudia de Marchi - Acompanhante Brasília - DF

Tadinho do SZUKOV!

Cláudia de Marchi - Acompanhante Brasília - DF

Tão irresignado por um erro by iphone, deve estar se embriagando, estudando gramática, comendo a esposa por obrigação ou batendo uma bela punheta pensando em mim no banheiro!

Querido, eu entendo os teus problemas, mas na próxima procure um terapeuta, um sexólogo e, ANTES DE TUDO, PARE DE ME SEGUIR NO INSTA, porque eu não sei e nem quero saber quem é o brocha por trás das menções brochantes. Obrigada!

Beijos de luz!

Cláudia de Marchi



Domingo, 6 de novembro de 2016

Um ridículo "altas horas" da noite me oferecendo o triplo pela hora e indo pra PQP!


Tarde da noite de domingo, início da madrugada de segunda um cidadão que, um dia, me pareceu educado, mas que pelo visto não controla o próprio pênis, a ponto de pensar com o saco escrotal, resolve me amolar enquanto eu estou deitada na cama com cremes na pele para repousar a beleza que a natureza me deu.

Olha gente, eu sou uma lady, mas tem homem que não se manca!

3 vezes a hora? Num dia em que, ao todo, fiz sexo por 4 horas com dois homens cavalheiros, respeitosos e gostosos? Jamé! Não suporto quem não tem finesse no horário em que me procura. Como eu sempre digo, perco dinheiro, jamais a dignidade! Não atendo quem não me procura e marca antes das 22 horas. Pode marcar, eventualmente, para depois, mas jamais me abordar quase 01 hora da madrugada!

Eu estou nessa pelo meu prazer macho, não pelo seu ego! Não vou transar com você quando já tomei duas taças de vinho com um cliente, transei e gozei insanamente, tomei banho E me deitei DESCANSAR só porque está me oferecendo cachê triplicado!

Homem, senta aqui e vê se me entende: eu preciso ser CATIVADA, CORTEJADA, RESPEITADA E CONQUISTADA, seja em ligações ou Whatsapp, do contrário, nem por milhões eu vou colocar meu corpinho lindo nu ao lado do seu, entendido?!

ENTÃO APRENDA A SER GENTE E A TRATAR UMA MULHER DE CLASSE COMO ELA MERECE E EXIGE, viva ela do que viver e como ESCOLHEU VIVER, ou, então, desça 1000 níveis e encontre alguém do seu naipe para fornicar com você.

Cláudia de Marchi - Acompanhante Brasília - DF

Cláudia de Marchi - Acompanhante Brasília - DF

Cláudia de Marchi - Acompanhante Brasília - DF

Cláudia de Marchi - Acompanhante Brasília - DF

Cláudia de Marchi - Acompanhante Brasília - DF

HAJA PACIÊNCIA PRA MOLEQUE TOSCO!

AFFFF!

Cláudia de Marchi



segunda-feira, 31 de outubro de 2016

Tutorial sobre o que não se deve falar ao abordar uma verdadeira ACOMPANHANTE DE LUXO: com exemplos práticos de abordagem cavalheiresca.


Hoje pela manha tomava um delicioso Vivalto Lungo com chantilly quando recebo a seguinte mensagem:

Cláudia de Marchi - Acompanhante Brasília - DF

Mas, outro dia eu havia recebido esta:

Cláudia de Marchi - Acompanhante Brasília - DF

Agora, há alguns minutos um macho de ego inflado e frágil me liga, segue o diálogo:

-Oi, te achei no GP Guia, você é Simone ou Pamela?

- Sou a Cláudia, fui Simone e se caso me queiras ver entra no Belas 61, o GP Guia é a escória dos sites.

- Você atende com uma colega? Cobra quanto?

- Não, não faço isso. Não atendo acompanhada e a minha hora é R$ 600,00.

- Tá, espera eu falar. (disse, já meio grosso). É que tenho três sobrinhos de aniversário, fazendo 18 anos queria dar de presente...

- Não faço este tipo de “evento”.

- Não, pode ser um de cada vez, faz um “pacote” com um preço pra mim. (“alto” nível o cidadão!).

- Não, não gosto.

- Por que não?

-Porque eu escolho meus clientes e meninos jovens não me agradam, muito menos 3!.

- Ah, deve estar rica, por isso que é puta!

- Olha querido, rica ainda não, mas tem de tudo neste nicho, classe, fineza e educação eu tenho até demais! Além de respeito e amor por minha bela pessoa. Procura alguma da tua laia Sr. baixo nível.

(...)

É, nada mais frágil do que ego de homem: depois da "negativa", do popular "fora" vem a ofensa. (Como se um pária deste ofendesse alguém que se preze).

Enfim, seguindo os conselhos de um dos meus queridos seguidores no Instagram, resolvi fazer um tutorial para os homens aprenderem a me abordar.

A abordar qualquer acompanhante de luxo, todavia, não nego eu sou exigente e seletiva além da conta. Não me interessa a grana, me interessa o prazer e caras que me abordam de forma baixa jamais terão a minha companhia. Estão perdendo tempo digitando, apenas isso.


Entenderam? Leiam, se informem acerca da mulher que desejam contratar.

É um negócio onde dinheiro será investido. Aprenda a ser perspicaz, a valorizar o seu pênis e o seu bolso e, apenas após saber mais da mulher contate-a, sob pena de ser inconveniente e, porque não dizer, ridículo.

Agora, deixarei aleatoriamente algumas abordagens educadas para que, ao menos os que não são analfabetos funcionais e desejam tornarem-se "gente", aprenda como se faz:

Exemplo 1:

Cláudia de Marchi - Acompanhante Brasília - DF

Cláudia de Marchi - Acompanhante Brasília - DF

Exemplo 2:

Cláudia de Marchi - Acompanhante Brasília - DF

Cláudia de Marchi - Acompanhante Brasília - DF

Exemplo 3:

Cláudia de Marchi - Acompanhante Brasília - DF

Cláudia de Marchi - Acompanhante Brasília - DF

Exemplo 4:

Cláudia de Marchi - Acompanhante Brasília - DF

Cláudia de Marchi - Acompanhante Brasília - DF

Cláudia de Marchi - Acompanhante Brasília - DF

Exemplo 5:

Cláudia de Marchi - Acompanhante Brasília - DF

Cláudia de Marchi - Acompanhante Brasília - DF

Exemplo 6:

Cláudia de Marchi - Acompanhante Brasília - DF

Cláudia de Marchi - Acompanhante Brasília - DF

TODOS OS CAVALHEIROS ACIMA FORAM RECEBIDOS POR MIM. Todos também já haviam lido o meu site, se informado a meu respeito! MAIS, os que residem e os que não residem em Brasília me procuram com assiduidade e nos damos muito bem. São homens na faixa dos 25 aos 45 anos, charmosos (alguns lindos!), inteligentes, bem sucedidos em suas respectivas carreiras profissionais, alguns solteiros, todos humorados e bons de cama ao quadrado!

Agora, vocês compreendem o que significa "seleção" e "intuição" aqui no vocabulário "claudiano", entendem por que sou realizada fazendo o que faço? Porque felizmente eu tenho maturidade, autoconfiança e equilíbrio para "cortar" a maioria que me aborda e podes desfrutar dos melhores, mais inteligentes e gentis homens que chegam até mim, coisa que mulheres desesperadas, mulheres que só desejam o dinheiro ou quiçá a fama, não fazem e terminam deixando a dignidade de lado em prol de vis anseios.

Se existe algo que eu não abdicarei jamais em minha vida é da minha dignidade. Faço sexo por dinheiro porque gosto de sexo, faço com quem eu quero e QUANDO O RESPEITO ALHEIO SE MOSTRA ESCASSO OU AUSENTE EU EXIJO! Ele é meu por direito, não aceito nada menos de misóginos broxantes.

Sexo com idiotas eu fiz quando, pela sociedade patriarcal reacionária e tacanha eu era considerada uma "mulher pra casar". Fazia por paixão, por estar encantada, iludida ou carente, mas, agora? Jamé!

Trabalho com o que há de melhor no mundo e continuarei neste ramo até eu decidir apostar em outros projetos rentáveis. Idade? Pergunte a qualquer dos meus clientes se meu corpinho não é mais perfeito do que o de muitas moças de 20 anos. Não tenho medo do passar dos anos, não pelo meu bom humor, vaidade, genética e dinheiro para eventuais "reparos". Ademais, comecei há menos de 7 meses!

Acordo todos os dias e não me arrependendo da escolha que fiz. Não nego, da escolha que a vida- está bendita que me causou revolta graças ao machismo e hipocrisia da sociedade- me "sugeriu" e eu acatei.

Eu quero qualidade de seres humanos, eu me entrego ao sexo, meus encontros não são banais ou mecânicos, são marcantes. Eu preciso sentir uma energia boa de quem está ali comigo, logo, não me importo em ignorar os ignorantes, ser grossa com os "sem noção", posto que, ainda assim eu me sustento bem e, mais, me realizo.

Cláudia de Marchi



Segunda-feira, 31 de outubro de 2016

Recadinho do coração!


Amiguinhos e amiguinhas, por favor parem de me mandar um vídeo de uma "entrevista" com uma garota de programa que largou a faculdade de Psicologia e o trabalho de escort (digo, de "modelo") em feira de automóveis no RS para vir à Brasília transar por dinheiro com deputados, senadores e ministros (segundo ela).

Primeiramente, não gosto de ser comparada, menos ainda com quem está no ramo há mais tempo que eu e é mais jovem (se liguem, estou em Brasília há menos de 7 meses e nunca me vendi esteticamente na vida, pelo contrário como advogada e professora só o intelecto devia "pesar"!).

Em segundo lugar, não dou entrevista e jamais darei uma contando a rotina de meus clientes que, ao invés de estarem trabalhando pelo país, estão me pagando para transar (segundo a moça). "Terceiramente" eu jamais conseguiria transar com essa laia, porque não estou aqui só pelo vil metal ou para aparecer na imprensa, mas, se transasse não contaria pra mídia. Questão de ética profissional (quem me julga "indiscreta" pelo site obviamente não tem perspicácia pra ver o quanto omito).

"Quartamente" me contento com os orgasmos que tenho e com meu estilo de vida, ter dignidade, vergonha na cara e inteligência me bastam.

E, "quintamente" em pleno 2016 largar um curso superior é muita ignorância. O estudo abre a mente, a leitura edifica a alma. Da mesma forma que é péssimo só divulgar fotos "moídas" no Photoshop (pronto falei em nome de meus clientes que vivem reclamando dos 171 estéticos das minhas "coleguinhas").

Vocês não fazem ideia da quantidade de discurso falacioso que surge em programas de televisão a respeito de acompanhantes, prostitutas e garotas de programa que, rotineiramente, saem por R$ 300,00 e inserem um "zero" a mais em entrevistas para valorizar o "passe". Agora que estou no "meio" sei muito bem disso, portanto, não se iludam! Obrigada.

Cláudia de Marchi



Terça-feira, 25 de outubro de 2016

Tutorial sobre como ler meus tutoriais e não me escrever pedindo ajuda para virar acompanhante (me fazendo morrer de vergonha alheia!).


Pela horrenda quantidade de mensagens e e-mails de mulheres requerendo minha ajuda para tornarem-se acompanhantes e mimimi a quatro (estou esperando o dia em que alguma vai me perguntar como se faz pra gozar e foder bem!) resolvi fazer um tutorial de como acessar meus tutoriais, afinal, quem sabe assim, as mulheres que dizem que “leem” meu site (mas pelo que me escrevem só leem o titulo do texto e não o seu conteúdo) compreendam que eu não sou professora de acompanhantes ou agenciadora e que, apenas em 11/11 eu completarei 7 MESES (Eu falei meses!) trabalhando como acompanhante de luxo.

Um dia pretendo lecionar a respeito. Um dia daqui no mínimo 5 anos e mediante remuneração, obviamente.

Ou seja, o motivo do meu destaque na mídia foi largar 11 anos de militância advocatícia e o magistério superior, além de ter um blog bem escrito. Apenas isso! Eu estou, claro, ganhando fama entre os homens por ser tarada, multiorgasmática e, como eles dizem, “gostosa”, além de letrada, bem humorada, elegante e inteligente.

Enfim, vamos lá:

1- Acessem o endereço www.claudiademarchi.com.br e se direcionem ao link “tutoriais e crônicas”.

2- Neste link, procure e leia as postagens datadas e nominadas abaixo:

a) terça-feira, 4 de outubro de 2016

Sou acompanhante de luxo e não agenciadora!

b) segunda-feira, 3 de outubro de 2016

Carta aberta a uma doce desconhecida.

c) quinta-feira, 22 de setembro de 2016

"Como eu faço para virar acompanhante?"

d) domingo, 18 de setembro de 2016

Pequeno tutorial de como virar profissional do sexo.

e) segunda-feira, 6 de junho de 2016

TUTORIAL SOBRE O QUE SIGNIFICA SER ACOMPANHANTE DE LUXO (PARA AS MENINAS)- Leitura enquanto viajo para Porto Alegre!

Sendo este ultimo de leitura obrigatória, posto que vivemos num mundo lotado de garotas de programa e prostitutas que se auto intitulam acompanhantes de luxo quando, na verdade, estão no ramo apenas pelo dinheiro, fazem de tudo por ele, caçam homens desesperadamente e o ultimo livro que leram foi um romance do Nicholas Sparks (se muito)! Ou seja, mulheres que se dedicam a aparência, mas não à fineza de vestimentas, à postura elegante e socialmente apresentável (há as que faltam pouco para colocarem um adesivo escrito “puta” na cara) e, menos ainda, a aquisição de cultura.

São “meninas”, “garotas” mesmo, que acham que a vulgaridade é sinônimo de “gostosura”! Iludidas! A nossa potencia sexual se mostra na cama, entre quatro paredes e não em lobby de hotel, bares e na rua.

Cultura não se adquire em faculdade. Depois da década de 1990 ser graduada no mínimo num curso é obrigação de qualquer ser humano que não tenha asas (você já viu alguma pessoa com asas?).

Recebo em média cinco contatos por semana de criaturas que dizem me admirar e querem auxilio, coloco-os abaixo e faço algumas ponderações com muita, mas com muita vergonha alheia:

1- Este recebido no dia de hoje, como se eu não tivesse preocupações, afazeres, planos, leituras atrasadas e trabalho. "Viu" meu site? Óbvio, porque não leu nada né!? "Ler é chato, ler cansa", ser ignorante não cansa e nem é chato, não para o povo brasileiro. Se tivesse lindo e não "visto" saberia NÃO AJUDO NINGUÉM A VIRAR ACOMPANHANTE, POIS ESTA DECISÃO DEPENDE DE ATITUDE, REFLEXÃO E MATURIDADE. Ou seja, não leu nada do que escrevi nos tutoriais ou é analfabeta funcional.

Cláudia de Marchi - Acompanhante Brasília - DF

Cláudia de Marchi - Acompanhante Brasília - DF

Cláudia de Marchi - Acompanhante Brasília - DF

(Experiência de transar por telefone, mas foi furada?! Risos...Rindo litros!)

2- Se vira minha filha, não sou agenciadora!

Cláudia de Marchi - Acompanhante Brasília - DF

Cláudia de Marchi - Acompanhante Brasília - DF

3- "Agência em SP ou RJ"? Eu sai do RS e MT, era advogada e professora universitária, trabalho nisso há 6 meses e não vou a caça de homem em lugar nenhum, isso é típico de garota de programa e prostituta. "PUTEIRO"? Querida, vire puta sozinha ou com ajuda das amiguinhas paulistanas e cariocas, acompanhante de luxo não sai desesperadamente catar macho (de regra velho broxa e endinheirado) por aí só pela grana.

Acompanhante de luxo de verdade (se contam nos dedos, não nego!) se respeita, seleciona e não sai se expondo em prostíbulos de nível algum. Eu hein!? Essa miserável nunca leu nenhum tutorial que escrevi. Misericórdia!

Cláudia de Marchi - Acompanhante Brasília - DF

Cláudia de Marchi - Acompanhante Brasília - DF

4- Essa pelo menos tem mais consciência de si, mas também não leu os tutoriais do site. Ficou no vácuo.

Cláudia de Marchi - Acompanhante Brasília - DF

Cláudia de Marchi - Acompanhante Brasília - DF

Cláudia de Marchi - Acompanhante Brasília - DF

5- Não conheço "nada" deste "meio" só meus clientes e pretendo continuar sem conviver com ninguém. Nada pessoal, não curto convívio humano, menos ainda com pessoas do mesmo ramo, já tive demais "disso" em 11 anos advogando e dando aula e só me irritei.

Cláudia de Marchi - Acompanhante Brasília - DF

6- Desespero não justifica virar acompanhante. Tal decisão depende de maturidade, sopesamento de prós e contras, brio e gosto demasiado por sexo, do contrário vai ser uma coitada que faz tudo por dinheiro e gasta demais pra compensar o vazio existencial por deixar o amor próprio de lado em prol do vil metal.

Cláudia de Marchi - Acompanhante Brasília - DF

Cláudia de Marchi - Acompanhante Brasília - DF

7- Não respondi, não sou agenciadora.

Cláudia de Marchi - Acompanhante Brasília - DF

8- Se tivesse vergonha na cara não importunava quem mal se iniciou no meio e, ainda, por solidariedade à muitas mulheres, ESCREVEU TUTORIAIS ENSINANDO COMO ADENTRAR NO RAMO, mas não adianta né!? A pessoa não tem vontade ou habilidade pra ler e ainda quer se tornar acompanhante de luxo! Haja preguiça de raciocinar!

Cláudia de Marchi - Acompanhante Brasília - DF

Cláudia de Marchi - Acompanhante Brasília - DF

Cláudia de Marchi - Acompanhante Brasília - DF

COMO COMEÇAR?

LENDO MEUS TUTORIAIS E AGINDO SOZINHA. Tendo brio, racionalidade e coragem.

Está tudo neste site, logo eu me recuso a responder ou dar atenção para quem não tem capacidade de fazer uma leitura completa de meia duzia de tutoriais e, malbaratando a rotina alheia, se atreve a escrever e ficar de mimimi com quem já tem a sua própria vida pra cuidar.

E findo por aqui.

Cláudia de Marchi



Domingo, 23 de outubro de 2016

Sobre o homem "bem" homem!


Durante anos eu fui uma mulher "difícil" de ser cativada e fã de homens mais velhos. Gostava da sua segurança, do fato de serem astutos e mais experientes. Minha porção ego se enaltecia, pois eu me sentia bem tratada, cuidada, zelada.

Coisas que Freud explica. Todavia, eu era uma jovem mimada e bastante arrogante: me achava madura e, inocentemente, acreditava que nos homens mais velhos eu encontraria maturidade.

Como acertadamente disse Shakespeare, a maturidade tem mais a ver com o que aprendemos com nossas vivências do que com o número de anos vividos. Ou seja, idade, em si, não significa muita coisa.

Fato é que, além de mais velhos, por muito tempo eu me relacionei com homens machistas. Aqueles que não sabiam sequer fazer sexo oral, que dividiam o mundo em "mulher pra casar e mulher pra transar". Aliás, seguidamente penso que eles namoravam comigo, mais jovem, e que procuravam mulheres mais novinhas, para poderem exibir para os amigos e porque as mesmas jamais olhariam na cara deles e diriam: "manda outra, porque essa foda foi péssima". A mulher para os quarentões egocêntricos devem ser inexperientes, né?! Para aceitar namorar e até casar com uma "Veraneio" achando que é Land Rover, tem que ser inexperiente ao quadrado elevado à décima potência.

Eu, então, jovem, insegura, porém, "cheia de mim" me enaltecia por ser "diferente das outras", daquelas que saiam se divertir nas baladas que eu sempre tive ojeriza e viviam sua sexualidade com quem lhes interessasse.

Não que, de coração e atualmente eu admire este proceder. Acho que essa história de sair e transar com estranhos sem ao menos ter tido deles alguns bons jantares e galanteios é "facilitação" demais para a raça masculina que, costuma ser bastante narcisista. Pessoalmente, eu sempre achei a paquera e o flerte essenciais, se depois deles e do sexo não virar um romance sério é só nunca mais falar com o cara, mas nunca aceitar-se como "escoro" e transa gratuita.

Todavia, em que pese esquerdista e anti-religiosa desde os 10 anos (quando comecei a ler História), o feminismo eu conquistei ao longo da vida e de experiências bem vividas. Eu me tornei mulher, não nasci mulher, como diria a grande Simone de Beauvoir.

Logo, esses papos-cueca-suja estilo "mulher pra casar tem que ser mais nova que a gente, tem que ter transado com poucos homens, ser abstêmia, recatada e inexperiente" me soam cômicos e abjetos! Aliás, soam até autobiográficos, porque eu casei com um cara que nunca fez sexo oral em mim e nunca gozou na minha boca! Sim, nunca gozou na minha boca! E eu, tola, nunca pedi, nunca perguntei. Apaixonadinha, nova, besta, enfim, tinha medo de ser mal julgada.

Todavia, homem que é homem não se importa com o passado sexual da mulher, ele se contenta em ser o melhor, o que vai foder uma noite inteira, faze-la gritar, gemer, se revirar do avesso! Homem que é bem homem quer ser, enquanto durar, o ponto final que vai fazer a sua mulher estar sempre com o pé no acelerador! (Onde encontrará potência, diga-se de passagem!).

Enfim, pesquisas feitas por mim informam: não há macho mais sexualmente inapto do que o machista moralista. Aquele que se diverte na zona, que acha que prostituta, garota de programa ou acompanhante de luxo não merecem o mesmo respeito que suas esposas que, por sua vez, eles não conseguem nem fazer gozar intensamente!

Feliz sou eu atualmente que recebo sexo oral e carinhos deliciosos de cada cliente que atendo, que sou bem tratada, respeitada e cuidada como nenhum "amor" que eu tive soube fazer. Nada como a certeza de não ter a palavra "amor" utilizada como codinome de sexo gratuito, acomodado e entediante.

Cláudia de Marchi



Domingo, 23 de outubro de 2016

A mulher de 30- Honoré de Balzac.


"Tome a mesma moça aos 20 e aos 30 anos. No segundo momento ela será umas sete ou oito vezes mais interessante, sedutora e irresistível do que no primeiro.

Ela perde o frescor juvenil, é verdade. Mas também o ar inseguro de quem ainda não sabe direito o que quer da vida, de si mesma e de um homem. Não sustenta mais aquele ar ingênuo, uma característica sexy da mulher de 20. Só que isso é compensado por outros atributos encantadores que reveste a mulher de 30.

Como se conhece melhor, ela é muito mais autêntica, centrada, certeira no trato consigo mesma e com seu homem. Aos 30, a mulher tem uma relação mais saudável com o próprio corpo e orgulho da sua vagina, das suas carnes sinuosas, do seu cheiro cítrico. Não briga mais com nada disso. Na verdade, ela quer brigar o menos possível. Está interessada em absorver do mundo o que lhe parecer justo e útil, ignorando o que for feio e baixo - astral. Quer é ser feliz. Se o seu homem não gosta dela do jeito que é, que vá procurar outra. Ela só quer quem a mereça.

Aos 30 anos, a mulher sabe se vestir. Domina a arte de valorizar os pontos fortes e disfarçar o que não interessa mostrar. Sabe escolher sapatos e acessórios, tecidos e decotes, maquiagem e corte de cabelo. Gasta mais porque tem mais dinheiro. Mas, sobretudo, gasta melhor. E tem gestos mais delicados e elegantes.

Aos 30, ela carrega um olhar muito mais matador quando interessa matar. E finge indiferença com muito mais competência quando interessa repelir. Ela não é mais bobinha. Não que fique menos inconstante. Mulher que é mulher,se pudesse, não vestiria duas vezes a mesma roupa nem acordaria dois dias seguidos com o mesmo humor. Mas, aos 30 ela,já sabe lidar melhor com esse aspecto peculiar da sua condição feminina. E poupa (exceto quando não quer) o seu homem desses altos e baixos hormonais que aos 20 a atingiam e quem mais estivesse por perto, irremediavelmente.

Aos 20, a mulher tem espinhas. Aos 30, tem pintas, encantadoras trilhas de pintas, que só sabem mesmo onde terminam uns poucos e sortudos escolhidos.

Sim, aos 20 a mulher é escolhida. Aos 30, é ela quem escolhe. E não veste mais calcinhas que não lhe favorecem. Só usa lingeries com altíssimo poder de fogo. Também aprende a se perfumar na dose certa, com a fragrância exata.

A mulher de 30, mais do que aos 20, cheira bem, dá gosto de olhar, captura os sentidos, provoca fome. Aos 30, ela é mais natural, sábia e serena. Menos ansiosa, menos estabanada. Até seus dentes parecem mais claros; seus lábios, mais reluzentes; sua saliva, mais potável. E o brilho da pele não é a oleosidade dos 20 anos, mas pura luminosidade.

Aos 20 ela rói as unhas. Aos 30, constrói para si mãos plásticas e perfeitas. Ainda desenvolve um toque ao mesmo tempo firme e suave. Ocorre algo parecido com os pés, que atingem uma exatidão estética insuperável. Acontece alguma coisa também com os cílios, o desenho das sobrancelhas, o jeito de olhar. Fica tudo mais glamouroso, mais sexualmente arguto.

Aos 30, quando ousa, no que quer que seja, a mulher costuma acertar em cheio. No jogo com os homens já aprendeu a atuar no contra - ataque. Quando dá o bote é para liquidar a fatura. Ela sabe dominar seu parceiro sem que ele se sinta dominado. Mostra a sua força na hora certa e de forma sutil.

Não para exibir poder, mas para resolver tudo ao seu favor antes de chegar ao ponto de precisar exibi-lo. Consegue o que pretende sem confrontos inúteis. Sabiamente, goza das prerrogativas da condição feminina sem engolir sapos supostamente decorrentes do fato de ser mulher."

Honoré de Balzac

Na imagem abaixo eu "modelando" aos 30 aninhos.

Cláudia de Marchi - Acompanhante Brasília - DF

Cláudia de Marchi



Quarta-feira, 19 de outubro de 2016

"Por que você é 'cara'"? (Primeiramente, porque você é patético?).


Cláudia de Marchi - Acompanhante Brasília - DF

Cláudia de Marchi - Acompanhante Brasília - DF

"Por que você é 'cara'"? (Primeiramente, porque você é patético?).

Quarta-feira num horário já bastante deselegante (quase meia noite) recebo uma ligação. Cidadão pessimamente articulado num papo cheio dos "e aí", perguntou qual o valor do meu cache. Respondi, não bastasse a falta de fineza no contato inicial o macho tosco disse que sou "cara" e perguntou-me o porquê.

Não respondi de forma grosseira, obviamente. Pedi para que lesse o meu site e se informasse para tirar as suas conclusões. Então ele disse que "sei, você era advogada, professora" e tornou ao: "E aí, tem como fazer um valor que fique bom pra mim e pra você?". Respondi que não mudo o meu preço.

O valor do meu cache não gira em torno do meu currículo passado, especialização, 11 anos de advocacia e magistério em ensino superior. Mas em virtude do trato, da seletividade, da aparência, da elegância e da minha insaciável tara. Da entrega, do gosto pelo que faço, não apenas pelo vil metal, da ausência de fingimento e muitos outros detalhes que seguidamente são "desabonatórios" na conduta de 9 em 10 profissionais do sexo. Isso sem contar os diálogos, a cultura, a postura, a fineza, a os cuidados pessoais, o humor explícito e a inteligência.

Os meus clientes me contratam para ter uma, duas, três ou mais horas de "namoro" comigo, não meramente pelo sexo, pelo meter, gozar e ir embora.

Cláudia de Marchi - Acompanhante Brasília - DF

Cláudia de Marchi - Acompanhante Brasília - DF

Além dos trajes finos que me permitem ser apresentada como uma dama de alto nível em qualquer ambiente. Além da cultura, de ter assunto sobre tudo. Enfim, eu sou uma mulher cara: desde a minha biblioteca de livros até os meus perfumes e cosméticos. Nunca fui e nunca serei barata e prefiro não atender a ceder a pechincha de homem sem classe e educação.

Só homens realmente seletivos se atraem pela Cláudia de Marchi acompanhante. Estou trabalhando APENAS 6 MESES neste oficio, já estive em diversas matérias jornalísticas, mas faço questão de nivelar "por cima" a minha clientela.

Cláudia de Marchi - Acompanhante Brasília - DF

Cláudia de Marchi - Acompanhante Brasília - DF

Em dois meses anunciando no site mais digno dentre os existentes na cidade existem alguns comentários de clientes que podem saciar qualquer dúvida desde que o cidadão que o acessa pense com o cérebro e não com o pênis e, desta forma, consiga ler.

Aliás, no início do anúncio eu já peço para o leitor ler o perfil e os comentários de alguns clientes. Boa parte da minha clientela não é afeta à conversas em redes e, menos ainda, a escreverem no lixo misógino denominado GP Guia, mas, claro, alguns escreveram respeitosamente a meu respeito.

A título exemplificativo:

Cláudia de Marchi - Acompanhante Brasília - DF

Ou seja, se esses singelos comentários sobre uma VERDADEIRA acompanhante de luxo que está, há míseros 6 meses e 10 dias, trabalhando na área, não forem instrutivos, explico:

1-o corpo é meu, o cérebro, a beleza e infinita taradice também, logo cobro o que acho razoável (e ainda acho pouco!);

2- o meu objetivo nunca foi ter grande fluxo de clientes: quero poucos e bons, não muitas transas, mas todas nas quais me entrego por inteiro, a minha dignidade e seletividade sempre estão em primeiro plano pra mim, não quero ser a "top" que não renega ninguém, quero ser a melhor para os "alguéns" que me procuram cavalheirescamente e é por isso que eu amo o que faço e não faço nada além do que ME DE PRAZER;

3- não pode me pagar ou acha caro para o seu bolsinho? Dane-se! A maioria cobra menos e está aí, é só contratar, não precisa ser ridículo querendo "desconto";

4- leia os comentários e o diário no www.claudiademarchi.com.br, mas nunca ouse querer negociar o meu preço! Ou o de pessoa alguma, porque isso é de baixíssimo nível! Aprenda a ter respeito e recupere a finesse e educação que, talvez, nunca tenha tido, mas tente! Se esforce, você não é uma ameba! (Eu acho.)

Cláudia de Marchi - Acompanhante Brasília - DF

Cláudia de Marchi - Acompanhante Brasília - DF

Cláudia de Marchi



Terça-feira, 11 de outubro de 2016

Como ser broxante em 8 passos, digo, prints


1- Sinto que é extremamente difícil para o homem de inteligência mediana compreender que uma mulher (mulher, não menina, mulher, não garota) resolva virar acompanhante de luxo e fazer só o que ela gosta.

Eu não gosto de me masturbar, ou melhor não pelas "formas convencionais" que os homens adoram ver, enfim, lhes conto um segredo: desde os 7 anos eu tenho uma maneira diferente de obter prazer comigo mesma: eu “tranço” as coxas e vou comprimindo e fazendo força com os músculos da minha vagina até gozar. Demoro certa de 1 minuto para ter um orgasmo assim.

Ou seja, enfiar minhas belas e grandes unhas em mim não me apraz. E quando algo não me apraz eu não faço por dinheiro algum, caso do ménage com mulher, da inversão, de ir nesses clubes toscos de swing e etc..

Eis que, 32 anos após a aventura "Tudo por uma esmeralda", vem o mocinho com "tudo por uma punheta"! (sendo vanguardista: pagamento pra ele se chama "agrado"!). Ou seja: desagradável, desnecessário, deselegante e broxante.

Cláudia de Marchi - Acompanhante Brasília - DF

2- Por falar nisso, o cidadão abaixo já ouviu de mim umas três vezes que não faço ménage. Foram vários foras tomados, mas, apesar disso, meses depois voltou com a mesma ladainha! Omi, deixa eu lhe falar o seguinte: dinheiro não me compra! Eu só faço o que gosto! Não quero saber de suruba nunca na minha vida!

Tá aí um macho que não distingue uma garota de programa da acompanhante de luxo que, ao contrário da primeira, não "topa tudo" independentemente de predileções apenas no afã de ganhar dinheiro e gasta-lo, quiçá em banalidades fúteis. Sim, foi devidamente bloqueado!

Cláudia de Marchi - Acompanhante Brasília - DF

3- O abaixo chega ao ápice da idiotia, portanto dispensa comentários. Mas, convém retificar, o bloqueio foi gratuito e eu daria os “cinquentinha” para ele nunca mais importunar mulher nenhuma com sua tosquice.

Cláudia de Marchi - Acompanhante Brasília - DF

4- E, o que dizer deste ilustre desconhecido que, inclusive, me chamou de “amiga” mesmo sem ter ganho/conquistado intimidade que, em pleno domingo, resolvi dizer que não sei quando virá à Brasília e me conta um disparate destes?

Meteoro?! Cadê você? Pode vir, não se faça de rogado! O cidadão desconhecido (e continuará sendo, pois bloqueei) conta como se fosse "lindo", "excitante" enquanto quase me fez regurgitar! Se foi mentira? Por favor, amigo, em que pese eu seja contra mentiras, mas só o faça quando for pra se fazer passar por uma pessoa nobre, valorosa e íntegra, não por um cachorro no cio.

Cláudia de Marchi - Acompanhante Brasília - DF

5- Tá vendo esse tipo de "omizinho"? Esses tipos de "elogios"? Dão-me nojo e mostram que a pessoa não tem finesse, respeito e educação. Primeiramente, "elogios" de quem não me conhece bem em nada me tocam ou enaltecem. Em segundo lugar tenho ojeriza aos termos "gostosa", "gostosona" (éca!) e "comer". Enfim, tá ai o típico cidadão que não terá a minha companhia nem por R$ 600,00 por minuto! (Sim, aumentei o valor da hora).

Cláudia de Marchi - Acompanhante Brasília - DF

6- Eis aí outro fã de termos vulgares usados na hora impropria, na hora da abordagem da dama. Dispensado e bloqueado com sucesso.

Cláudia de Marchi - Acompanhante Brasília - DF

7- Mais um da série falta senso do ridículo no mundo! Da série não fico "batendo papo" no WhatsApp. Da série posso morrer até o dia 20, então não perca tempo puxando assunto. Da série não me chame de "delícia", pois eu não me chamo chocolate. Da série quer bater punheta, assista filme. Da série gosto de objetividade.Da série falta respeito, leitura e interpretação de texto no mundo (eis as crônicas no meu site sendo ignoradas, afinal, "pra que ler se posso ver foto e me masturbar!?". É omis, alguns de vocês não tem defesa. Perco dinheiro, mas fujo de ogros!).

Cláudia de Marchi - Acompanhante Brasília - DF

8- Por fim, SOBRE CONVERSAS NO WHATSAAP, antes de eu conhecer a pessoa tèt a tèt: não gosto. Gosto de homens objetivos, educados e extremamente sérios no contato inicial. O cliente abaixo, custou, mas compreendeu e, inclusive, tivemos um excelente encontro:

Cláudia de Marchi - Acompanhante Brasília - DF

Eu queria de volta todo o tempo que gastei com ex-namorados falando no MSN, WhatsApp, FaceTime e etc.. Não somente com ex, mas com todos os sujeitos que pareciam ser interessantes, íntegros e legais. Queria de volta a distração da leitura, a pausa no filme, o atraso na feitura da peça processual, a bateria do celular descarregada.

Dai, agora que o meu tempo é, literalmente, dinheiro, que não quero envolvimento emocional (deusmelivre) com homem algum, tem os ousados que querem puxar assunto no WhatsApp, "mimimi me conhecer melhor" e etc.. Ah, não né?!

E, para ajudar, surge um sujeito que viu minha página (ao que tudo indica, quando me chamou, só havia visto as fotos mesmo) e diz que deseja me levar ao Rio:

Cláudia de Marchi - Acompanhante Brasília - DF

Após, leu o preço e já mudou de discurso “de repente faço um bate e volta em Brasília”. Daí, queria me depositar algo, mas inicialmente eu disse que não precisava. Mais tarde, veio com mimimi saudade (Hã!? Saudade de quem se nunca me viu na frente?!). E, por fim, quando fixei um preço para o “namoro virtual” proposto, ele revelou que não tem R$ 100,00 por dia para me pagar e fiquei livre.

Gente, eu tenho dois blogs, uma página na internet, facebook, Instagram, artigos publicados e até meu lattes deve estar on-line! Quer me “conhecer melhor”? Se vira malandro, não vou parar minha maratona de séries ou leitura pra "prosear" com você! Quer me conhecer? Marca! Daí a gente conversa, antes disso, jamé!

Ademais, romance comigo? Sendo que nunca nem beijou? Baby, quer "namorar" e iludir? Quer se fazer de encantado e apaixonado sem nunca ter me visto e tocado (mesmo sendo casado)? Entra no Tinder ou programas afins. "Aqui" não tem "mimimi"! Passei da fase, ah, e como passei!

Cláudia de Marchi



Quinta-feira, 6 de outubro de 2016

“É comercial ou residencial?”


Cláudia de Marchi - Acompanhante Brasília - DF

Cláudia de Marchi - Acompanhante Brasília - DF

“É comercial ou residencial?”

Quem conhece Brasília entenderá, quem não conhece e tem um QI razoável, ao ler este texto, também compreenderá. Vamos lá! Aqui na bela cidade que amo nas quadras comerciais, denominadas CLN (comércio local norte) o único tipo de residência que existe são apartamentos/quitinetes pequenas que ficam em cima dos prédios comerciais, (boa parte antigos). A maioria são muquifos (pelo que já ouvi falar), nunca fui a nenhum.

Já, nas SQN, (super quadra norte) existem prédios residenciais, alguns mais chiques, outros nem tanto, alguns mais novos, outros mais antigos, mas todos condomínios residenciais, enfim, todos locais respeitados de "ambiente familiar" como diria o "homem-cisgênero-branco-classe media-defensor-da-tradicional-família-brasileira".

Ah, mas os cidadãos (no plural, porque muitos ligam e fazem essa pergunta ao telefone, mesmo após ouvir SQN como se tivessem problema de audição ou algo assemelhado), através do questionamento que posso chamar certamente de ato falho (vide Freud) acham que "acompanhante de luxo" é coisa de programa de televisão, de seriado americano, de novela!

"Tudo puta, onde já se viu ser fina, letrada, culta e, ainda assim, f**** bem!? Aposto que mente, faz propaganda enganosa! Deve ser ralé! Dividir apartamento com mais 3, ouvir funk e tomar porre toda semana! Puta é puta, tudo sem fineza, tudo igual!", devem pensar os "gênios" que creem existir apenas "garotas" por aqui. Como "pensamento" entenda-se a opinião inconsciente dos ditos cujos, inclusive. Aquela que se nega, mas está lá na cabeça da criatura.

Um aviso: existe acompanhante de luxo em Brasília e, certamente, eu não sou a única (assim espero)! Portanto, cuidado antes de, num ato falho, estigmatizar todas aquelas criaturas que você encontra nos sites em que entra voluntariamente, como "mulheres de parco gosto para local de residência" (dizendo pouco, pois eu poderia usar termos piores me referindo ao seu pensamento preconceituoso!).

Eu, Cláudia de Marchi, faço "putaria” e tenho “atos de puta” com um homem entre quatro paredes (nunca fiz com dois, mas nunca me convide para ménage com outra mulher, gosto de pênis! Just it!), a exceção disso sou uma lady de gostos primorosos. E caros, feliz ou infelizmente.

Ah, mas a sua pergunta foi "inocente"? Então você não morou nem 5 dias em Brasília ou tem sérios problemas de cognição! Você sabe que acompanhante de luxo é mais do que um corpinho bonito, vestido colado e “topo tudo por dinheiro”, certo!?

Sabe que acompanhante de luxo não é “menina” ou “garota de programa”? Que acompanhante, a verdadeira cortesã de luxo tem mais seletividade, discrição, elegância e classe? Sabe disso? Acompanhante de luxo é fina, letrada, culta, educada, chique e, sobretudo, dotada de gostos primorosos, inclusive para local de residência. Se não sabe, convém ficar sabendo.

PS.: são de DDD daqui do DF os senhores que fazem tais perguntas, se não fossem esta crônica (que está há dias no meu Instagram e Facebook) não existiria.

PS.1: quem não é daqui 99,99 % das vezes me recebe em hotel.

PS.2: o bairro onde a maioria das autointituladas acompanhantes de luxo reside aqui na capital federal é o Sudoeste. Minha mãe gostou, eu não. Como não encontrei nada lá para alugar e eu não queria morar num lugar "manjado", cá ficamos! Ademais, até as moças que lá residem costumam morar na parte "econômica" e barata do local, pelo menos eu tive um cliente que vivia dizendo para eu procurar um apartamento lá, na “parte econômica”. (Sabem esses que querem se achar “tutores” da mulher? Este era um, vivia dando opinião não pedida. Detesto!).

PS.3: a intenção NÃO é "tirar sarro" dos cidadãos dos prints em questão. Educadíssimos, por sinal, a intenção é esclarecer como, em pequenos atos e palavras, inclusive dos que se dispõe a procurar garotas de programa e acompanhantes de luxo, se pode verificar o preconceito aferível num tal de menosprezo e estigmatização.

Cláudia de Marchi



Terça-feira, 4 de outubro de 2016

Sou acompanhante de luxo e não agenciadora!


Cláudia de Marchi - Acompanhante Brasília - DF

Cláudia de Marchi - Acompanhante Brasília - DF

Cláudia de Marchi - Acompanhante Brasília - DF

Cláudia de Marchi - Acompanhante Brasília - DF

Garotada, meninada, mulherada e afins"se não for incomodar” eu quero dizer que não ajudo ninguém a entrar em profissão nenhuma. Logicamente, espero que meu período como professora tenha sido e venha a ser útil para os meus ex-alunos "entrarem" no mercado de trabalho no ramo do Direito. Mas, é só isso!

Agora me aparece uma criatura com toda a "pinta" de "dezoitona" (vide "vocabulário": "nuuus", "precsisando" e etc.) querendo ajuda, com foto de santa no perfil (santa, literalmente, de uma santa!) e interpretando totalmente errado o que disse ter lido em meu site?! Ah, não né?!

Eu sou a favor da aprovação da PL Gabriela Leite, sou a favor da legislação em beneficio de quem trabalha com sexo, mas sinto informar-lhes que eu não represento quem se omite, quem dá vazão a preconceito e quem tem vergonha do que faz. Neste caso, serei franca: represento a mim mesma que quero fazer minha declaração de imposto de renda ajustada à minha atividade, pois não é ilícita e o dinheiro que ganho não é “frio”. Papo em WhatsApp ou “por aí a fora” eu só terei com acompanhantes da minha idade e com aquelas que, como eu, não ligam pra opinião alheia, tem classe e estão "nesta" por opção.

Queridas, "precsisar" um dia todo mundo pode (precisar)! Crises fazem parte da vida da classe média e do pobre, todavia este trabalho aqui é pra quem se garante, sabe o que quer e gosta do que faz: não recomendo para menores de 25 anos, sob pena de fazer um monte de merda, virar crente e pregar o preconceito contra a "classe" como se todas fossem malucas fúteis e fizessem "tudo por dinheiro” ou tudo para chamar a atenção alheia.

Esse divertido trabalho aqui é para quem é esperta, prevenida e inteligente. Para quem se respeita e impõe respeito, não para quem só quer o vil metal. É para quem se ama mais do que tudo, é para quem alcançou um bom nível de equilíbrio psíquico e maturidade.

É para quem bebe de pouco a nada, porque você precisa ser a "the best" de cada cliente, ou seja, o sexo tem que ser excelente o que requer sobriedade e barriga lisa (não bebo tão pouco como atualmente, desde quando eu era abstêmia!). Não é carreira pra mulher deslumbrada, não é carreira pra moça romântica e cheia de fé no "romance eterno", no "pra sempre", no príncipe encantado que vai chegar numa Mercedes e lhe levar para Paris.

Tenho uma preguiça enorme deste tipo de gente que aparentemente quer que eu me deslumbre com pseudo-admiração. Eu não me deslumbro com nada que venha da boca alheia ou que seja materialmente palpável! Somente cérebro cultos e inteligentes me deslumbram! E eles estão em extinção.

P.S.: Educação é o mínimo que se exige para entrar em contato com qualquer ser humano neste mundo. Eu exijo lógica, coerência e, preferencialmente, inteligência.

P.S.1: Se meus tutoriais, feitos para quem quiser e souber ler (preferencialmente, INTERPRETAR o que é lido), não serei eu assistindo Criminal Minds que irei lhe ajudar.

P.S.2: Sou acompanhante de luxo e não aliciadora de mulheres.

Cláudia de Marchi



Segunda-feira, 3 de outubro de 2016

Carta aberta a uma doce desconhecida.


Cláudia de Marchi - Acompanhante Brasília - DF

Prezada, suas palavras são encantadoras e ternas, mas tenho pra lhe dizer que meu "sucesso" se deve ao "impacto" causado pelo fato de um "ser humaninho" sair de uma carreira de mais de uma década na advocacia e deixar de lado a paixão pelo magistério para virar acompanhante de luxo na sua capital preferida.

Não seria justo eu lhe dizer: "faça o curso de Direito (ou um tão "pomposo" quanto aos olhos da sociedade), passe no seu primeiro exame da OAB, faça uma pós-graduação boa, namore homens legais, namore babacas, enfrente relacionamento abusivo, case, separe, mude de cidade e Estado, advogue com esmero, seja vítima de ciúme infundado e quase psicótico de esposa de colegas, lecione, seja sempre a primeira a corrigir provas, a que está sempre disposta a incentivar os alunos, a que posta a matéria no portal acadêmico, "consequentemente", seja demitida sem justa causa ou qualquer outra explicação, diante de tais fatos saia do interior do Estado onde estava há 3 anos para o DF e seja encontrada num site de "segunda" (na colocação dos sites daqui, mas foi o único que aceitou fotos não profissionais) que lhe entrevistou e, então, passe a ser ouvida por canais mais interessantes e sérios no meio da internet. Ah, faça um blog e escreva em português correto! Ah, seja culta, boa leitora e escritora, além de bonita, claro."

Vejamos: eu tenho um blog chamado "Apenas ideias" desde 2007 (www.claudiademarchi.blogspot.com.br). Escrevo crônicas desde 2003. Tenho pontos de vista polêmicos, mas nunca fui notada, nunca me intitularam escritora ou nada afim. Não até me verem seminua na internet.

Mulher bonita, que não aceita ser sustentada por homem e descende de família humilde sofre o dobro: precisa de emprego, "cruza" com demônios chamados "mulher do chefe", se dedica-se demais tem problema, se dedica-se "de menos" também tem. E não tem tempo pra fazer outra coisa, afinal você ajuda a família, não tem ninguém pra lhe ajudar. Trabalha de dia pra comer de noite e ainda é obrigada a ouvir filhinho de papai criticar sua "revolta", por exemplo!

Eu saí da faculdade de Direito com um escritório e trabalhando. O Judiciário me frustrou. Dos homens eu desisti: a maioria me pareceu acomodada, egoísta e machista (há exceções). Filhos? Deusmelivre! Não posso nem com choro de criança! Sexo? Sempre amei! Sobretudo depois dos 29/30 anos, quando a gente está segura de si pra f***** de luz acessa e sem vergonha alguma!

Gosto sim e tendo o dinheiro como recompensa não me importa a aparência do cidadão desde que seja educado, escreva e fale corretamente. Eu poderia continuar advogando. Eu poderia esperar a virada de semestre e voltar a lecionar noutro local. Mas, num ato de rebeldia eu uni o útil ao agradável!

E, desde então, somente um pensamento me vem à mente: "Por que eu não comecei a fazer isso há anos?". Talvez, porque haja uma razão por trás de tudo. Como mulher madura que faz o que gosta eu me imponho e pretendo influenciar a muitas a se imporem e se libertarem do preconceito. Porque se quem sofre a discriminação é conivente com ela, nada nunca irá mudar. E eu quero ser agente de alguma mudança. Tentarei sê-lo, se eu conseguir você saberá!

Cláudia de Marchi



Quinta-feira, 29 de setembro de 2016

Faço sexo por dinheiro sim: e amo! Foda-se você!


Cláudia de Marchi - Acompanhante Brasília - DF

Eu acho que esse assombro em relação ao sexo como profissão deriva, além da romantização do relacionamento sexual proveniente da sociedade patriarcal, de uma espécie de sacralização do corpo, da matéria.

Nossa, não deve ser fácil", dizem. Ora, pra quem, como eu, por mais que ame o próprio corpo e a si mesma, sabe que o sagrado está na mente, na psique, no cérebro, não é difícil não! Sexo são sensações e se você liberta-se de amarras mentais durante determinado tempo, você vai ter sensações boas! Seguidamente deliciosas.

E, além disso, tem o diálogo, o desconhecido, aquele momento em que você se admira com a inteligência, cultura e conhecimento do outro ou pensa "coitada da esposa deste 'cabra'!".É bom: a esposa não é você e pra você ele dá o que de melhor pode oferecer: simpatia, humor, prazer e dinheiro!

Não foi "fácil" pra mim estudar anos e ser vítima de machismo, de mulher ciumenta, de cantada de macho escroto, de homem abusivo, de cliente barganhando contrato "sob pena" de pegar um no Google, de juiz que acha que é Deus e promotor que viveu numa redoma de vidro até passar no concurso!

Arre, chega de demonizar algo que não é criminoso e nem degradante. Não quando se opta por tal oficio e nele só se faz o que se gosta, sem se expor ao que não agrada só pelo "money"! Ora, os seus preconceitos, dogmas, recalques e mimimis são seus!

Aceite que uma pessoa pode ser feliz transando com estranhos e recebendo para isso. Estranhos que podem ser mais carinhosos nas carícias comigo do que com a esposa que ele apalpa e diz "vamos transar?". Estranhos que me ensinam e me divertem mais do que muito cara que eu já chamei de "amor".

Julgar uma vida que não se vive com base nas suas predileções e não nas do "vivente julgado" é um ato de extrema ignorância, pobreza de espírito e tacanhez intelectual. Lamentavelmente, é "coisa" da maioria frustrada que se faz de "feliz" na internet e no almoço de domingo e que diz que pessoas como eu arderão no "fogo do inferno"!

Ora, eu não acredito e nem temo está invenção religiosa criada para manipular seres sugestionáveis, inferno, para mim, é conviver com a raça humana, tão crente, tão arrogante e tão ignorante!

Cláudia de Marchi



Quinta-feira, 22 de setembro de 2016

Sobre eu NÃO gostar de transar com mulheres!


Há algum tempo um cliente me disse que "toda mulher é naturalmente bissexual", frente a um assunto no qual eu dizia que não iria atender casais, pois não sinto atração por mulheres.

Ele me dizia que a esposa adorava transar com mulheres, fosse a mulher que "fosse" (garotas de programa, enfim) e que é "lindo" ver mulheres transando (mesmo que o cidadão mal consiga dar conta de uma mulher fogosa! Talvez por isso goste né?! Tem uma ajudinha. Eu preferia a ajuda de outro, fosse o caso! Ah, mas dai a masculinidade se ofende, ui, ui, ui! Pobre ego frágil do machinho!).

Eu o ouvi quieta, pois sou uma lady. Minha mente, porém, planejava bloquear o celular do indivíduo tão logo saíssemos de onde estávamos haja vista o machismo antiquado e depravado daquelas palavras. Primeiramente ele dizia isso se referindo ao bom e velho sexo oral ("mimimi toda mulher gosta").

Bem, vamos lá: homem não gosta de ser chupado? Gosta né!? E que tal eu sair dizendo que "todo homem é, por natureza, bissexual"? "Quem pode chupar melhor que uma mulher a outra vez que conhece o seu corpo!?", é outro argumento. Então: quem pode chupar melhor você do que outro homem, benzinho?! Outro macho que sabe do que você gosta, afinal é do seu gênero e "etc. mimimi"! Pelamor, né?!

Tem mulher bi, tem mulher homo e tem mulher que só gosta de p****! Que não sente prazer intenso sem ser com penetração em alguma das suas 3 cavidades "utilizáveis"! Simples! Sexualidade não se impõe ou se define, predileções também não! Tem homem que transa com travesti e está pouco ligando para o membro que está ali!

Eu, por outro lado, não gostaria de saber que quem está me acarinhando tem peito siliconado, celulite e é "rachada"! Que coisa chata esses preconceitos seletivos! Tudo em torno do que? Do macho! Macho inventou que é bonito duas mulheres transando, macho acha excitante e agora quer persuadir o mundo de que toda mulher deve gostar do carinho de outra! Ah, volte 1 milhão de casas e recupere a lógica! (Argumentos acima devem ser relidos 30 vezes).

Cláudia de Marchi



Quinta-feira, 22 de setembro de 2016

Sobre amor, sexo e infidelidade.


Cláudia de Marchi - Acompanhante Brasília - DF

Disse Theophile Gautier: “Amar é admirar com o coração. Admirar é amar com o cérebro.” Posso dizer a quem interessar possa que esta é a frase da minha vida, juntamente com uma oriunda da canção de Rita Lee, Roberto de Carvalho e Arnaldo Jabor: “Amor é para sempre - Sexo também- Sexo é do bom - Amor é do bem- Amor sem sexo é amizade- Sexo sem amor é vontade- Amor é um - Sexo é dois- Sexo antes - Amor depois”.

Enfim, sexo sem amor é vontade, amor sem sexo é AMIZADE. O que percebo nestes quase seis meses como cortesã é como os homens conseguem fragmentar seus sentimentos e sensações em prol de manter uma relação socialmente "linda" e de, obviamente, não gerarem dilemas em seus, tão “equilibrados”, egos. Em prol de serem os “heróis” de seus filhos, os grandiosos mártires dos sogros, os bons “homens de família”, os "super-maridos-salvação-das-esposas".

Outro dia fiquei boquiaberta ao ser contatada por um noivo que estava há um ano sem sexo oral, porém prestes a casar-se com a noiva que não curte chupá-lo. Gente, neste caso, por que casar? Por que admira? Por que ela cozinha bem? Por que é inteligente e de família rica? Por que é milionária? Então, se trata de estar se vendendo e não amando! Ora, como casar-se com quem não lhe satisfaz sexualmente? Como? O sexo faz parte do casamento, do contrário basta comprar um cão labrador, um gato persa, enfim!

Sexo não é pecado, sexo é vida! Não há como ser feliz num relacionamento sem ter sexo bom, gostoso e despudorado. Então, para algumas pessoas é mais digno casar-se com a mulher fria do que dizer-lhe que ela não lhe satisfaz e que deve encontrar algum homem do “estilo” dela? Gente, que “nóia” é esta de “ter que casar”?

Que asneira é essa que resume a vida em estudar, trabalhar, casar e reproduzir a espécie? Deixar a vida sexual e o prazer de lado para limpar fraldas, além de esquecer-se do bom e velho sexo oral, porque a moça é de “família” (riquinha, via de regra)?

Afinal, quem é a indecente e “putana” da história? Eu que lhes escrevo ou vocês que se corrompem por uma "legislação" tácita de uma sociedade hipócrita que desde sempre se vale da infidelidade para poder ter prazer sexual?

Sexo faz parte do amor sim! Sexo é limpo, ou melhor, é a sujeira que limpa a alma, a ansiedade humana, os nossos pesares! É a delicia impudica que faz o nosso humor ir ao êxtase, nossa pele melhorar, nossa ansiedade esfomeada ir embora, nossas dores amenizarem, nossos músculos relaxarem e firmarem-se ao mesmo tempo!

Sexo, ao contrario do que diz o padre (quiçá pedófilo e punheteiro) e o pastor (que mora em mansão, enquanto você mora num apartamento de 60 m²) é do bem e só faz bem! O que é contra a ética da reciprocidade é fazer ao outro o que dele não se deseja, ao invés de ser sincero e encarar a solidão em detrimento de um casamento que nasceu para dar errado só pra satisfazer estranhos que não irão gozar e nem chorar por você!

As mulheres também traem, só os machos egocêntricos fazem questão de desconhecer tal realidade. Segundo pesquisas, os percentuais dos infiéis entre os gêneros estão cada vez mais semelhantes. O que sempre me intrigou, aqui, nesta minha mente sexualmente devassa, mas moralmente regrada (não curto fazer ao outro o que dele não espero), é por que afinal as pessoas traem hoje em dia, quando somos livres, quando nós, mulheres, graças ao feminismo, podemos nos libertar do macho com quem nos casamos, quando eles, por sua vez, podem viver livres para, sem peso na consciência, poderem ter suas aventuras sexuais insanas, por que manter-se numa relação morna ou, mudando o “n” pelo “t”, morta?

Por comodismo? Pelos filhos? Pelos bens materiais? Pelos amigos em comum? Pelos parentes? Um divórcio é complicado, mas onde está a decência das pessoas que acham mais fácil passar o dia flertando e transando com a “amiguinha” e dormir de conchinha à noite com a esposa? Chegar em casa, olhar em seus olhos e fingir que nada aconteceu?

O que há de errado com o ser humano? Ou melhor, o que há de errado comigo? Eu sei muito bem que é fácil dividir o sexo do amor. Tanto que transo com cada cliente como se fosse minha ultima transa e estou aqui, de bem com a vida e comigo mesma, me amando, me adorando. Mas, ora, ora, eu não durmo com ninguém, não digo “eu amo você” e nem dou presente de dia dos namorados ou aniversário de casamento para pessoa alguma! Eu não preciso olhar nos olhos de uma pessoa para dar boa noite, não preciso chamar de “querido”, de “meu bem”, de “meu amor”.

Eu não tenho “amor” algum, se tivesse eu não estaria transando loucamente para manter minha tranquila vida emocional e, claro, financeira. E você lord, “senhor de respeito”, sabe me responder por que esta casado? Por que a herança do sogro será legal? Por que a esposa é abonada? Por que o status da família do cônjuge lhe eleva profissional e pessoalmente? Por que você adora o risoto que sua mulher faz? Por que trair alguém é mais emocionante e lhe dá tesão?

Bem, seja pelo que for, só tenho para lhe dizer que a “puta” ou o “puto” aqui não sou eu. Eu transo porque gosto de pênis. Gosto de homem, para ser mais educada. Gosto de sexo. Recebo meus “honorários” e volto à paz da minha solidão. A minha vida, meu bem, não é um teatro, nem uma foto dentre amigos, nem um post no Instagram. Eu não interpreto nada, nem para os meus filhos (que, benzadeus, não existem!), nem para o meu marido, nem para familiares, nem para amigos, nem para vizinhos, nem para ninguém.

O que realmente nos distingue é que eu sou livre e você não, embora ache que é! (Tem que achar, se não seu ego quebra-se em mil pedaços!). Eu tenho coragem para enfrentar a vida sem um escoro dormindo ao meu lado, sem filhos para chamar de “meus”, sem fazer parte de um “modelo da tradicional família brasileira” (que na verdade deveria ser indígena e viver nua), eu tenho coragem para quebrar tabus e, ainda assim, ser feliz. E você, teria a minha coragem e decência?

Cláudia de Marchi - Acompanhante Brasília - DF

Cláudia de Marchi



Quinta-feira, 22 de setembro de 2016

"Como eu faço para virar acompanhante?"


Cláudia de Marchi - Acompanhante Brasília - DF

Estamos frente a uma geração que tem preguiça de pensar, de se informar e de agir por conta própria, uma geração de pessoas que quer as coisas “mastigadas” e é demasiado leniente para agir por conta própria e para pensar, inclusive! É a geração que faz acusação (sem provas) via PowerPoint: está tudo lá desenhadinho, esmiuçado ao máximo, (apesar de vazio no que diz respeito ao nexo)! Geração chata pra cacete e, digo mais, intelectualmente atrofiada (né MPF!?)!

Enfim, uma geração que sequer consegue ler e entender textos e tutoriais didáticos! E termina, seguidamente, me remetendo aquelas vãs perguntas: “Ajude-me ‘to’ com problemas financeiros, como faço pra virar acompanhante (?)”, “eu sempre quis ser acompanhante, mas não sei como chegar ‘lá’, me ajuda.” Como se eu, uma pessoa exigente, culta e madura, com apenas 5 (cinco) meses de experiência e que se “arranjou” sozinha fosse a “rainha do conhecimento” desta atividade!

Gente, eu só ganhei um pouquinho de fama porque deixei de lado 11 anos de advocacia (sim, com OAB, obviamente cidadão inculto! Não existe advogado sem OAB, a exceção da Marcela Temer aos olhos do marido.), além da academia jurídica, pós-demissão injustificada. Se eu mudei de ofício somente pela necessidade? Não! Claro que a revolta profissional aliada a um gosto devasso por sexo e ausência de romantismo, impulsionou-me a me tornar uma acompanhante de luxo.

Luxo, porque culta. Luxo, porque falo português e escrevo corretamente. Luxo, porque me visto de forma elegante e não ando com um cartaz escrito “GP” na cara. Luxo, porque converso sobre política à filosofia. Luxo, porque tenho seios naturais e um corpo durinho, tal como os meus amados peitos. Luxo, porque sou divertida e humorada. Luxo, porque aonde eu for todos me veem como uma lady!

Luxo, porque não vou para boates, bares, lanchas ou festas cheias de bêbados ainda que me ofereçam o valor equivalente a um carro popular novo de cachê. Luxo, porque sequer atendo a telefonemas em horários deselegantes. Luxo, porque não vou à festa regada a álcool e cheia de macho bagaceira, como despedida de solteiro, por exemplo. Luxo, porque não vou a casas de swing e nem participo de orgias.

Luxo, porque exijo o respeito que é meu por direito, no Whatsapp, nos telefonemas e tèt a tèt. Luxo, porque não preciso ir a passeios em iate cheio de desconhecidos enchendo a cara e cheirando pó para me sentir a última Coca-Cola do deserto. Luxo, porque gosto de educação e não tenho limites entre quatro paredes com um homem. Luxo, porque só faço o que desejo e mantenho minha paz e dignidade intactas. Luxo, porque gozo demais, tenho multiorgasmos e não preciso de lubrificante pra nada. Amo o que faço e faço com prazer.

Enfim, queridinha se você não consegue ler e interpretar o que eu escrevo e seguir meus tutoriais (acesse www.claudiademarchi.com.br e verifique-os, quiçá, novamente!), então eu nada poderei fazer por você! Tá falida e quer virar garota de programa, mas não ama sexo? Vá fazer qualquer outra coisa. Não tem maturidade para se impor, para impor limites e ter seletividade? Faça outra coisa ou vai perder a dignidade nesta profissão.

Eu não aconselho ninguém que chega até mim cheia de “mimimi” curiosidades, mas não demonstra ter capacidade de ler, pesquisar e estudar sobre o que tanto "deseja" fazer. Respondo com o silêncio ou com "acesse meus tutoriais no meu site, tem tudo lá". Capacidade de interpretação de texto é o mínimo que um ser humano deve ter nesta vida, se você não consegue compreender tal fato tente fazer algum trabalho mecânico que requeira de pouco a nada do seu cérebro.

Vou, por fim, mandar o “papo reto” pra vocês: eu sou a favor do empoderamento da mulher acompanhante. Sou a favor da regulamentação da profissão, que não é crime! Sou a favor de poder fazer declaração de IR bem “certinha”, de recolher INSS, de, se empregada for, ter CTPS assinada!

Sou a favor do fim dos codinomes, da hipocrisia, da vergonha do que se faz! Portanto, não me venha com “mimimi eu preciso ajudar minha família, mas ‘deusmelivre’ se souberem”! Vá tomar vergonha na cara e adquirir brio minha filha! Se eles podem receber o seu dinheiro devem saber de onde vem e manter a matraca fechada! Quero a legalização da profissão, quero a PL Gabriela Leite aprovada e não estou na internet pra dar dicas de como virar acompanhante pra quem sequer sabe usar o Google ou ler os meus tutoriais no site! Ler e pensar ainda são gratuitos e não tributados! Aproveite baby!

Cláudia de Marchi - Acompanhante Brasília - DF

Cláudia de Marchi



Domingo, 18 de setembro de 2016

Pequeno tutorial sobrecomo virar profissional do sexo.


Aqui neste site vocês encontram um tutorial do que significa e de como ser uma acompanhante de luxo escrito por mim há meses, todavia, diante de constantes e-mails e mensagens de moças de todo o País me pedindo dicas, resolvi resumir em poucas palavras os caminhos para dar inicio à carreira, seja como acompanhante de luxo ou garota de programa (aquela de nível cultural, intelectual e seletividade inferiores, pois, como eu sempre digo, não é unicamente a aparência que eleva uma mulher à categoria de luxo, vide textos anteriores).

Enfim, em ordem colocarei 15 itens contendo o que você precisa para começar a trabalhar como profissional do sexo.

Vamos lá?

1- Amar fazer sexo!

2- Amar fazer sexo! Adorar chupar um pau, adorar a anatomia masculina! Ter vontade de engolir tudo aquilo!

3- Amar fazer sexo! Gostar do cheiro, do gosto da porra do cara! Não ter nojo de nada, pelo contrário, ficar excitada de imaginar a tua boca cheia de porra!

4- Amar fazer sexo! Gostar de dar o cu! Gozar muito com um pau avantajado ou não enfiado no teu rabo!

5- Amar fazer sexo!

6- Amar fazer sexo!

7- Amar fazer sexo, não ter vergonha de fazer squirt, de gozar, de molhar o cara! Adorar gozar na boca e na cara do individuo!

8- Amar fazer sexo!

9- Amar fazer sexo!

10- Amar fazer sexo!

11- Entendeu? É amar, não é gostar! É ter prazer com o corpo do macho!

12- Se você realmente ama e quer trabalhar nisso POR GOSTO E NÃO NECESSIDADE então você deve escolher uma cidade para residir, fazer fotos profissionais e procurar um site para anunciar! Estas informações você consegue na rede através do bom e velho Dr. Google.

13- Agentes? Não recomendo sob pena de você ser explorada. Se a PL Gabriela Leite tivesse aprovada, eu não teria tanto receio.

14- Você precisa de coragem e atitude, ninguém vai fazer nada por você.

15- Amar sexo sempre!

Não trabalhe com sexo por necessidade apenas. Você vai perder a dignidade, vai se sujeitar a tudo, vai gastar imoderadamente para compensar o dano psicológico de estar fazendo o que você não quer.

Sempre existem opções.

Trabalhe com o que você ama que nunca terá que trabalhar, é chavão, mas é verdade! Uma inconteste verdade.

Eu, por exemplo, nunca estive tão equilibrada psiquicamente. Nunca estive tão serena. Tão pouco ansiosa. Eu não me alimento mais por ansiedade, não sinto vontade insana de doces e chocolate. Só como quando tenho fome, não tenho aquela ansiedade de p

reocupação e etc..

Enfim, eu me encontrei na minha profissão! Arrependo-me de não ter me descoberto assim há 10 anos. Mas, todavia, eu não tinha a maturidade que tenho. E nem sabia foder tão bem. (Risos...). Nem gozava tanto, não me conhecia tanto, não me amava tanto!

Afinal, antes de amar fazer sexo a gente precisa é se amar para se empoderar e fazer o que a gente quer sem se importar com as criticas que surgem, sobretudo se a gente crescer e fazer sucesso!

Boa sorte!

Cláudia de Marchi



Sábado, 10 de setembro de 2016

Eu poderia escrever uma crônica rancorosa (mas não vou).


Cláudia de Marchi - Acompanhante Brasília - DF

Algo pesado sobre os ataques virtuais que minha imagem sofreu esta semana no Facebook e Youtube. Sobre o ataque sofrido por ex-alunas e amigas que tiraram sarro do ser humano patético que me perseguiu nas redes.

Sobre os e-mails que deleto depois da quarta linha escrito por algum ou alguma passo-fundense ou marausense infeliz e triste que recebo todos os sábados. Quiçá um dos tantos ex babacas que tive? Quiçá uma invejosa? Não me importa.

Verifico ódio e rancor nisso tudo e, como eu já escrevi numa crônica antiga, o ódio a quem não lhe fez nenhum mal gratuito é recalque. É inveja. É desconforto com a alegria, sucesso e paz do “odiado”.

Eu escolhi viver de sexo. Aos 34 anos eu resolvi viver do que mais gosto de fazer, além de escrever, ler e assistir filmes. Não me interessa se os outros acham isso ruim ou pesaroso. Não me interessa se o fato de eu não ter 24 ou 18 anos incomoda alguém.

Eu sei fazer sexo, eu sei gozar e tenho prazer em cada relação. Com qualquer parceiro que tenha no mínimo uma mão e uma língua. Se tiver um belo pênis, ótimo! Isso incomoda você? Problema seu. Não incomoda a quem me procura. E volta, 9 em 10 vezes volta!

Pode escrever e-mails longuíssimos falando o que você pensa. Pode fazer perfil fake. Pode sim me caluniar, injuriar ou difamar. Eu não vou lhe responder. Seguidamente eu nem irei ler até o fim.

Eu estou assim, com esta cara pra você:

Cláudia de Marchi - Acompanhante Brasília - DF

Você não gosta da minha cara? Problema seu. Eu a amo. Eu amo cada pedacinho do meu corpo que fica a cada dia mais saudável, bonito e durinho, do jeito que eu gosto. Por que? Porque eu faço muito sexo e sou feliz. Porque não tenho crise de ansiedade e me “afogo” em doces e besteiras.

Porque eu tenho tranquilidade de espirito. Ou melhor, eu a adquiri! Porque tenho o amor de quem me importa: mãe, pai, tias e alguns raros amigos. Porque tenho o amor da pessoa mais importante neste mundo: eu mesma.

Então, pode desabafar sua cólera e me mandar como desejar, você é livre para ser infeliz e patético. Você é livre para me odiar, todavia, convém avisar: quem você odeia, lhe domina o pensamento. Ou seja, o seu ódio me eleva e lhe rebaixa, me anima e lhe desanima.

Não pense que você irá tirar meu sono, não pense que e-mails me criticando irão me afetar. Se caracterizarem ilícito criminal, eu tenho procuradora para cuidar dos “seus” problemas à mim direcionados. Se não caracterizar nada, dispenso pra “lixeira” sem ler.

Por que não ser feliz gente? Com as suas opções. De cara aberta! Eu não sou a única acompanhante do mundo. Tem outras, mas o que em mim lhe incomodou? A minha fama? Eu ter ido parar no global G1? No Catraca Livre? Em demais jornais? Por que o meu brilho lhe incomoda?

Procure você brilhar! Procure ser feliz fazendo o que você faz, vivendo a sua vida, amando mais, se amando mais.

Não me culpe, também, se o seu parceiro me procurar. Se ele não vier aqui, ele irá até outra profissional. Tão boa quanto eu? Tão tarada? Não me interessa, mas ele irá. O problema das traições nunca é a acompanhante, a garota de programa, a colega de aula, a moça da academia, a secretária e etc.. Pessoas são infiéis quando descontentes em algum aspecto: sexual, afetivo, intelectual e etc..

Pessoas traem por falta de coragem de assumirem suas vidas e seguirem sozinhos. Livres para fazerem o que desejam. É comodo ter esposa, posar de bom pai de família nas fotinhos, é fácil dizer um automático “eu te amo” para a mulher. É fácil fingir felicidade, porque a sociedade “cobra” uma família de propaganda de margarina para que a pessoa seja “tida” como feliz.

Mas, então existe tudo aquilo que se faz quando ninguém está olhando: o choro calado, a ansiedade por estar numa relação entediante, as revistas, os filmes, a punheta no banheiro, a prostituta na sinaleira, a garota de programa que vai fazer “ponto” em hall de hotel, a acompanhante de luxo que leva uma bela vida e atende quem lhe parece interessante, inteligente e culto. Existe este “mar” de coisas que não se divulga, mas que estão, seguidamente, por trás de cada buque de flor recebido, presente ganho e romantismo repentino.

A culpa nunca é da outra. A culpa é de ambos. É da relação morna. A culpa é do desrespeito, da deslealdade e de quem lhe deve ela. Ninguém trai por acidente. Nenhuma mulher cai em cima de um pênis “sem querer”, nenhum homem “entra” numa vagina por acidente. Agora, não culpe o pênis ou a vagina alheios pelo ato de quem foi até eles.

Menos machismo mulherada! Menos culpabilização da outra, da estranha, da que, seguidamente, não quer nada de afetivo do seu marido. Quem lhe deve fidelidade é ele!

Aprenda a respeitar as outras. Aprenda a respeitar quem faz o que você não gosta. Você não precisa gostar, você precisa respeitar. Respeito, não praga religiosa! Respeito, não discurso moralista! Respeito, não mimimi “moral e bons costumes”.

Não gosta deste site? Não gosta da Cláudia de Marchi? Não gosta dos posts no @claudemarchi? Entra por que? Segue por que? Eu sou tão importante assim pra você? Este site é para adultos, não para crianças. Entra quem quer, lê quem gosta.

Se você não gosta, mas ainda assim é leitor, então, amigo, procure um psiquiatra, você precisa de tratamento. O site é meu e eu escrevo sobre o que bem entendo, problemático é quem não gosta do que tem aqui e, ainda assim, me visita, aumentando minha fama, meu saldo bancário e minha alegria, por ver que, realmente, ser gostosa pode não ser chato pra mim, mas é pra você! (Risos...).

Siga o exemplo de quem você tanto detesta, mas tanto “persegue”: seja feliz, cuide do seu nariz e se liberte de suas amarras interiores! Assuma-se e tenha paz. Uma imensurável paz que nenhum ser humano esquizoide, infeliz e babaca irá lhe tirar.

Cláudia de Marchi



Terça-feira, 6 de setembro de 2016

Piadas do início de setembro II.


Os seres humanos realmente não me ajudam a fazer-me admirá-los.

Vai ser tosco? Vai ser “sem noção”? Vai ter print amiguinho, vai ter critica, vai ter piada no site, no facebook, no instagram, sim amiguinho!

E você não pode se dar ao direito de ter vergonha né!? Primeiramente, porque quem não se envergonha de ser e fazer não deve se envergonhar por ver o que “é” ou “faz” publicado. Ademais, seu nome não esta aí. Nem numero de telefone. Logo: vai virar piadinha anônima!

Vejamos o cidadão que, em plena minha sessão de filmes no sábado, me incomoda via SMS!

Cláudia de Marchi - Acompanhante Brasília - DF

O que esperar de um ser humaninho que "pelas suas fotos" acha que você vai querer jogar conversa fora com ele? É, eu sempre digo: o mundo está cheio de oligofrênicos não diagnosticados.

E o que dizer do moço do DDD 66 que em pleno 2016 acha “complicado” acessar um site?

Cláudia de Marchi - Acompanhante Brasília - DF

Quanto a isso, eu não nego que tenho um receio: DDD 66 é do MT, região de Sorriso, onde morei e, assim como o DDD 54 às vezes me assusta. Ora, mas, por quê? O print abaixo explica um pouco:

Cláudia de Marchi - Acompanhante Brasília - DF

Não atendo a ex-alunos e nem ex-colegas conhecidos ou conhecidos de qualquer "ordem". Salvo raríssimas exceções dos segundos e terceiros! Eu gosto de estranhos, pois quem não conhecemos são como uma "folha" em branco: podemos não ter motivos para admirar, mas também não temos más lembranças! É a mesma razão pela qual não atendo político de extrema direita fascista.

Só de pensar em me despir na frente de um Bolsonaro da vida (incluindo filhos) já me dá náusea! Confesso que, apesar da canalhice, até o Eduardo Cunha me parece mais interessante! Pelo menos é inteligente, além de charmoso. (Sociopata? Bem, pra ser sociopata precisa ser inteligente e a inteligência é meu afrodisíaco preferido. Ele foi inteligente até na escolha da esposa, não pelo caráter, mas pelo nome!).

Aliás, o Cunha é interessante, porque ele sabe o que ele é. E se mantém com aquela cara impassível, como aconteceu na votação do impedimento da ex presidente na Câmara. Ofendido, (justamente) xingado, mas e as feições? As mesmas. Exatamente as mesmas!

Ontem atendi a um cliente que além de gostoso, falava sacanagem enquanto me comia e, quando percebia que não conjugava o verbo com o sujeito corretamente se corrigia. Nossa, eu gozava com mais intensidade a cada “correção”... Risos...

Sim, eu sei. Eu não sou normal. E eu me amo exatamente por isso!

Cláudia de Marchi



Sexta-feira, 2 de setembro de 2016

Piadas do inicio de setembro.


Ontem, após saber do falecimento de um ex-aluno, estava assistindo seriado quando recebo a seguinte mensagem:

Cláudia de Marchi - Acompanhante Brasília - DF

Eu tento não ser sarcástica com os seres humaninhos, mas jovem, o que é isso? Faço questão de diferenciar a prostituta, a garota de programa da acompanhante de luxo, frisando que está ultima além da tara por sexo, tem cultura, elegância, eloquência e fineza. Daí tal pessoa tem “tal” ambição, porque se “espirou” em mim!

Vide comments:

Cláudia de Marchi - Acompanhante Brasília - DF

Cláudia de Marchi - Acompanhante Brasília - DF

Cláudia de Marchi - Acompanhante Brasília - DF

Cláudia de Marchi - Acompanhante Brasília - DF

Cláudia de Marchi - Acompanhante Brasília - DF

Cláudia de Marchi - Acompanhante Brasília - DF

Cláudia de Marchi - Acompanhante Brasília - DF

Cláudia de Marchi - Acompanhante Brasília - DF

Ah, pelamor né!? Custa o que ler? Custa o que se tornar culta? Quer ter só bunda, coxa e um monte de roupas vulgares para oferecer? Não será acompanhante de luxo, mas garota de programa. Prostituta, quiçá!

Quer achar que entender e falar inglês é “chique”, quer ir à hotel ou boate caçar cliente? Será só garota de programa ou prostitua. Ponto! E ser “só” não significa inferioridade. Afinal, este publico agrada à inúmeros homens, assim como fast food agrada a muitos paladares. Questão de gosto, baby!

Ah, hoje fui "obrigada" a fazer o seguinte post no meu face:

Cláudia de Marchi - Acompanhante Brasília - DF

Cláudia de Marchi - Acompanhante Brasília - DF

Cláudia de Marchi - Acompanhante Brasília - DF

Cláudia de Marchi - Acompanhante Brasília - DF

Jovem metido a gostoso, inculto e sovina. Ou pobre mesmo!

Cara, tenho clientes lindos, charmosos, cheirosos e gostosíssimos que me matam gozando!

Vem dizer que não “precisa” pagar por sexo? Filho, nenhum homem abonado precisa, pagam os que valorizam a minha excelente companhia e sexo. Pagam os que sabem que meu preço é alto, porque me valorizo e que não me vendo por “trovinha” desnecessária de quem se acha “poderoso” e pega menina interesseira ou bêbada na balada!

E o miserável abaixo, que me abordou (infelizmente) no whats neste final de tarde de sexta-feira? O que o define?

Cláudia de Marchi - Acompanhante Brasília - DF

Cláudia de Marchi - Acompanhante Brasília - DF

Cláudia de Marchi - Acompanhante Brasília - DF

Cláudia de Marchi - Acompanhante Brasília - DF

Cláudia de Marchi - Acompanhante Brasília - DF

Cláudia de Marchi - Acompanhante Brasília - DF

Perceberam que o que "define" o párea, neste momento, me parece definir a classe das garotas de programa e prostitutas que, erroneamente, se intitulam acompanhantes de luxo, porque fazem fotos bonitinhas, malham 2 horas por dia, mas não tem um pingo de seletividade, senso negocial, cultura, ética e finesse.

Ah, gente! Pelamor! Não haveriam homens lixo, deste naipe, se não existissem mulheres do mesmo naipe no ramo em que, felizmente, atuo!

E me envergonham muito. Muitíssimo! Enfim, "garotinhas", voltem duas casas, recuperem a sensatez, a lógica e o autorrespeito que logo, logo este tipinho barato de porco chauvinista deixará de nos importunar!

Ou seja: me poupem, se poupem, nos poupem!

Cláudia de Marchi



Segunda-feira, 29 de agosto de 2016

Pequena crônica sobre “amores bandidos”, afinal, quem nunca?


Via de regra, todo mundo já teve ou então vai ter um amor bandido na vida. Ah, você não? Namora há 10 anos, esta casado há 20 e não vai ter? Tudo bem, cada um sabe de si, mas amores bandidos ensinam muito. Mas, o que é amor bandido? É o amor das ex-namoradas do Fernandinho Beira-Mar? Pode ser, mas amor bandido não é necessariamente o amor por um marginal.

É aquele amor cheio dos "poréns", é aquele que faz bem e que faz mal ao mesmo tempo, que dá calor e logo rouba a paz, pode ser aquele entre pessoas de gênios diferentes, por pessoa complicada, que não se ajuda a ser feliz e faz cena a todo instante, é aquele que as pessoas terminam e voltam como se fossem viciadas uma na outra, aquele cheio de ciúme, insegurança e brigas tolas.

O amor bandido é amor de letra de música sertaneja (os que a desprezam que me desculpem, mas no fundo em algum lugar ou situação, todos já ouviram tal gênero), começa com o ânimo inocente de "É o amor", se torna "Amor Selvagem", "Entre tapas e beijos" chega a ser "Cara de Pau", e não termina cedo, afinal "Cada Volta é um Recomeço". Mas um dia alguém diz "Pare", e sai fora.

É aquele amor de vício, de pele e não de razão, de ponderação, e calmaria. É o amor de fogo, de paixão, de ânimo, que o tempo e o convívio, podem apagar ou torná-lo menos bandido, na mais remota das possibilidades.

As pessoas sabem que o amor bandido é difícil de dar certo, pelas diferenças, pela excessiva complicação da personalidade do outro, que, muitas vezes, pode estar em constante crise existencial, depressão ou algo assemelhado. Todo amor bandido impõe desafios e quem o encara e o faz por gostar do perigo excitante a ele inerente, perigo este que o faz achar que pode fazer o sertão virar mar e o mar virar sertão.

Viver um amor bandido é uma burrada, casar com o amor bandido (meu caso) já é uma mancada das grandes. Mas se aprende, ninguém vive para sempre com um amor bandido. O amor de verdade se sustenta na similitude, opostos se atraem, mas não permanecem, esta é a verdade. Se um amor é bandido porque o amado é problemático, complicado ou down, e o amante é alto astral e simples, um dia este desanima, do contrário, se amado e amante são complicados e "deprimidos", há relação entre semelhantes.

Amor bom pra se viver tem que ser calmo e paciente, tem que ser por pessoa com personalidade semelhante a nossa. Pessoa alto astral, descomplicada, que quer ter uma família, união legal, parceria forte, cama quente, carinho, respeito, não fica com amor bandido, termina dando um tiro na sua raiz e se desvencilhando, indo buscar um amor paciente, um amor honesto no sentir e no viver, um amor em que nenhum escora nem precisa de escoro, em que as mãos se unem e os amantes andam lado a lado, confiando, compreendendo e respeitando um ao outro.

Mas, é bom um amor bandido? Tudo o que a gente mantém por algum tempo é bom enquanto dura. A questão é a maturidade. Pessoas maduras superam amores bandidos, pessoas imaturas precisam sofrer o dobro para aprender, mas, um dia aprendem, ou não, (como diriam nossos "poetas compositores" baianos). Todavia, existe uma bela coincidência: depois de amores bandidos, com os pecados purgados, as boas pessoas terminam encontrando um belo amor honesto ainda que por si mesmas.

Amores bandidos são prisões, calvários afetivos e não libertação, rejubilo e alegria que são as bases de uma relação afetiva saudável e feliz. Amor bom é aquele que não precisa da saudade para se fortificar, é aquele que não precisa se tornar um vácuo para ser valorizado. É o que dispensa máscaras e “faz de conta”, ilusões e “persuasões”.

Ama bem, quem se ama bem. Ama bem quem tem maturidade e quem consegue estabelecer um relacionamento saudável e harmonioso no dia a dia. Pessoas assim só sentem saudade quando o outro viaja, quando o outro está ausente e não quando o outro, infeliz e magoado, foge mundo afora.

(Há anos o pensador.com inseriu uma parte deste texto, para conferi-lo lá, acesse: Clique aqui!, a outra metade está no link Clique aqui!, (Tem sempre os indecentes que acham que sou do tipo que minto...Risos...Eu não preciso, sou boa mesmo!...).

Abaixo, uma frase do Augusto Cury de um livro sobre ansiedade que estou lendo. Ela sintetiza meu pensamento.

Cláudia de Marchi - Acompanhante Brasília - DF

E em amores bandidos não há admiração mútua. Há desejo, desequilíbrio, dependência emocional, celeumas, embates e estresse. Não se ama quem não se admira, o nome disso é "confusão mental", baby!

Cláudia de Marchi



Quarta-feira, 24 de agosto de 2016

Gente tosca?! Prefiro me masturbar. Obrigada.


Boa noite galera linda!!!

Hoje só recebi telefonemas de gente estranha! Tosca, para falar pouco.

Deve ser uma provação né?!

Não basta estar "naqueles dias", tem que ser abordada por gente besta! Vejamos:

Cláudia de Marchi - Acompanhante Brasília - DF

A criatura acha que pode vir "mim" ver quando bem entende. (E a classe, e os culhões, estão aonde parça?).

Cláudia de Marchi - Acompanhante Brasília - DF

Acima o "cu de ouro"! Não curto enfiar o dedo no cu de nenhum homem, mas pra ele eu devo satisfação! Ha-Ha-Ha!

Mas, como sou educada, explico! Tadinho né?! Ele pediu satisfação, eu dei!Não são todos que tem o ânus assim, tão especial e exigente, a maioria simplesmente procura outra acompanhante, daquelas que, como diria meu amigo Silvio Santos, "topam tudo por dinheiro".

Não é o meu caso. Prefiro me masturbar a ficar com qualquer homem só pra agradar ou faturar. Meu amor próprio se sobrepõe a tudo!

Beijos de luz!

Cláudia de Marchi



Terça-feira, 23 de agosto de 2016

Para as mulheres: sobre ser “gostosa".


Cláudia de Marchi - Acompanhante Brasília - DF

"Aiii meu Deus se eu não ficar com as coxas do Roberto Carlos (jogador de futebol), com a bunda no cérebro, digo, "na nunca" como a 'musa fitness tal', se eu não me lipoaspirar inteira e colocar silicone, o meu macho me deixa! Os 'omis' não vão me querer! Tem muita oferta de mulher! Oh céus, Oh vida!".

Então queridinha, vamos falar da "prática" dessas teorias machistas de que tem "7 pra cada homem" e tolices afins? Indo ao ponto: a "oferta" anda tão chata, fútil e intelectualmente vergonhosa que tem homem lindo e solteiro pagando pra passar final de semana comigo, por exemplo! Na verdade, antes mesmo de eu decidir me tornar acompanhante de luxo eu tinha cinco caras dando em cima de mim por semana, ou seja: ser fora dos padrões deveria ser um “padrão”!

Vocês estão imergindo em vício redibitório (perdão, não podia deixar de usar o vocabulário jurídico, que diz muito neste caso!). Esqueçam esses "ideias" de beleza e "gostosura" que eu, pessoalmente, acho vulgar e deselegante (assimétrico ao extremo) e priorizem a liberdade de se sentirem gostosas enquanto mulheres que sabem o que querem, como gozam e sentem prazer!

Admitam seus defeitos, afinal vocês não estão na televisão sendo privilegiadas por recursos de adulteração de imagem e "slow motion" enquanto vão arejar na sacada ou fazer um pipi no toalete, vocês não são "figuras" adulteradas de outdoor ou capas de revista!

Vocês são de carne, osso, gordurinha localizada, celulite, pele macia, cheiro gostoso, inteligência e, espero, calor, tesão, paixão, despudor e muita, muita autoconfiança e amor próprio! Não pense que malhar horas por dia e morrer comando quinoa, frango grelhado e batata doce (eca, mil vezes eca, eca até a próxima encarnação de frangos!) fará de você um mulherão gostoso e delicia na cama! Menos ainda que plásticas e etc. segurará o seu marido, baby!

O que lhe dá o diferencial não é o corpo e meramente a beleza, é a atitude, o QI e o QE (quociente emocional), o beijo ardente, a pegada e o que você faz sem roupa, com luz clara e sem vergonha de ser feliz! Não à toa, tem muita "Maria academia" sendo traída com a companheira de happy hour, cerveja e coxinha do marido! Ser sexy é saber se aceitar e seduzir com os pontos fortes, o resto é ser fútil, brochante e chata pra c******!

Cláudia de Marchi



Segunda-feira, 22 de agosto de 2016

Ensimesmada e anti-hipocrisia, prazer, Cláudia de Marchi!


Cláudia de Marchi - Acompanhante Brasília - DF

Onde eu vou, via de regra, que exista um aglomerado de mulheres casadas eu canso de ouvir mil reclamações acerca dos respectivos maridos das donzelas. Daí elas estendem as reclamações a todos os machos do mundo (como se tivessem tido a sorte de conhecer cada um deles)! Enfim, eu me canso mesmo!

Dá uma vontade enorme de dizer: "Sabem as feministas? Aquelas que vocês chamam de putas, libertinas e inúteis? Pois bem, a lei do divórcio está aí, graças a ela, é só usar! Não tenha medo, o divórcio não causa lepra!". Que coisa chata esse povo que reclama do que permite! Mesma coisa macho reclamando da mulher: filhinho, quem te obriga a ficar casado? Os filhos? Então vou te contar uma novidade: filhos precisam da atenção do pai e não do casamento de papai com mamãe!

Acredite, você pode ser ex-marido sem se tornar ex-pai! "Ah, mas todas as mulheres são iguais", dizem os covardões, ou, "todos os homens são iguais", dizem as "marias mimimi"! Não, não são! Todo ser humano que ama precisa de amor, atenção, diálogo, cumplicidade e parceria (além de sexo bem feito!), de resto, ninguém é igual a ninguém parça!

Pare de usar frase feita pra justificar o seu inominável medo de ficar sozinho e de tomar as rédeas da sua vida e, please, pare, simplesmente pare de se escorar numa convenção social que anda servindo muito para fazer álbum de fotos. Ou então, há uma opção: parem de reclamar do parceiro ou parceira!

Digam que estão ao lado de seu "grande e eterno amor" e fechem a matraca! Porque reclamar e estar ao lado de alguém é covarde e ridículo, afinal você não é obrigado a isso, certo?! Casamento não é imposto baby! Ninguém lhe obriga a ficar numa relação!

Qual o problema, enfim do ser humano com o "estar só", com o tal de "ficar sozinho"? Não são raras as pessoas que conheço que dependem da companhia alheia para se sentirem bem. De namorado a "amigos", marido, amante, grupos, reuniões, festas! Eu sempre fui tão "introjetada" em meu mundo que é extremamente difícil compreender esse "que" implicante do ser humano com a solidão.

Em que pese eu sempre tenha sido uma pessoa divertida e extrovertida, sempre fui de pouco contato humano. Aliás, tem algo interessante na minha história: foi justo na minha fase mais "perdida", mais dissociada de mim que eu entrava em grupinhos, festinhas e etc.. Essa fase durou alguns meses e, logo, retomei a minha introspecção.

E, dia a dia, mês a mês, ano a ano, crise em crise e com resiliência eu "voltei" a mim! “Introjetei-me” de novo! De alguns meses pra cá, pós-Simone, minha melhor descoberta de mim, mais ainda! Eu mergulhei em mim. Fui fundo, muito fundo em prol do meu autoconhecimento e descobri que realmente eu sou feliz sozinha!

Aliás, eu amo estar sozinha! Tenho a minha companhia, meus gatos e, agora, minha mãe novamente! Não preciso me juntar a inúmeras pessoas para mostrar que sou sociável e feliz, não preciso de fotos cercada de pessoas para provar ao mundo que sou alegre. Sequer preciso de um marido ou filho pra ser da turma dos "realizados"! Sou combatente da hipocrisia por trás de "álbuns de família", aliás, ela me anoja e causa piedade!

Eu sou intensa, inspirada, feliz, divertida, animada e alegre, apesar de "ensimesmada". Quem convive ou conviveu comigo sabe disso. Não sou solitária, eu sou sozinha! E prefiro isso a estar cercada de pessoas que não me fazem sentir-me bem ou cuja forma de pensar me avilta.

O verdadeiro solitário é aquele que não encontrou a si mesmo, aquele que precisa da companhia de outros para se sentir bem, adequado, amado. Eu não sou assim, eu amo minha companhia, mais, amo a mim dos pés à cabeça! Meu lema sempre foi o tal do "antes só" e agora que me aprofundei mais neste ser antinômico que sou, elevei-o a milésima potência e posso dizer: "eu prefiro só"! Se for pra ter alguém próximo a mim que seja para me dar prazer, cuidado e realização, porque isso é o mínimo que eu mereço de alguém!

Cláudia de Marchi - Acompanhante Brasília - DF

Cláudia de Marchi



Segunda-feira, 22 de agosto de 2016

Sobre ser feliz sozinha e livre de romances tóxicos.


Querida livre-se de “amores” ruins, ou melhor, de paixões tóxicas! “Mas, Cláu como saberei quando estou diante de uma paixão toxica?”. Quando o outro não lhe compreende, quando, diante de alguma reclamação atinente a sua forma de se relacionar, ele tenta lhe dissuadir, ainda que sarcasticamente, fazendo de conta que você é desequilibrada, exigente demais, difícil ou coisas afins.

Ou seja, não compreende e quer lhe “culpabilizar” por saber o que quer e deseja e deixar isso claro pra ele que, por sua vez, não se interessa em lhe entender. Quando chovem “eu te amo”, mas faltam “bom dia”, “boa noite”, “como foi seu dia?” e outras pequenas demonstrações reais de afeto que podem ser demonstradas até quando a pessoa vai ao banheiro defecar! Em era de internet o estar ausente não é uma questão de distância física, mas de vontade. Faz-se presente quem, do outro lado do mundo, da afeto, cuidado e atenção. Repito: celular pode ser levado ao banheiro! E todos vão ao banheiro!

Quando você começa um assunto em que pede respeito e consideração e termina pedindo desculpas por ter abordado o “tema”. Quando o cidadão lhe jura amor, mas é comprometido e espalha que é “feliz” pelo mundo. Quando o cidadão é comprometido, afinal, quem engana uma, engana outra e quem não tem coragem para se separar, mas jura amor à outra pessoa, não terá coragem de se separar jamais!

Enfim, no fundo é fácil amiguinha, um dia você aprende a se amar e a hora de dizer “chega, eu não mereço incômodos”! Relações amorosas existem para lhe fazer bem, certo!? É incoerente? Não lhe compreende, mas "julga" mal? Frustra? Desista, você merece mais, ainda que isso signifique ficar na paz da sua bem resolvida solidão! A vida é muito curta para desperdiçar tempo esperando a mudança de atitude de quem não quer mudar. Não se trata de pressa, mas de ojeriza a perda de tempo!

Confesso que têm dias em que eu queria ser dessas pessoas que acreditam que o outro não fará com elas o que fez com outrem. Eu queria ser dessas pessoas que se acham especiais ou "milagrosas": a amante que confia cegamente no parceiro que traiu a esposa para ficar com ela, a amiga da fofoqueira que fala mal da outra "amiga", a namorada nova do rapaz que vive chamando a ex de "maluca" e que se faz de vítima o tempo todo, eu queria ser daquelas que acham que vão mudar o outro, que farão uma revolução benéfica na vida alheia.

Enfim, eu queria ser dessas criaturas que se acham mártires, salvadoras e super especiais! Acho que foram minhas experiências que fizeram de mim uma pessoa tão objetiva, racional e "desconfiada". Tão desapegada de desafios e do meu "ego". Sou segura de mim, porém tenho sempre com um pé atrás quando vejo falta de lógica e de coerência nas atitudes alheias.

Não creio mais em palavras, acredito no que vejo e morrerei sem crer no que não vi. Tornei-me mais exigente, mais seletiva e, consequentemente, incompreendida. Mas, francamente, também me tornei realmente independente da opinião alheia! Quem me ama, compreende sem criticar, quem não ama, não me interessa, quem diz que ama e não compreende? Ora, não ama!

Cláudia de Marchi - Acompanhante Brasília - DF

Cláudia de Marchi



Quarta-feira, 17 de agosto de 2016

Tutorial de como não passar vergonha ao abordar uma acompanhante de luxo exigente.


Eis que estava eu aqui, descansando enquanto aguardo um cliente e me lembrando de quantos homens eu dispenso, por conta de sua absoluta inabilidade em me abordar. Logo, resolvi bater na mesma tecla que venho batendo desde que fiz o blog que agora virou a sessão “meu diário” e “tutoriais” do meu site www.claudiademarchi.com.br e dar dicas aos afortunados que leem estes textos da forma com que não devem abordar uma acompanhante de luxo como eu.

Sei bem que a exigência de muitas coleguinhas não é tão grande quanto a minha. Existem algumas tão seletivas como eu e outras estão aí aceitando tudo pela grana. Seguidamente estas são as que fingem orgasmo, gritam, pedem pra vocês gozarem logo, não se excitam e usam um monte de lubrificante e que vocês mesmos (homens sensatos) reclamam que são artificiais e que por conta disso é frustrante o sexo pago.

Eu posso ser exigente sim, mas sou toda “entrega” na hora do sexo. O pretenso cliente que passa a grau de “cliente” não tem uma experiência banal com sexo pago. Tem uma experiência de sexo fenomenal com uma mulher que não tem vergonha de gostar de sexo e de gozar sem pudor algum (“Vitoriosa” letra do Ivan Lins tem tudo a ver comigo tirando o fato que eu já aprendi como gozar!...Risos...).

Enfim amiguinhos, vamos ver em exemplos práticos como não passar vergonha comigo e consequentemente com nenhuma acompanhante, até as menos seletivas? Bora! (Já aviso que todos os cidadãos abaixo estão bloqueados).

Exemplo 1:

Cláudia de Marchi - Acompanhante Brasília - DF

Eu, Cláudia, codinome Simone, estudei nas melhores escolas, lia filosofia antes dos 10 anos, me formei com 22 anos, fiz especialização, desde 2007 escrevia para o meu blog www.claudiademarchi.blogspot.com, bem como para outros, jornais e afins. Sou boa leitora, ou seja: tente não escrever errado, isso me broxa! Não importa que você seja rico, milionário e se ache o “pica das galáxias”: se cometer erro grasso de português você me broxa e ponto! Mais ainda se você usar um termo subjetivo como me “conhecer melhor”!

Lindinhos, eu não estou fazendo o que faço só pela grana! Sexo é vida! Se eu quisesse “dar-me” a conhecer a alguém eu estaria caçando namorado ou marido por aí. Eu quero trepar, ter conversar inteligentes, fazer carinho, trepar de novo e só!

Não quero papo em Whats não! Gosto de homens objetivos, diretos e são estes os que mais me surpreendem na cama e me realizam! E também são os que se tornam realmente clientes e voltam com assiduidade!

Exemplo 2:

Cláudia de Marchi - Acompanhante Brasília - DF

Se “fazer” de “desinformado” pra puxar papinho no whatsapp! Eu estava assistindo a Criminal Minds neste horário! Depois ia assistir a um filme! Poupe-me né?! Se você salva números e depois esquece eu não tenho o mínimo dever de me apresentar, certo?!

Use a memória, me aborde corretamente ou use a mão, pois a minha simpatia você não ganhará!

Exemplo 3 (o atípico que se faz de desinteressado para se candidatar a me comer de graça):

Cláudia de Marchi - Acompanhante Brasília - DF

Cláudia de Marchi - Acompanhante Brasília - DF

Cláudia de Marchi - Acompanhante Brasília - DF

Cláudia de Marchi - Acompanhante Brasília - DF

O cidadão abaixo que se dizia médico apesar do português péssimo e “veio” com convite pra assistir jogo no apartamento em que estava vez que era próximo ao meu. Primeiramente, não assisto jogo, não gosto. Em segundo lugar se for pra conversar eu converso com minha mãe, com meus gatos, com quem me ama, dispenso novos amigos, sobretudo se forem homens me fazendo convite pra ficar a sós com eles assistindo televisão!

Outra coisa que me anoja em qualquer um o tal de “nunca precisei pagar por sexo”.

Cara, deixa de ser trouxa! Pagar para ter a minha companhia por uma hora é muito mais respeitável para você mesmo do que sair na balada, trovar menininha, pagar de riquinho, comprar as bebidas, quase embriagar a criatura e depois transar com a moça que, de repente, está ali se vendendo pela vodca que bebeu ou pela esperança de encontrar um marido rico.

Abra a sua mente querido, acredite, não correrá o risco de seu cérebro fugir! Fique tranquilo baby!

Enfim, com estas abordagens encerro este texto, até porque o melhor trabalho do mundo (ser paga pra fazer o que mais gosto e gozar insanamente!) me espera.

Cláudia de Marchi



Terça-feira, 16 de agosto de 2016

Sobre o filme "O lado bom da vida" e empatia.


Há dois anos eu escrevi esta crônica sobre o filme “O lado bom da vida”. ´É incrível como sempre me lembro dela! Não necessariamente em relação à vida amorosa e ao tal do amor, mas aos estigmas aos quais o ser humano se apega. Contamos algo a alguém e percebemos que, intrinsecamente, a pessoa toma este “algo” para nos julgar, para malbaratar o que falamos, quem somos, como nos sentimos e como gostamos de viver. É como se a confiança dada fosse direcionada contra quem ousou dá-la a alguém que não a mereceu. Hoje você conta seus reveses anteriores, seus sofrimentos, suas dores, seus problemas, amanha, num dialogo sobre respeito ou qualquer “banalidade” afim, você é julgado com base no que contou que enfrentou na vida, como se tudo que você dissesse e sente pudesse ser rebatido com base numa impressão. Como se quem você é neste mundo pudesse ser resumido em ideias vãs de quem nunca passou sequer um mês ao seu lado. Uma tia minha sempre disse que pra conhecer alguém precisamos comer no mínimo 10 kg de sal junto com tal pessoa.

Eu acho que se vive uma vida e, plenamente, jamais iremos conhecer alguém: as pessoas mudam de acordo com as suas vivências, as pessoas evoluem, as pessoas se cansam, algumas amadurecem, outras apodrecem, todavia, eu acho que para conhecer minimamente alguém, primeiro precisamos ser livres para podermos estar ao seu lado plenamente, em segundo lugar, devemos nos abster de pré-julgamentos e, simplesmente, viver um dia de cada vez próximo a ela.

Eis a crônica:

O lado bom do amor.

"'O lado bom da vida' e eu: amor à segunda vista. No início me entediei, achei enfadonho o sujeito lindo, mas bipolar, descontrolado e apaixonado pela ex-mulher que o traiu. Não gosto de homens que perdoam traição. Aliás, detesto “cornos” e “cornas” mansos, mas, enfim, o final me conquistou.

O filme e seus detalhes, na verdade, me fizeram pensar e eu gosto disso. Gosto do que me faz pensar, me instiga, me inspira, me anima! De forma tragicômica o filme retrata o “básico” acerca das falhas nos relacionamentos interpessoais: a mania esquizoide que as pessoas têm de ouvir o outro e não senti-lo, não compreendê-lo, mas julgá-lo, criticá-lo e criar conceitos pessoais a respeito de quem não se conhece ou, sequer, se deu ao tempo de conhecer.

Enquanto o outro se abre, conta coisas íntimas a seu respeito, expõe suas fraquezas, nós o julgamos e tentamos resumir a sua vida e conduta em uma palavra, como, no caso, “vadia” e “louco”.

Sensacional a lição da história. Fora o aspecto importantíssimo a respeito dos “sinais”: sinais que recebemos da conduta alheia acerca do que sentem por nós. Se nos querem bem, se nos querem mal ou, simplesmente, se não nos querem. Tudo é possível depreender destes “sinais” que, com certeza, valem mais do que qualquer palavra terna.

O amor acontece, seguidamente, quando não o esperamos. Amamos quem não esperamos amar, desgostamos de quem poderíamos amar. A imprevisibilidade circunda nossos relacionamentos afetivos.

Acontece que, se existe uma coisa que não devemos fazer é julgar quem se abre conosco. A transparência e a sinceridade devem ser mais valorizadas do que nossos (pré) conceitos pudicos, caretas e moralistas.

As pessoas são muito mais do que aparentam, são muito mais do que seus erros, são muito mais do que seu psiquismo “afetado”, seus transtornos de personalidade ou sua eximia sanidade. As pessoas são o que sentem, o amor que trazem no coração e certa dose de pureza que até cometendo atos impuros elas não deixam de possuir.

Para amar é preciso abster-te de julgar, abster-se de erigir um muro psíquico que faz com que, de cima dele, você aponte as falhas dos outros como se a sua vida, vivencias e experiências fossem exemplares. O filme toca fundo, as cenas são marcantes e a moral é belíssima. Recomendo!"

Cláudia de Marchi



Sexta-feira, 29 de julho de 2016

Sobre a minha beleza "avantajada" pelo tempo, a maturidade, a autoconfiança e o foda-se!


Cláudia de Marchi - Acompanhante Brasília - DF

"Nossa Cláudia você está tão mais bonita do que já foi!". Gente, eu como muita pimenta, gordura, torresmo, carne, detesto arroz, pego leve nos carboidratos, porque sou carnívora, não bebo mais que dois copos de cerveja por semana (quando muito, hoje em dia, desde que sai do MT, não me desce tão bem!).

Todavia, mando bem numa garrafa de vinho tinto carmenere por semana. Não malho, pois tenho uma preguiça quase fóbica de locais lotados, de papo fitness e de sair de casa, vou comprar uma esteira quando me mudar.

Ademais, tenho genética boa e minha profissão ajuda a manter o shape em dia e durinho, também faço massagem, quase não tenho celulite por natureza, não uso base ou maquiagem na pele no dia a dia, só cremes de qualidade e protetor solar. Uso rímel, lápis e batom quase sempre!

Mas, sabe o que me fez realmente mais bonita ao longo da vida? O olhar. Ou melhor, a segurança que ele transparece. O sorriso de quem é contente consigo mesma e com a pessoa que se tornou. Eu não era assim há poucos anos!

Há uma tranquilidade estampada na minha face, típica de quem se perdoou pelos seus erros, de quem desistiu de esperar dos outros o mesmo que tem para lhes oferecer. De quem resolveu se bastar e não romantizar a vida.

Há em mim e no meu rosto a firmeza e a autoconfiança de quem é prática, objetiva e tem preguiça de sofrer! Há, também a serenidade de quem se ama e se lixa para a opinião alheia. Inabalável? Não, nem tanto, bebidas doces (adoro, não nego!), abalam meu fígado e me embriagam, logo eu evito.

Abalar-me por pessoas? Never more! Tenho o "foda-se" ligado pra elas!

As que me interessam me amam! As que admiro me admiram, as demais eu não quero sequer conhecer ou interagir, menos ainda saber o que pensam.

Cláudia de Marchi - Acompanhante Brasília - DF

Cláudia de Marchi - Acompanhante Brasília - DF

Cláudia de Marchi



Quarta-feira, 27 de julho de 2016

Vida fácil? Mas, afinal, o que é “isso” jovem?


Resolvi falar, brevemente, sobre riscos e aquilo que muitas chamam de “mito da vida fácil”. Ou seja, a nossa vida de acompanhantes de luxo não seria, de fato, “fácil”.

Bem, mas afinal, o que seria uma vida “fácil”? Ser dondoca, mas ter que prestar satisfação de todos os gastos do cartão de crédito ao marido? Ser advogada e ter que estudar eternamente, ver os processos andarem com uma leniência absurda e ser membro de uma classe precariamente valorizada?

Ser médico, fazer vários plantões, ter uma imensa responsabilidade, poucas horas de sono e ainda ter que ouvir “graças a Deus o fulano foi curado”, depois de tratar alguém?

Ser professora universitária, fazer especialização, Mestrado, ser parcamente remunerada, dar aula pra mais de 80 alunos por sala e enfrentar o machismo na academia?

Ser professora de primeiro grau ou segundo grau e receber uma miséria para fazer a diferença na vida de crianças e adolescentes?

Gente, vocês acham que alguém tem a vida plenamente “fácil”? Quiçá quem tenha nascido milionário, mas se a pessoa contar com um pouco de inteligência a sua vida não será fácil. Para quem questiona e não é egocêntrico o mundo nunca será realmente “fácil”.

Como diria o meu prezado Arthur Schopenhauer “quanto menos inteligente um homem é, menos misteriosa lhe parece a existência”, enfim, a burrice é uma benção, ou seja, até para um milionário inteligente haverão mistérios e, consequentemente, a vida não lhe parecerá “fácil”.

A vida da Cláudia de Marchi, codinome Simone Steffani, também não é fácil. Eu questiono demais, me irresigno demais, sou combatente da hipocrisia, exijo respeito, gosto de cultura, admiro a inteligência, a moralidade, a ética e não a religiosidade. Desejo a total separação entre Estado e religião, afinal nossa Constituição e Estado são laicos, luto pelo fim da cultura machista, misógina e que malbarateia a vontade feminina. Mais, luto pelo fim da propagação do machismo por parte das próprias mulheres que rivalizam ao invés de serem empáticas umas com as outras.

Pugno o fim da ignorância pró-beleza estética que não valoriza a profundidade e dimensões do intelecto, mas apenas o tamanho da bunda ou o comprimento dos cabelos femininos.

Quanto ao trabalho? Eu gozo! Tenho clientes carinhosos, beijos fervorosos me dão tesão, homens inteligentes me excitam e me fazem gozar tocando meu clitóris. Eles sabem fazer isso. E os ruins de cama? São raríssimos, mas, danem-se! Sempre resta uma conversa e até algo novo a aprender com eles.

Quem nunca teve uma transa ruim na vida? E gratuita, rodeada de expectativa romântica no estilo “ai, será ele a minha alma gêmea”? No meu trabalho, muito raramente eu tenho alguma, fora que o realismo e a racionalidade imperam. As transas ruins o são para o cliente caso tenha algum problema de ejaculação. Em matéria de língua e dedos eu saio no lucro em 99% das vezes!

Seria difícil pra você? É só não trabalhar nisso fofa, pra mim não é. Pra mim o difícil é conviver com a hipocrisia da sociedade, com a infindável ignorância humana, com a arrogância dos incultos, com a soberba dos falsos ricos e com o egoísmo miserável dos milionários.

Sobre os demais riscos inerentes à profissão? Eu evito. Vejamos:

Cláudia de Marchi - Acompanhante Brasília - DF

Antes deste dialogo este cidadão me ligou no celular “61”, pediu “como é meu programa” (Pergunta tosca! Ora, seja direto e pergunte se a mulher faz isso ou aquilo, afinal não é sempre que estamos num lugar reservado para lhes narrar o que “fazemos”, afora isso eu já tenho um site com diário pra isso, mas...), falei, passei o site e o celular com o whatsapp e então ele me escreveu isso aí.

Você acha que este cara estava em seu juízo perfeito? Imagina!? "Fotos atuais e reais"? Tá escrito "24/07" no ensaio de brincadeira, são todas “montadas” e irreais, só quem toma o chá do Santo Daime as visualiza, aquela ali não sou eu, é um fantasma! Gurias: com ligação depois das 22 horas de quem ainda não é cliente precisamos abrir o olho: tem muito cara embriagado e chapado "caçando" na net!

Eu não saio de casa por nada! E depois ele ligou pela segunda vez pra saber, de novo, como é o "encontro", é mole?! Desliguei e bloqueei.

Não basta, se a acompanhante quiser ser feliz na carreira, ser bonita, culta e inteligente, tem que ser esperta e se desvencilhar dos "suspeitos", pois é por tais precauções que eu afirmo: a minha vida enquanto cortesã de luxo é FÁCIL e DIVERTIDA, mas eu prefiro perder grana, a correr riscos e perder a dignidade!

Literalmente? Fica a dica!

Cláudia de Marchi



Terça-feira, 19 de julho de 2016

Mulher gostosa é a que FODE gostoso!


Cláudia de Marchi - Acompanhante Brasília - DF

"Aiii meu Deus se eu não ficar com as coxas do Roberto Carlos (jogador de futebol), com a bunda no cérebro, digo, "na nunca" como a 'musa fitness tal', se eu não me lipoaspirar inteira e colocar silicone, o meu macho me deixa! Os 'omis' não vão me querer! Tem muita oferta de mulher! Oh céus, Oh vida!".

Então queridinha, vamos falar da "prática" dessas teorias machistas de que tem "7 pra cada homem" e tolices afins? Indo ao ponto: a "oferta" anda tão chata, fútil e intelectualmente vergonhosa que tem homem lindo e solteiro pagando pra passar final de semana comigo, por exemplo! Vocês estão imergindo em vício redibitório (perdão, não podia deixar de usar o vocabulário jurídico, que diz muito neste caso!).

Esqueçam esses "ideias" de beleza e "gostosura" que eu, pessoalmente, acho vulgar e deselegante (assimétrico ao extremo) e priorizem a liberdade de se sentirem gostosas enquanto mulheres que sabem o que querem, como gozam e sentem prazer! Admitam seus defeitos, afinal vocês não estão na televisão sendo privilegiadas por recursos de adulteração de imagem e "slow motion" enquanto vão arejar na sacada ou fazer um pipi no toalete, vocês não são "figuras" adulteradas de outdoor ou capas de revista!

Vocês são de carne, osso, gordurinha localizada, celulite, pele macia, cheiro gostoso, inteligência e, espero, calor, tesão, paixão, despudor e muita, muita autoconfiança e amor próprio! Não pense que malhar horas por dia e morrer comando quinoa, frango grelhado e batata doce (eca, mil vezes eca, eca até a próxima encarnação de frangos!) fará de você um mulherão gostoso e delicia na cama!

Menos ainda que plásticas e etc. segurará o seu marido, baby! O que lhe dá o diferencial não é o corpo e meramente a beleza, é a atitude, o QI e o QE (quociente emocional), o beijo ardente, a pegada e o que você faz sem roupa, com luz clara e sem vergonha de ser feliz! Não à toa, tem muita "Maria academia" sendo traída com a companheira de happy hour, cerveja e coxinha do marido! Ser sexy é saber se aceitar e seduzir com os pontos fortes, o resto é ser fútil, brochante e chata pra c******!

Cláudia de Marchi



Terça-feira, 19 de julho de 2016

Precisamos falar de Gaslighting.


Vamos falar de gaslighting: uma espécie de abuso emocional comum ao qual inúmeras mulheres foram ou são, diariamente, expostas. Ela consiste, segundo a Wikipedia, Gaslighting ou gas-lighting é uma forma de abuso psicológico no qual informações são distorcidas, seletivamente omitidas para favorecer o abusador ou simplesmente inventadas com a intenção de fazer a vítima duvidar de sua própria memória, percepção e sanidade. Casos de gaslighting podem variar da simples negação por parte do agressor de que incidentes abusivos anteriores já ocorreram, até a realização de eventos bizarros pelo abusador com a intenção de desorientar a vítima.

Vejamos alguns exemplos sutis desta forma de abuso que os homens negam até a morte que cometem, porque são incapazes de terem empatia e se colocarem no lugar da vitima do seu abuso. Tenhamos em mente que o macho que pratica o gaslighting é, a priori, egocêntrico, narcisista e machista. Acha-se o “pica das galáxias”, acha que porque faz “uma ou outra” coisa para lhe agradar deve tê-la de quatro, comendo nas mãos deles, sem ter autonomia alguma para iniciar uma “DR” e reclamar do que não está lhe contentando na relação.

“Chata" no dicionário machista/narcisista: mulher que não fica quieta diante de piadas que as diminuem ou que as colocam no papel de problemáticas e implicantes; "mau humorada" no vocabulário machista/narcisista: a mulher que não acha graça das suas piadas arrogantes, falocentricas, sarcásticas e abusivas.

Para o macho abusivo e narcisista "perfeita" é a mulher passiva, que não se ama e não se impõe. Aquela sem voz, nem vez, nem ânimo e energia que ri de suas brincadeiras de quinta categoria mesmo que elas lhes diminuam ao nível de "desequilibradas", "chatas", "ciumentas" ou "dramáticas".

"Decepcionei-me com você" no dicionário machista/narcisista: achei que uma mulher tão linda como você não iria "problematizar" sobre o fato de eu me achar o "pica das galáxias" e fazer pouco caso das suas necessidades emocionais que eu, "sabiamente" chamo de "chateações" e de "mimimi".

E tem mais neste minidicionário dos abusadores emocionais, querem ver? “Puta" no dicionário machista e misógino: 1- a mulher, seja ela virgem ou experiente, que não quis transar com ele, o macho, o gostoso, o “pau doce”; 2- a mulher, seja ela virgem ou experiente, que tendo atração por ele, resolveu transar, porque queria ter uns orgasmos (mas só teve um, tadinha!); 3- a acompanhante de luxo que o metidinho a “fodástico” procura disposto a pagar, mas que o rejeita, afinal, ela também escolhe!

E escolha é um direito de toda e qualquer mulher: nova, velha, linda, feia, magra, gorda, rica, pobre, negra, mulata, branca, amarela, rosada, vermelha, burra, intelectual! Mas tem muito pseudo-macho que acha que você, acompanhante, é obrigada a transar com ele, porque ele tem grana e se acha “pau de açúcar”. Esses eu não atendo nem que um dia, por ventura, eu venha a passar fome e sede. Sempre existirá uma poça d´agua pra beber, urina pra tomar, enfim!

Ah, e o tal de “louca” gente?! Palavra preferida por 9 em 10 homens incompetentes em conhecer o sexo feminino, enfim, "louca" no dicionário machista e misógino: 1- a mulher que não deseja ficar com o inapto; 2- a ex que entrou com o pé no termino enquanto ele entrou com a bunda; 3- qualquer mulher que o contrarie com veemência e argumentos, qualquer mulher que exija afetuosidade e coerência entre palavras e atos; 4- a ex; 5- a ex; 6- a ex; 7- a ex; 8- a ex; 9- eu já falei da ex?; 10- sempre a ex.

Infelizmente a sociedade machista ainda nos quer caladas. De preferencia nuas e abrindo a boca apenas para lhes chupar. Ainda somos meros corpos! Corpos que vendem cerveja, que vendem perfumes, grifes e revistas, ainda que quase totalmente alterados.

A mulher inteligente, a mulher que não depende emocionalmente de homem algum é exigente. Exige coerência, afabilidade e respeito. E, acredite queridinho, falar romântico e bonito, mas agir de forma, por exemplo, relapsa, não é respeitar. Mas, neste caso, seremos as “chatas” as “loucas”, pois eu ACEITO SER A FEMINISTA CHATA, mas eu não irei me abster de lhe fazer pensar!

Outro dia um jovem comentou num post meu no Instagram: “Muito gata e atraente, deixa a política pra lá...”. Bonita, gostosa, acompanhante de luxo, “pra que” eu preciso ler, me informar, questionar, e usar as redes sociais pra fazer quem pensa como eu não se sentir só e, aos demais, quem, sabe, questionar um pouco mais? Seguinte, darling: “aqui” é gata, é atraente, é linda, é gostosa e vai ter politica em post sim! Se reclamar vai ter filosofia, religião, sociologia, história, psicologia, Direito, FEMINISMO! Ops, já tem isso tudo né?!

Então, engole o choro! A beleza não afasta de ninguém a cultura e a inteligência. E não, eu não deixo e nem deixarei nada “pra lá”. Só opiniões não pedidas e machistas, por exemplo! Deixarei pra lá macho que quer “pintar” a mulher como desequilibrada, “nervosa”, maluca, estressada e etc., quando, na verdade, ela só esta manifestando alguma irresignação que ele, do alto de sua boçalidade, não sabe reconhecer.

E ainda tem quem ria quando eu digo que o que de melhor esses machos egocêntricos oferecem é o sexo! Gente, eles são tão "maravilhosos" quando só tentam nos fazer gozar e contam histórias que em nada se relacionam com a gente! Como são legais e interessantes aqueles que não conhecemos bem! Pra que se estressar com macho abusivo que acha que está sendo o "lord dos lords" e não passa de um grosso petulante? Eu gosto da cereja do bolo, ela é tão gostosa e sequer, engorda!

O macho abusivo, (que jura que não é abusivo), até porque o menosprezo aos seus pontos de vista, sensações, pensamentos e receios é tão corriqueiro que, pra ele, nada existe de anormal em estigmatizar suas irresignações fazendo “pouco caso” delas e até usando de ironia e sarcasmo, como as taxando de “braveza”, “pavio curto”, “bomba prestes a explodir”, “chata” e etc., como se você estivesse reclamando de algo ou reivindicando alguma coisa simplesmente por ser uma “louca”, uma “desequilibrada”. Ele está sempre certo e não pode ser questionado.

Para esses homens é natural acharem e dizerem-lhe que tudo o que você fala e lhe desagrada ou fere a seu precioso ego é “exagero”, “desnecessário”, “nervosismo”. Eles não se colocam no seu lugar e sequer fazem “mea culpa” (nem sabem o que isso significa!), ou seja, a culpa é e sempre será sua e da sua falta de “calma”.

Daí, por exemplo, na manha posterior há um dia em que você expos o que lhe desagradava no proceder dele o homem emocionalmente com QI de ameba em coma e narcisista, lhe chama assim: "Bom dia! Mais calma hoje?". (Claro, afinal no dia anterior, você estava “desnecessariamente” histriônica, apenas e tão somente porque disse o que pensa com convicção sobre a forma de ele agir e “amar”).

Por outro lado, o homem inteligente, gentil e empático, diz: "Bom dia minha linda! Espero que o que lhe incomodou ontem não ressurja. Se depender de mim, não irá!"...

Mas, onde estão os homens sensatos e com empatia? Bem, eu desisti de procurar a tempos e de uma vez por todas prefiro ficar com a "parte" deles que dificilmente da "close errado", economizar minha bendita energia mental e manter meu tradicional bom humor sempre em alta!

Cláudia de Marchi - Acompanhante Brasília - DF

Cláudia de Marchi



Quarta-feira, 13 de julho de 2016

Sobre os conselhos que dou às mulheres que me pedem!


...Sobre os conselhos que eu dou às mulheres que me pedem! Sobre homens cis hetero sexualmente incompetentes: se depender de mim? NÃO passarão! (Um print de e-mail vale mais que mil palavras).

Cláudia de Marchi - Acompanhante Brasília - DF

Cláudia de Marchi



Terça-feira, 12 de julho de 2016

Sobre os meus primeiros 3 meses!


Sobre os 3 meses de aniversário da Simone Steffani!

Ontem, às 23h30min fez três meses do inicio da minha nova profissão!

Eu não poderia deixar de, na data de hoje, escrever sobre o que aprendi nestes dias.

E é por conta do conteúdo que este texto segue remetido ao link “Social” bem como ao de “Tutoriais e Crônicas”. Creio que exista, nas minhas experiências, algo de socialmente “útil”.

Enfim, faz 3 meses que passei a integrar uma classe minoritária e vitima de constante preconceito. Vitima da sociedade hipócrita, obviamente, onde se vender para casar com marido rico é interessante, mas ser dona do seu nariz, do seu corpo, do seu gozo, do seu sexo e de seu dinheiro assumindo para o mundo que eu gosto demais de sexo e que unir o agradável ao útil foi uma opção madura.

Uma opção bem pensada e, portanto, sensata. Eu penso assim, a pessoa que mais me ama no mundo e a única que me importa (minha mãe), concorda, portanto eu afirmo: conhecendo-me bem, sabendo do meu fogo e do quanto eu gosto de homem e de contato imediato (as pessoas desconhecidas sempre são muitíssimo interessantes!) está foi, sim, a minha melhor e mais corajosa decisão.

Posso escrever, estudar, ler, interagir quando quero e com quem desejo e, ainda, ganho para ter e dar prazer! Não vejo, realmente, nada de criticável ou feio nisso. Feio mesmo é o preconceito, é a atitude dos paladinos da moral e dos bons costumes conservadores que atiram pedra no telhado alheio. Miseráveis! Esta palavra lhes define.

Aprendi nestes meses que a postura que escolhi desde o primeiro dia foi a melhor que eu poderia ter. Atraio clientes agradáveis, preocupados com o meu prazer, educados, cheirosos e gentis. Obviamente, não sou procurada apenas por estes. Existem os tolos que são incapazes de achar uma foto num site, os coitados pechincheiros, os ricos sem cultura que não sabem conjugar direito verbo com sujeito, os “manés” cheios de lábia que acham que vão agradar, existem os ignorantes, mas estes todos apenas me abordam e são, na “sequencia”, rechaçados e bloqueados, ou seja, não são e jamais serão atendidos por mim.

Não atendo cliente que liga após a meia noite e antes das 07h30min da manha. Sou acompanhante e não medico plantonista. Exijo respeito e só dialogo com quem age com respeito e educação para comigo.

Pelo fato de eu não atender ligações de quem não conheço após a meia noite (posso atender tal horário apenas e tão somente se o cliente tiver marcado anteriormente comigo e tiver uma boa razão para poder me ver apenas em tal horário) nunca tive nenhuma experiência com homens alcoolizados ou drogados. Menos ainda, violentos!

Ademais, atendo à noite apenas em hotéis, o que me dá segurança. Não vou a motéis com clientes estranhos à noite, apenas me sujeito a ir se o cliente já é meu conhecido e “fiel”.

Não vou a clubes de swing, não procuro clientes em bares ou em boates. Economizo-me ao máximo da exposição desnecessária e, nem sempre, lucrativa. Exposição está que, não raras vezes, impõe riscos: homens bêbados, alterados, mal intencionados, etc..

É triste dizer o que lhes direi, mas é verdade: a gente ganha o respeito que se dá. Ninguém precisaria impor aos outros o que é seu por direito, mas na sociedade machista e, sobretudo, no “universo” de preconceito e até de depravações que circunda o sexo enquanto profissão, nada mais franco do que admitir: a gente ainda precisa lutar, aberta ou silenciosamente, para obter o que é um direito inerente a todo ser humano pelo simples fato de existir, a respeitabilidade, o trato educado e gentil.

Eu vou além, exijo o fino trato. E, assim, posso lhes dizer que, conclui em três meses, que eu nasci para ser acompanhante. Eu nasci para fazer sexo e receber por isso. Eu nasci para gozar e fazer gozar sem me preocupar com amor, ligação no dia seguinte, futuro, comodismo, cotidiano e etc..

Na medida em que os relacionamentos evoluem o sexo amorna, a amizade domina e o empenho para dar prazer ao outro diminui. É a rotina, é o cansaço, é o sentir-se amado e achar que isso é tudo, que é o suprassumo do relacionamento. Eu não preciso me sentir amada, eu me amo e me basto, eu preciso mesmo é me sentir cuidada. Eu gosto mesmo é de ver o outro tentando me dar prazer. Eu gosto mesmo é de ver a excitação do homem ao meu olhar, ao enxergar eu abocanhando seu pênis e corpo com vontade e desejo. Eu gosto mesmo é de sentir-me desejada na cama! Claro, adoro ser intelectualmente admirada, mas, para isso, não preciso de “trabalho” algum. Cultura e inteligência eu tenho, simples, é um fato!

Enquanto inúmeras mulheres românticas transam esperando romance, eu faço sexo por prazer e recebo ao término. E isso não impede que surja uma relação de amizade, bom dialogo e até admiração mutua. Enquanto inúmeras moças fazem sexo por prazer com quem desejam sem esperar afeto ou futuro, eu faço o mesmo, mas ganho por isso! Ou seja, não faço nada de anormal, apenas agreguei um “plus” ao que sempre gostei!

A minha profissão não colide com minha postura feminista. A minha profissão se coaduna com ela, porque eu sou livre. Livre para ter decidido por este caminho, livre para usar o meu dinheiro com quem amo e com aquilo que amo, livre para me amar, livre para pensar como penso sem ter que dar satisfação a ninguém.

Livre de alma, pois não preciso seguir a cartilha da sociedade conservadora e hipócrita para ser feliz! Não preciso parir, porque sou livre para fazer o que desejo com meu ventre. E eu decidi que ele não irá gerar vida alguma, jamais. Livre para não precisar de um marido pra me sentir completa.

Livre para não precisar de um namorado no dia dos namorados. Livre para sambar na cara da sociedade e dizer: eu não tenho nada a esconder de ninguém, eu não digo que “amo”, eu não sou infiel, eu não iludo, e você? Eu não faço ao outro o que ele não deseja para si, e você?

Um parêntese: sobre preconceito, gays e violência:

(Hoje eu me emocionei ao ler a notícia do jovem espancado e assassinado em Salvador por ser gay. Depois me emocionei ao saber que a belíssima modelo transexual Viviany Beleboni, que encenou a crucificação da parada gay ano passado, foi novamente vitima de violência.

Tenho profunda empatia com os homossexuais, porque, como as prostitutas, eles são vitimas de preconceito por sua sexualidade. Ou seja, algo que não afeta a vida de ninguém, a menos que a pessoa queira ser “afetada” é a razão para escarnio, “caras viradas”, “encaradas” repressoras, violência verbal, psicológica e física (a pessoa será “afetada” pela minha sexualidade se me procurar, conquistar minha simpatia e me contratar, assim como alguém se “afetará” com a homossexualidade de um gay se flertar e transar com um! Eles, assim como as cortesãs, não saem “estuprando” ninguém!).

Todo dia um gay é vitima de violência, então eu me pergunto: o que há de errado com a humanidade gente? O que há de errado com os cristãos? Cadê o amor ao próximo? Cadê o respeito? Cadê a decência? Por que tanto ódio contra quem tem coragem pra ser feliz e se assumir?

Ninguém escolhe por quem vai ter atração sexual! E ninguém é superior a ninguém porque gosta de “ppka” ou pinto! Ou seja, parem se incomodar com a sexualidade alheia! Eu só fui apedrejada pelos moralistas paladinos da “moral” e dos “bons costumes”, por esse povo que "tem" Deus no coração e fel na língua. Por esse povo miserável que acha que é perfeito, porque decorou trechos da bíblia.

Arre, às vezes eu tenho preguiça deste mundo e um profundo alívio por não ter colocado mais um ser humano neste universo de ignorância! Está na hora dos dinossauros voltarem! Gente, deixem os gays andarem livres, de mãos dadas, de blusa cor de rosa, de shortinho ou como quiserem! Deixa a bicha ser louca! Deixa a bicha ser feliz! Cuide, isto sim, do seu bicho interior. Deste animal feroz que lhe faz achar as suas predileções mais dignas, os seus pecados mais "perdoáveis". Deste animal chamado preconceito que você alimenta com sua arrogância.

Você não acredita em Deus? Se acredita, então você deve saber que você não é Deus e não tem o poder de julgar pessoa alguma! Por falar em credo, aí que a situação “complica”! Disse o oligofrênico repórter de programa sensacionalista ou a filha do magnata da televisão que o "problema" do mundo é as pessoas "sem Deus no coração". Os ateístas e agnósticos, enfim. O estranho é que eu nunca vi um ateu homofóbico! Erguendo um livro e dizendo que homem transar com homem é abominação! Nunca vi um ateu matar outra pessoa por discutir religião, bíblia e etc.. Aliás, até onde eu sei a população carcerária é sumamente deísta.)

Ou seja, não falta religião e não falta discurso moralista no mundo, falta respeito ao próximo! Faltam pessoas bem resolvidas consigo mesmas a ponto de cuidarem, única e exclusivamente, de seus corpos e da sua sexualidade. Falta gente fiscalizando a própria vida ao invés de cuidar do cu alheio. E da buceta, inclusive.

Cláudia de Marchi



Quinta-feira, 7 de julho de 2016

Pequena grande crônica sobre a confusão entre perversão no sexo e perversão moral.


Tenho uma preguiça enorme desse povo que confunde sexualidade com moralidade! Preguiça enorme de perguntas como "e você foi fiel ao teu marido, sendo assim, tão 'quente'?". Qual o problema das pessoas, gente? Eu fui fiel ao meu ex-marido, fui fiel a todos os namorados que tive!

Quando eu cansava do comodismo dos “respectivos”, quando a rotina me causava tédio eu terminava os relacionamentos! Simples, fácil, sem perder o respeito para com o outro ou a minha dignidade! Eu sou uma mulher racional e objetiva. Mais, eu sou uma mulher que nunca se permitiu ou tolerou a infelicidade, o amor mais ou menos, a relação mais ou menos: ou era ótimo ou eu escolhia a solidão! Eu sou assim: não tenho medo ou “desgosto” em ficar sozinha, eu tenho é desprezo por estar com quem não me faz bem ou deixou de fazer!

Que mania as pessoas têm de achar que a mulher com atitude na cama tem que ser moralmente pervertida? Por exemplo, eu sempre fugi de homens casados! O que me levou a inúmeros prejuízos, financeiros, inclusive!

Prefiro ser "prostituta de luxo" a ser a amante, a outra, a apaixonada pelo cara que não deixa da "matriz" e quer manter a "filial", a advogada que transa com o juiz feioso e casado para obter "benefícios" e por aí a fora!

O que eu, o que a colega trans ou o que o meu amigo gay fazemos “no” sexo não define a nossa moralidade, a nossa decência e o nosso caráter. Eu não faço a ninguém o que não quero que me façam. Sempre tentei pautar minha vida nisso e, sendo assim, não tolero pergunta tosca de gente que estigmatiza os outros sem saber nada a seu respeito.

Poucas coisas são mais grotescamente estúpidas do que "parear" sexualidade com caráter, moral e ética! Existem muitas mulheres mais frias do que eu na cama que traem os seus parceiros, existem muitas mulheres que não querem transar com o marido, mas transa com o colega de trabalho de “pegada” quente. Tem muita mulherzinha que cospe a porra, mas que não é fiel. Cospe fora a porra do marido, cospe fora a porra do amante. Ou dos amantes.

Ou seja, tem muita gente que não é tarada como eu, que não tem a minha energia sexual, mas que não tem princípios éticos e morais. Sou signatária da ética da reciprocidade: só faço aos outros o que posso esperar deles sem me magoar. Sou amiga da verdade, da franqueza e da sinceridade. Sou combatente da hipocrisia, da tolice e da ignorância.

Antes um “quero terminar a nossa relação” do que uma traição. Entre quatro paredes perversão é bem vinda. A dois e entre quatro paredes vale absolutamente tudo. Faço até com dois homens ao mesmo tempo se der.. Mas, por favor, não correlacione a minha indecência depois de tirar a roupa e ver um pau duro na minha direção com indecência moral.

Eis aqui, neste corpinho, uma pessoa que não suporta moralismos: “Mimimi família tradicional brasileira” e lorotas afins, mas que tem princípios éticos e morais inabaláveis. Não julgue pelo sexo a decência de uma pessoa, assim como não julgue o desempenho sexual pelos arraigados princípios morais da pessoa!

Aliás, eu sempre tive asco da expressão "família tradicional brasileira". Acho excludente, arrogante e, sobretudo, "surreal". Atualmente, mais do que nunca, tal expressão me dá ojeriza! Domingo no shopping: papai, mamãe e filhinhos, todos bonitos e bem vestidos. Isso quando mamãe não está com um barrigão com o segundo ou terceiro herdeiro.

Na segunda-feira eu ouço em minha cama a reclamação do pai por ter muitas responsabilidades, estar assoberbado e ter uma esposa negligente e desatenta a suas emoções e desejos. No salão, ouço a mulher reclamando que o marido chega nela e diz “hoje à noite eu quero transar”. Não beija, não seduz, não faz sexo oral, simplesmente diz que quer sexo. E espera que ela se “excite”!

Até quando será que as pessoas vão se iludir com esse engodo de "família tradicional"? Família é uma união de pessoas que se amam e, invariavelmente, se respeitam. Onde um precisa esconder algo do outro, não há respeito. Se o outro sabe e permite, então, ao menos eu posso dizer que há cumplicidade e transparência! Parem de hipocrisia gente!

A minha família é formada por minha mãe e eu! Meu pai, a esposa dele, minha irmã e eu. E, não raras vezes, todos almoçando juntos, passando dias juntos. Em prol do que? Do amor e da união! Amor de quem? Meu e da minha irmã! Meu pai, a sua esposa e a minha mamãe? Se respeitam, se compreendem! Simples!

Esse "modelo" de família de vocês é asqueroso de tão hipócrita: é o pai que incentiva a filha a procurar um homem abastado pra se casar! "Se fulana casar com sicrano 'tá feita' na vida!". É a jovem que se apaixona pelo status, sobrenome e dinheiro do macho, se faz de santa, depois de devassa para conquistar a paixão do moço, casa com ele e deixa de ser devassa (a santidade nunca existiu).

O moço casou com a moça esperando que ela não fosse mudar. A moça casou com o moço para ter estabilidade, conforto e esperando que ele mudasse. Isso pra sociedade tá bonito, tá "de boa", o que não pode é fazer escambo de sexo por dinheiro, ah, dai é feio!

E os hipócritas que dizem “eu não pago por sexo”, “eu nunca paguei por sexo”? Tem homens com complexo de “pica de ouro” que adora dizer isso! Arre, amiguinho! Quando você paga bebida pra menina na balada, lança o seu “xaveco” explicitando a sua boa condição financeira e depois leva a ilustre desconhecida pra cama, saiba, você pagou pelo sexo: ela só se vendeu mais “baratamente” e, ainda, se bobear pode estar interessada em casar com você ou até em engravidar e receber pensão alimentícia. Claro, pode ser que ela só quisesse transar mesmo, mas, de regra, uma mulher que sai atrás de sexo é livre, independente e não precisaria que você pague a sua bebida.

Enfim, sexo pago é feio, mas passar anos ao lado de alguém só pelos "teres" é bonito, empurrar casamento com a barriga sendo infiel e tirar foto do jantar "romântico" pra postar no Instagram é meigo, ter filho pra segurar a relação é uma "bença"!

Dai gay adotar criança abandonada por heteros, não pode, afinal "se homosexualidade fosse normal Deus teria criado Adão e Ivo". Diz o engraçadinho que acredita que a mulher deriva de uma costela do homem e que cobras falam. O mesmo engraçadinho que se masturba a noite (a “santa” Bíblia não permite), esquecendo que Deus não criou Adão e Mão. (Ah, esse cidadão também não faz sexo somente pra procriar, o que seria correto segundo o mesmo “sagrado” livro mencionado.)

"O que vou dizer ao meu filho quando ele enxergar dois homens se beijando? Mimimi que horror!", diz o pai de uma "família tradicional". E se o seu filho visse o que você faz longe de casa pra suportar o tédio do seu relacionamento falecido, porém ainda não “enterrado”? Que tal você ensinar pra ele que os dois homens se beijam porque se amam, assim como você ama a mãe deles? (Ah, mas perai: você ama?).

Que tal começar a falar de sentimentos verdadeiros dando exemplos práticos ao invés de menosprezar os outros, porque os gostos deles divergem dos seus? Que tal ser franco para consigo mesmo, engolir a hipocrisia e parar de falar que a "família tradicional" é exemplo de alguma coisa? Porque eu vejo é muita hipocrisia, traição e desrespeito.

E isso não é de hoje. Estão aí inúmeros filhos de homens abastados fora do casamento, há séculos, com suas escravas, inclusive! Por favor, baby, tenha vergonha de se olhar no espelho antes da cagação de regra moralista "mimimi valores da família tradicional brasileira"!

A decência e a moralidade estão no respeito ao próximo, não está no estado civil, nas fotos de viagem na rede social, no brinde de ano novo, na família de comercial de margarina que as pessoas amam exibir. A decência e a moralidade, também não estão na cama e nem são perdidos com sexo devasso, sujo e selvagem.

A decência e a moralidade estão nos princípios éticos de cada um e no que fazem quando não precisam sair em foto ou serem admirados por quem os vê, porém não conhece o que se passa em seu intimo. A decência e a moralidade estão, pois, na forma como tratamos, respeitamos e julgamos o outro. Frisando que, aquele que muito “julga mal” tem o mal dentro de si.

Uma de minhas frases preferidas eu li em um livro que peguei, aleatoriamente, na biblioteca da Universidade de Passo Fundo (UPF/RS) em 2000, no meu primeiro semestre de faculdade, e é do Marquês de Maricá: “Os bons presumem sempre bem dos outros; os maus, pelo contrário, sempre mal; uns e outros dão o que têm.” (E é com está frase que termino esta crônica).

Cláudia de Marchi



Quarta-feira, 6 de julho de 2016

Tutorial: do ser ASSEXUAL (primeira e objetiva linha de raciocínio) às relações comodistas (segunda linha de raciocínio).


Exemplo/Caso 1: Mariana é uma mulher de 30 anos, acima do peso e super alegre! Não se importa com os padrões de beleza, com a exigência do mundo ao seu redor para que ela emagreça. Quando Mariana vai se servir no restaurante ela recebe olhares de reprovação.

Mariana, bem resolvida, ignora e, ainda, após almoçar se refastela com a sobremesa! Mariana namorou Vitor, um homem com seu nível intelectual que era apaixonado por suas curvas. Conheceu-a e se apaixonou por ela, achando-a linda e gostosa desde o principio. Mariana, porém, não se sentia mais apaixonada e seguiu sua vida, com autoestima e bom humor.

Exemplo/Caso 2: Silvia tem cerca de 30 anos e está acima do peso há quase 6 anos. Pula de uma dieta para outra, de um tratamento estético para outro. Restringe o consumo de álcool e morre de culpa quando come um brigadeiro num domingo.

Silvia olha para os corpos magros e cobiça! Ela não gosta das suas curvas suntuosas, por mais que seu marido manifeste desejo e atração por ela. Silvia se sente infeliz, ela queria ser como as moças das revistas, dos filmes e dos comerciais de televisão.

Ora, mas o que esses casos têm a ver com sexo?

Aparentemente nada, no fundo, tudo: primeiramente você tem Mariana, uma mulher que é feliz com a sua aparência em que pese viva numa sociedade que dita a magreza como sinônimo de saúde e beleza.

Por outro lado, temos Silvia, uma moça que, frente à exigência social e “midiática” por magreza se estressa, se deprime e se judia no afã de mudar e entrar para o “padrão”.

Para Mariana o peso não é um problema, para Silvia é.

Eu gosto de sexo.

Gosto muito de sexo.

Posso dizer que eu amo sexo e que nada no mundo é melhor do que uma boa e devassa transa.

Eu disse isso.

Você pode não pensar isso.

Você não precisa dizer isso se você não pensa isso!

Conseguiu correlacionar?

Não? Então eu explico: a falta de sexo pode incomodar a alguns, como o peso incomoda a Silvia, mas ela (a carência de sexo) pode não representar nada, absolutamente nada para algumas pessoas.

Tais pessoas não veem graça ou necessidade de sexo. Assim como eu não gosto de peitos, vagina e bunda feminina. Não tenho tesão, simplesmente não tenho. Ao contrário, adoro um pênis e um traseiro masculino! Pernas e mãos masculinas me excitam!

As pessoas que NÃO SENTEM NECESSIDADE DE SEXO E NÃO SE INCOMODAM COM ISSO são chamadas de ASSEXUAIS. Elas são psicologicamente equilibradas, seguem suas vidas contentes, têm sua rotina, mas não desejam sexo, não sentem falta e, como Mariana, não se forçam a entrar no “padrão”.

E, no quesito sexo, em que pese circunde tabus hipócritas, existe uma imposição de que todos tenham uma vida sexual ativa. Tanto o homem quanto a mulher. “No sexo há saúde, na falta dele, há doença”.

Sim, existem problemas psicológicos, inclusive, que podem acometer uma mulher e faze-la perder o gosto pelo sexo. Mas tais problemas são tratados: com um bom psicólogo e, em alguns casos, com terapia hormonal ou remédios da nova geração. Basta que a mulher “estranhe” a sua perda de libido e, incomodada com isso, procure ajuda.

Agora, e se a pessoa, incluindo homens, não está “nem aí” para o sexo? E se, passa dia, vem dia, a pessoa está lá, de boa, sem sentir tesão por pessoa alguma, de sexo nenhum, independente da aparência ou o que for? A criatura não se sente incomodada por não querer sexo. Ela segue sua vida, usa sua energia em outras atividades e supera o impulso sexual sem sentir atração homo ou heterossexual.

Essa pessoa tem a orientação chamada de ASSEXUAL. Simples.

Portanto, homens e mulheres que caem neste blog e se sentem assim, sem atração por pessoa alguma e sem vontade de fazer sexo, antes de acharem que eu tenho o diabo no corpo ou que vocês são “doentes”, parem e reflitam se essa ausência de vontade lhes incomoda quotidianamente ou se só vem “à tona” em suas mentes frente à pressão da sociedade para você namorar, beijar, transar e etc..

Eu tenho um blog sobre a minha rotina. Um blog cheio de tutoriais e com embrionário aspecto social em prol da classe na qual estou inserida. Eu não quero impor a minha forma de ser ou pensar à pessoa alguma.

Eu gozo de chupar e engolir o gozo do homem. Eu gosto de fazer sexo anal independente do tamanho do membro do homem. Eu gosto disso. Você não é obrigado a gostar, assim como não sou obrigada a transar com mulher, a fazer “inversão” ou coisas sadomasoquistas. EU SÓ FAÇO O QUE QUERO E COM QUEM EU QUERO. Com quem eu tenho a mínima simpatia.

Ou seja, não se force a nada, porque “a Cláudia disse que gosta e que é bom”. É, pra mim é, não precisa ser pra você. Não se maltrate ou não se obrigue a nada.

Mas, sobretudo, tenha decência e ética. A falta de libido pode não ser algo que lhe incomode. Neste caso não case! Não engane o parceiro para conquistar uma “aliança”. Não se torne um ser humano que aplica estelionato afetivo para ter um compromisso sério conforme a “moral e os bons costumes” pregam.

Homem ou mulher algum merece ser negligenciado por um parceiro que não lhes dá atenção afetiva e não sente vontade de fazer sexo com ele. Não coloque ninguém num estilo de vida que é seu. Viva e deixe viver. Você tem o direito de não gostar de transar. Assim como tem o DEVER PARA CONSIGO MESMO DE NÃO FAZER SEXO SÓ PRA “AGRADAR”, mas, também existe o dever moral de não fazer para o outro o que dele não se deseja: não sente mais vontade? Nenhuma? Perdeu o gosto por sexo de vez? A falta de sexo não lhe incomoda? Você não acha que está doente? Seus exames hormonais estão “em dia”? Você realmente não quer saber de sexo? Entabule um dialogo com o (a) parceiro (a). Mantenha a amizade e o respeito, mas se separe. Ser sozinho não mata, viver uma relação por mero costume ou comodismo, por sua vez, é o próprio velório do amor próprio e do auto respeito.

Descubra a sua alegria em viagens, em filmes, em livros, enquanto deixa o outro livre pra fazer o que deseja de “cara limpa”, sem precisar de relações clandestinas para se satisfazer.

“Ah, mas todo casamento chega um dia que termina a paixão e o desejo e impera a amizade”. Talvez. Não vou questionar, creio, porém que é este o dia para terminar a relação e partir pra outra. Ou, então, ficar só. Forever alone, que seja. Porque amizade até um bicho de estimação lhe oferece. Vai doer? Vai. Você romperá, também, com sonhos e planos frustrados. Você sairá da zona de conforto do “costume”, do hábito, da rotina. Mas, vai passar e você estará livre, leve e solto para redescobrir a alegria de uma vida bem vivida e não, meramente, empurrada com a barriga.

Cláudia de Marchi



Segunda-feira, 4 de julho de 2016

Tutorial sobre respeito às acompanhantes.


O que vocês veem na imagem abaixo (erros de português ou digitação não contam)? Bem, vocês veem um cidadão brasiliense que mandou mensagem SMS para uma colega minha faltando-lhe com o respeito.

Cláudia de Marchi - Acompanhante Brasília - DF

Na mentalidade de alguns homens, os grosseiros, sobretudo, a acompanhante tem obrigação de sair com ele, porque ele está se dispondo a pagar o valor cobrado. Esses androides erram feio, erram rude!

Assim como todos os que acham que o que fizemos indicia falta de valorização própria. Se não nos valorizássemos estaríamos fazendo de graça. Nós escolhemos sim. Nós reparamos erros de português sim e nós temos o direito de fazer isso, porque dinheiro não compra tranquilidade e nem o nosso prazer. Vide conversa abaixo (o que eu falei está de amarelo, caso alguém se perca):

Cláudia de Marchi - Acompanhante Brasília - DF

Ela tem o direito de não gostar de obesos, eu tenho o direito de não gostar de homens que escrevem mal e falam pior ainda. Todas as trabalhadoras do sexo tem o direito de dizer “isso eu não quero, isso eu não faço”.

Porque dinheiro pode ser bom, mas paz de espirito é melhor ainda. E, a gente tem. Sim, caro miserável preconceituoso a gente dorme como anjos. Não estamos traindo o marido, não estamos dormindo ao lado de um cara com quem casamos e procriamos por dinheiro, não estamos usurpando os cofres públicos, não estamos roubando ou aplicando golpe de estelionato por aí. Nós não somos o Cunha, o Feliciano, o Bolsoinútil e coisas afins! (Sim, coisas).

Fizemos o que gostamos, temos nossas metas, nossos planos, cuidamos da nossa mente, do nosso corpo e do nosso bolso. Não estamos contrariando lei alguma, ou seja, a escolha é algo que temos pelo fato de sermos humanas e homem nenhum tem o direito de criticar tal fato.

Eu pessoalmente, conheci, já fiquei e até namorei com homens que, hoje, se me oferecerem o quíntuplo do que cobro pela hora, eu não sairia! Porque enquanto a gente não conhece o cidadão, enquanto resta um contato galante e educado, existe tesão, a partir do momento em que há “conhecimento” da forma com que o outro pensa e quem ele realmente é, ah, meu caro, aí não tem dinheiro que me convença a fazer sexo com o cidadão! É o caso, dos políticos que citei acima, por exemplo!

Enfim, respeitar ao próximo significa aceitar as suas decisões sem ofender, sem ser desrespeitoso e grosseiro. E nós merecemos respeito, se isso lhe é impossível, baby, então, sinto muito, mas você é grotesco. Um animal grotesco.

Cláudia de Marchi



Segunda-feira, 4 de julho de 2016

AGRADECIMENTO A QUEM SE PREOCUPA COM MEU FUTURO E SAÚDE.


Venho agradecer a preocupação de quem escreve comentários perguntando o que farei “se um dia eu ficar doente”, que estou exposta a DSTs e etc..

Primeiramente, faço exames regulares, uso preservativo e tenho planos para o futuro. Planos e condições de realiza-los, não sou uma acéfala fiscal da vida alheia, por exemplo! Só “isso” já significa que tenho sucesso na vida.

Em segundo lugar tenho previdência social e privada e, em terceiro lugar, que tal vocês cuidarem do próprio rabo e não do meu?

Ah gente, por favor, né!? Tenham vergonha de ser ridículos.

Obrigada.

Cláudia de Marchi



Domingo, 3 de julho de 2016

Sobre gente sem noção de moralidade e decência "aconselhando" no Whatsapp!


Eu ia almoçar com um amigo e sua linda filha na Expotchê que ocorre por aqui, mas acordei com dor de garganta e não pude ir. Eis que abro o whats e me deparo com um cidadão que andou divagando (ou seria “viajando na maionese” por um bom tempo e sem resposta!). Vejam:

Cláudia de Marchi - Acompanhante Brasília - DF

Mas daí esse povo sem decência moral fala dos congressistas e demais políticos! Francamente? O problema do Brasil é o brasileiro. A ambição, o gosto pelo lucro exacerbado e fácil, o desrespeito com as instituições e com o próximo!

Não é o primeiro que fala essas merdas! Eu me amo e me valorizo! Ao próximo eu respeito. Respeito muito! Que dignidade e respeito ao próximo eu teria conciliando profissões apenas e tão somente por dinheiro? Magistério é devoção, horas diárias de estudo e leituras. Requer dedicação e empenho e não vontade de se promover como acompanhante de luxo! Profissão mais rentosa e ótimo nicho para pesquisa prática acerca da sexualidade e mente humanas.

Psicanálise e psicologia me interessam! Escrever livros me interessa! Ativismo em defesa das trabalhadoras do sexo mais pobres ou imaturas me interessa. Magistratura? Nunca quis e nunca irei querer! Como diz minha amiga Nívia Pereira, o mundo está demorando pra acabar! Pelamor! Aff! (A PQP está ficando pequena pra tanta gente que eu mando pra lá!).

Bem, tenho um cliente para atender que está de passagem por Brasília, mais tarde eu volto!

Beijos de luz!

Cláudia de Marchi



Sexta-feira, 1 de julho de 2016

...Tutorial de como evitar prejuízos e se impor em face de homens sem educação e PECHINCHEIROS! (Com print).


Esse era um tutorial simplíssimo e brevíssimo de como evitar calotes nesta profissão. Por conta de um Whatsapp, cujo print está no meu instagram (@claudemarchi) e facebook Cláudia de Marchi (me siga!), de um idiota me oferecendo uma “contraproposta” para eu sair com ele por R$ 350,00 ao invés de R$ 500,00 ele foi aumentado.

Mas, pela ordem, vamos lá!

Meninas, no nosso trabalho a gente enfrenta riscos e devemos minora-los tanto quanto pudermos. É o que fazemos com a nossa saúde usando preservativos e fazendo exames semestrais, com a nossa segurança atendendo em nosso ambiente ou em hotéis, por exemplo. Evitar 100%? Só se nos tornarmos profissionais demasiado chatas e, consequentemente, perderemos bons clientes, bons orgasmos e boa grana.

Por exemplo, se colocarmos álcool gel e obrigarmos o cliente a usar. Uma bela medida profilática de várias doenças, certo? Mas radical e bastante broxante. Ao menos eu acho. Alguns riscos, repito, são inevitáveis ou, se resolvermos “evita-los”, estaremos nos prejudicando por “outros lados”.

Viagens, por exemplo! Como evitar um calote? Cobrando, no mínimo 50% adiantado e 50% até o ultimo dia. Se o cliente se opor a pagar tal percentual antes de você regressar para a sua cidade, brigue, chame a PM e registre um boletim de ocorrência. Sim, minha cara, VOCÊ ESTÁ NO SEU DIREITO! E fique num hotel, faça isso de lá.

Hospedagem? Ele dá o cartão de crédito dele em garantia e paga, obviamente. Nunca forneça o numero do seu cartão de crédito ao cliente. Passagem aérea? Por conta dele. Só considere a viagem agendada QUANDO ELE LHE MANDAR AS PASSAGENS AÉREAS. Até lá se trata de mera possibilidade.

Pernoites? Cobre adiantado o valor integral. Mediante TED ou pagamento no inicio do encontro. Evite problemas no dia seguinte, você nunca sabe se o cliente não vai roncar ao dormir, então, nada como evitar um problema na manha seguinte, certo?! Se ele não aceitar, não durma com ele.

Evite pernoite na sua casa. Se o cliente quiser, ele que banque um hotel. Você pode atender em sua casa, mas dormir é algo muito intimo e “afetuoso”. Claro, a preferencia nestes pernoites é por sexo a noite inteira, mas dificilmente um homem consegue tal proeza, então resguarde a sua privacidade. A do seu lar, enfim!

Agora, cobrar o valor da hora adiantado, em minha opinião, é uma “errada” sem tamanho! Ah, se você quiser clientes fieis e gostosos, terá que assumir o risco de receber ao término do encontro. É muito frustrante o homem chegar pagando. O legal é ele se empenhar um pouco, esquecer que está alugando a sua companhia. Fazer você gozar muito, gozar com você e, de repente, ao término, AMBOS SE LEMBRAREM DE QUE VOCÊ HAVIA SIDO CONTRATADA VERBALMENTE.

Eu, pessoalmente, jamais vou cobrar adiantado dos meus clientes. Se eu perder? Registro BO e cobro meu cachê no Judiciário! Simples, afinal, eu não tenho porque esconder o meu trabalho ou do que me envergonhar.

Acho que todas devemos reagir com união em face da marginalização imposta ao nosso trabalho e isso começa pelo nosso protagonismo e ausência de vergonha dele. Enquanto nós introjetarmos e, através da nossa omissão em face da sociedade por meio de disfarces e fotos manipuladas, darmos força a nossa própria marginalização, nada irá mudar.

Eis que chego ao assunto da barganha, da ridícula pechincha!

Se você cobra R$ 10,00 pra chupar um cara, não faça isso por R$ 5,00. Se o seu programa completo é R$ 300,00, não faça por R$ 200,00, se for R$ 150,00. Não faça por R$ 80,00! Não mude o seu preço!

Quem chega até você barganhando já começa lhe faltando com respeito. Colocando preço no seu corpo e no seu serviço. Um cidadão deste naipe não merece ser atendido. Aliás, não merece uma foda de qualidade, ainda que gratuita. É um machista, misógino que acha que o seu corpo deve girar em torno da sua pica de ouro!

Vejamos um clássico exemplo de um otário asqueroso e sem noção do ridículo. Ou melhor, de quão ridículo ele é:

Cláudia de Marchi - Acompanhante Brasília - DF

Cláudia de Marchi - Acompanhante Brasília - DF

Se o cara acha que tem a pica de ouro a ponto de chegar a você pechinchando, então ele que faça como você fez com sua amiguinha ali “embaixo”: coloque preço e alugue, mas não vá até você querendo colocar preço na sua “fonte de renda”.

Barganha é desrespeito e você não deve aceitar isso em hipótese alguma!

Não pode pagar meus R$ 500,00? Procure uma de R$ 250,00 a hora. Não pode pagar a de R$ 250,00? Procure a de R$ 100,00, mas não queira, jamais, que a gente diminua o preço da nossa hora! Porque eu não aceito, e você, prezada colega, também não deve aceitar.

Beijos de luz!

Cláudia de Marchi



Terça-feira, 28 de junho de 2016

SOBRE ENGOLIR A PORRA DO HOMEM!


...Dos deliciosos clientes e ex-namorados que tive e que sabiam fazer um sexo oral primoroso em mim nenhum cospe quando eu gozo na boca deles. Você sabia que expelimos “coisas” quando gozamos? Sim, queridas, isso ocorre. Não sei que gosto tem, porque nunca fiz sexo oral em mulher alguma, em que pese o meu gosto eu conheça e goste (experimento lambendo dedos, beijando após receber oral, por exemplo!).

Fato é que assim como a maioria dos meus clientes me chupa bem chupada a maioria se espanta com o fato de eu gostar do gosto do esperma! De fazer questão que gozem na minha boca e tal!

Foi assim com um cliente que atendi hoje ao dizer-lhe que podia gozar na minha boca e com outro que me ligou há pouco. Extremamente “inexperiente” neste tipo de contato (gosto mais destes!) ele ficou excitado e surpreso quando, antes de ele elaborar “bem” a pergunta, eu lhe disse que fazia sem camisinha e engolia a porra.

Gente, eu perdi a virgindade aos 19/20 anos e nunca pensei em cuspir! Vocês acreditam que eu fui descobrir recentemente que tem mulher que cospe? E, ainda, que elas são a maioria? Chupa por que se o resultado não lhe agrada? Não entendo.

Caraca! Eu adoro aquele gosto, adoro!

Mas, enfim, este não é nem um tutorial, eu não tenho como forçar ou ensinar a mulherada a gostar de algo que elas não gostam. Eu, pessoalmente e não raras vezes acho que é o que muito homem tem de melhor, mas, cada um na sua né?! Estou aqui me sentindo a legitima devassa neste momento. (Curti essa sensação!).

Bem, achei esta reportagem pra incentivar as mulheres a engolir a porra dos parceiro: Mundo da Intimidade.

Espero que lhes ajudem queridas! Quem aguenta dieta sem carboidrato, carne gorda e afins, dá bem pra gostar do gosto do “negócio” e da inigualável sensação de se sentir “a gostosa” na cama! Eu acho super boa essa sensação! Recomendo.

Beijos de luz!

Cláudia de Marchi



Segunda-feira, 27 de junho de 2016

Crônica às mulheres: das bolsas caras às vaginas. Sobre respeito, consideração e empoderamento.


...Mulheres, o que vocês estimam mais: a bolsa que a sua amiga lhes deu ou vendeu por menos da metade do preço, porque ganhou uma igual ou aquela importada de valor de 4 ou mais cifras que você escolhe a dedo na loja?

Cada um na sua, mas com raríssimas exceção será a segunda hipótese a “escolhida”.

Com sexo o negócio é praticamente idêntico. Não pense que seus homens não valorizam as acompanhantes. As caras, as de custo mais alto, tenham certeza, eles valorizam e respeitam muito. As baratas eu não sei, já que, aqui em Brasília me acham cara. (Eu acho que sou baratíssima). De toda forma, todas merecem respeito e consideração. Eu falo de mim, porque atesto o que vivencio, quanto às demais, não sei.

Deixem de lado pré-conceitos e preconceitos que você tem com uma vida que você não faz ideia de como é. Existem agruras e riscos? Nas melhores coisas da vida existem queridinhas, exemplo disso é a realidade de todo militante combativo da área criminal do Direito.

Se a gente quiser segurança de verdade deveremos nos trancar num calabouço e engolir a chave. O mesmo que disse o House quanto a não ser magoado. Não conviver com pessoas é a melhor forma de não se desapontar com elas. (Não nego que eu venha sendo um tanto assim quanto a minha vida afetiva, mas isso é problema meu. Eu não tenho “coração de gelo” como alguns dizem, eu tenho é cansaço afetivo e preguiça de sofrer. Só isso).

Bem, a questão é que existe um excessivo tabu em torno da minha nova profissão que assumo sem medo algum. E isso, em pleno 2016, este fato me deixou estarrecida. O quanto as religiões e os preconceitos inerentes a elas vem crescendo também me apavora. E fazem com que muitas garotas de programa menos afortunadas que eu fiquem à margem da sociedade e da Medicina: cuidados ginecológicos e psicológicos, informação, leitura e etc. todas precisam, muitas não podem bancar. E elas precisam pelo fato de serem mulheres, seres humanos em situação de risco que não fazem nada ilícito.

Gente, eu não estou roubando ninguém, assim como estas garotas. Eu não estou enganando ninguém, eu não digo que amo pessoa alguma, eu não tenho interesse nas finanças de ninguém, eu não estou querendo dar o “golpe da barriga” (no qual só a mulher é golpeada tendo a vida inteira de abdicações em prol da sua cria), eu não faço nada de desonesto. Pelo contrário, eu converso, eu ouço, eu apoio e até ajudo muitos homens. Muitas pessoas, graças a este blog que, no fundo, quer o empoderamento feminino, mas que muitas não entendem e preferem destilar fel e ódio. Pra si mesmas né?! Porque eu me lixo pra isso.

Eu não sou casada, se fosse eu não estaria nesta profissão, porque sou intensa demais pra namorar ou viver com alguém e transar com outros. Ademais, eu não acharia nada admirável um cidadão que permitisse isso, consequentemente não iria me apaixonar. Pra haver paixão precisamos admirar minimamente ao outro!

Enfim, é só uma profissão querida! Tem atenção, tem papo, tem afeto, tem calor humano. Tem hora pra começar e teoricamente pra acabar! Tem toque, tem boca lá, lambida aqui, tem gozada na cara, na boca, dentro da camisinha no ânus, do fundo da vagina. Sim, tem tudo isso, mas desonestidade não tem. Vergonha menos ainda.

E, sabe por que eu não tenho vergonha? Porque eu sou a bolsa cara que você economiza pra comprar e se realiza quando a “dependura” em você. Eu não sou a “emprestada”, a “ganhada”, a gratuita, aquela que se “descola” no final da noite alcoolizada para o cara que de útil na sua vida só vai deixar alguns orgasmos. Se deixar!

Fazer sexo é bom, fazer sexo por dinheiro, pra mim, é melhor ainda. E eu não estou incentivando ninguém a fazer o mesmo. Eu só estou incentivando a todas as pessoas a pensarem, questionarem e deixarem a sua hipocrisia de lado, porque opiniões, crenças, religião e credo são como pênis: você pode ter, mas querer “enfiar” à força nos outros, você não pode!

Parem de achar que chamar a "coleguinha" de puta é ofensa. Não é baby! Triste é ser chamada de infeliz, desocupada, recalcada. Já falei "infeliz"? A puta que dá em troca de dinheiro ou a "puta" que "é" aquela com quem o seu namorado flerta e lhe desrespeita (ele, não ela!), não são infelizes. A puta que esfrega gratuitamente a pepeka em barbas alheias a cada sexta-feira faz o que gosta. A que sobra R$ 100,00 também.

Enfim, ser puta não é feio menina! Feio é o seu preconceito, feia é a sua ira, a sua frustração, o seu recalque. Feio é fingir orgasmo, feio é "fazer pra agradar", feio é enganar!

Guarde seu preconceito para si ou leia, evolua, mude! O mundo não é o seu umbigo. Não me apedreje, porque meus pecados diferem dos seus. Porque pecados, amiguinha, eu sei que você tem!

Beijos de luz!

Cláudia de Marchi



Sábado, 25 de junho de 2016

Tutorial de como conquistar um homem ou uma mulher.


... Tutorial de como conquistar um homem ou uma mulher.

.....................................

.....................................

.....................................

.....................................

.....................................

.....................................

.....................................

.....................................

.....................................

............................ FIM.

Gente, vocês acham que eu vou mesmo escrever ou falar sobre isso? Pra começar: vocês acham que “conquistar” alguém é um problema? Então, vocês precisam de terapia ou de um curso intensivo de como ser agradável.

Conquistar é fácil, baby! Agrados, flores, presentes, oral bem feito, afeto, papo cabeça, planos, muito sexo apaixonado e etc.. O difícil mesmo é manter a conquista, é, uma vez tendo o apreço do outro, envidar esforços para mantê-lo. E obter êxito, obviamente.

E, sobre isso não falarei, pois um dos fatores que me fizeram querer mudar RADICALMENTE de vida é a tendência lamentável do ser humano em não saber manter o encanto da conquista. A tendência a se acomodar, dormir de meias, fazer por fazer, falar por falar, ouvir por ouvir e fingir por muito, muito tempo em prol da sociedade, dos filhos e da moral e dos bons costumes.

Aquele tedioso dia a dia em que a paixão é golpeada de morte pela falta de empenho e pela perniciosa segurança demasiada. Tem uma canção que diz que “você precisa de alguém que te dê segurança, se não você dança”. Fato é que, num contato inicial a gente precisa sentir “firmeza” no outro, mas, daí a se sentir o ser humano mais “seguro” do mundo, porque ouviu um “eu te amo” e tem uma relação séria já é de imensa ignorância emocional (o oposto da inteligência, enfim).

Relacionamentos precisam de empenho, não só de amor ou admiração. Relacionamentos são construções diárias de afeto, calor e doçura. Onde está o sexo “nisso”? No “calor”. Deixou a relação “destapada” neste quesito, haverá vários cobertores à venda no mercado e outros tantos sendo “doados” em cada esquina.

Não me peçam como conquistar alguém, isso é óbvio, é fácil. Qualquer revista Nova ou livrinho da moda ensinam! Peçam-me como manter a conquista e, então, lhes direi duas coisas: primeiramente lhes digo que isso se faz com dedicação ao relacionamento, em segundo lugar, afirmo-lhes que isso é raro, tão raro que resolvi, humilde e resignadamente, unir o útil ao agradável nesta minha nova profissão. A cereja do bolo da paixão (o sexo) com o lucro razoável (dinheiro).

Sempre fui boa no sexo e facilmente tive os homens com quem me relacionei aos meus pés. Sou quente, gosto de sexo e garanto que faço com meus clientes tão bem quanto fazia com meus namorados, (por isso gosto de “poucos e bons” clientes). Se é que não faço ainda melhor, porque estar sendo paga me dá um tesão desatinado, não nego!

Mas, não nutro mais a ilusão romântica de viver uma paixão intensa e “pra sempre”, justamente pela tendência masculina em se acomodar a partir do momento em que seu objeto de desejo torna-se “seu”. Como um troféu ele (a “amada”, o objeto de desejo) é colocado na estante.

E eu não tenho paciência para estar na estante de ninguém. Eu gosto mesmo é de estar no colo. Todos os dias!

Beijos de luz neste sábado!

Cláudia de Marchi - Acompanhante Brasília - DF

Cláudia de Marchi



Quarta-feira, 22 de junho de 2016

SOBRE A SIMONE STEFFANI EM "CHATS": NÃO SOU EU! NÃO ME PERTURBE.


... Eu podia estar retornando ligação de revista. Escrevendo e-mail para uma editora de jornal. Tomando meu Nespresso delícia, mas não, eu estou escrevendo este post pra dizer que algum desocupado ou desocupada (para dizer pouco acerca de tão inútil ser humano) vem entrando em chats com o meu nome e divulgando meu telefone. O que, por si só, é uma queimação da minha imagem, pois eu precisaria estar com a mãe morrendo e passando fome pra usar um chat a fim de divulgar meu nome, telefone e, enfim, trabalho. Portanto, aviso: não me chame no whats se você conseguiu meu telefone num chat. Eu irei bloqueá-lo. Obrigada.

Beijos de luz!

Cláudia de Marchi



Terça-feira, 21 de junho de 2016

MT e magistério: o fim de uma fase!


...Hoje, além de gripada, tive um dia emotivo. É o último dia da minha mãe em Sorriso/MT. É o literal “fim” de uma fase num lugar que me trouxe muita esperança, bons e raros amigos, muitos conhecidos admiráveis e, sobretudo, me deu o magistério, uma paixão sem fim! No magistério me esforcei para instigar ao questionamento, ao pensamento, ao senso de igualdade, justiça e dignidade. A UNIC/Sorriso me deu alunos sensacionais: pessoas que se dedicavam de forma a contrariar a “lógica” de seus destinos e vidas a fim de se “diplomarem”. Apesar da alegria pelas mudanças atuais, a preocupação com o Pequeno Bolota e Zeus em seu primeiro voo me deixa ansiosa. Ter que vê-los entre dois apartamentos de um quarto até que nos mudemos me preocupa. Não há dia em que eu fale sobre minha antiga profissão de professora universitária e não me emocione, mareje os olhos ou chore. A mudança de minha mãe e gatos do MT me alegra e por outro lado gera um luto: definitivamente aquela fase ficou pra trás. A presente pode ser excelente, mas é uma questão de lealdade e franqueza conosco mesmos admitirmos quando vivemos um grande amor ou paixão e, sobretudo, quando, por qualquer razão que seja, eles findam. E eu fui apaixonada por Sorriso durante o período em que lecionei. Aqui, no meu coração, resta um “adeus”, não sem comoção. E, para ajudar a emocionar-me, recebo está mensagem da linda ex-aluna Ariana! Que alegria! Que emoção! Que saudade!

Cláudia de Marchi - Acompanhante Brasília - DF

Cláudia de Marchi



Segunda-feira, 20 de junho de 2016

CBN- GILBERTO DIMENSTEIN.


Bom dia pessoal! (Again!).

Antes de sair de viagem fui informada acerca deste comentário, não nego, envaidecedor, em que pese seja mais fácil, para mim, perder peso do que a humildade. (Benzadeus!).

Muito obrigada Dimenstein por alegrar ainda mais o início da semana em que, finalmente, minha mamãe (melhor amiga) e meus gatos, Zeus e Pequeno Bolota (melhores amigos machos), chegarão na cidade mais linda do Brasil!

Quem não ouviu, segue o link: Clique aqui!

Beijos de luz!

Cláudia de Marchi



Domingo, 19 de junho de 2016

REVESES DA FAMA: demonstrando a naturalidade e a diplomação! (Carteira da OAB, inclusa!).


Boa tarde gente!

Após o Catraca Livre, Link Clique aqui! divulgar um pouco mais de mim e deste blog hoje tenho recebido só elogios, mas um mentecapto que disse ser de Brasília via comentários me falou que eu "minto que sou gaúcha", que ele sabe de "fonte segura" que sou do Mato Grosso do Sul. (?).

Para evitar que oligofrênicos afins caiam em boatos vou postar aqui meus documentos e o endereço do meu currículo lattes (vocês sabem o que é né!?). Ele está incompleto porque o grupo Kroton está me devendo dois certificados de publicação de conteúdo para o Desafio Nota Máxima: Direito Processual Civil e Direito Processual Tributário.

Eis onde você acessa o meu lattes: Clique aqui!

(E "lattes" que eu tô passando gente sem educação!).

Quanto a minha naturalidade, bora?

Cláudia de Marchi - Acompanhante Brasília - DF

Cláudia de Marchi - Acompanhante Brasília - DF

Minha vida é um livro aberto gente! Um blog, ou melhor, 2, este e o Apenas Idéias que está na rede desde 2007. Não advogo mais e a carteira da OAB está aí só pra demonstrar a naturalidade e, também o fato de eu ser inscrita no quadro do RS.

Residi em Sorriso no Mato Grosso por exatos 2 anos e 11 meses. Lá só advoguei e lecionei. Cheguei com minha mãe no MT em 1º/05/2013 e sai em para Brasília 07/04/2016 decidida a virar cortesã e em 11/04 tive meu primeiro encontro (tem tudo aqui neste blog)!

Quando casada morei em Marau/RS e também fiquei 6 meses em Chapecó/SC numa fase "inter separação" definitiva.

Tenho outro blog desde 2007 que, se lido, demonstra o quanto eu mudei de opiniões nesta vida e disso só me orgulho. SÓ NÃO MUDA DE IDEIAS QUEM NÃO AS TÊM. O link Clique aqui!

Ah, quem sabe querem diplomas? Vá que eu minta sobre isso né?! Segundo o brasiliense mentecapto que tentou comentar estes fatos também são falácias desta "louca oportunista" aqui. Vamos lá, graduação e especialização respectivamente, com parca qualidade, infelizmente!

Cláudia de Marchi - Acompanhante Brasília - DF

Cláudia de Marchi - Acompanhante Brasília - DF

Tá certinho?! Agora diz pra mim que você vai se ocupar, bater punheta, se conscientizar que seu salário não paga as luzes que eu faço nos cabelos e você chama de "pintar" e parar de ser grosso e estúpido na rede?!

Sei lá, fica a dica! Em último caso, leia um livro, você precisa. Acho que até ler a Caras pode lhe auxiliar a "crescer" culturalmente.

Beijos de luz!

Cláudia de Marchi



Domingo, 19 de junho de 2016

Recado a um "mensageiro" do "senhor", ou melhor, da "senhora". Senhora ignorância!


Cláudia de Marchi - Acompanhante Brasília - DF

..."Antes que lhe venham os maus dias". Prezado senhor crentelho, intrometido e desocupado, que escreve ameaça "apocalíptica" à vida alheia enquanto a sua apedrejada dorme o sono dos justos: não me ameace com o inferno, pois não acredito em sua existência, mas eu acredito na hipocrisia, na maldade travestida de ignorância e na falta de empatia humana que é o que move um cidadão a dizer "Deus te abençoe" para uma pessoa como eu, como se eu não fosse realmente "abençoada": por ter amor, amar a vida, tratar a todos com igualdade, não mentir, não iludir, trair ou maltratar pessoa alguma. Vivo a ética da reciprocidade: não faço ao outro o que não quero que ele me faça. Prazer carnal? Prazer de diálogos profícuos e inteligentes? Não é pecado! Eu sequer acredito no conceito de pecado caro senhor, e, ainda que acreditasse eu diria que pecado é ser arrogante e soberbo a ponto de achar que as suas crenças lhes fazem melhor, enquanto, por suas atitudes, percebo que seria mais um a apedrejar Madalena e quiçá à Cristo, aquele que ensinou a lei do amor ao próximo que você não aprendeu, pois ela não se aprende em templos, ela é moral e anímica! E um ser humano que me escreve "ameaçando" com o "futuro intangível" de madrugada, além de imoral e ignorante, é raivoso, frustrado e desconhecedor do sentido literal da palavra amor e respeito. Máximas existentes antes do próprio Cristo que veio repeti-las, mas até hoje não foi compreendido. Eis aí, você, um miserável raivoso dando o exemplo, um ser que não sabe quantos dias maus eu tive em minha vida, dias de dor, depressão, desanimo, de frustração por, sequer, poder auxiliar quem eu amo em 11 anos de dedicação profissional e de intensa decepção afetiva. O senhor está aí, me julgando na madrugada com base numa reportagem sem nada saber de mim! Sem compreender que não sou uma jovem deslumbrada, perdulária e imatura, mas uma mulher que tomou, à custa de muito brio e coragem, a melhor decisão para a sua felicidade, está que, tal qual a minha vida, nada tem a ver com a sua insípida existência. E que o evolucionismo, um dia, lhe "abençoe" com um cérebro melhor!

Cláudia de Marchi



Sábado, 18 de junho de 2016

Outra crônica importada do meu blog, Diga-me a riqueza que valorizas e eu te direi quão pobre tu és!


conDiga-me a riqueza que valorizas e eu te direi quão pobre tu és!

Estava aqui, nesta gostosíssima noite de sábado, entre ligações com minha mãe e leituras, pensando no que seria a tal da “riqueza”. Talvez seja uma estupidez da minha parte, mas, sobretudo na atual fase da minha vida, eu posso dizer que este conceito pode ser “relativizado” e que, de acordo com a espécie de riqueza estimada, por outro lado, se afere a miserabilidade intelectual do “estimador”.

Aliás, não falo isso apenas por ter abdicado da minha carreira jurídica e docente para tornar-me cortesã de luxo, falo isso pelo tanto que já estudei, li e vivi na vida. Nas altas “rodas”, na boleia de um caminhão, na academia jurídica, em casa de ex-presidente de Tribunal de Justiça, em festa “alternativa”, em mesa de bar e por aí a fora! Ninguém olvida do que seja a riqueza financeira, certo?! Poder pagar tudo no débito, ter carrão, mansão, casa no litoral, apartamento em Miami, viajar pra Europa e etc..

Ter vida de deputado e, no Brasil ao menos, até ser um! (Um “salve” à corrupção!). E é aí que pegarei um gancho para perguntar a quem acompanhou o fatídico 17/04 e posterior 12/05: vocês acham que existe riqueza intelectual ou cultural “lá”? Salvo raríssimas exceções, claro! Vemos a riqueza em forma de poder e dinheiro, não raras vezes, aliada à pobreza cultural, psíquica, moral e de todas as outras “ordens”.

“Ah, mas então ser culto é ter diploma?”, olha baby, talvez fosse, há muito tempo, quando as pessoas estudavam com afinco e não apenas a ciência que exerceriam, hoje em dia o diploma vem sendo usado para esfregar na cara alheia uma “superioridade” que nem sempre existe. Falo de uma suposta superioridade moral, ética, intelectual, de sabedoria e de cultura!

Valho-me de Foucalt para externar este meu pensamento, pois a assertividade e objetividade com que ele definiu meu pensar é perfeita: “O diploma serve apenas para constituir uma espécie de valor mercantil do saber. Isto permite também que os não possuidores de diploma acreditem não ter direito de saber ou não são capazes de saber. Todas as pessoas que adquirem um diploma sabem que ele não lhes serve, não tem conteúdo, é vazio. Em contrapartida, os que não tem diploma dão-lhes um sentido pleno. Acho que o diploma foi feito precisamente para os que não tem.”

Não quero com isso desmerecer os anos de estudo que investimos para nos diplomarmos, quero, apenas dizer, que nem mesmo o estudo indicia riqueza cultural e intelectiva, assim como o poder e o dinheiro não indiciam riqueza moral e intelectual! E, tudo o que eu disse aqui, enquanto tomo um chá (ando bebendo álcool muito raramente e só quando acompanhada ultimamente) e ouço Johnny Cash o que, afinal, significa? Significa que você não deve fazer confusões entre os poderosos financeiramente e os sábios, entre os bem diplomados e os intelectuais e cultos, entre os cultos e os moralizados, menos ainda entre os religiosos e os justos.

Simplesmente, não confunda! Atualmente, quando me perguntam sobre minha clientela e os homens da politica de Brasília eu respondo: “O preço é o mesmo para qualquer um, logo eu não preciso ‘caçar’ político pra ter prazer e ganhar o meu honesto dinheiro”. Se algum me desejar, irá me procurar e agendar horário, se não, ótimo para as minhas colegas de profissão!

O que eu preciso mesmo, para usar bem o tempo pelos quais meus clientes me pagam é lhes admirar minimamente pela abordagem educada, objetiva e elegante. É ter, com isso, o mistério de estar frente a uma pessoa culta e, como costuma ocorrer, me surpreender ainda mais positivamente neste quesito depois dos bons e intensos momentos.

E é por essas e por outras que eu sempre falo que não se trata só de dinheiro, porque, pra este “ser humaninho” que lhes escreve, a riqueza intelectual e afetiva ainda são as mais atraentes e excitantes! E o dinheiro que me importa é o meu, o que usarei para o meu bem e para os de quem amo. Os “teres e poderes” da minha clientela pertencem a ela e a sua família. Não me importam, enfim!

Ah, mas a cultura, a fineza, o bom gosto, a educação e o intelecto privilegiado é meio caminho andado até para o meu nada discreto prazer carnal! Mas, então meu amigo, diga-me qual a espécie de riqueza que você aprecia que eu poderei dizer quão pobre você é!teudo

Cláudia de Marchi



Sábado, 18 de junho de 2016

Uma crônica vinda do meu Blog ... Sobre o ódio! (E o Facebook).


Ódio: um sentimento inexistente.

Eu não acredito no ódio. Pra mim ele não passa de, meramente, uma palavra, um vocábulo. Psicologicamente, pois ele não é um sentimento, ou melhor, digamos que seja, mas neste caso ele se transmuta e pode ser denominado de indiferença.

Quando o outro, seu agir e sua existência não geram minha raiva, minha magoa, meu rancor, meu apreço, meu desprezo, minha ira, aí haverá o tal do ódio que não passa de indiferença! "Odiar" é "não estar nem aí" pra alguém ou para algo, ainda que esta pessoa lhe tenha feito algo de ruim!

O ódio não passa da ausência de qualquer sentimento, ele significa não sentir nada. Enquanto eu afirmar ao mundo que odeio isso ou aquilo, aquele ou aquela outra e usar a minha energia mental, psíquica e física para pensar nele, acompanhar sua existência, difamar-lhe, ofender-lhe, criticar-lhe ou escarnecer-lhe, então, o que eu sinto não é desprezo, asco ou ódio.

Eu simplesmente valorizo a existência daquele "ser humaninho", mas não tenho brio para admitir que eu "lhe adoro" ou "lhe acho foda" (valendo-me da canção da baiana linda e arretada Pitty). Se alguém lhe incomoda, o problema não está neste alguém, está em você que tem sentimentos reprimidos (vulgo recalcados) e que, no fundo, precisa de ajuda profissional.

Sim, você da turminha do asco e do ódio, inclusive à minorias, e que se torna stalker virtual ou afetivo do outro, no fundo lhe preza, mas não aceita tal fato por arrogância, imbecilidade, orgulho ou, puramente, demência! E eu tenho dó de você.

Exemplo disso: denunciaram e novamente minha página no face que não continha conteúdo impróprio (nu frontal, etc.) foi excluída do facebook! Haja Freud pra explicar esse povo!

Cláudia de Marchi - Acompanhante Brasília - DF

Cláudia de Marchi



Sábado, 18 de junho de 2016

Tutorial sobre sexo oral em mulheres e o “famoso” beijo grego.


Gente, antes de qualquer coisa, vou lhes ser sincera: eu nunca fiz sexo oral em mulher alguma. E a exceção da infância nenhuma fez em mim (sim, me recordo vagamente destes lances).

Mas, homens vocês sabem o que é um sexo oral bem feito na parceira? Taram...Taram...Taram! O que vai fazê-la gozar, obviamente. E como você perceberá isso? Da mesma forma que percebe que ela está gostando de um beijo na boca, por exemplo. Quando ela coloca os braços sobre seus ombros e lhe aperta.

Sexo oral bom amiguinho não é lambidas na vagina da mulher. Também não são mordidas ou chupadas que beiram ao deslocamento do clitóris da pobre fêmea!

A mim, nada irrita mais do que sexo oral ruim! Não sabe, nenê!? Não faz! Fica nas caricias, masturba, beija, penetra, se garanta com o que você sabe, realmente fazer. Ou, se tiver intimidade com a parceira e não fizer parte daquele pequeno grupo de pseudo-macho que tem nojinho de chupar uma mulher, peça que ela lhe conduza, que ela lhe instrua.

Sexo oral bom revezado com toques de dedo e masturbação leva uma mulher ao êxtase! Dedos na vagina ou no ânus, é de enlouquecer qualquer uma!

E quando for fazer, faça por prazer e com prazer. Assim como você não curte aquela “chupada” com pouca vontade, nós também não curtimos uma “chupada” só pra dizer que fez, tipo “passou a língua” por ali: “Aiii como eu sou macho!”.

Gente, entre quatro paredes vale tudo! Nada é pecado ou crime! Aliás, pecado é dormir ao lado de alguém toda noite sem ter no mínimo uns dois orgasmos antes de cair em sono profundo! Bem, não quero que concordem com isso, não por menos eu larguei 11 anos de vida jurídica e de mulher mega exigente com o macharedo (que andam ruim pra conquistar uma mulher de verdade que chega a dar dó!) para transar por, no mínimo, R$ 500,00 a hora!

E a cada dia que passa, mais me realizo! Essa semana, por exemplo, tive uma experiência fenomenal em matéria de sexo oral com o advogado descendente de libaneses num hotel aqui da cidade. Solteiro, charmoso, barba, lindo e com uma língua sensacional!

Sabia tratar minha buceta com delicadeza, sabia explorar o gozo de forma a me fazer gozar mais e mais na boca dele, sem ser muito lento ou agressivo. Aliás, eu já falei pra vocês que em matéria de sexo oral nenhum ex-namorado meu “bate” meus clientes? Que meu ex-marido fez uma única vez em estado pleno de embriaguez? Era da trupe dos que tinham nojinho. Pseudo-macho, na real.

Homem que é homem gosta da fruta de qualquer jeito! Com o aroma natural ou perfumado, após o banho ou depois de algumas horas viajando dentro do carro. Um dos meus ex estacionou uma vez no acostamento de uma rodovia e me chupou ali mesmo! E eu a ele.

Eu sempre brinco que gostar de sexo é como gostar de pizza: existem de todos os sabores e ainda assim tem gente que se comer todos os dias irá enjoar. Eu não enjoo nunca! Gosto com “G” maiúsculo e é mais fácil eu ter preguiça de escovar os cabelos do que de transar.

E, com meu novo trabalho, a cada cliente é um tesão diferente, sendo que, obviamente, existem aqueles cujo tesão é “inenarrável” e que, mesmo sem que sejam mais “novidade” a química e afinidades são tais que cada transa parece a primeira. Ou a ultima, em função da intensidade deliciosamente louca!

Enfim, sexo oral bem feito é mérito de homens realmente bons de cama! Não adianta ter um super pau, não adianta ser bombado, 0% de gordura e essas besteiras machistas todas aí não, o cara que não sabe usar a língua e que tem nojinho de buceta cai 50% na escala de masculinidade!

Vocês acham, por exemplo, que uma acompanhante de luxo, não cuida da própria higiene pessoal? Que cobra, no meu caso (e ainda é pouco), R$ 500,00 a hora, não vai à ginecologistas com frequência, não usa sabonete intimo em todo banho, não toma no mínimo um banho entre um encontro e outro, não passa cremes caríssimos e óleos hidratantes no corpinho? Amigo, se bobear a higiene da sua namorada deixa mais a “desejar”! Eu, por exemplo, faço depilação completa no mínimo a cada 10/12 dias!

Buceta amiguinho: lavou está nova! Coloque seus preconceitos no lixo. O quanto uma mulher transa não define decência e se ela cobra pra isso, menos ainda: ela está valorizando algo que está sendo distribuido gratuitamente todos os dias por aí!

Ah, têm as meninas que não gostam de receber sexo oral! Bem, também tem as que não beijam. São as mesmas que fingem orgasmo, porque o beijo é essencial no sexo bom e no orgasmo da mulher.

De cada 10 clientes que atendo 9,5 faz sexo oral em mim. Esse “meio” aí é aquele que não sabe fazer o negócio com muito talento! Teve um que ficava dando beijinho e mexia a língua para os lados bem rapidinho! Fazia o mesmo no beijo. Eu, obviamente pedi pra parar, porque estava “irritando as minhas terminações nervosas”, um eufemismo para: estava me deixando IRADA! E me broxando, caso em que o melhor a fazer é “encapar” o “molequinho” e colocar pra dentro, assim eu ainda gozo fácil.

E o BEIJO GREGO gente?! Vamos falar dele e, antes, cairemos na vala do senso comum novamente: entre quatro paredes vale tudo! Beijo grego é usar a língua para acariciar o ânus do parceiro e da parceira! Também, 9,5 em 10 dos meus clientes me colocam de quatro e me fazem pirar fazendo isso! Para, apenas após, penetrar-me o ânus com seu pau. Antes rola muita língua e dedinhos, sim senhor! Meus clientes são lords dentro e fora do quarto!

Eu também adoro, mas tenho muito mais empolgação quando a região do cara é depilada. Do contrário é como meter a língua dentre um monte de cabelos. Não é tão prazeroso pra mim e, creio, até para o cliente.

Se o homem descobriu que têm no ânus poderosas terminações nervosas que lhe leva ao orgasmo, então não custa nada cuidar do local e, além da higiene tradicional, depilar a área!

Ah, sobre higiene em relação a beijos e lambidas na região anal! (Gente precisa falar disso?). Você só vai fazer e receber após um bom banho, após usar seus sabonetes especiais e horas após ter usado o local para o fim ao qual, “biblicamente/criacionisticamente” ele de destina! Higiene é essencial para o beijo grego e com ela tudo pode!

Digo, apenas, que aos homens que curtem, não custa depilar pra poder aproveitar mais a sensação. Até com cera, porque nem dói tanto depilar aquela região ali (a anal)!

E se do beijo grego seu parceiro pedir dedos ou “consolos”? Hum... Eu pessoalmente não insiro dedo no ânus dos meus clientes, não sei fazer isso e minha unha não ajuda. Não “como” eles também, vez que, como sempre digo aqui, eu só faço o que também me dá prazer! Existem inúmeros homens mal resolvidos com sua sexualidade: quanto mais o sujeito fala que é “ativo”, que não entende os homossexuais, pode crer: maior a vontade dele de provar um pau!

E daí, cara?! Vai lá, pega uma travesti de início, come, dá o rabo, mas se assuma e pare com discurso transfóbico ou homofóbico. Tenha o seu prazer, dê prazer e esqueça as convenções sociais, sabe por quê? Porque a sociedade não goza, não ri, não chora e nem se frustra por você. Você é adulto? Banca-se? É dono do seu nariz? Então solta a franga e seja feliz, só não enverede para o caminho do recalque disfarçado de ódio estilo Malafaia e cia. ilimitada.

Seja feliz meu bem!

Beijos de luz, inclusive no cuzinho bem limpinho de vocês!

Cláudia de Marchi



Quarta-feira, 15 de junho de 2016

Pseudotutorial: de filme pornô, comentários inúteis barrados, sexo oral e pressão na cabeça da mulher- dicas para elas e para eles.


Boa tarde galera!

Hoje me dediquei aos cuidados com a pele do rosto, bem como fiquei horas na assistência da Apple para ver porque meu wifi não está funcionando! Terei que gastar R$ 2.500,00 para substituir o meu aparelho (iphone 6) por outro, vez que a assistência não arruma isso. Aff! Só daqui uns dias, muitos gastos!

Ah, alugarei um apartamento pra minha mãe aqui no condomínio para ela poder procurar com tempo uma casa mais confortável, talvez com piscina e aqui nas redondezas, afinal, apesar da desordem inicial, o bairro é próximo a tudo e já tenho massagista, cabeleireiro, depiladora, “bronzeadora” e etc., tudo aqui!

Enfim, a minha conta de telefone celular por conta da excessiva contratação de internet vem na média de R$ 500,00 mensais. Estranho que lá em Sorriso eu tinha wi-fi em casa e isso nunca ocorreu! Aff! Fiz meu tratamento facial, comprei outros produtos pra pele no Conjunto Nacional e, agora à tardinha tenho massagem e em seguida um interessantíssimo novo cliente para atender!

Já me masturbei 4 vezes desde que cheguei pensando nele! Deus me livre de ele ter outra ocupação!

Ah, uma NOVIDADE: Como devem ter observado, para comentar aqui na página é preciso se “associar” ao site/blog. Assim ex, esposa de ex, ex-pseudo-amiga recalcada, macho rejeitado (eu consigo definir e saber bem o tipo de cidadã ou cidadão que me escreve, muito bem!) e gente invejosa e mal amada de todas as “querências”” perderam seu entretenimento orgástico gerado pelo anonimato virtual (arma dos covardes desocupados e broxantes): tentar me ofender, macular minha paz ou fazer com que eu deixe de achar que sou o que sou: linda, inteligente, doce e gostosa!

Modéstia a parte, franqueza em alta! Risos...

Gente, ontem eu falei sobre sexo oral e estava me lembrando daqueles machos que ficam empurrando a cabeça da mulher contra o pênis. Meu ultimo ex-namorado fazia isso, nossa, era broxante! Outro dia um cliente fez isso e, (assim como fiz com o ex para o qual, infelizmente, “rasguei” meu valor transando de graça) olhei pra ele e disse: “Eu sei chupar, não empurre a minha cabeça”. O cliente disse “é que dá tesão” e eu respondi: “Só pra você, baby!” e continuei dando um chá de língua, lambida, estocada na garganta e pressão do membro do sujeito. Mostrando pra ele que quem “manda” É A DONA DA BOCA!..Risos...

Eu gosto muito de chupar, de saborear o pênis do homem, as bolas, curto fazer beijo grego inclusive (falarei mais dele noutro momento). Sei meter na garganta, e tudo o mais. Claro que uns são sensíveis na cabeça do membro, outros mais na intensidade, todavia, um cara atolando o pau na tua goela além de broxante corre o risco de fazer você colocar a última refeição fora. Em cima do pintinho do metidinho a “pica das galáxias” que assistiu muito filme pornô e não sabe foder.

Sim galera, esses filmes com mulherada gritando, socando lubrificante e etc., 200 estocadas por minuto podem fazer gozar uma vez, não mais que isso. O RESTO É FINGIMENTO! Eu mesma adoro pegadas brutas, mas não o tempo todo. Tem que ter compasso até na transa, gente! O universo da filmografia pornô objetifica a mulher e a coloca ao dispor do macho, por isso que raramente nos excitamos assistindo.

Bem, eu não me excito assistindo nada nem ninguém: NO SEXO OU EU SOU PROTAGONISTA, ou eu leio um livro e durmo!

Enfim mulherada descontente com as atitudes do seu parceiro, vocês tem 3 soluções: a) silenciar, fingir que esta “de boa” e saber que ele vai procurar fora; b) dialogar, interagir, tomar um bom vinho e falar “about” ou, se nada adiantar; c) mudar de homem né?! Acreditem, tem aos montes por aí! Se você for emocionalmente inteligente, bem resolvida e independente afetivamente (se não for procure um psicólogo) verá que não precisa de um macho a tiracolo pra ser “mais mulher”.

E você, amigo homem, como fica o seu tesão em empurrar a boca da mulher contra o seu super pênis? Vá falando pra ela como você gosta! O tal do “lero, lero” sacana é mega útil! Diga, “chupa a cabecinha”, “mete, isso mete ele todinho”, “vai amor, assim, assim, mais rápido” e etc.! Se quiser se masturba enquanto ela lambe suas bolas! E TÁ LIBERADO SEGURAR A CABEÇA DA PARCEIRA, se você sabe que ela, como eu, adora engolir a sua porra. Neste momento, diga-lhe “vou gozar” pegando forte nos cabelos dela pra ela guardar toda a sua porra na boca. Depois vale ela abrir a boca pra te mostrar tudinho e engolir com desejo!

Broxante mesmo é cuspir fora! Bem, isso já é coisa de mulher que não gosta da “coisa” (foda sacana e despudorada) e sobre isso eu não vou emitir opinião.

Então, eis aqui mais um “adendo” ao tutorial sobre sexo oral!

Continuem acompanhando-me suas devassas e devassos gostosos!

O PRÓXIMO TUTORIAL É SOBRE SEXO ORAL FEMININO: AQUELE QUE O HOMEM DEVERIA SABER FAZER, MAS NEM SEMPRE SABE!

Beijos de luz!

Cláudia de Marchi



Terça-feira, 14 de junho de 2016

(PARA CASAIS....) SOBRE BEIJOS, TESÃO E SEXO: ADENDO AO TUTORIAL: "Sobre sexo oral, sobre engolir a porra, sobre ser sincera com o parceiro e o que significa ser “gostosa” na cama."


Resolvi fazer um profundo, porém exíguo e direto adendo ao tutorial postado às “altas horas” ontem à noite.

Em especial no que tange a casais. “Como você consegue transar com estranhos que te pagam?”, me perguntam as puritanas que transam com o bombadinho que não diferencia “mas” de “mais” na balada. Porque eles beijam a minha boca com tesão, com paixão, com vontade. Porque eles vem à mil ensandecidos de desejo! Tudo começa no beijo.

Então, você vê por aí casais que mal e parcamente se dão selinhos. Um dos meus ex, que nem sexo oral sabia fazer (e eu fui apaixonada, santa burrice!) não sabia beijar com intensidade. Eu tinha tesão, porque logo descia chupar o pau dele e ele tinha um belo pênis!

Porque cortejar com beijos quentes e carícias o mané não sabia meeeeeesmo! E, assim existem muitos. E nem todas as mulheres tem a minha libido, a minha loucura, a minha facilidade em excitar-me e, sobretudo e graças a Deus, a ausência de cria com quem me preocupar!

Sou feliz, sou hedonista na medida e os outros que se danem e se ajoelhem no milho! Enfim, homens, beijem ardorosamente suas esposas, mulheres, correspondam-lhes ou lhes instruam a serem “mais” e melhores, porque se eles não forem, outros serão. O tesão louco, a vontade de dar o cu, de engolir o pau do parceiro até à garganta nasce do tesão e este começa num beijo gostoso, quente, numa troca de energia impudica e insana!

Não posso deixar de dizer: #ficaafica

Beijos de luz

Cláudia de Marchi



Segunda-feira, 13 de junho de 2016

Para casais e acompanhantes de luxo: TUTORIAL: Sobre sexo oral, sobre engolir a porra, sobre ser sincera com o parceiro e o que significa ser “gostosa” na cama.


Outro dia eu escrevi aqui um tutorial ácido, franco e transparente sobre o que significa ser uma acompanhante de luxo e outro dando dicas sobre usufruir da delícia que é o sexo anal.

A verdade é que vivemos numa época em que palavras de significado profundo vêm sendo banalizadas. Por exemplo, incontáveis clientes me contatam nas redes sociais me chamando de “amor”. Gente! “Amor”?! Cara, “amor” é broxante. Amor você chama a sua esposa, aquela que você escolheu para viver uma vida, reproduzir a espécie e etc.. “Gata”, “gostosa”, você pode até me chamar, mas naquela hora insana do sexo selvagem.

Até lá é Cláudia ou Simone, você escolhe! E, olha que legal: tem até dois nomes para você optar! Mas, “amor” ou “meu amor”, jamé! Você nem me conhece, baby! Antes “minha puta” do que “meu amor”. A menos que você venha a me amar mesmo, então a questão será delicada e necessitaremos dialogar e tal.

Mas, enfim, o “luxo” como dito anteriormente no tutorial, tem muito que ser relativizado. Ser magrinha, ser durinha, ser firme, ter um sorriso perfeito, pele hidratada até sem maquiagem, tudo isso lhe faz bela e atraente, não necessariamente uma mulher de luxo.

Vocês já assistiram ao filme com a Audrey Hepburn chamado “Bonequinha de luxo” (e inglês “Breakfast at Tiffany's” baseado no livro do excêntrico Truman Capote)!? É uma comédia, mas entre interesseirismo e a lindeza da atriz a gente percebe o gosto apurado, o ser sexy sem ser vulgar, o ter charme sem apelar por parte da personagem pobre, com gostos caros.

Luxo é questão de atitudes e, sobretudo, de valorização de si, do seu trabalho e do seu profissionalismo. Luxo é questão de finesse, de classe e de distinção: “Aqui eu sou a Cláudia lady e intelectual, mas, ali, roupas jogadas ao chão, eu sou a Cláudia puta, devassa, cadela, ninfomaníaca e que não cansa de foder!”.

Quantos homens lhe ligam depois da meia noite? Não só pra você, acompanhante, mas pra você mocinha “de família”? No primeiro caso, aprenda a fugir de condutas abusivas: ensine a seu cliente que se ele quer um encontro, ligue com antecedência e marque. Respeite a beleza da sua pele e seu ânimo para uma boa foda. E este ânimo depende de você estar animada, relaxada e não com sono e de camisola em casa!

E você “novinha”, acha que o sujeito te convida pra andar de carro tarde da noite pra que? Pra ouvir “Jorge e Matheus” (hurg!) no carro? Não, pra te pegar de graça e espalhar pra metade da torcida do Flamengo que fez isso.

A sociedade é machista, o nosso dever como feministas é lutar contra isso, mas dançando conforme a música tocada pelos misóginos machistas a gente só esta dando apoio ao seu agir, sem nos impormos, sem requerermos o que é nosso por direito humano: o respeito, a consideração, a finesse e a classe! A VALORIZAÇÃO!

Valorize-se moça que trabalha como acompanhante, valorize-se mulher independente e ativa, valorize-se mãe de família, valorizem-se mulheres e não se calem frente a abusos desrespeitosos por menores que sejam.

Agora, vamos falar de um assunto bom pra caramba e que diferencia uma boa acompanhante ou uma mulher boa de cama das demais? O sexo! A tara. Dentre as inúmeras leituras que venho tentando achar tempo para dar continuidade a visão dos autores é uníssona no sentido de que por milênios nós mulheres tínhamos apenas a função de parir e cuidar da cria.

Nosso prazer era “acidental”, com muita sorte. A regra era a mera descarga de energia masculina. E, não se pode olvidar que o inconsciente coletivo assimilou muito esse fato. Várias mulheres fazem sexo “para não perder o marido”. Fazem sexo oral depois de tomar Dramin, porque “ui, que nojo, posso vomitar, preciso passar leite condensado nesse ‘negócio’”.

Gente, ter na sua boca o pênis do seu parceiro é um ato de poder! E não só dele. Você, se hetero for, pode se divertir admirando aquela bela e perfeita anatomia! Todos os pênis têm seus encantos, os pequenos, os médios, os circuncidados, os não, os grandes, os rosados, os brancos, os negros! Você precisa aprender que está frente a algo que lhe dá prazer e precisa descobrir a graça disso.

Chupar aos poucos, lamber, esfregar no seu rosto, abrir ao máximo sua boca e tentar até conseguir coloca-lo a sua garganta! Isso faz o homem se sentir poderoso? Foda-se, criatura! Na hora do sexo ativismo feminista fica em segundo plano. Ali há de haver troca de prazer, de fluidos, de saliva, se sujeiras, de secreções! Enquanto isso ele pode estar chupando sua buceta e seu ânus!

Em que pese eu prefira “um por vez” ao 69, porque quando gozo esqueço que estou com o pau do parceiro na minha boca!

Brinque com gosto com o pênis do seu parceiro. Experimente a indescritível sensação de receber a porra quente dentro da sua boca! Saboreie-a! Engula tudo, aos poucos você vai querer mais, porque isso irá lhe fazer se sentir empoderada! Acredite. Ou não. Mas vai e eu amo!

Minha primeira transa eu tive com 19 anos, estava no 4º semestre do curso de Direito e obviamente foi com um namorado de meses.

Aquela sensação de ter a porra dele nos meus seios, na minha boca, de o sentir esfregando o gozo dele nos meus mamilos me enlouquecia e quanto mais eu tinha sexo, mais eu aprendi a querer. CUSPIR FORA? Jamais! Jamais! Nunca cuspi porra fora!

A porra foi feita pra ser saboreada e engolida. O mesmo com o meu gozo quando meus parceiros se deleitam o engolindo! Sexo é despudor! Sexo é perda de limites. Sexo é mandar o pudicismo de nosso inconsciente coletivo às favas!

Vou colar abaixo, uma notícia cientifica sobre engolir o sêmen do parceiro vez que alguma ginecologista frigida resolveu escrever-me a respeito, como se eu não fosse três vezes por ano fazer exames de rotina e verificar hormônios coisas afins. Vejamos a parte da matéria que nos convém:

Cláudia de Marchi - Acompanhante Brasília - DF

Eu, pessoalmente nunca tive herpes labial na vida e cuido da minha saúde bucal com excessiva paranoia. Jamais deixaria um cliente ejacular na minha boca se a mucosa estivesse ferida, porque eu prezo pela minha saúde e pela dos meus clientes.

Sobre sexo anal eu já lhes falei e a questão é sempre a mesma: NÃO BASTA SE DESPIR, MOSTRAR UM PEITO SILICONADO, UM CORPINHO MALHADO, É PRECISO SE DESPIR DE PUDORES, DE DECÊNCIAS INÚTEIS, DE NOJINHOS, de medo de dar pum, de sair um pouco de fezes na camisinha, da porra não ter gosto bom! Ela tem, ás vezes mais denso, às vezes menos, depende de quando o parceiro gozou pela ultima vez.

O segredo para ser uma mulher gostosa de verdade é GOSTAR DE SEXO, GOSTAR DE FAZER SEXO!

Atualmente, quando tenho qualquer cliente entre as minhas pernas eu penso: “Eu nasci pra isso, esse é o melhor trabalho do mundo!” Dou afeto, dou carinho, sou “toda ouvidos”, sou risos e sou o fogo em forma de mulher com os gentis cavalheiros que ACEITO receber no meu reduto ou ir até seu hotel ou motel.

Aprenda a se apaixonar por sexo, a pensar em sexo, a admirar o corpo nu de um homem, aprenda a fazer sexo para o seu próprio bem, para seu humor e pele brilharem, não apenas para contar “tabela”, não apenas para não “perder o parceiro”. Se você fizer só por isso, ele será infiel de qualquer forma.

O que sustenta o tesão do homem é o tesão da mulher nele. Afinal, quem não gosta de se sentir desejado? “Ah, mas ele não me cuida?!”, putz queridinha, isso é algo comum nessa coisa aí que a sociedade adora e que se chama “casamento”. Tente dialogar, tente ousar e dizer que você deseja o mesmo dele! O diálogo ainda resolve quase tudo nesta vida, ficar com cara de bunda, inventar TPM e dor de cabeça não resolve nada: reclame, reivindique o que deseja e se respeite, sem mimimi, aprenda a ser objetiva e não a tergiversar!

Do contrário, quem é você para dizer que uma acompanhante de luxo “não se dá ao respeito”?! Eu pessoalmente me dou tanto que pra usufruir da minha companhia o gostoso tem que pagar. Por quê? Porque eu me amo e, no momento, não amo homem algum. E, ainda se amasse: amores, amores, meu cachê é a parte.

Profissionalismo e senso "administrativo/negocial" é isso que falta em boa parte dessas “garotas” que existem por aí! Muita ambição, pouco gosto por sexo, e muita paixonite por cliente usurpador ou marido interesseiro, fetichista e sem vergonha na cara.

Bem, era isso por hoje!

Beijos de luz

Cláudia de Marchi



Quinta-feira, 9 de junho de 2016

SELFIES (FOTINHOS) DE PRESENTE AOS GOSTOSOS E GOSTOSAS DE PLANTÃO E, AOS DEMAIS, "SÓ FREUD EXPLICA"!


...Resolvi tirar umas fotinhos para vocês em comemoração aos meus atendimentos deliciosos no RS e SP! Homenageio aos meus clientes lords, educados, inteligentes e gostosos e, também, homenageio com o nome do livro utilizado (“Só Freud explica”) aos homens e mulheres rancorosos e problemáticos que perdem seu tempo escrevendo asneiras que deleto sem ler com o intuito de “sei lá o que”, já que só me fazem rir e despertar-me um sentimento de dó! Sou empática, isso é muito forte em mim, tenho pena de pessoas infelizes consigo mesmas que acham que se tornarão melhor destilando raiva a quem só faz sorrir e se amar. Só Freud na causa destes, aos demais, só orgasmos e euzinha! Beijos de luz!

(P.S.: Sim, estou descascando da queimadura do sol, até semana que vem a cor e a pele estarão uniformes novamente! Eu disse que a queimadura foi forte!).

Cláudia de Marchi - Acompanhante Brasília - DF

Cláudia de Marchi - Acompanhante Brasília - DF

Cláudia de Marchi - Acompanhante Brasília - DF

Cláudia de Marchi - Acompanhante Brasília - DF

Cláudia de Marchi



Segunda-feira, 6 de junho de 2016

TUTORIAL SOBRE O QUE SIGNIFICA SER ACOMPANHANTE DE LUXO (PARA AS MENINAS)- Leitura enquanto viajo para Porto Alegre!


Boa noite gente linda!

Hoje o dia foi de compras, banco e unhas! Minhas roupas de inverno e botas ficaram no MT, como amanha cedo estou indo à Porto Alegre tive que fazer algumas comprinhas! Logo cedo fui ao Park Shopping.

Um cliente que estava marcado para 21:30, mas precisou adiar uma hora, todavia eu preciso do meu sono da beleza para acordar de madrugada linda e ir ao aeroporto com energia de sobra para curtir o meu lindo, loiro e querido cliente lá no gélido RS!

Quarta-feira retorno e quinta-feira passarei o dia em Campinas/SP com um novo cliente. Como ficarei afastada e sem poder dar-lhes relatos quase instantâneos deixo aqui, para as mulheres um tutorial do que significa ser uma acompanhante de luxo.

Li nuns comentários escrotos de cadastrados no GP Guia, que já foram excluídos pela competente moderação do site e que, sequer fizeram o "test drive" comigo, criticando o meu valor e afirmando que eu e meus CLIENTES DE BOM GOSTO E BOAS CONDIÇÕES FINANCEIRAS estaríamos inflacionando o "mercado de bucetas" na cidade (reparem no teor da misoginia e do machismo dos aborígines que escreveram isso). São ratos, digo, são homenzinhos, que das mulheres só desejam a b******, todavia, não é pra mulheres que pretendem uma clientela desclassificada como está que eu fiz este tutorial, ok!?

Se vocês pensam como os referidos androides boçais supra referidos não percam tempo lendo abaixo!

Bem, os mentecaptos criticados acima usam de um mote machista meninas, para fazer-lhes baratear o seu preço para que eles consigam pagar! Simples!

Enfim meninas, vamos crescer nesse negócio que É A NOSSA profissão gurias? Vamos sair do senso comum preconceituoso, machista e baixo nível que, pelo visto, se satisfaz com qualquer menor de idade que se prostitui em beira de estrada para poder se alimentar, afinal elas

tem uma buceta e está a venda, certo? Vamos elevar o nosso nível e selecionar nossos clientes?

Abaixo, o tutorial, espero lhes ser útil! (E é por essas e por outras que os tarados, punheteiros, senhores infiéis e desrespeitosos e, obviamente, os desabastados de plantão detestam a Simone. Desdenham, afinal não podem comprar ou sequer cativar a afeição genuína!

Tutorial sobre o que significa ser acompanhante de luxo (PARTE 1) by CLÁUDIA DE MARCHI.

Meninas, em que pese este tutorial escrito seja direcionado a vocês profissionais ou que pretendem se tornar uma, eventualmente falarei dos clientes e seus "perfis". Bem, vamos lá, sem dó, sem piedade e sem mimimi!

1- Por que você se intitula “acompanhante de luxo”? Por que você é bonita? Por que é magrinha, definida, tudo no “lugar”? Por que você é sarada e tá na “moda” ser “bombada”? Bem, a beleza é interessante, porém não torna ninguém especial. Me responda às seguintes perguntas:

a) Você sabe diferenciar um vinho merlot de um carmenere, cabernet ou malbec?

b) Quantos livros você leu no último ano? Que não sejam esses do Nicholas Sparks, autoajuda ou romance espirita? Ah, e nem sobre dieta! Quantos?

c) Quais os filmes que você costuma assistir? Você sabe quem é Almodóvar? Martin Scorsese e Quentin Tarantino? Sabe quais as diferenças básicas entre eles e suas “obras”?

d) Você entende sobre queijos? Ou só conhece a mussarela e o “prato”?

e) Qual foi a última vez que você leu sobre história do Brasil? História da humanidade, evolução das mulheres, revoluções e afins?

f) Quando você leu uma obra relativamente séria sobre relações interpessoais humanas? (Autoajuda não, pulem!).

Responderam?

Conseguiram responder sem pensar “ai que chato isso”, “ai isso não tem utilidade alguma”, “ai eu sei falar inglês, isso vale!”.

Não, não vale. E sim, isso pode parecer chato, mas você não será jamais uma acompanhante de luxo se, após o sexo ou ao longo de uma noite você não tiver assunto de qualidade para “oferecer” ao seu cliente.

Sim, isso faz parte do “pacote”, sabem por quê?

Porque é o que distinguirá vocês de outra jovem que resolva sair dos bancos acadêmicos para as camas alheias e resolver ganhar dinheiro em troca de sexo!

Cultura meninas é o diferencial!

“Ah, mas eu faço Administração”, “Eu faço Direito, estou me formando”, “eu estou na metade do curso de Odonto!”. Posso dizer algo, bem sinceramente? Eu fui advogada por 11 anos, passei no meu primeiro exame da OAB (nada além do que a obrigação de qualquer bacharel), sou pós-graduada e lecionei para mais de 1000 alunos cerca de 10 disciplinas: fazer uma faculdade não é nada além da obrigação de vocês num País em que o acesso ao ensino superior foi facilitado nos últimos anos. Queridas, vocês e eu, inclusive, não estamos em 1990 quando fazer faculdade era típico da “elite”! O País mudou, não se “achem” boas ou especiais, porque estudam!

Aliás, cursar uma faculdade não significa ser culto. A cultura é toda espécie de conhecimento que amealhamos e que vai além do, simplesmente, “técnico” que é o que as academias universitárias ensinam.

Cultura é conhecer cinema, boa música, bons filmes, bons autores, bons diretores, bons interpretes, bons artistas! Cultura não é o que a Rede Globo passa, cultura não é saber o superficial “ah, eu assisti Capitão América”. Cultura não é saber quantas séries de agachamento você deve fazer pra endurecer os glúteos ou qual a melhor dieta para o seu metabolismo.

Lamento querida, isso não é cultura e o seu “luxo” está deixando a desejar se você pensa que é, isso para não dizer que ele é inexistente.

“Eu sou bilíngue!”. Ótimo, essencial. Mas, você acha que vai atender quantos clientes internacionais por semana? Ou seja: saber falar outro idioma é um mero detalhe, o seu foco deve ser fidelizar clientes e, para tanto, terá que lhes encantar, não apenas pela bunda ou pelo peito grande.

É a realidade baby!

“Se ele não é fiel à esposa, não será a mim!”. Querida, o que faz um homem ser infiel ao casamento são razões diversas e extremamente diferentes das que lhe fará “gamar” em você.

Clientes de luxo, intelectual e financeiro, são seletivos, logo, se você for boa de cama, de papo, elegante poderá conquistar um cliente assíduo e divertir-se muito!

Respeite-o, porém! Pedir dinheiro e querer bancar a namorada é de péssimo nível. Receba o valor da sua hora pelo tempo que ficarem juntos. Somente isso. Presentes são da alçada voluntaria dele, não sua! Abuso é coisa de mulher desclassificada e tola.

Nunca confunda fidelização de cliente com namoro e nunca, jamais, transe de graça só, porque você “gosta” do cliente. Este é o maior erro e muito, mas muito baixo nível! Quer se apaixonar, casar e ter filhos? Mude de profissão, não romantize o seu trabalho. Seja séria e profissional.

“Ah, mas o meu marido me incentiva a transar por dinheiro”, fofa, senta aqui, vamos conversar: seu marido é um tarado, abusivo e mal intencionado que quer lhe explorar. Se ele fosse rico o bastante para lhe dar uma vida boa, jamais aceitaria isso.

E você está casada com um traste deste, por quê!? Valorize-se querida, ou nem entre neste universo de acompanhantes de luxo. Ou entre, no das de baixo nível, que acham que tem classe.

2- Sobre sexo de qualidade e sutileza.

E então, queridinhas, firmes para seguir a leitura!? E, mais uma pergunta: você trabalha como acompanhante por que gosta de sexo ou do dinheiro?

Resposta correta, desde que sincera: “DE AMBOS”.

A mulher que faz só porque gosta do sexo fica longe de uma acompanhante de luxo: sai com qualquer um e não sabe cobrar. Torna-se vulgar.

A que gosta só do dinheiro se torna entediante, fria e chata.

Você cronometra seus encontros no relógio!? Ruim, péssimo.

Você cobra que o cliente goze para “acabar” logo o encontro? Péssimo, também.

Nesta vida, você terá clientes ruins de cama e outros ótimos, aprenda a fazer uma “compensação psicológica” com serenidade: os bons fazem valer a pena os ruins e o dinheiro dos ruins faz valer a pena a sua “ruindade”! Simples, muito simples.

Atenda seu cliente com entrega, tome um bom e relaxante banho antes de atendê-lo e durante o banho comece a preparar-se psicologicamente para o que virá, comece a se excitar e a imaginar o que de bom ocorrerá.

Seja atenciosa, simpática e gentil e, após, despeça-se e receba sem “pressioná-lo” a pagá-la. Desde o momento do encontro, tente dispersá-lo da ideia de que ele está pagando. Isso relaxa o homem e faz ele se sentir à vontade e, consequentemente, lhe achar uma profissional “diferenciada”.

“Ah, mas e se ele não me pagar”. Chore e esbraveje sozinha, à ele diga apenas para nunca mais procura-la, porém nunca cobre antes. Ou cobre, mas saiba que tal ato coloca o “luxo” em ultimo lugar: é papel de putinha barata e desesperada.

Sexo bom é feito com vontade: chupar com prazer, deixar meter com prazer. Xilocaína? Gel lubrificante? Coisas de quem não gosta mesmo de uma boa transa, lamento. A mulher que gosta mesmo aceita beijo na boca, toques, tem carinho pelo cliente e se não tem tesão por ele, tem por ela mesma e demonstra isso à ele.

Como essa esfera é muito intima e com o intuito de não ofender ninguém, terminarei por aqui, mas saliento que lhes digo o que digo com base em quem cobra caro e atende clientes cavalheiríssimos: 9 em 10 deles fazem sexo oral em mim e me masturbam. Digo o que digo, porque bloqueio na hora pretenso cliente punheteiro que me pede fotos (elas estão na internet!).

Lutem para aumentarem o “nível” cultural e intelectual de vocês sempre, mas tenham em mente o seguinte: existem caras abonados e que não tem classe. Não são “de luxo”, são machistas, misóginos e não sabem tratar uma mulher, normalmente estes são os chatos do “mimimi foto”, “mimimi quero ver a tua b****”. Clientes realmente de classe não pedem isso e sequer requerem fotos de extrema exposição de vocês na internet.

Fotos ginecológicas são extremamente mal vistas e incitam ao desrespeito. Sinto informa-las. E isso dá aos misóginos o direito de achar que podem “arromba-las” sem sequer seduzi-las com afetuosidade antes do encontro. Abram o olho meninas e mudem de atitude antes de sofrerem, ok!?

3- Não transpareça nas roupas e nos atos o que você faz na cama.

Ninguém precisa saber que você gosta de sexo. Que você faz sexo por dinheiro. Se você quer ser uma acompanhante de luxo, fuja de vestes vulgares e de estereótipos.

“Ah, mas a bailarina tal se veste desta forma e faz sucesso, cobra bastante!”, querida, ela é bailarina, não acompanhante de luxo. A fama dela vem de outra fonte “primária” e ela é vulgar, motivo pelo qual usa roupas vulgares! A verdade é essa. Você acha que esta criatura tem cultura? Ah não né!? Me poupem!

Compreenda: o luxo não está no corpo, nos músculos, na capa da revista de quinta, está na classe, na altivez, na cultura, no papo, na forma de andar, de bem tratar, no que sai da sua boca, na sua competência como acompanhante. E não apenas na transa.

Eu, pessoalmente e em primeiro lugar, porque acho o look marombado excessivamente feio e artificial, fujo dele. Por quê? Qualquer roupa menos discreta que você coloque chamará excessiva atenção. Este é o meu gosto, o meu “lado lésbico” acha bonito o corpo da atriz Flávia Alessandra, por exemplo: magra, firme e definida. O resto pra mim é tenebroso.

Se você gosta, porém, tente usar saias longas, vestidos longos, calças “flare”, enfim, roupas mais discretas.

Muitas moças tem o “puta” escrito na cara, roupas, cabelos, tudo muito exagerado. Não façam isso: “puta” é algo que deve se cercear às quatro paredes, fora delas você deve pecar apenas pela discrição, pela elegância!

Quer ser uma acompanhante de luxo e não acha que tenha bom gosto? Consulte uma estilista, leia sobre moda em revistas de alto padrão e, por favor, fuja do senso comum das redes de televisão. Ou, fuja de querer ser acompanhante de luxo, porque vulgaridade e este ofício, desempenhando com competência e com um bom “futuro” não combinam.

Gente, seguinte, eu me direciono às meninas que querem crescer na profissão e que não veem isso como mero “passatempo”, ok!? Faço presumindo profissionalismo!

Este foi o início meninas!

Nos próximos tutoriais falarei de forma mais humorada com vocês e darei dicas interessantes.

Farei a distinção entre acompanhante e cortesã de luxo de putas e por aí a fora!

Leiam o blog, se divirtam e aprendam um pouco mais também!

Beijos de luz!

Cláudia de Marchi - Acompanhante Brasília - DF

Cláudia de Marchi



Domingo, 5 de junho de 2016

"... ENQUANTO OS CÃES LADRAM, A CARAVANA PASSA!" Ibraim Sued


...Os dias passam e a necessidade de ter que falar o óbvio, exigir o óbvio me espanta! Podem as pessoas darem sugestões não solicitadas para a sua vida, podem as pessoas ousarem barganhar o imbarganhável, podem, por fim, agir de forma desrespeitosa e burra, podem menosprezar o seu ofício, podem lhe comparar com qualquer profissional de parca competência, mas se você reagir, sobretudo se você for do gênero feminino, aí então você será a arrogante, a petulante a chata! E por quê? Porque ao contrário de muitas pessoas acovardadas e silentes, você exige o que é seu por direito humano, natural! Você não se cala frente ao menor indício de desrespeito e abuso afetivo, psicológico ou emocional, e isso incomoda. Ser ríspida, ser grossa, não tem nada a ver comigo, mas eu reajo quando tenho vontade e energia para fazê-lo, do contrário deixo o acéfalo continuar com seu pensar acéfalo. Um cliente me disse ontem que "até que sou muito paciente". Eu lhe respondi que não, eu só sou educada e preso pelo meu pescoço, porque se eu soltasse o verbo ia ter gente se enforcando e outros com um revólver atrás de mim. Mas, ainda assim e ao que vejo por aí, tem os “ex- apaixonadinhos” ou recalcados afins, cheios de fel na língua. Querido, meu lema de uns dias pra cá: abstrair e fingir demência!

Na imagem a tradução da minha "infinita" preocupação com a opinião alheia.

Cláudia de Marchi - Acompanhante Brasília - DF

À VOCÊS, OFEREÇO ESTÁ CANÇÃO!

Cláudia de Marchi



Quinta-feira, 2 de junho de 2016

TUTORIAL SOBRE SEXO ANAL: meninas, divirtam-se dando o cu!


Vamos falar de sexo anal...

Seguidamente minhas fãs mulheres ficam curiosas a respeito de como consigo gozar tanto no sexo anal. Tendo em vista que não tenho tempo e nem paciência pra responder a todas nas redes sociais, escrevo este texto. (A falta de paciência NÃO É com a pergunta, menos ainda com a fã, é pra escrever com detalhes no celular, via de regra!).

A questão do sexo anal é o querer. Não adianta fazer pra agradar, não adianta se “violentar” e fazer pra não “perder o marido” (o cúmulo do machismo feminino!). Se você estiver fazendo só pra agradar, acredite, ele saberá. Irá fazer, irá gozar, mas não com o mesmo tesão que teria se você quisesse e gostasse. Aliás querida: um homem bom mesmo não "pede" pra você "dar o cu" pra ele. UM HOMEM GOSTOSO NA CAMA TE DEIXA COM TAL TESÃO QUE VOCÊ VAI QUERER SER PENETRADA POR QUALQUER CAVIDADE! NUNCA ESQUEÇAM-SE DISSO. Se ele pede, mas não sabe lhe excitar: RECLAME E MANDE O CABRA VOLTAR DUAS CASAS E APRENDER A FODER!

(Parêntese: Por essas e por outras que, como cortesã eu gosto mesmo de beijos, de dedos, de toques e de pirar de tesão! Daí, darling, tudo pode, pode tudo! E sem gel. Lubrificante é algo que se minha saúde me permitir eu NUNCA USEI E NUNCA IREI USAR NESTA VIDA!).

Fato é que, depois, o prazer do homem será uma consequência do seu! Até o mais ogro dos homens, (a exceção dos necrófilos que antigamente transavam com cadáveres e hoje em dia estupram mulher em “PT alcoólico” ou chapada) sente prazer vivenciando o prazer feminino. O gozo, a entrega, a liberdade na cama.

E isso vale para acompanhantes, namoradas e esposas, todas. O cidadão que tenha mais de dois neurônios sabe quando a mulher está “ali” só pela grana, para “cumprir tabela” ou pra agradar. Eles sabem até quando você finge êxtase (gritinhos e etc.) só pra “encerrar os trabalhos” rápido. Cá entre nós: que ridículo fazer isso, mas, continuo...

Antes de prosseguir falando do bom e velho sexo anal, quero ressalvar que, neste texto, tenho como padrão homens educados e gentis, não mentecaptos que metem a força sem atentar para o prazer feminino. Daí a importância de acompanhantes, de luxo ou não, SELECIONAREM SEUS CLIENTES AO MÁXIMO possível para minorarem o risco de encontrar um mal educado egoísta no sexo.

Enfim, vamos lá: o prazer da mulher começa no cérebro e, via de consequência, na vontade de fazer e de se entregar. Partindo da vontade, não haverá retração de músculos, medo, receio e tudo o mais que faz com que a penetração anal doa.

Realmente o ânus não tem a elasticidade vaginal, mas quando você relaxa na primeira, segunda e terceira vez e tem prazer no sexo anal, certamente chegará um dia em que seu ânus se abrirá com prazer para receber QUALQUER TAMANHO DE PÊNIS. Se ocorre comigo, pode ocorrer com você!

Eu sempre dizia que até pra fazer sexo é preciso inteligência e cultura. E é! A mulher apegada a preconceitos e àquilo que lhe é dito uma vida inteira sobre sexo não extrai tanto prazer do sexo como poderia. Ela pode até gozar uma ou duas vezes, mas, de repente ela trava, afinal seu inconsciente pulula em “cruzes, vou parar já, isso é coisa de puta, eu não sou puta, eu não posso ser puta.”

Pois pode minha querida! Entre quatro paredes você pode se arregaçar inteira, o que você pode (mulheres podem o que quiserem!), mas não precisa é sair na rua “embalada a vácuo”, é fazer caras e bocas, colocar mega hair até a bunda e se achar a “gostosa” quando você só esta demonstrando exagero e deselegância. Seja puta na cama, não precisa mostrar que é para todos!

(Parêntese 2: Esta critica atine às meninas que “puteiam” mais na aparência e na atitude social do que na cama: vocês não carecem disso, não se desvalorizem socialmente exibindo seus corpos para um bando de homens famintos e machistas que terão prazer em denegrir a sua imagem! Não falo que vocês se vistam “para os homens”, mas se vocês se vestem para si mesmas, primem por ler editoriais de alta moda e abusem na elegância, é mais interessante.).

Enfim, para usufruir do sexo anal você precisa se entregar às sensações e não à eventual desconforto inicial. A MELHOR POSIÇÃO inicialmente é de lado e você vai, aos poucos, rebolando e colocando o pênis do parceiro lá dentro. Daí então, sugiro que, apenas após gozar uma vez, você pode ficar de costas e, quiçá de quatro. Controle a velocidade e se doer diga ao parceiro: “Aqui eu comando!”. O bom parceiro vai até se excitar com essa “firmeza”! Se ele não obedecer use as pernas, chute-o e tire o animal de dentro de você, pois, neste caso ele é um animal! Risos... Eu nunca tive nenhum tipo afim.

O segredo de um bom anal é o domínio da fêmea, a priori, e, apenas após, a atitude do homem. Simples! É necessário que você se divirta, que você mexa, que você se sinta sexy, que você goste das sensações e, para isso, repito: a mente tem que estar em consonância com o desejo! E vice e versa.

Use camisinha por questão de prevenção e de higiene. Tirar do ânus e colocar na frente pode ser extremamente arriscado para a saúde feminina, afinal, não preciso dizer que a área de lazer em questão é suja né!? Aliás, este é o medo da maioria das mulheres, fazer sujeirinha, “ui que vergonha”, “ui que nojo”!

Gente, sexo é sujo, tem cheiro forte (já ouviram falar se squirting? Falarei noutro momento!). Pode ocorrer de sujar a camisinha e o lençol, sobretudo se você relaxar demais, gozar e estiver com o intestino farto. De regra é bom estar “limpa”, mas não é uma obrigação nada. Se o seu parceiro não suporta ver fezes na camisinha, ele que não queira fazer anal! Diga-lhe isso!

Muitos homens não gostam de anal mulherada, tive um ex que não curtia e colocava camisinha nos dedos para penetrar meu ânus e me fazer gozar. Bem, era o que ele podia fazer, porque tinha “nojo” de colocar os dedos, de toda forma até assim eu gozava litros. Cada um na sua, mas com alguma coisa em comum, né!? O desejo de satisfação mutua no sexo, no caso.

Espero ter lhes ajudado, quaisquer duvidas, à disposição!

Beijos de luz!

Cláudia de Marchi - Acompanhante Brasília - DF

Cláudia de Marchi



Quarta-feira, 1 de junho de 2016

UMA MENSAGEM (COM IMAGEM) AOS QUE ME DESPREZAM, APEDREJAM E CRITICAM!


...Tudo nesta vida é uma questão de se importar ou de desconectar. E, com o que ou com quem uma pessoa que conquistou o equilíbrio psíquico e a autoconfiança a duras penas se importa? Com aqueles pelos quais nutre admiração e apreço! Aliás, como manter a sanidade num mundo recheado de incultos que acham que sabem tudo, numa sociedade machista e misógina cheia de mulheres destilando o ódio pelas outras, numa sociedade em que o recalque de não ter coragem para ser livre e feliz ecoa, num universo de pessoas desocupadas, maldosas e fofoqueiras falando de Cristo e segurando a Bíblia, mas ignorando o mandamento máximo de amar e respeitar ao próximo e de não fazer a ele o que não deseja para si, num universo de juízes da vida alheia que não sabem nada de empatia e onde as pessoas superestimam suas miseras, pobres, desarrazoadas e inúteis opiniões? Ignorando o mal, sorvendo o bem e o bom. Para mim não são boas apenas as pessoas que me admiram ou gostam de mim, ao contrário do que pensam os que querem que eu desça ao seu nível e entabule discussão tosca nas redes sociais (morrerão esperando, afogados no fel de seu amargor anímico!). Eu gosto de quem sabe respeitar e, hoje em dia, em era de anonimato virtual e internet, respeitar é ler algo e desprezar, mas viver e deixar viver, pensar e deixar pensar! Respeitar não é gostar da Cláudia e da Simone, de como agem, pensam ou vivem, respeitar é se calar, por ter consciência da sua insignificância no mundo de quem, sequer, quer saber da sua existência, ideias e pontos de vista, vez que não depende deles para comer, sorrir, viajar, sonhar e gozar! E não desejará jamais conhecê-los, sabem por quê? Porque só se interessa por quem admira, ama, gosta e respeita. Sobre a imagem: um cliente que se tornou um grande amigo. Um ser humano cuja história de vida deveria virar livro e inspirar a todos, sobretudo pela humildade em se reconhecer como aprendiz, mesmo que tenha tanto a ensinar! Ele, dentre algumas pessoas na minha vida, me importa, ao contrário destas pobres almas que me criticam na internet e que, não apenas têm as suas tragicômicas opiniões deletadas para a lixeira, mas são o próprio lixo do mundo. Um lixo que se dá o direito de achar que seus pontos de vista mesquinhos e tacanhos tem relevância no universo alheio. Lixo pobre, pobre lixo!

Cláudia de Marchi - Acompanhante Brasília - DF

Cláudia de Marchi



Quarta-feira, 1 de junho de 2016

VALORES!


Sobre valores e prazeres...

• R$ 650,00 POR HORA: beijos, muitos beijos, anal à vontade e convencional com camisinha, oral sem preservativo (goza na boca: amo engolir!), beijo grego eu faço, inserção de dedos e objetos no ânus do parceiro não.

• OBSERVAÇÃO: A ACOMPANHANTE NÃO ATENDE CLIENTES QUE NÃO BEIJAM NA BOCA.

• OBSERVAÇÃO 2: Pode gozar na minha boca sempre e sem pedir, eu adoro engolir a porra toda, todinha e quente. Todavia, isso não poderá ocorrer se eu contar que estou com alguma “feridinha” ou até com uma mísera afta na mucosa da minha boca (herpes labial nunca tive), pois o teu sêmen nela pode me expor ao HIV. Saúde acima de tudo! Isso nunca ocorreu, pois minha saúde bucal e de toda a região envolvida no oral são saudabilíssimas, porém não custa avisar!). Costumo ir fazer consulta e exames ginecológicos no máximo a cada 4 (quatro) meses.

• R$ 3.500,00 a diária para viagens com mais de 2 dias e R$ 5.000,00 para locomover-se apenas para passar um dia fora de de Brasília/DF.

• R$ 4.000,00 o pernoite (média das 21h00min às 08h00min).

OBS: a acompanhante não recebe cliente para pernoite em seu apartamento. Pernoites apenas em HOTÉIS de qualidade no plano piloto de Brasília/DF.

OBS.2: Despesas de locomoção e hospedagem em caso de viagens ficam a cargo do cliente.

· 24 horas na companhia da acompanhante sem que seja em viagens custa R$ 6.000,00.

OBS.: Nos encontros longos quanto mais sexo melhor, incluindo anal e gozadas na boca! E, repito: engulo tudo, com prazer!

OBS.: Não atendo casais, não atendo com outra mulher, não vou a casas de swing, não faço ménage e nem “festinhas” de nenhuma espécie.

Não gostaste dos valores pecuniários aqui relatados queridinho? Adapte-se à tua situação econômica e procure alguém que tu possas pagar sem barganhar e, consequentemente, faltar com o respeito para com o profissionalismo alheio.

No universo do sexo pago da Cláudia, não existe tolerância à pechincha ou a macho falocentrico e machista.

Beijos de luz!

Apenas contatos objetivos, educados e elegantes são aceitos:

Fone:

61 99996 4081 (WhatsApp).

SQN 211- ASA NORTE- Brasília - DF

Cláudia de Marchi



Terça-feira, 31 de maio de 2016

SOBRE OS COMENTÁRIOS EM POSTAGENS AQUI DO BLOG: RECADINHO!


Pessoal entra aqui, faz comentário esdrúxulo, cheio de raiva, de fel, de ódio e sentimentos miseráveis e ainda reclama que a moderação não lhes disponibiliza: qual o problema de vocês? Queridinho, senta aqui, vamos conversar: ESTÁ É UMA PÁGINA QUE DEVE SER LIDA por quem gosta de sexo, por quem simpatiza com a dona, por quem não vem com papinho mimimi broxante criticando um mísero erro de português ou coisas imbecis afins. Gente, eu passo os olhos e deleto, nem termino de ler comentário azedo, não! Quer que eu publique, responda e entabule uma discussão com um "não sei quem e nem me interessa" que se esconde no anonimato para destilar ódio e recalque? Me poupe né!? Adquira um cérebro, decência e estima por si mesmo que é melhor. Afinal, quem vocês pensam que são na “ordem do dia”? Na ordem da minha boa, bem resolvida e deliciosa vida? Acham que vão me magoar, me ofender, me fazer mudar de ideia e me tornar uma hipócrita infeliz e desocupada como você? Que perde seu tempo lendo o que “despreza” e criticando?! Cara, você não sabe nem o que fazer da vida e é tão antinômico e sem noção do ridículo que entra em página de quem odeia ou sobre o que odeia para criticar. Faz-me rir, e só! Me poupe, se poupe e nos poupe da sua idiotia, vai rezar o terço, se ajoelhar no milho e etc.! Toma vergonha na cara ou vai tocar punheta, será mais útil! Obrigada, povo horrendo!

Cláudia de Marchi



Segunda-feira, 30 de maio de 2016

EUZINHA NA GLOBO.COM (G1).


ACESSEM A ENTREVISTA QUE DEI AO G1! Clique aqui.

Cláudia de Marchi



Domingo, 29 de maio de 2016

LINK DE ENTREVISTA DADA AO SITE MIDIANEWS.


Abaixo, link da entrevista dada por mim esta semana ao site Midianews: Clique aqui.

Cláudia de Marchi - Acompanhante Brasília - DF

Cláudia de Marchi



Domingo, 29 de maio de 2016

CRÔNICA SOBRE A CHATICE DO EXCESSO DE VAIDADE FEMININA...


Fui ao restaurante mineiro do bairro. Peguei um recipiente de saladas, outro de torresmo e fui à churrasqueira, ao meu lado, uma jovem que me pareceu grávida aguardava algo. Perguntei ao churrasqueiro: "Qual a carne macia mais gorda que você tem?", o moço falou, "que legal, uma mulher comendo gordura!", nem respondi ao jovem e a moça me perguntou: "Você está fazendo a dieta cetog...?", "Ceto... O quê?", perguntei. "Cetogênica, baseada em gorduras e sem carboidratos para emagrecer e ficar com músculos!", respondeu.

Fiquei estarrecida! Que mundo estamos não é!? Você não pode comer de forma "diferente" que tem que ser, por outros, "adequado" ao universo das dietas e da paranoia pela magreza e músculos saltados! Pois, lhes digo uma coisa: eu PREFIRO não ter uma barriga negativa ou tanquinho e ter orgasmos à mesa, eu prefiro ler à acordar cedo e erguer peso, eu prefiro manter o tônus muscular me "divertindo", já que a saradice das "malhadas" não me atrai!

As pessoas estão tão iguais! Gostos iguais, papos iguais! Onde há mulheres a conversa é: maromba, cirurgia plástica, tratamento estético, silicone, dieta, mulher do Belo, não sei mais quem! Gente parem que tá feio: vocês estão chatas! Chatíssimas! Sem contar aquelas: "Se eu não me cuidar, meu namorado que malha vai me deixar".

Arre! Se eu lhes contar que a "atitude" e o "cuidado" que os homens gostam vai muito além desta futilidade toda pró-estética de vocês, cês acreditam? Se eu lhe dizer que virar uma obcecada pelo corpo pra manter macho lhe faz uma ridícula insegura, você vai se ofender? Então tá, desculpa!

Nem toda mulher vive de dieta. Nem toda mulher adora conversar sobre academia e alimentação saudável. Nem toda mulher coloca botox na boca ou silicone no corpo. Nem toda mulher faz de tudo pra agradar ao marido. Nem toda mulher quer um marido! Nem toda mulher quer procriar. Nem toda mulher acha bonito músculos a mostra. Nem toda mulher quer ser saradona! Nem toda mulher precisa se mimimi um ombro amigo, mimimi um amor na vida.

Nem toda mulher quer perder 5 kg. Nem toda mulher gosta de novela. Nem toda mulher come quinoa. Nem toda mulher se sacrifica pela estética ou se torna fútil. Nem toda mulher bebe pouco e come menos ainda. Nem toda mulher tem pudor no sexo. Nem toda mulher se limita pela criação machista e pela mídia que coisifica nossos corpos e nos exige adaptação a padrões. Vigorando o da chatice! Mais: nem toda mulher gosta de "papo de mulher"!

Cláudia de Marchi



Sábado, 28 de maio de 2016

Cortesã feminista, sim senhor! (Sobre machismo, misoginia, cultura do estupro e um idiota chamado Diógenes).


Seguidamente e hoje mais do que nunca, sou alvo de críticas por parte de homens. Com minha profissão atual, principalmente homens aculturados e residentes nas cidades interioranas em que morei, se atrevem a dizer, frente AOS POSTS EM QUE CRITICO A FALTA DE EDUCAÇÃO E DE RESPEITO DIRECIONADAS A MIM, que eu sou grossa, que eu "me acho" (eu sou meu bem, não preciso "me achar", até porque não "me perdi"!) e bobagens misóginas afins.

Como cortesã eu EXIJO, EXIJO HOMENS FINOS, CULTOS, ELEGANTES E EDUCADOS! "Ah, mas como se você foi casada com fulano e já namorou sicrano?", porque conforme o tempo empregado no verbo, isso É PASSADO! Eu era uma jovem mulher romântica, sexualmente reprimida e machista.

Uma idiota mal comida que adorava chamar as outras de "puta", de "interesseiras" e etc., enquanto eu mesma estava ao lado de homens cujo o melhor que tinham era o carro, a renda ou a casa, mas eu era tola o suficiente para estar com eles só por paixão (uma coitada mesmo!).

Enfim, eu escrevi isso tudo pra dizer, que eu SOU FELIZ COMO NUNCA FUI, porque tenho ao meu lado, frequentemente, homens educados, gentis, nenhum pouco machistas, homens que me fazem carinhos que muitos maridos não fazem às suas "amadas" esposas e tenho respeito e consideração que muitas namoradas não têm dos seus "mozões". Ao menos pelas horas em que estamos juntos eventual ou semanalmente.

Por que eu falei tudo isso? Pra dizer-lhes que Diógenes deve ter esposa, namorada ou ficante. Diógenes é este machista asqueroso como muitos caras com quem namorei! Hoje eu não daria 10 minutos do meu tempo a um tipo deste, nem por bilhões! Porque sou cortesã feminista sim senhor, porque tento desconstruir o machismo como posso, porque eu luto pelas mulheres da minha maneira, porque dispenso homem otário e porque os Diógenes do mundo existem porque existe mulher reprimida sexualmente ou sem estima por si mesma que paga pau pra esse tipo de mané, sim! (Eu já fui uma, meus ex em sua maioria não pensavam muito diferente deste aborígine aí!).

E existem várias miseráveis assim, das quais tenho pena, assim como tenho pena de você que aceita a companhia de homem machista e misógino para não ficar sozinha e, assim, porque no fundo nem você se ama, você alimenta o que de mais negativo há no mundo. A cultura do estupro, inclusive! Porque ela nada mais é do que a "aculturação" que coloca a culpa de tudo nas mulheres, a "aculturação" que gera o ódio ao invés da empatia entre as mulheres, a "aculturação" que faz mulheres debocharem de outras mulheres para mostrarem aos trastes que chamam de "amor" quão "decentes" e superiores elas são, a "aculturação" que, inclusive apoia a "castração química" pra estuprador!

Estupro, baby, é sobre poder, sobre menosprezo a mulher, sobre machismo, sobre ódio, sobre ego, não é sobre libido avantajada, não! Estupro é sobre cultura misógina. O remédio é o feminismo, é a intolerância a opiniões machistas e misóginas, é educação, não é castração química! É castração do machismo da mente dos homens e isso começa em casa, quando, ao invés de ensinar o filho a "pegar todas" (como se mulher fosse gripe!) e a filha a se "guardar", você ensinar que sexo não define masculinidade e virgindade não define moralidade, quando, ao invés de dizer pra menina se "vestir discretamente para não excitar os meninos", você ensinar o seu menininho a respeitar as meninas ainda quando nuas e deitadas de pernas abertas na rua, porque o "não é não" e se aproveitar de quem está desacordada é imoral e criminoso!

E este será um bom começo, porque não tem essa de que "homem pensa com o pênis", nenê, o que tem é mãe e pai machista convencendo o filho portador de falo que é pelo número ou pelas vezes que ele faz sexo que ele será "macho de verdade". E não é! É pela forma respeitosa, cavalheira, educada e gentil com que trata uma mulher, seja ela uma idosa, uma freira, uma estudante, uma garçonete com decote grande, uma coleguinha com traseiro avantajado e jeans justo, uma stripper, uma cortesã de luxo ou uma prostituta de beira de estrada!

Homem não pensa com o pênis não, ele só é ensinado a ostentar poder e sexualidade ainda que acabe não respeitando a mulher que chama de "amor", porque o seu ego frágil e tolo lhe faz achar que precisa enfiar o pau na "gata" do trabalho ou na moça da cantina e depois contar para os amigos, igualmente otários, pra ser "macho de verdade", quando, na verdade, é só mais um babaca broxante no mundo! ("Ah, mas mimimi eu sou exceção à regra!". Bom pra ti, o dia que eu escrever um tratado sobre sexualidade e machismo eu abordo as exceções, no momento só tenho tempo pra falar das regras!).

Cláudia de Marchi - Acompanhante Brasília - DF

Cláudia de Marchi



Quinta-feira, 26 de maio de 2016

...SOBRE QUEM EU SOU. SEM DÓ, NEM PIEDADE, MAS COM AFETUOSIDADE.


Cláudia de Marchi - Acompanhante Brasília - DF

Eu não sou arrogante, orgulhosa e estúpida. Eu não sou ignorante, amarga e mal educada. Eu não sou grossa, desrespeitosa e petulante. Eu não sou tosca e cheia de mim. Agora, se você for, arrogante, orgulhoso e estúpido comigo, se prepara, porque eu lhe mostrarei como eu posso ser tudo isso e, mais, como eu posso ser cruel e impiedosa! Se você for ignorante, amargo, mal educado, tosco e cheio de si frente a mim, se prepare que lhe mostrarei como eu consigo ser tudo isso e, igualmente ou mais, desrespeitosa!

Se você for grosso, sem respeito e petulante, espere minha grosseria, desrespeito e petulância em dobro! Sou, um doce de pessoa, sou toda carinho, afeto e respeito. Sorrio para todos, trato todo mundo com respeito e educação exímia, mas, como diria meu "conterrâneo" Teixeirinha, se "alguém me pisar no pala o meu revólver fala e o bochincho está feito". Revólver da grosseria leia-se bem.

Ou seja, meu querido, se você me jogar uma pedra, eu lhe jogarei um enorme buquê de rosas. Com o vaso junto, obviamente. Eu nunca ajo mal com as pessoas, todavia, falou errado ou agiu mal comigo, sei dar uma aula de maldade e estupidez. Enfim, eu não aturo nada com passividade, só o prazer, que, diga-se de passagem, sei dar com muito talento!

Cláudia de Marchi



Quarta-feira, 25 de maio de 2016

Sobre a tradicional confusão entre a cortesã Simone/Cláudia e qualquer "puta".


Tem dias que eu vejo como o ser humano pode ser desrespeitoso e tolo.

Eu sou cortesã e como tal só cortejo quem eu desejo, quem me parece culto, interessante e educado e quando é bom para a pessoa e para mim (horários, me refiro).

Recebi uma ligação quando eu estava dormindo agora pela manha , atendi, pois nem vi que horas eram. Pois bem, eram 07h16min. da manha. Não fosse só o horário, o cliente me disse que teria uma reunião às 08 horas próximo a minha casa e queria ser atendido ANTES.

Disse-lhe que não poderia atendê-lo, vez que nem havia levantado e o tempo seria muito curto. Ele insistiu dizendo que “seria rápido, porque ele estava com muita vontade”, disse-lhe educadamente e de novo, que não atenderia, pois EU PRIORIZO A QUALIDADE. QUALIDADE, NÃO LUCRO!

Parece que as pessoas realmente não compreendem a diferença entre o que eu faço e entre o que uma “puta” comum faz, isso sem tirar o meu mérito de ser puta na cama (sou, sim senhor! Muito, demais!), mas falo de atitude. Eu não abro as pernas pelo dinheiro e “será rápido” não é e nem nunca será um atrativo pra mim. Pelo contrário!

Eu quero gozar, meu bem! Eu não quero só dar prazer. O prazer de um homem, ao menos de um homem com H maiúsculo, depende do prazer da mulher. Se você pensa de forma diferente, porque não buscar outra mulher? Dessas “meninas” que, não por falta de humildade, mas por reconhecimento de notórias diferenças culturais e na forma de pensar, agir, sentir e até de vestir eu não gosto de ser comparada? Muitas igualmente bonitas e que cobram menos que eu?

Saber distinguir a postura de uma mulher da outra é essencial, saber o que significa “cortesã”, “luxo”, “culta”, “não faz pelo dinheiro”, também é essencial!

Posso soar arrogante, mas eu não sou. Meus clientes cativos sabem muito, muito bem disso. A questão é que eu não sou hipócrita e não meço minhas palavras para escrever, tipo: “Ai, se eu colocar as ideias assim, parecerei estupida ou orgulhosa, vou mudar...”. Não me importa como “parecerei”, me importa quem sou e como sou, para tanto, só me conhecendo e se desvencilhando das amarras da hipocrisia e do apego às aparências que uma tela de computador gera, para saber.

Ontem um rapaz que trabalha onde moro e que consertou o teclado do meu computador novamente, me chamou no Whats para dizer que um amigo dele estava interessado em mim. Na hora, eu estava indo com meu cliente novo comer crostinis, inclusive mostrei para ele!

Ao chegar, vi ele na portaria e disse que logo lhe respondia. Respondi o que faço e passei o link da noticia. Ainda assim, ele ousou pedir se eu não faria um “preço especial” para o cidadão, amiguinho dele. Disse que jamais, afinal, gosto de fidelizar clientes e clientes que precisam de desconto não irão, por falta de possibilidade financeira, fidelizar (fidelizar=um encontro por semana, no mínimo!).

Bem, hoje pela manha ele, o moço que cuida do condomínio à noite, me chama e diz algo assim “olha, não me chama no whats fora do condomínio, pois sou noivo e daí da briga”.

Então, eu, pasma, pensei e escrevi, no ato: “Mas, meu filho, eu nunca te chamei na vida! Até para o conserto do notebook falei pessoalmente, apenas para oferecer um teclado e mouse para a empresa em que trabalha (de informática) eu chamei no whats! Depois, só prestei-me, por pura educação, a responder sobre o amigo, extremamente humilde, que estava interessado em mim”.

Ou seja, falta amor no mundo, mas falta INTERPRETAÇÃO DE TEXTO E RESPEITO! Eu não chamo nem meus clientes cativos no whats! Aliás, nunca fui mulher de atrás de homem, não irei agora, atrás de clientes e, menos ainda, do técnico em informática do condomínio!

Logo, qual foi o malfadado raciocínio implícito na mente dos ignorantes? “Ela é acompanhante, ela é puta, pode dar em cima de mim, minha mulher me mata!” Gente, quanta bestialidade! Quanto preconceito e, obviamente, falta de distinção e finesse. Eu, como escort, me visto como sempre me vesti. Ninguém que me veja, absolutamente ninguém (tanto que nem o tolo referido desconfiava), pode dizer que eu sou cortesã.

Até fisicamente eu fujo léguas dessa paranoia, ao meu ver, de baixíssimo e péssimo gosto, de super coxa, super bunda e super peitos. Aliás, acho tenebroso o modismo e vejo que o corpo feminino fica “curto” parecendo tocos de árvores de tão “concisos”.

Sempre achei vulgar e agora, mais do que nunca, posto que, em hipótese alguma eu quero ou preciso demonstrar pelas vestes, corpo, cabelos, maquiagem e atos o que faço na cama e como prazerosamente me sustento. Por prazer, meu bem, por prazer! Se você não entende isso, o problema é seu. Só seu!

Beijos de luz!

Cláudia de Marchi



Segunda-feira, 23 de maio de 2016

PROMOÇÃO DO DIA "BY JUCÁ": FUNÇÃO SOCIAL DO SEXO, AQUI TEM!


Bom dia gente!

Tinha um cliente pra atender cedo, mas ele desmarcou "mais cedo" ainda, um lord, sem sombras de dúvida.

Fui ao shopping almoçar e comprar uns sapatinhos, depois buscar umas encomendas na rodoviária.

HOJE, GRAÇAS AO JUCÁ ESTOU FAZENDO PROMOÇÃO PARA TODOS OS MASSA DE MANOBRA QUE FORAM PRÓ-GOLPE: R$ 400,00 A HORA (Completa, para lhes agradar e animar o seu dia!).

Para os meninos antenados inflacionei para R$600,00 (HOJE, APENAS), AFINAL É MUITA ALEGRIA NUM DIA SÓ, NÉ?!

Chamo isso de "função social do sexo", sou constitucionalista né gente?!

Um beijo no coração de vocês! (P.S.:Obrigada Jucá! Não preciso mais explicar nas redes sociais e para conhecidos porque o impeachment se tratava de um golpe! Não preciso mais falar de leis, de ausência de legitimidade dos congressistas e etc..Que alívio! O senhor facilitou a minha vida! Agradeço-lhe de coração!

Abaixo uma foto para instigar os pró-golpe massa de manobra a aproveitarem a promoção do dia!

Cláudia de Marchi - Acompanhante Brasília - DF

Cláudia de Marchi



Domingo, 22 de maio de 2016

Sobre sexo e minha visão política na capital nacional!


Cláudia de Marchi - Acompanhante Brasília - DF

Ontem cheguei num tradicional e belo hotel atender a um cliente que, eu já havia percebido, é extremamente inteligente, culto e rico. Elite mesmo, desses que estão no 1% da população. Chegando lá, ele que assistia à Globonews (Pah!!!), diminuiu o volume e sentamos num sofá para dialogarmos.

Ele havia lido uma reportagem, matéria jornalística ou algo assim sobre mim. Começamos a conversar e, não sei porque cargas d'Água, enveredamos para o assunto da política, ao ver minha nauseada cara frente à algumas afirmativas convictas de sua parte ele disse o que muitos pensam: "Você é petista né?!".

Antes que eu respondesse ele me disse que elegeu Dilma e Lula duas vezes, que sempre foi esquerda "mas que"... O papo seguiu, mas logo findou. Não consegui elucidar-lhe sobre o meu posicionamento partidário (apartidário, no caso), vez que ele se inspirou e logo eu soltei um: "Você quer conversar ou dar discurso sobre política?" (Sim, eu falei!).

Mudamos de assunto, portanto. Fato é que eu não pude dizer a ele que não sou petista. Só votei no Luis Inácio, porém nunca na presidente eleita e, agora, afastada. A administração dela me frustrou sempre, todavia, não ser petista não me faz PMDBISTA. Não ser petista não me faz elitista. Não ser petista não me faz rica, milionária ou elite. Não ser petista, também não me faz parcial. Eu não sou parcial! Eu odeio corruptos. E conheço minimamente a Constituição e as leis. Sou pró-democracia. Sou pró-imparcialidade midiática e judiciária, e não vejo isto neste País.

Roberto Marinho virou doutrinador político e econômico, Moro luta apenas contra quem não se afina com ele. É um parcial fiasquento (se você não estudou Direito por 16 anos, como eu, se você não sabe nada sobre processo, continue silente).

Sou contra a implicância com programas baseados na CF/88 e na redução de desigualdades sociais. Sou contra bater panela em face de benefícios dados às minorias e pobres. Sou contra fazer vista grossa face à roubalheira de alguns e perseguir outros. Sou contra tirar do poder uma mulher que não é corrupta (se Lula é investiguem e prendam-o!), apesar da falta de carisma. Sou contra o golpismo.

Sou contra manter um vice presidente desonesto e à mando de um gângster ladrão (e gênio, não nego! Todo psicopata é inteligente!) como presidente interino. Sou contra chamar de ídolo um juiz que advoga para quem é dos "seus".

Sim, frente à uma direita elitista e fascista sou de esquerda, mas não, eu não sou partidária! O problema não é a minha visão crítica, meu amigo. O problema é a sua visão tacanha que diz que pessoas contra o impeachment são petistas. Você que radicaliza por ignorância e bestialidade.

O problema é você, pobre pró-direita que não compreende a diferença entre imparcialidade e senso crítico de partidarismo (petismo). Não me estigmatize com base na sua limitação intelectiva. Não tenho culpa se você divide o mundo em "petralhas" e "coxinhas". Não tenho partido, eu só estudei e li demais na vida para anuir com certas coisas. Simples assim.

Pra mim, pra você não me interessa! Pense como quiser, mas não coloque palavras na minha boca ou sigla partidária onde só existe razoabilidade e lógica. (Essa indireta não é para o meu excelente cliente que argumenta de forma plausível e em favor de seus interesses. Essa direta (não indireta) é pra você que acha que ter um restaurante, uma lotérica, uma loja de produtos agrícolas ou algo assemelhado lhe torna elite!).

Cláudia de Marchi



Sexta-feira, 20 de maio de 2016

Entrevista ao RD NEWS.


Bom dia pessoal! Ontem após o seriado assisti pela vigésima vez ao nacional Zuzu Angel. Eu comentei aqui no blog sobre ela. Ter estudado História, fazer especialização em Direito Constitucional no melhor local e com os melhores professores da área em Porto Alegre me fez extremamente pró-democracia e anti-fascismo, algo que vem imperando nesta sociedade ignorante e presunçosa. Enfim, venho agora, apenas deixar-lhes um link de uma entrevista que dei ao RD NEWS site do MT. Clique aqui.

Cláudia de Marchi



Terça-feira, 17 de maio de 2016

SOBRE HOMEM CARENTE, AMOR PRÓPRIO (GENTE CHATA NO WHATSAPP DE MANHA), FOTOS DE NU E "PAPINHO" NAS REDES SOCIAIS: NÃO, OBRIGADA!


Bom dia gente!!!

Então, tive uma tarde tranquila ontem. Tinha um cliente que foi viajar. Agora às 13 horas tenho um cliente para atender. Médico do Mato Grosso, realmente a divulgação para aquelas bancas foi ótima pra mim!

Acordei e me deparo com umas mensagens toscas de um cara carente que acha que todo mundo tem que viver como ele pra ser feliz. Nossa! Falta cultura no mundo, falta interpretação de texto, falta amor e respeito entre as pessoas, mas, o que mais falta é empatia e a capacidade humana de compreender que o seu modo de ser, pensar, sentir é só o seu. Ninguém tem a obrigação de ser como você! Abaixo:

Cláudia de Marchi - Acompanhante Brasília - DF

Cláudia de Marchi - Acompanhante Brasília - DF

Cláudia de Marchi - Acompanhante Brasília - DF

Eu sou extremamente racional, independente em todas as formas. O único amor necessário na vida de um ser humano para que ele seja psiquicamente saudável é o de mãe. A única obrigação da vida seria tornar nossas mães eternas!

Ninguém meu amigo, nem mesmo está pobre criatura infeliz, solitária e carente precisa do amor de outro pra ser feliz. Ele não sabe, porque é imaturo e, provavelmente, inseguro demais para amar-se, mas, quem sabe um dia aprenda o que é dever de todos aprenderem: a gente só precisa se amar e amar o mundo e a vida para sermos realmente felizes!

Eu não preciso amar um homem como “meu amor” para compreendê-lo. Para tanto eu preciso de empatia, e empatia falta nessas pobres almas carentes. Eu amo a todos com base no respeito e na compaixão, mas não preciso de uma relação amorosa. Pelo contrário, sou feliz, muito, mas muito mais feliz sem nenhuma relação amorosa. Esta sou eu! Você não precisa ser como eu, você só precisa compreender que eu também não tenho que ser e pensar como você e que, apesar disso eu sou feliz.

Mas, você é feliz? Você que precisa da atenção e do prezar de outro para ser inteiro, é feliz? Bem, se esse cara aí fosse realizado e feliz com a sua vida ele não ficaria de “mimimi” querendo pregar a “lei da obrigação de ter alguém para chamar de seu” no WhatsApp numa linda manha de terça-feira!

Amem-se! Amem-se homens, amem-se mulheres e vocês descobrirão que ter uma companhia é apenas uma necessidade inventada. Apenas isso!

SOBRE FOTOS DE NU E "PAPINHOS" EM REDES SOCIAIS:

Cláudia de Marchi - Acompanhante Brasília - DF

Gente, seguinte: não me mandem fotos. Vídeos ou nada afim. Ou melhor: NEM ME CHAMEM NO WHATSAPP SE FOR PRA FICAR DE CONVERSINHA. Eu não gosto, não quero, não tenho tempo!

Tenho livros pra ler, aulas pra assistir, textos pra escrever, filmes e séries pra assistir, músicas para ouvir, comida pra comer, bebida pra fazer, pipi e cocô pra fazer também! Não quero e não preciso ficar de "mimimi" papinho de amigo, certo?! NÃO QUERO. Assim como NÃO QUERO E NEM GOSTO DE FOTOS DE HOMEM PELADO. Se fizerem isso irei bloqueá-los. Obrigada e se manquem!

Cláudia de Marchi



Segunda-feira, 16 de maio de 2016

Como eu virei cortesã...Obrigada mamãe!


Seguidamente me perguntam como a Simone surgiu, se minha mãe sabe e coisas afins. Perguntas interessantes, não nego. Em homenagem a quem tem tais curiosidades, resolvi escrever este textinho só para sacia-las!

Óbvio que uma mulher letrada, advogada há 11 anos, pós-graduada, feminista e ex-professora de, ao todo, mais de 10 matérias do curso de Direito resolver virar cortesã gera curiosidade, né!? Bem, começo lhes contando que a Simone Steffani (não se pronuncia “Stéfani” viu?! É um sobrenome não um segundo nome. Se pronuncia “Stêfaní!) é a Cláudia de Marchi balzaquiana. Bem resolvida, desromantizada, racional, intensa (sempre e na cama inclusive!), objetiva, madura, cheia de segurança, autoconfiança e amor próprio.

A Simone é a Cláudia que a vida construiu. Quem me conheceu (Cláudia) durante a faculdade, super machistinha, romântica e meio insegura, não me conhece. Quem conheceu a Cláudia casada e que residiu no interior vivendo uma relação abusiva e adoentada, também não conhece esse mulherão, modéstia a parte, que eu construí através de algumas frustrações, muitas leituras, informação, resiliência, constante bom humor e muita garra.

E quem me acompanhou durante todas as minhas, ainda que tortuosas, mas intensas e bem vividas experiências profissionais e afetivas? A MINHA MÃE, afinal sou sua única filha e melhor amiga. Ela é a minha melhor amiga e meu arrimo psíquico.

Em meados de 2015, quando eu lecionava umas 8 matérias, trabalhava manha, tarde e noite e estava solteira vez que terminei com um namorado que residia em Alta Floresta/MT, mas era brasiliense e tinha dois filhos, minha mãe assistiu a um programa que entrevistava algumas acompanhantes de luxo do RS. RJ e SP. Ela ficou encantada com o que as mulheres contaram. Eram mulheres, bem sucedidas, mais de 30 anos e, segundo ela, nenhuma com meu rosto, corpo, menos ainda cultura.

Eu nem dei atenção para a história que ela repetia varias vezes. Toda vez que eu via uma bolsa linda que eu não conseguia comprar ela tornava à falar das tais mulheres. Ano passou, em setembro namorei com um sorrisense super materialista e ostentação. Durou um mês o namoro, o ápice do fim foi quando recebi cheques de um cliente e precisava trocar e ele, tão cheio de si por se achar milionário, indicou um amigo agiota. Qualquer homem que realmente ama e valoriza a namorada decente e trabalhadora, tendo condições, trocaria o cheque cobrando um juro menor, mas ajudaria. Afinal, eu estava pedindo ajuda para alunas no Fórum com um dos inúmeros processos dele na comarca. Enfim, era uma relação séria, familiares conhecidos e envolvidos! Aliás, o que de melhor ele tinha, além da conta bancária era a família.

Terminei o namoro e conclui: pra que colocar coração se, às vezes, nem pra nos fazer gozar e amar não egoisticamente o cara serve? E minha mãe ciente disso, obviamente.

Estava bem feliz com meu salário miserável de professora, algumas ações judiciais, muitos incômodos, pouca renda, mas, eu sempre fui uma pessoa contente. Animava-me o blog, meu trabalho, ensinar aos meus alunos, meus estudos, leituras e, assim, ia levando a vida.

Em fevereiro, porém, no inicio do semestre letivo 2016/1, fui demitida sem justa causa. Vejam bem: inicio letivo! Nenhuma das universidades da região onde eu morava estava contratando professores. Nenhuma! E as minhas contas, financiamento da casa, luz, internet e etc., correndo lindamente.

Entrei num quadro de tristeza profunda e muita, muita revolta. Então, em meados de fevereiro, quando sequer o FGTS eu tinha recebido, acordei de manha cedo (havia dormido umas duas horas) e fui até a edícula onde minha mãe tomava chimarrão, olhei pro rostinho fofo e macio da minha fumante favorita e falei: “Mãe, a vida me deu duas possibilidades: ou eu entro em depressão e morro ou eu mudo radicalmente. Nenhum ex me ‘demitiu’, nunca tomei um fora e gosto de sexo. O que a senhora diria se eu virasse acompanhante?”. Ela olhou pra mim e disse uma frase que nunca vou esquecer: “EU DIRIA QUE ESTÁ É A DECISÃO MAIS SENSATA DA TUA VIDA! Finalmente! Tu nunca simpatizaste com cargo público, concurso, enfim. Tu não tens paciência pra casar, não quer ter filhos, não tem saco pra comodismo de homem, é tarada que eu sei. Vai usar a tua beleza pra isso! Se eu tivesse a tua idade e beleza já tinha desistido dessa vidinha de recatada direitinha há tempos!”.

E, foi assim que eu procurei sites, me informei, fiz o blog, postei umas fotos e aguardei sacar meu FGTS e vir pra Brasília. Minha cidade preferida no Brasil, um local elegante, um ambiente que me faz bem!

Aqui, aportei dia 07/04 e tive meu primeiro encontro sexual dia 11/04. Daí em diante, creiam vocês ou não, gozei o que nunca tinha gozado, fui tratada com um esmero respeitoso que nenhum namorado me tratou, conheci homens interessantes e inteligentes que nunca conheceria se a Simone não tivesse surgido. E tenho deles o melhor: atenção e sexo. Tara e foda boa! Não me arrependi nenhum dia e não vou me arrepender, pois, quem me acompanha sabe, eu escolho ao máximo com quem saio. Eu bloqueio inúmeros homens por dia.

O dinheiro é atraente, mas ter prazer é minha prioridade. Uma feminista como eu jamais faria sexo só pra agradar. Tive dois clientes egoístas e disse que não pretendo mais atendê-los. Sou cortesã, gosto de homens com classe na abordagem, não apenas com dinheiro no bolso. Sacanagem, putaria e indecência a gente pratica quando fode, não falando asneira.

Meu valor está barato ainda. Tem quem ache caro, azar. Acho baratíssimo R$ 500,00 a hora, mas me adequei ao mercado daqui, afinal, não sou bailarina ou “sei lá o que”, que vive para o corpo e gosta de ser vip. Dessas garotas que viajam, anunciam em boates, cronometram o encontro, fingem orgasmo e embolsam a grana. Eu gosto de cada segundo e, se eu não gostar, azar. Daí o dinheiro é um consolo, mas tendo a não atender mais ao cidadão. A graça é que os clientes ruins de cama são rápidos, são os que gozam em 10 minutos! Eu sou discreta, caseira, boa leitora, escritora, blogueira a mesma que sempre fui. Isso eu ainda tenho dos meus 18 anos. Amo-me assim e quem se agradar, ótimo! Enfim, esta é a história do começo da Simone que viralizou na internet em menos de 1 mês. Obrigada à todos que divulgaram minha entrevista nos grupos e etc.. De coração!

Agradecerei pra sempre a minha melhor amiga que, do alto de seus 64 anos de pura liberdade cultural e inteligência me apoiou. Minha mãe!

Beijos de luz!

Cláudia de Marchi



Sábado, 14 de maio de 2016

DOS PARCOS CLIENTES DE ESQUERDA E O FEMINISMO!


...

Conversava recém pelo WhatsApp com um cliente e, praticamente, amigo (mas, não desses chatos que ficam puxando assunto tosco! Nós só conversamos sobre política, religião e coisas afins como amigos e transamos quando ele pode vir e paga os R$ 500,00 pela hora, sem mimimi!) sobre a posição politica dos meus clientes.

Segundo ele, homens de esquerda não gostam de sair com acompanhantes, porque acham que isso macula o feminismo. Bem, apontamentos about: homens, o feminismo não é para vocês, certo!? Vocês não servem como “feministos”, basta não serem machistas, quem define o que avilta o feminismo ou não somos nós, mulheres feministas.

Aliás, como feminista digo mais: sua visão, querido esquerdista radical, é machista! O feminismo deu a mim e a todas as mulheres o direito de fazermos o que bem entendemos das nossas vidas e corpos. Eu, uma mulher muitíssimo bem resolvida, resolvi virar escort de luxo. Gosto de sexo e acho que nenhum homem mais vale uma transa gratuita comigo, afora isso eu não quero e nem preciso de relacionamento amoroso, pelo contrário. Óbvio que essa Cláudia de hoje é uma construção intelectual, moral, afetiva e psíquica. Eu não fui sempre “assim”, portanto. Ou seja, se sou acompanhante é porque isso me faz feliz e nenhum pseudo-feministo de esquerda tem o direito de fazer juízo de valor sobre isso. Simples! Tem dinheiro pra pagar? Gosta de sexo bom, sacana e de uma conversa excelente depois? Sinta-se à vontade, a Simone está aqui. Mas, por favor, se desapeguem de estigmas! Eu faço o que faço porque gosto do prazer e, obviamente, do dinheiro não suado e bem gozado... Risos... Não façam elucubrações tolas e, até, preconceituosas e machistas achando que estão sendo mais “dignos” com elas.

Aliás, sempre fico boquiaberta com os machinhos que dizem que “não gostam/não fazem sexo pago”. Os mesmos tolinhos que enchem as menininhas de vodca em festas e “pegam” a desconhecida em seguida e semi-alcoolizada. Pagou dinheiro? Não, comprou com álcool. Ou com “mimimi” cantadinha, “mimimi” eu sou “doutor e dirijo uma BMW”. Enfim, acredite bonitinho, de formas diferentes, mas você já pagou por sexo sim. Talvez mais barato, talvez com quem se venda por futilidades, mas pagou. Sinto lhe informar.

Talvez seu medo seja ter um encontro frio com a acompanhante, mas os meus costumam ser calorosos, descontraídos e animados. Só não são assim quando o cliente é um bobinho retraído, mas, como comigo não tem fingimento, a frustração fica estampada sem disfarce no meu lindo e rosado rostinho.

Aliás, eu faço questão de comunicar, após a pseudo-transa, que se você pretender ser sempre “assim” deve procurar outra guria. Não serviu pra me fazer gozar, dispenso o cliente. Cara, eu gozo muito fácil, tem que ser muito inapto para não me fazer gozar ao menos uma vez né?! Só tive dois clientes assim! E, certamente, eles não voltarão.

Vocês, provavelmente não conhecem esse clássico do pop-rock-sertanejo-cult gaúcho! Lhes apresento...Sem mais!

Não creio em paz sem divisão

De tanto amor que eu espalhei

Em cada céu em cada chão

Minha alma lá deixei...

Cláudia de Marchi



Sábado, 14 de maio de 2016

Uma pequena INDIRETA super DIRETA AOS TOLINHOS DE PLANTÃO!


"Ela é acompanhante, independente de qualquer coisa, tendo a grana do cachê ela atende". Amigo, volte duas casas e pegue seu cérebro e o bom senso!

Eu sou acompanhante de luxo, mas advoguei por 11 anos (passei no meu primeiro exame da OAB, em junho de 2005!), tenho uma ótima pós-graduação, lecionei para centenas de pessoas, estudo psicanálise, sou blogueira/cronista desde 2007 (outro site, não este, obviamente), o meu nome fictício homenageia à Simone de Beauvaior, ou seja, além de tudo eu sou feminista! (Sou, sim senhor!). Bom trato, respeito e educação é o mínimo!

Me valorizo mais pela cultura, bom gosto, boas leituras do que por ser formada ou especialista. Diploma, infelizmente, qualquer analfabeto funcional consegue. Mera "repetição de fórmulas". Fazer um curso superior é fácil, difícil é ler algo além de livrinhos da moda, é ter a mente livre, é ir além do trivial, do senso comum.

Sempre amei sexo, mas nunca fui volúvel ou fácil. Pelo contrário! Enfim, mané, você acha mesmo que só o dinheiro me importa? O "luxo" depois do acompanhante não é só porque sou bonita, tenho uma bunda redondinha e dura e um belo par de firmes seios naturais, é porque o resto (cérebro e cultura) são luxuosos e o gosto nato por sexo e orgasmos múltiplos são raríssimos de encontrar! E, consequentemente, isso é o mínimo que exijo dos meus clientes.

Dinheiro para me pagar qualquer cidadão pode ter, desde o milionário semianalfabeto até o trabalhador inculto que guarda seus trocados honestos mês a mês. Sequer de clientes cativos eu olvido em me afastar acaso aquela intimidade típica de namoros se instale e o sujeito se dê ao direito de começar a ser tosco e a falar tosquices para mim. Eu não quero ninguém se sentindo no direito de dar opinião não pedida na minha vida ou a respeito de como eu sou ou ajo. Não quero ninguém fazendo comparação imbecil ou querendo "prever" o meu futuro como mulher, cortesã ou intelectual devassa.

Sou boa, gostosa e sacana na medida em que o cara também é "bom", para isso existem espelhos e auto-análise. Se eu quisesse alguém se sentindo "íntimo" meu só porque transamos, eu estava por aí atrás de um "grande amor" ou casamento. Sou feliz sozinha, por mais que nenhum machista conservador acredite, problema deles ter a mente tacanha, não meu.

Sou diferente de todas as mulheres desta "área" das quais eu já ouvi falar, motivo pelo qual não tenho amizades. Nem busco, eu não quero só ter dinheiro (parcerias ajudam), quero viver em paz! Ademais, jamais farei ménage com mulheres. Só com homens! (Pênis o ponto forte do sexo masculino. Sexo bem feito: um dos únicos momentos em que o ego masculino "desinfla").

Tenho 3 melhores amigos: minha mãe, o Zeus e o Pequeno Bolota, meus gatos. Eles me bastam e entre nós não há inveja, competição, intrigas e essas mediocridades humana.

Não me deslumbro com a fama que o interior me deu, com o dinheiro, com os lugares suntuosos que eu venha a ir e já tenha ido. Minha alma, além de livre é incorruptível com futilidade. "Ah, vai em eventos ostentar a sua beleza", "você já é vip, aproveita". Eu não gosto, não sou muito fã de ambientes noturnos e não curto me exibir como picanha em promoção no açougue. E aí está o lance: NÃO É SÓ PELA GRANA! Mantenho meu jeito caseiro, meu gosto por literatura e filmes cult (uma dica, o filme Truman! Argentino-espanhol com o super Ricardo Darín! Vou assistir domingo, mas está passando aqui só no espaço Itaú de cinema!).

Mas, enfim, meu caro, sabe o ditado que diz que "o diabo sabe para quem aparece"? Então, seja como o diabo!

Beijos de luz!

Cláudia de Marchi



Quinta-feira, 12 de maio de 2016

HORÁRIOS ADEQUADOS PARA LIGAÇÕES.


Prezados, durmo por volta da meia noite, 1h. Com muita sorte, antes (ninguém mantém uma beleza jovial com escassez de sono). Silencio os meus aparelhos de telefone antes de dormir, portanto, quem me liga as 3:00, 4:00, provavelmente nunca será atendido. Se você consegue segurar a vontade de transar, mande mensagem que respondo ao acordar, do contrário, não retorno. Acho muito sinistro ligar de madrugada para pessoa alguma. Anota o número e comunique-se depois. Atendo clientes qualquer horário desde que marquem com antecedência e, no mínimo, liguem marcando antes das 23 horas. Já escrevi sobre a diferença entre cortesã e uma prostituta qualquer. O auto-respeito, a elegância e a seletividade são algumas delas, por exemplo. Eu sou sim, uma gostosura, mas mesmo que você pague, saiba que não me dou pra qualquer um. Há de saber ser fino desde o primeiro contato. O cliente de hoje à tarde que o diga (vide texto anterior). Obrigada.

Cláudia de Marchi



Domingo, 8 de maio de 2016

Pequena crônica sobre PECHINCHA.


Frente a um produto caro eu não sei qual pechincha é mais desprezível, se é a do rico ou a do pobre. O rico barganha por hábito, para ver se "sai no lucro". Gente rica no bolso, mas pobre de espírito e de finesse, acha que pode colocar preço no produto alheio. O pobre por sua vez, age de forma delirante e até arrogante por insistir em ter algo que não cabe no seu orçamento, ou seja, há irrealismo puro. Se você não tem dinheiro para comprar um batom da MAC ou cosmético da Lâncome para dar para sua esposa, vá de Avom, Jequiti, Natura e etc.. Se você não pode comprar uma joia na H. Stern ou na Vivara, vá de bijuteria da Morana. É mais digno, educado e econômico. E você não faz papel de ridículo entrando numa loja de tais marcas e pedindo preço menor, porque você está financeiramente mais apertado do que saco de cantor sertanejo. A economia e o valor das coisas não se adaptam à sua condição financeira, você que deve adaptar a sua escassez de dinheiro à economia e buscar produtos mais baratos. Algo simples, fino, elegante e sincero. (Consigo mesmo, inclusive!).

Cláudia de Marchi



Sábado, 7 de maio de 2016

FOTOS e "SERMÃO".


Como sou contatada diariamente para responder sobre valores e o que "faço" (em que pese tudo isso esteja no site www.acompanhantesdebrasilia.com.br, que, a exceção da inversão que está equivocadamente inserida dentre o que curto, trás absolutamente tudo sobre mim) e aqui também, vamos lá? Você tem fantasia de transar enlouquecidamente com uma mulher que gosta de sexo? Esta eu realizo! Vide abaixo juntamente com fotos os RELATOS DE CLIENTES NO SITE GP GUIA. Oral sem camisinha, vaginal, anal e tudo com beijo na boca. Não atendo casais, swing, não faço inversão (não "penetro" homens, nem com o dedo, só faço beijo grego), não transo com outra mulher junto, não tenho conhecidas no meio e não desejo. Trabalho sozinha. Topo mais de 2 homens e voyeurismo, transo na frente de pessoas, mas sem que participem. (Se for homem, tudo bem! Minha fase lésbica ficou nos meus 10 anos de idade.) Antes de "fazer" tudo gosto de clientes polidos, educados e objetivos.

Chegou me chamando de "gostosa", "delícia" e palavras afins, eu fujo pela tangente. Sacanagem se faz, não se fala. Vulgaridade se vive sem roupa e entre quatro paredes e não no "verbo" e em conversas de WhatsApp. Falar sacanagem na cama? A-D-O-R-O! Mas só durante o ato, não no galanteio. Leiam o texto sobre diferença entre cortesã, o que sou, e prostituta, antes de fazer papel de babaca e ser ignorado e bloqueado. Não sou uma acompanhante "convencional", exijo bom e respeitoso trato e só apenas assim terei tesão em você! Do contrário, e se eu não tiver isso, NÃO lhe atendo. Perco dinheiro, mas não a finesse, e o brio. Estou nessa pelo meu prazer, não só pelo bolso. Por isso não olvido em ignorar pretensos clientes.

Menos de 30 dias de experiência me mostraram que os homens que precisam "quebrar o clima", conhecer antes e mimimi a fim são os que menos gostam realmente de sexo e me fazem gozar. Os bons de língua, de pegada, de inteligência e cultura são os que "descontraem" durante e após a transa. Quanto mais me incomoda no WhatsApp, pior o desempenho na prática. Os melhores marcam e vem "descontrair" e "quebrar o gelo" nos meus beijos e comigo. Ah, os melhores beijam muito e garantem a melhor transa que já tiveram. E com uma mulher poliorgasmatica. SOU MULHER PARA HOMENS QUE GOSTAM DE MULHER! (Gostam assim, em "caixa alta"). Beijo, anal, vaginal, oral sem camisinha e finalização onde quiser, eu faço com muito, muito gosto! Gosto disso. Tem tudo aí pra trás no blog, mas tem quem tenha preguiça de ler. Valores: R$ 500,00 a hora, pernoite das 23:00 até às 07:30: R$ 2.500,00, dai em diante adicional da hora normal. Valores para viagem: à combinar, sendo a regra R$ 1.500,00 por dia e despesas pagas. Sexo com dois homens: R$ 1.500,00 à hora. Homem, não travesti. E, uma dica: a satisfação no encontro depende de quem contrata. Clientes que não gostam de beijar: PROCUREM OUTRA ACOMPANHANTE. Cliente que só quer fazer sexo anal, sem o vaginal (tem desses!): PROCUREM UMA TRANS OU TRAVESTI, no fundo você não gosta de vagina. Cliente que não gosta de FAZER SEXO ORAL: SAIBA, ao menos, BEIJAR E USAR OS DEDOS. Cliente que quer me contratar por mais de uma noite: SÓ O FAÇA SE FOR CULTO, porque eu gosto de conversar e ninguém fica ininterruptamente transando. Abaixo fotos:

Cláudia de Marchi - Acompanhante Brasília - DF

Cláudia de Marchi - Acompanhante Brasília - DF

Cláudia de Marchi - Acompanhante Brasília - DF

Cláudia de Marchi - Acompanhante Brasília - DF

Cláudia de Marchi - Acompanhante Brasília - DF

Cláudia de Marchi - Acompanhante Brasília - DF

Cláudia de Marchi - Acompanhante Brasília - DF

Cláudia de Marchi



Sexta-feira, 6 de maio de 2016

Sobre ser gostosa e ser gostoso: textinho de sexta-feira à noite!


Cláudia de Marchi - Acompanhante Brasília - DF

Quando vocês falam que uma mulher é gostosa, vocês querem dizer que ela é bonita, linda, sarada, magra ou que ela é boa de cama? E vocês meninas? O gostoso pra vocês é o bonitinho, o sarado ou o bom de cama? Partamos do pressuposto de que ser bom no sexo é ser despudorado, sacana, é saber dar prazer ao máximo e entregar-se à ele também, é fazer tudo ardentemente e, ao mesmo tempo, sem pressa, sem nojinho, sem mimimi. Este é o meu conceito de pessoa gostosa no sexo! Certo?! Agora volte à palavra "gostosa" e "gostoso" usado a torto e à direito por aí diante de pseudo programas de TV onde corpos femininos são exibidos como picanha no açougue e em promoção em véspera de feriado. E você gatinha, acha que é justo chamar o saradinho, alto, moreno e sensual cuja língua só serve pra tirar alface dos dentes de gostoso? Ou o outro cuja única habilidade é meter o pau na vagina da mulher? E você garotão acha justo chamar a menina que acorda às 5:00 da matina pra malhar e que não gosta de ficar por cima para não mostrar "dobrinhas" (dependendo da posição todas as tem!), ou a outra que não fica de quatro por causa da pressão do homem na bunda e celulites que aparecerão com o atrito, ou a magrinha siliconada que chupa o pau do cara como se estivesse chupando um pirulito de óleo de rícino? Gente, em resumo: ter um corpo dentro do padrão imposto pela mídia, ser novinha, ser vaidosa e etc. não tem nada, absolutamente nada a ver com ser gostosa na cama! Claro que a barriga grande em alguns homens limitam as posições e é lógico que seria mais fácil desenvolver a transa se ela fosse menor, mas não é um empecilho imenso não. Não quando se sabe usar a língua e os dedos com talento! Tem também muita menina roliça, feliz e sacana, tão gulosa na cama quanto na mesa, tem muita quarentona que goza mais do que as dezoitonas da vida! Corpo é uma coisa, tara, gosto por sexo e liberdade pra gozar são outras, bem diferentes! Quanto mais bem resolvida psiquicamente a mulher é, mais mulher, no sentido literal e intenso no termo, ela se torna (Simone de Beauvaior: "não se nasce mulher, torna-se mulher) e, consequentemente, mais liberta de pudores elementares a educação machista que as fazem pudicas, frias e até frigidas a mulher se torna! E mais prazer ela terá e dará! Despeçam-se de conceitos meramente visuais e vocês descobrirão o melhor do sexo! Descobri isso há anos, desde o meu primeiro namorado, marido até o ultimo romance que tive antes do dia 11/04/16 (primeiro dia como escort) e redescubro com cada cliente que tenho. Beleza é uma coisa que pode ser atraente aos olhos, mas corpo ou o que for não faz gozar. Ser bom de cama não tem nada a ver com padrões de beleza! Aliás, quem se apega à eles em excesso (obsessivamente) pouco se "garante". (E olha que nem estou falando no cérebro, na cultura, no bom gosto, no bom trato, na finesse, na educação e na elegância né?! Não vou falar porque se não eu escreveria um tratado!).

Cláudia de Marchi



Domingo, 1 de maio de 2016

Conselhos de mãe valorosos e dicas para as meninas!


Cláudia de Marchi - Acompanhante Brasília - DF

Boa tarde gente! Que triste ter que usar o celular para escrever! Espero que meu notebook ressuscite! Acabei de atender um cliente de exatas: professor de física! Um fofo, está com o pé num namoro, ficamos só nos carinhos mesmo e ele gozou. A conversa foi longa e prazerosa. E ele me pagou mais de R$ 250,00 a mais pela hora. Um lord! Tava aqui me lembrando da sapiência da minha mãe. Entre final de fevereiro e o dia em que vim pra Brasília, período de maturação da ideia de tornar-me acompanhante, tive duas crises de covardia. Eu dizia pra minha mãe que para ter lucro eu teria que fazer coisas que não curtia, transar com mulheres e fio terra por exemplo. Ela dizia: "Quem te disse isso? Você só deve e irá fazer o que lhe dá prazer!". Eu, como a maioria de vocês sempre achei que a vida das acompanhantes fosse vazia, que elas tivessem que se sujeitar à tudo e sentissem nojo ou tristeza. Eu achava que nenhum homem quisesse agradar uma escort na cama, pois eles estariam pagando!Ledo engano meu! De fato, cobro um valor que não atrai qualquer um, mas os meus cortejados são demais! Como cansei de dizer, tenho mais prazer com eles do que com os homens que namorei. Eu, sou extremamente categórica e direta sobre o que faço ou não faço. Não atendo casais, pois não tenho tesão por mulher, não sei "comer homem" de forma alguma e isso não me excita nada, não faço swing ou coisas afins. Atendo mais do que um homem por uma hora num valor de R$ 1.500,00 a hora se forem 2 ou R$ 2.000,00 se forem três. Não atendo mais do que 3, porque me faltam cavidades penetráveis... Risos... Enfim, como cortesã eu não topo tudo, não vou até cidades satélites pobres e nem vou à festas sem receber adiantado. Tenho uma vida especialmente discreta e caseira como sempre tive e é como sou feliz. Não tenho amizade ou intimidade com colegas e nem quero. Pelo contrário, cada uma na sua. Já ouvi dizer que é preciso ter parceria nessa área e tal, mas pra mim não, pois não faço ménage de duas mulheres. Amo, simplesmente amo ficar sozinha! (Eu sei que sou esquisita!). Claro que livrarias, shopping, restaurantes e shows são bem vindos, Pubs talvez, mas não como Simone, apenas como Claudia e sem ficar com ninguém. Existem estupradores por aí, homens que batizam a bebida da garota, motivo pelo qual, cervejada em lancha e festinhas afins eu não vou. Apenas e tão somente com depósito antecipado do valor correspondente ao tempo em que irei abrilhantar o "evento". Não há nada de "topa tudo" por dinheiro na Simone, acompanhante de luxo. E feminista, que antinômico né?! Mas existe, eis-me aqui! Risos... Eu quero ter prazer, não apenas dar. O que me deixa desconfortável eu "passo". E deixo esta dica para as colegas de ofício: não percam o respeito por si mesmas fazendo coisas só por dinheiro. Cobrem mais e façam só o que realmente gostam! Simples assim. Sem desespero, sem autodepreciação e um sorriso após o atendimento e sono tranquilo e reparador à noite!

Cláudia de Marchi



Segunda-feira, 25 de abril de 2016

Da Cláudia à Simone. Dos erros à paz. Da prostituição da alma ao aluguel da companhia.


Há não muito tempo, confesso-lhes, eu queria encontrar um amor e dava muito de mim para seduzir os homens que me chegavam. Outro dia, ainda, com um adorável cliente, conversamos sobre cinema. Disse a ele que em Sorriso/MT, apesar de gostar muito da sétima arte, fui ao cinema apenas uma vez, pois os filmes demoravam a serem lançados no cinema local.

Contei-lhe, pois que assisti a comédia "Homens são de Marte e é pra lá que eu vou...", ainda disse a ele que a personagem protagonista era uma caricatura de todas as mulheres, pois mudava de personalidade conforme o pretendente. Mas, há poucos, rindo sozinha, lembrei-me de meu passado... E me identifiquei com a caricatura de toda mulher que cultiva o romantismo abusivo em mente.

Eu sempre tive personalidade forte, poucas certezas, mas muitos princípios. Todavia, já fui carente. Filha única, vi os meus pais se divorciarem justo quando me formei (eu tinha 22 anos quando me graduei e passei na OAB) e minha mãe sonhava em viajar com o marido na boleia do seu caminhão... Vi com muito pesar a mulher que mais admiro no mundo (e sem a qual eu não estaria aqui em Brasília na minha nova profissão) sofrer! Justo ela que teve meu pai como único homem na cama e fora dela. Senti, naquele momento, vontade de ter um refugio, de fugir da rotina entre eu e ela e a Fifilinda, nossa gatinha naquela época.

Fui vítima de uma sogra elitista que me tratava mal porque eu era mais jovem e mais pobre que seu filho. Deixei-o, conheci meu ex-marido quando ainda era apaixonada pelo o outro que, com 42 anos, naquela época, não se posicionava frente à mãe dominadora e maldosa (apesar de religiosa, muito religiosa! Coisa que, pra ajudar, eu nunca fui...).

Este, o ex-marido, em breve me fez apaixonar-me, mas ele era um machista que me endeusava e depreciava todas as mulheres que existiam. Eram todas "vadias", eu era a lady que domou o seu “indomável” coração. (Quisera eu ser uma das vadias que ele criticava!). Eu era uma machista com ele e como ele.

Assim como já fui fã ambientalismo graças a outro, super natureba com um, super nerd fã de rock irlandês com outro, bastante elitista com o último. Ou seja, eu prostituía a minha essência, não o meu corpo. Em prol do que? De ter um amor, uma companhia? De ilusões, isto sim! Obviamente todos se apaixonaram por mim! Eu era a alma gêmea deles. Aham! Era, porque omitia uma parte de mim, até que eu mesma me cansava e terminava com eles.

Sem dó, nem piedade, diga-se de passagem. Um deles até disse que aquela canção sertaneja sem letra do Fernando e Sorocaba, “Mármore”. (coração de mármore) ou algo assim, foi inspirada em mim.

Eu prostituía a minha essência para ter um relacionamento. E eles também nunca foram após uns meses o que eram ao me conhecer. Eram estelionatários afetivos, só que criavam apego por mim. Por quê? Porque na cama eu sempre fui tarada. A relação podia estar péssima, tesão não me faltava. (Credo, lendo isso até parece estranho. Mas é verdade! Eu transei com meu ex-marido na noite anterior a eu tomar coragem e deixa-lo. Ele era violento verbal, física e psicologicamente, mas em tal época ele estava usando muito bem a máscara do “eu mudei como eu disse que mudaria”).

Hoje eu alugo uma hora ou mais do meu corpo, do meu afeto e da minha alma, mas eu sou mais minha, eu me amo mais e gosto da minha vida como nunca amei ou gostei.

Acreditem: prostituir ou alugar o corpo (não é venda, porque ninguém me leva para nunca mais entregar, do contrário o valor seria astronômico... Risos...) não é o que de pior eu já fiz na vida!

Eu não minto, não sou falsa, não iludo e nem sou iludida, eu sou eu mesma com meus clientes e sou deles pelo tempo que desejam, mas sem legar minha forma de pensar a “coisa nenhuma” para conquista-los. Eu não preciso conquistar o seu amor, eu já me amo o suficiente. Eu quero mesmo é ter e dar prazer e, depois, tomar uma taça de vinho, uma cerveja gelada, ler um livro, assistir a um filme ou seriado, escrever uma crônica e dormir tranquila! E só, porém muito, muito em paz.

Libertar-se da necessidade de ter alguém ao meu lado para viver só, ser minha, só minha é o que de melhor fiz nesta minha linda e muitíssimo intensa e bem vivida existência!

Cláudia de Marchi



Sexta-feira, 22 de abril de 2016

Sobre ser demasiado direta, segura e objetiva e a falsa impressão alheia...


...Hoje o meu adorável cliente com quem passei a manhã na chiquérrima suíte que mencionei anteriormente me disse que pareço ser arrogante nas postagens em que falo sobre fotos e "esquemas" que não faço, enquanto as outras gurias por aí fazem e tal.

Estranho, eu nunca fui arrogante. Já lecionei, fiz defesa em tribunais de Justiça, atuei em júris (acreditem!!!), era reconhecida na academia de Direito lá do fim do mundo, dando palestra, organizando semana acadêmica e nunca, nunca pessoa alguma me chamou de arrogante ou de aparentemente sê-lo. Fato é que eu apenas sei o que sou, do que sou capaz e sou perfeccionista, exijo muito de mim (talvez por ser filha única né?!). Fato é que não nasci ontem e conheço o mundo e sim, eu sei que tenho diferenciais em relação a outras moças.

Quando eu era uma bela, recatada e batalhadora advogada eu sabia disso. Sempre deixei todos os homens que tive loucos (no bom sentido)! Não foram muitos homens, mas as relações foram intensas de forma que eles me pediam em casamento em menos de 3 meses de relação. E eu não acho que constatar uma verdade seja ser arrogante.

Eu não quero humilhar ninguém, eu só falo o que penso, afinal o blog é meu né?! Não estou em blog de menina que tira foto ginecológica criticando-a, por exemplo. Ademais o corpo e a atitude é dela e cada um coloca o preço que deseja em si e faz o que lhe dá prazer. (Prazer é a palavra de ordem no meu ofício!!).

Cada mulher neste meio em que estou tem seus gostos, duas metas, seus sonhos e suas predileções, inclusive no que tange ao cliente e até nisso eu tenho aspirações altas e de gosto requintado, para dizer pouco.

Estou, pois num espaço meu falando do que gosto e do que não gosto, sem demasiadas pretensões.

Eu não quero, aqui, desprezar alguém, eu só falo do que penso, dou exemplos e falo de mim. Minha intenção jamais será depreciar alguém, apenas manifesto minha opinião sobre o mundo do sexo e fora dele também, obviamente algumas pessoas se sentirão alvitadas, mas agradar a todos não é nem nunca foi uma meta minha.

Então, falando um pouco mais deste ser antinômico e que causa má impressão desnecessariamente (euzinha, enfim): vocês já ouviram falar de um livro chamado "Porque os homens fazem sexo e as mulheres fazem amor?"?! É bem instrutivo. Fala das diferenças hormonais e genéticas entre os sexos.

Há também um teste em que se avalia por meio de questões o quão "feminino" ou "masculino" o nosso cérebro é. Pode parecer bobagem, mas o meu sempre aparecia como 90% masculino! Meu melhor amiguinho nos temos de faculdade (em que eu queria casar virgem) brincava: "Tu és a minha melhor amiga homem!".

Enfim, eu não sou diferente, eu não sou devassa e sacana, sempre bem disposta e etc., porque me acho melhor do que as demais, eu sou assim porque eu nasci homem num corpo de mulher e não minto. E, se parece que "falo mal" das outras, é mero engano. Eu só dou a minha opinião e falo como eu sou.

Esse jeito de advogada e ex professora, como diz minha mamãe, é muito "positivo" e tem quem não goste e confunda isso com arrogância. São pessoas que não me conhecem profundamente e que se dão ao triste direito de julgar quem pouco conhecem. Eu só sou uma mulher demasiado segura de mim, bem resolvida, objetiva e direta. Não sou maldosa, orgulhosa e petulante, pelo contrário, eu sou simples, afável e doce, todavia, a minha objetividade e forma direta de expressar irrita alguns.

Fazer o que? Nem Cristo agradou a todos! Agora, se você me contratar por uma hora e não gostar do serviço eu devolvo o seu dinheiro! Ha-Ha-Ha! Eu gosto do que faço e faço por prazer! Este é o meu diferencial! Se não for pra fazer gozar e gozar gostoso eu nem atendo. Simples. Doa a quem doer.

Cláudia de Marchi



Quinta-feira, 21 de abril de 2016

Em prints: como não me abordar.


Vamos combinar algumas coisas:

1- O meu material está na internet e aqui no blog, se desejar mais, me paguem.

2- Para clientes fidelizados eu mando fotos, para os demais, repito, apenas se me pagarem.

3- O prazer é meu negócio, mas não recebo hora extra para dar informação ou conversar com clientes pelo whats. Portanto, prime pela objetividade para não criar uma antipatia broxante.

4- As demais mulheres deste meio postam foto até do útero na internet e por redes sociais. Legal né?! Mas, eu não PENSO como elas.

5- Para valorizar o meu serviço você precisa saber que sou diferenciada e deve SABER EXPLORAR A MINHA DISTINÇÃO! Então você verá que o valor de uma hora minha lhe saiu barato! Obrigada. Simone S.

Abaixo, exemplo prático de como me afugentar:

Cláudia de Marchi - Acompanhante Brasília - DF

Cláudia de Marchi - Acompanhante Brasília - DF

Cláudia de Marchi - Acompanhante Brasília - DF

Cláudia de Marchi



Quarta-feira, 20 de abril de 2016

Pontos em comum entre os meus homens favoritos...


Vamos falar, brevemente sobre o que eu mais gosto na postura dos homens e, via de consequência, o que meus clientes prediletos têm em comum: 1- pontualidade: eles são lords ocupados e sabem que, assim como eles, eu tenho muito que fazer na minha bela e sensual existência!; 2- São despudorados e querem e sabem me agradar dos beijos ardentes ao sexo oral, penetração anal e convencional com dedos... Hummm! Delícia! ;3- Enfim, correlacionando está a anterior, eles sentem prazer em me fazer gozar, não são menininhos imaturos com nojinhos, pudores e preconceitos tolos e broxantes!;4- São seletivos! Meus clientes preferidos tem um nível intelectual privilegiado, não gostam e nem desejam acompanhantes baratas cuja maioria das fotos na internet são ginecológica, ou seja, mostrando a vagina e escondendo o rosto! 5- São decididos: meus clientes preferidos não ficam me atormentando no whatts pedindo fotos especiais, vídeos e etc.. Eles querem sexo: se atraem por mim e pronto: me contatam, me chamam, marcam um horário e vêm para o pedaço do céu que eu chamo de residência! Sem lengalenga bagaceira antes! 6- Eles, os meus favoritos, sabem conversar, são cultos, politizados, tem bom gosto e sabem interagir! Não são do tipo "vim só te comer", eles demonstram terem um cérebro interessante, além de um órgão sexual ávido por prazer.

Enfim, agradeço aos meus clientes favoritos por, acreditem, me fazerem recuperar a fé na humanidade! Saibam que a Simone é o cúmulo da franqueza e cada coisa que lhes digo é muito, muito sincera!

Beijos!

Cláudia de Marchi



Domingo, 17 de abril de 2016

O que eu tenho de torta, eu tenho de feliz!


Ouço de algumas pessoas uma irresignação com a minha escolha. Como advogada eu ouvi por anos o tal: “Por que você não faz concurso pra ser juíza, promotora, delegada?”. A resposta era obvia: porque eu não gosto do exercício dessas funções. Eu não sei ser imparcial e também não me sinto bem defendendo os interesses do Estado. Simples. Falta vocação e apreço. Falta tesão!

Como cortesã, existe uma irresignação: “Ache um deputado para lhe sustentar! Um ministro, um senador!”, ou então, “se alguém quiser lhe sustentar você vai parar né?!”. Gente, hoje à noite farão 7 dias do meu primeiro encontro.

Eu não estou sofrendo, aliás, eu nunca me senti tão livre na minha vida! Eu danço sozinha em casa, eu canto Elis Regina com a minha voz horrenda! Eu amo o que faço, eu tenho prazer. Não só vários orgasmos, mas prazer psíquico. Eu durmo sorrindo! Eu quero parar quando terminar meu Mestrado e Doutorado, quiçá! Isso se eu não começar a cursar Psicologia! Enfim, eu mal comecei, não tenho pressa pra parar.

Quero escrever um livro futuramente, abrir uma empresa voltada para esse mercado do sexo, mas com nível, com elegância e classe, o que é raro! Até o melhor dos sites da cidade são vulgares, são banais!

Eu sempre fui perfeccionista. Ariana, do tipo que chora de raiva quando acha que não fez algo bem. Quero ser cada vez melhor, me divertir mais, curtir mais, conversar mais, conhecer mais a alma masculina! Vocês sabem que também têm alma né?! Já repararam que a sociedade só fala da “alma feminina”, como se homem fosse só um ser materialista e material. Um pênis, barba, ambição e mais pelos e força física que as mulheres.

Eu gosto de homem. Eu gosto da anatomia externa de vocês. Gosto do cheiro. Do gozo e tudo o mais. E vocês me fazem bem! Sabem o que fazer pra me agradar e, o que melhor, fazem!

Eu não sou imune a me encantar por alguém e escolhê-lo em detrimento da minha liberdade, independência e renda como escort. Mas não tenho isso como objetivo de vida, do contrário teria me casado com um latifundiário da soja lá no Mato Grosso.

Eu não finjo nada. Nem orgasmo, nem apreço, nem admiração e nem amor. E pra ficar unicamente com uma pessoa, não se trata apenas de dinheiro, de uma cobertura num local nobre, de um carro importado, de uma mesada, do patrocínio dos cursos que desejo fazer. Monogamia requer afetividade, admiração, carinho e amor, não só tesão.

Eu gosto de dinheiro, mas não sou interesseira. Não entabulo relacionamento algum por dinheiro, pois, repito, se assim fosse eu não estaria aqui. Eu prefiro pênis e sexo a dinheiro. Eu prefiro transas loucas e mil sacanagens a me fazer de “mulherzinha apaixonada” se eu não estou, de fato, apaixonada pela pessoa.

Eu acredito no amor. Mas também acredito no amor próprio e eu não me legarei ao segundo plano para ficar com uma pessoa por dinheiro. Por amor, quem sabe, mas só por dinheiro, não. Jamé! Eu sou acompanhante, escort, cortesã, não puta. Tenho brio, vergonha na cara, classe e moralidade. Não me escravizo por nada ou por ninguém se minha alma não deseja.

Dinheiro? Eu adoro sim, mas o meu. O que eu ganho trabalhando. E, claro, curtindo muito! O resto é com a vida, com o futuro, com o acaso, com a sorte! No momento eu só quero curtir essa cidade linda e a tranquilidade de uma consciência tranquila e serena.

"Pode falar que eu não ligo,

Agora, amigo,

Eu tô em outra,

Eu tô ficando velha,

Eu tô ficando louca.

Pode avisar que eu não vou,

Oh oh oh...

Eu tô na estrada,

Eu nunca sei da hora,

Eu nunca sei de nada.

Nem vem tirar

Meu riso frouxo com algum conselho

Que hoje eu passei batom vermelho,

Eu tenho tido a alegria como dom

Em cada canto eu vejo o lado bom.

Pode falar que eu nem ligo,

Agora eu sigo

O meu nariz,

Respiro fundo e canto

Mesmo que um tanto rouca.

Pode falar, não me importa

O que tenho de torta

Eu tenho de feliz,

Eu vou cambaleando

De perna bamba e solta.

Nem vem tirar

Meu riso frouxo com algum conselho

Que hoje eu passei batom vermelho,

Eu tenho tido a alegria como dom

Em cada canto eu vejo o lado bom.

Nem vem tirar

Meu riso frouxo com algum conselho

Que hoje eu passei batom vermelho,

Eu tenho tido a alegria como dom

Em cada canto eu vejo o lado bom."

Cláudia de Marchi



Terça-feira, 12 de abril de 2016

SOBRE FAZER SEXO POR $: TEXTO DEDICADO PARA AS CURIOSAS DE PLANTÃO!


“Simone como foi fazer SEXO POR DINHEIRO PELA PRIMEIRA VEZ?”. Gente, foi como fazer sexo! Vocês nunca transaram com alguém movido por palavras doces, declarações de prezar, juras de carinho, afeto e até amor? E depois se frustraram na cama e fora dela? Se já lhes aconteceu isso, minhas lindas, vocês já fizeram sexo pago. Por desilusão, no caso. E baseado em ilusão, em suma.

Quem nunca né, meninas?! Confesso que sempre tentei evitar. Sou uma mulher difícil de levar pra cama pra caramba. E mais difícil ainda de transar duas vezes com o mesmo cara. Até agora, claro.

Digo eu como mulher, não como acompanhante.

Via de regra, os caras queriam namorar comigo antes de transarmos. Foi assim em quase todos os meus namoros. E, já tive relações quase de namoro, mas que após a primeira transa eu fugia do cidadão. Por que? Porque via que ele era furada! Muita lábia, pouca atitude afetiva. Ora essa gente, eu me valorizava antes e depois de virar garota de programa. Sei o valor que tenho.

Mas, enfim meninas: sexo é sexo e sexo é bom! Sexo com o mesmo homem a noite toda é melhor ainda, mas se a gente está trabalhando de acompanhante e o cara não pode nos pagar a gente não pode se dar a tal prazer né?! E essa é a única vantagem em ser casado ou ter namorado. Isso, claro se ele for quente!

O principal requisito para fazer sexo por dinheiro é gostar de sexo, gostar de pênis, gostar de chupar...e se entregar! Relaxar e gozar, com a certeza de que você não vai sair dali frustrada, porque recebeu pouco carinho, porque o cara só pensa nele ou coisas assim. Vai sair dali com seu cache, vai pra casa, toma um banho, bebe uma taça de vinho e guarda sua grana sem receber frustração alguma, porque ele ficou frio, não mandou mensagem ou, enfim, é um babaca afetivamente broxante!

Me acompanhem aqui... E se você for mulher e quiser marcar só pra conversar me liguem! Faço um preço legal!

Cláudia de Marchi